LINDB-Comentada
36 pág.

LINDB-Comentada


DisciplinaIntrodução ao Direito I92.466 materiais671.805 seguidores
Pré-visualização13 páginas
julgamento do litígio contra a parte que alegou o direito estrangeiro e não demonstrou o 
mesmo; c) a aplicação do ius communis vigente no fórum, na falta de prova concludente do 
direito alienígena; d) rejeição da demanda fundada em tal lei, julgando a ação 
improcedentes; e) a decisão conforme a norma provavelmente em vigor no país em que se 
cogita e f) julgamento de acordo com os princípios gerais de direito, ou seja, com um 
direito comum a que a norma alienígena se coaduna45.
Art. 15. Será executada no Brasil a sentença proferida no estrangeiro, que reúna os 
seguintes requisitos:
a) haver sido proferida por juiz competente;
b) terem sido os partes citadas ou haver-se legalmente verificado à revelia;
c) ter passado em julgado e estar revestida das formalidades necessárias para a 
execução no lugar em que ,foi proferida;
d) estar traduzida por intérprete autorizado;
e) ter sido homologada pelo Supremo Tribunal Federal.
Parágrafo único. Não dependem de homologação as sentenças meramente 
declaratórias do estado das pessoas.
A sentença de mérito proferida no estrangeiro é destituída tanto de obrigatoriedade quanto 
de força executória na jurisdição de outro país, em virtude da independência das 
jurisdições.
O art. 15 da LICC versa justamente sobre a hipótese em que sentença estrangeira deva ser 
executada no Brasil, já que tal sentença, para ser aqui executada, necessita da aprovação do 
nosso órgão judiciário, constituindo o exequatur. O exequatur é o processo através do qual 
a jurisdição local aceitará a sentença como produto de um tribunal, mas indicará se ela 
poderá ou não ser aqui executada, submetendo-a a exame preliminar.
O critério utilizado adotado no Brasil em relação ao problema da eficácia jurídica e da 
força executiva da sentença estrangeira é o do juízo de delibação. O juízo de delibação é 
uma modalidade deexequatur, através do qual se reconhece a eficácia da sentença 
estrangeira para ser executada no território do Estado ou para atender aos direitos 
adquiridos dela recorrentes, constituíndo um prévio juízo, sem apreciação do mérito, 
limitado ao exame de requisitos extrínsecos (competência, regularidade da citação e 
respeito à ordem pública nacional) e da competência da autoridade prolatora da sentença. 
O processo de exequatur não admite a apresentação de novo pedido que não tenha sido 
apreciado pelo juiz estrangeiro, cabendo ao juiz do exequatur somente a concessão ou a 
recusa da homologação, sem poder alterar o julgamento feito no exterior.
A execução de sentença estrangeira no juízo brasileiro somente se dará quando presentes 
determinados requisitos externos e internos.
Os requisitos externos são que a sentença seja formalmente válida em sua jurisdição de 
origem, que esteja traduzida na língua portuguesa por tradutor juramentado ou intérprete 
autorizado e que seja autenticada pelo cônsul brasileiro (Súmula 259 do STF), exceto se 
tiver sido requisitada por via diplomática. Os requisitos internos para que a sentença 
alienígena seja executada em nosso país são os seguintes: que tenha sido prolatada por juiz 
competente; citação válida das partes ou verificada sua revelia, de acordo com a lei do 
local onde tenha sido prolatada a decisão; trânsito em julgado da sentença proferida no 
estrangeiro (Súmula 420 do STF); sentença não contrária à ordem pública, soberania 
nacional e aos bons costumes e que tenha sido previamente homologada pelo Superior 
Tribunal de Justiça, de acordo com a EC 45/2004 e com o art. 483, parágrafo único, do 
Código de Processo Civil, com ouvida das partes e do Procurador-Geral da República.
No que tange à sentença estrangeira meramente declaratória de estado de pessoa, a 
homologação é dispensada, em função de que este tipo de sentença independe de execução, 
pois por si só representa documento idôneo para determinar uma qualidade ou um fato, 
tendo mera eficácia documental.
Clóvis Bevilacqua, ao tratar do tema, ressalva que \u201cSe, entretanto, a sentença sobre o 
estado envolve relações patrimoniais, a homologação é necessária, porque será o título 
executivo, que o indivíduo apresentará, invocando a coação do poder público, afim de lhe 
serem assegurados os direitos, que a sentença declara lhe pertencerem\u201d46.
