Lixo_San.25-11-09_Modo_de_Compatibilidade_
23 pág.

Lixo_San.25-11-09_Modo_de_Compatibilidade_


DisciplinaResíduos Sólidos Urbanos31 materiais189 seguidores
Pré-visualização1 página
Disposição e Tratamento
\ufffd Compostagem
\ufffd Processo natural de decomposição biológica
de materiais orgânicos.de materiais orgânicos.
\ufffd Pode ser aeróbia ou anaeróbia.
\ufffd Produto final composto orgânico (rico em
húmus e nutrientes minerais)
PROCESSOS DE COMPOSTAGEM
FATORES IMPORTANTES PARA O PROCESSO
- UMIDADE: 40 - 60 %
- AERAÇÃO
- RELAÇÃO CARBONO / NITROGENIO: 18:1
- MACRONUTRIENTES: N, P ó K (3%)
- PRESENÇA DE SUBSTANCIAS TÓXICAS PARA- PRESENÇA DE SUBSTANCIAS TÓXICAS PARA
OS MICRORGANISMOS
- TEMPERATURA: pode alcançar 65º C na bioestabilização
- GRANULOMETRIA
- pH: 6 a 9 no final do processo
- PRESENÇA DE PATOGENICOS
Fases: Bioestabilização: 30 a 45 dias
Maturação: 30 a 60 dias 
Volume: 30 a 40% do volume inicial dos resíduos
Compostagem
vantagens
\ufffdMatéria orgânica: inclui humos, raízes de plantas,
bactérias, fungos, minhocas, insetos, etc.
\ufffdObtêm-se altos rendimentos com o uso combinado de
fertilizantes químicos e orgânicos.
\ufffdA matéria orgânica afeta as características físicas do solo.A matéria orgânica afeta as características físicas do solo.
Os benefícios que podem ser obtidos com o uso do
composto são:
\ufffd melhor estrutura do solo, reduzindo a compactação e a erosão,
especialmente em terrenos com fortes aclives;
\ufffd o aumento da capacidade de retenção de água e fertilizantes
químicos;
\ufffd melhoria das condições de trabalho (é mais fácil arar o solo,
economizando tempo e energía).
\ufffd ampliação da fronteira agrícola pelo uso de solos pouco férteis,
o incremento na produção de alimentos, ou melhoramento na
sua qualidade e o aumento no nível nutricional da população.
Compostagem
\ufffd Limitação: Só fração orgânica
\ufffd Problemas:
\ufffd Custo de implantação e operação\ufffd Custo de implantação e operação
\ufffd Logística cara
\ufffd Produto de baixa qualidade
\ufffd Vulnerabilidade da operação
\ufffd Rejeito tem que ser disposto em
algum lugar
Fluxograma de operação de uma usina de reciclagem e 
compostagem de resíduos sólidos urbanos
Compostagem de lixo
PLANTAS DE COMPOSTAJE EN BRASILPLANTAS DE COMPOSTAJE EN BRASIL
PETROPOLIS, RJPETROPOLIS, RJ
ASSIS,SPASSIS,SPIGUAÇUMEC, LTDAIGUAÇUMEC, LTDA
Usina de Reciclagem e Compostagem de COMLURB
Disposição e Tratamento
\ufffd Incineração
\ufffd Lixo é reduzido cinzas, escórias e gases
decorrentes de sua combustão(< 20% vol.
inicial).inicial).
\ufffd Há um ganho na vida útil do aterro, devido a
redução de volume (aprox. 80% vol. Inicial)
de resíduos a serem dispostos.
\ufffd Composição da carga alimentada determina
as condições de operação.
\ufffd Altos custos de investimento, operação e
manutenção.
Etapas da Incineração
\ufffd Pré-tratamento
\ufffd Incineração
* Combustão primária \u2013 dura de 30 a* Combustão primária \u2013 dura de 30 a
120 min, a cerca de 500 a 800°C.
* Combustão secundária \u2013 dura cerca
de 2 seg, a 1000°C ou mais.
