Direito Administrativo (52)
7 pág.

Direito Administrativo (52)


DisciplinaDireito Administrativo I53.672 materiais982.289 seguidores
Pré-visualização2 páginas
finalidade, são 
chamados vícios redibitórios.
"Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, assim como a inclusão em qualquer sistema de processamento de dados. A 
violação do direito autoral é crime punido com prisão e multa (art. 184 do Código Penal), sem prejuízo da busca e apreensão do
material e indenizações patrimoniais e morais cabíveis (arts. 101 a 110 da lei 9.610/98 - Lei dos Direitos Autorais).\u201d
www.r2direito.com.br
04
Conceito: 
.
Se no momento da aquisição o adquirente sabia ou presumia que a coisa era defeituosa, não há que se falar 
em vício redibitório porque o adquirente sabia do seu estado e mesmo assim quis recebê-la. 
A garantia somente se operara se o defeito existir no momento da conclusão do contrato, ao tempo da 
transferência da coisa. Não pode ser originado em causa posterior à entrega.
Também deve ser grave a ponto de o contrato não se realizar se o adquirente soubesse anteriormente do 
problema. Esclarece Sílvio Venosa que "
".
Má-fé do alienante: Se o alienante ou vendedor, sabendo do defeito mascarar o problema, será 
obrigado a indenizar o adquirente pelos prejuízos que der causa e pela privação da vantagem que essa 
pessoa obteria se a coisa estivesse perfeita, ou seja, responderá pelo lucro cessante e pelo dano emergente.
Ação quanti minoris: Esclarece o artigo 442 do Código Civil que o adquirente "
". A figura do abatimento no preço é conhecida através da 
ação quanti minoris, utilizada não só para redução do valor do bem, mas também quando ele se tornar 
impróprio para o uso a que se destinava. E a opção de escolha tanto da ação redibitória, quanto da ação 
quanti minoris é da parte que adquiriu a coisa, ficando também sob sua responsabilidade a prova do defeito.
Evicção
Conceito: A evicção ocorre quando terceiro reivindica em ação judicial direitos sobre o bem 
vendido, ou seja, o adquirente perde a propriedade ou posse da coisa em virtude de sentença judicial que 
reconhece a outra pessoa o direito sobre o bem reivindicado. 
A evicção deriva do princípio segundo o qual o alienante tem o dever de garantir ao adquirente a posse justa 
da coisa transmitida, defendendo-a de pretensões de terceiros quanto ao seu domínio. É requisito 
fundamental que o adquirente não tenha conhecimento que a coisa era alheia ou litigiosa.
Efeitos da evicção: Uma vez configurada a evicção estaremos diante de uma inexecução contratual 
surgindo daí alguns efeitos como: 1) obter a restituição integral do preço ou das quantias que pagou; 2) ser 
indenizado dos frutos que tiver sido obrigado a restituir; 3) ser indenizado das despesas do contrato; 4) ser 
ressarcido dos prejuízos que diretamente resultarem da evicção e; 5) ser reembolsado das despesas judiciais 
e honorários advocatícios.
Porém, se souber do risco da evicção não poderá pleitear a restituição porque o contrato deixa de ser 
comutativo para ser aleatório, ou seja, de risco. 
Art. 441: "A coisa recebida em virtude de contrato comutativo pode ser enjeitada por 
vícios ou defeitos ocultos, que a tornem imprópria para o uso a que é destinada ou lhe diminuam o 
valor"
essa impropriedade para o uso, ou a diminuição do valor, 
norteará a escolha da ação a ser proposta pelo prejudicado, que poderá ser a redibitória, para o 
desfazimento do negócio, ou a 'quanti minoris', para abatimento do preço
em vez de rejeitar a 
coisa, poderá reclamar abatimento no preço
"Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, assim como a inclusão em qualquer sistema de processamento de dados. A 
violação do direito autoral é crime punido com prisão e multa (art. 184 do Código Penal), sem prejuízo da busca e apreensão do
material e indenizações patrimoniais e morais cabíveis (arts. 101 a 110 da lei 9.610/98 - Lei dos Direitos Autorais).\u201d
www.r2direito.com.br
05
Extinção dos contratos
O contrato pode extinguir-se em razão do seu integral cumprimento ou pela inadimplência, 
oportunidade em que se antecipa sua execução.
Resilição: O contrato pode ter seu termo final pela resilição que é o desfazimento voluntário do 
contrato, é a cessação do vínculo contratual pela vontade das partes, prevista no artigo 472 do C.C., ou 
mesmo pela vontade de uma só delas, artigo 473 do C.C. 
Art. 472. O distrato faz-se pela mesma forma exigida para o contrato.
Art. 473. A resilição unilateral, nos casos em que a lei expressa ou implicitamente o permita, opera mediante 
denúncia notificada à outra parte.
Parágrafo Único: Se, porém, dada a natureza do contrato, uma das partes houver feito investimentos 
consideráveis para a sua execução, a denúncia unilateral só produzirá efeito depois de transcorrido prazo 
compatível com a natureza e o vulto dos investimentos.
Rescisão: Já a rescisão é a extinção da relação contratual originada na culpa. A parte que se sentir 
lesada pede a rescisão em juízo e esta é decretada por sentença.
Resolução: O termo resolução é utilizado nos casos de inexecução do contrato por uma das partes. E 
é indiferente a inexecução ser por culpa ou não.
Pacto comissório ou cláusula resolutiva: É a resolução por descumprimento de um dos contratantes, 
independente de estar ou não expressa no contrato.
A exceção de contrato não cumprido não é aplicável aos contratos unilaterais porque não há 
equivalência de direitos e obrigações, ou seja, só existe um devedor.
Art. 475. A parte lesada pelo inadimplemento pode pedir a resolução do contrato, se não preferir 
exigir-lhe o cumprimento, cabendo, em qualquer dos casos, indenização por perdas e danos.
Art. 476. nos contratos bilaterais, nenhum dos contratantes, antes de cumprida a sua obrigação, 
pode exigir o implemento da do outro.
"Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, assim como a inclusão em qualquer sistema de processamento de dados. A 
violação do direito autoral é crime punido com prisão e multa (art. 184 do Código Penal), sem prejuízo da busca e apreensão do
material e indenizações patrimoniais e morais cabíveis (arts. 101 a 110 da lei 9.610/98 - Lei dos Direitos Autorais).\u201d
www.r2direito.com.br