Art. 16. Quando, nos termos dos artigos precedentes, se houver de aplicar a lei 
estrangeira, ter-se-á em vista a disposição desta, sem considerar-se qualquer remissão 
por ela feita a outra lei.
As normas de direito internacional privado, vigentes nos diferentes Estados, não são 
uniformes a respeito dos critérios normativos, motivo pelo qual se justificam os conflitos 
entre as próprias normas de direito internacional privado.
O artigo 16 da LICC busca, através da corrente da referência ao direito material 
estrangeiro solucionar tais conflitos, pela qual a norma de direito internacional privado 
remete o aplicador para reger dada relação jurídica ao direito substancial alienígena, 
qualificador do fato sub judice, e não ao direito internacional privado estrangeiro. Essa 
teoria preconiza que o juiz atenda somente à norma de direito internacional privado de seu 
país, sem se preocupar com a de outro Estado, seja ela idêntica ou não47.
Ao tratar sobre o tema, Maria Helena Diniz afirma que \u201co princípio adotado pelo art. 16 é 
o de que a remissão feita pela norma brasileira de direito internacional privado a direito 
estrangeiro importará em remissão às disposições materiais substanciais do ordenamento 
jurídico estrangeiro (sachnormweisung) e não ao ordenamento jurídico em sua totalidade, 
inclusive às normas alienígenas de direito internacional privado (gesamtverweisung)\u201d.
Assim, afirma ainda a autora, o art. 16 da LICC admite tão-somente a aplicação de norma 
substancial brasileira aplicável ao caso vertente, por ordem da norma de direito 
internacional privado dofórum e na da norma de direito internacional alienígena, já que as 
únicas normas sobre conflito normativo que poderão ser levadas em conta, para a 
resolução de um dado fato interjurisdicional, serão as do fórum e não as de outro Estado48.
Art. 17. As leis, atos e sentenças de outro país, bem como quaisquer declarações de 
vontade, não terão eficácia no Brasil, quando ofenderem a soberania nacional, a 
ordem pública e os bons costumes.
O art. 17 trata da ineficácia das leis estrangeiras no Brasil quando as mesmas forem 
contrarias à soberania nacional, à ordem pública ou aos bons costumes, submetendo a 
eficácia dos atos alienígenas aos princípios descritos acima.
É sabido que o juiz é obrigado a aplicar a lei estrangeira no caso concreto quando o 
impuser a norma de direito internacional privado. O art. 17 da LICC confere ao magistrado 
o poder-dever de afastá-la quando a mesma contrariar a soberania nacional, ordem pública 
e os bons costumes, visto que os mesmos constituem limites que visam a assegurar a 
ordem social.
Na prática, a análise da aplicação ou não da lei estrangeira dar-se-á no momento em que o 
órgão judicante apreciará o caso concreto, averiguando se sua aplicação não será contrária 
aos nossos princípios de organização política, jurídica e social.
Assim, através deste artigo, observa-se uma restrição ou limitação à aplicação de lei 
estrangeira no Brasil pois, quando contrária à nossa ordem social, mesmo quando 
regularmente aplicável a certo caso, terá sua competência normal afastada, acarretando a 
aplicação da lex fori.
Art. 18. Tratando-se de brasileiros, são competentes as autoridades consulares 
brasileiras para lhes celebrar o casamento e os mais atos de Registro Civil e de 
tabelionato, inclusive o registro de nascimento e de óbito dos filhos de brasileiro ou 
brasileira nascido no país da sede do Consulado.
O artigo 18 da LICC versa sobre a competência consular brasileira para redigir atos 
notariais em Estado alienígena, possibilitando aos brasileiros que estejam no exterior,
Devanir
Devanir fez um comentário
Quero uma resenha critica o que é direito com 30 linhas para que eu possa entender melhor
0 aprovações
Rinaldo
Rinaldo fez um comentário
Material não está atualizado com a Lei nº 13.655/2018
0 aprovações
Antonio
Antonio fez um comentário
GRATO. SERÁ DE GRANDE VALIA PARA FUTURAS ORIENTAÇÕES A ALGUNS TRABALHOS.
7 aprovações
Carregar mais