Incineração
\ufffd Limitação: Custo muito alto
\ufffd Problemas:
\ufffd Custo de implantação e operação\ufffd Custo de implantação e operação
\ufffd Possível contaminação do ar -
dioxinas
\ufffd Baixo poder calorífico do lixo
\ufffd Vulnerabilidade da operação
\ufffd Rejeito tem que ser disposto em
algum lugar
Modelo esquemático de incinerador de grelha fixa
Planta atual de incineração de resíduos sólidos urbanos 
(4ª geração) 
Fonte: Kompac
Formação dos Poluentes
Categoria Substância Origem
Poeiras Fuligem, cinzas, sal Todos os resíduos
Gases HCl \u2013 ácido clorídrico
SO2 \u2013 dióxido de 
enxofre
HF \u2013 ácido fluorídrico
PVC, sal de cozinha
Papeis, pigmentos, lama, borracha
Isoladores, Teflon, sprays, refrigerantes
Têxteis, nylon, proteínas, reações secund.HF \u2013 ácido fluorídrico
NO2 \u2013 óxidos de 
nitrogênio
HBr \u2013 brometo de 
hidrogênio
Têxteis, nylon, proteínas, reações secund.
Componentes eletrônicos, têxteis não-
inflamáveis
Metais
pesados
Pb \u2013 chumbo
Zn \u2013 zinco
Cd \u2013 cádmio
Hg \u2013 mercúrio
Baterias, tintas, cortinas
Baterias, tintas, material galvanizado
Baterias, materiais sintéticos
Baterias, termômetros, amalgamas 
Organoclo
rados
Dioxinas Cavacos de madeira, pesticidas, reações 
secundárias
Usina Verde
Usina Verde
Osaka, Japão
Rotterdam , Holanda Chikunan ,Japão
Vienna, Austria
Dinamarca
30
Suécia
29
Finlândia
1
Vienna, Austria
Italia
47
França
128
Alemanha
66
Holanda
11
Suiça
29
Reino Unido
19
Espanha
10
Portugual
3
Austria
8
Republica
-Tcheca
3
Bélgica
16*
1
Luxemburgo
Hungria
1
Eslováquia
2
Polônia
1
Esbierg, Dinamarca
Malmö, Suécia
Ilha de Mann, Reino Unido
Brescia, Itália
Disposição e Tratamento
\ufffd Qual a alternativa mais viável?
\ufffd custos financeiros;
\ufffd característica socioeconômicas da região;
\ufffd custos ambientais.
Reciclagem 
\ufffd A reciclagem é termo genericamente utilizado
para designar o reaproveitamento de materiais
beneficiados como matéria-prima para um novo
produto. Muitos materiais podem ser reciclados e os
exemplos mais comuns são o papel, o vidro, o metal
e o plástico.
exemplos mais comuns são o papel, o vidro, o metal
e o plástico.
\ufffd As maiores vantagens da reciclagem são a
minimização da utilização de fontes naturais, muitas
vezes não renováveis; e a minimização da
quantidade de resíduos que necessita tratamento
final, como aterramento, ou incineração.
RECICLAGEM
\ufffd Transformação de um produto
descartado por alguém em um novo
produto de modo a entrar no cicloproduto de modo a entrar no ciclo
formal de consumo da sociedade
\ufffd Este processo industrial geralmente
utiliza insumos energéticos e impacta o
meio ambiente.
Materiais recicláveis
\ufffd Papel e papelão 
\ufffd Embalagens longa vida 
\ufffd Efluentes industriais
\ufffd Garrafas PET 
\ufffd Latas de alumínio 
\ufffd Vários tipos de metais: cobre, aço, chumbo, latão, zinco, entre outros. 
\ufffd Plásticos: PEAD(Polietileno de alta densidade),
PEBD(polietileno de baixa densidade), PVC(policloreto de Vinila), PP, PS. PEBD(polietileno de baixa densidade), PVC(policloreto de Vinila), PP, PS. 
\ufffd Pneus 
\ufffd Tinta 
\ufffd Restos da construção civil 
\ufffd Restos de alimentos e partes dos mesmos que não foram aproveitadas 
\ufffd Óleo 
\ufffd Galhadas 
\ufffd Garrafas de vidro (cervejas, refrigerantes, etc). 
\ufffd Tecido (sobra de confecções, roupas velhas, etc). 
\ufffd Parafusos 
CEMPRE Set 2009 
Reciclagem
\ufffd Limitação: só pequena fração é
reciclável
\ufffd Problemas:
\ufffd Custo de implantação e operação
\ufffd Logística muito cara
\ufffd Produto de baixa qualidade
\ufffd Vulnerabilidade da operação
\ufffd Rejeito tem que ser disposto em
algum lugar