LINDB-Comentada
36 pág.

LINDB-Comentada


DisciplinaIntrodução ao Direito I92.458 materiais671.437 seguidores
Pré-visualização13 páginas
foi 
celebrado, será válido e poderá servir de como prova em qualquer local onde tiver que 
produzir efeitos.
Em se tratando de contratos internacionais, o princípio da autonomia da vontade não é 
acolhido como elemento de conexão para reger contratos na seara do direito internacional, 
preconizando a liberdade contratual dentro das limitações fixadas em lei, ou seja, a mesma 
só prevalecerá quando não for conflitante com norma imperativa ou ordem pública, 
ressaltando-se a previsão que a própria LICC faz em seu artigo 17 quando considera 
ineficaz qualquer ato que ofenda a ordem pública interna, a soberania nacional e os bons 
costumes. Isso não significa que o art. 9º afasta a autonomia da vontade, pois a 
manifestação da livre vontade dos contratantes é admitida pela LICC quando o for pela lei 
do contrato local, desde que observada a norma imperativa.
Nos casos em que a intenção do agente for de burlar a lei nacional, praticando negócio em 
país estrangeiro com o intuito de fugir às exigências da lei pátria, ou seja, tal ato não 
subsistirá, por tratar-se de fraude.
Obeservar-se-ão algumas exceções ao disposto no art. 9º da LICC, nas seguintes 
hipóteses37:
a) quando se tratar de contrato de trabalho, o mesmo deverá obedecer à lei do local da 
execução do serviço ou trabalho. O art. 6º da Convenção de Roma, de 1980, afirma que em 
se tratando de contrato individual de trabalho, a aplicação da lei escolhida não poderá 
privar o trabalhador da proteção que lhe for conferida pela lei: a) do país onde o 
trabalhador, ao executar o trabalho, habitualmente exerce seu ofício; b) do Estado em cujo 
território se encontra situada a empresa que contratou o empregado, que não realiza de 
modo habitual seu trabalho no mesmo país.
b) nas hipóteses dos contratos de transferência de tecnologia, pois nesses casos verificar-
se-á competência absoluta do direito pátrio interno, em consonância com o art. 17 da LICC 
e com os princípios de direito internacional econômico defendidos pelo Brasil, por tratar-
se de normas de ordem pública, garantindo interesses nacionais.
c) nos atos relativos à economia dirigida ou aos regimes de Bolsa e Mercados, que serão 
subordinados à lex loci solutionis (place of performance), filiando-se à lei do país de sua 
execução.
§ 1º. Destinando-se a obrigação a ser executada no Brasil e dependendo de forma 
essencial, será esta observada, admitidas as peculiaridades da lei estrangeira quanto 
aos requisitos extrínsecos do ato.
De acordo com o disposto no § 1º do art. 9º da LICC, a obrigação contraída no exterior e 
executada no Brasil será observada segundo a lei brasileira, atendendo as peculiaridades da 
lei alienígena em relação à forma extrínseca.
Isto significa que a lei da constituição do local da obrigação mantém-se, pois admitidas 
serão suas peculiaridades, como a validade e a produção de seus efeitos, enquanto a lei 
brasileira será competente para disciplinar os atos e medidas necessárias para a execução 
da mesma em território nacional, tais como a tradição da coisa, forma de pagamento ou 
quitação, indenização nos casos de inadimplemento, etc.
Em relação aos contratos não exeqüíveis no Brasil, mas aqui acionáveis, não se aplicará o 
disposto no art. 9º, § 1º, da LICC, mas sim o locus regis actum, ou seja, a lei local é que 
regerá o ato.
§ 2º. A obrigação resultante do contrato reputa-se constituída no lugar em que residir 
o proponente.
O lugar onde se tem por concluído o contrato é de fundamental importância para o direito 
internacional privado, já que através dele emanará qual a lei deverá ser aplicada para a 
disciplinar a relação contratual e também a apuração do foro competente.
O art. 9º, § 2º da LICC afirma que a obrigação resultante do contrato se constitui no lugar 
em que residir o proponente, sendo aplicável quando os contratantes estiverem em Estados 
diversos, enquanto que o art. 435 do Código Civil reputa celebrado o contrato no lugar em 
que foi proposto.
Maria Helena Diniz38 afirma que o verbo \u201cresidir\u201d significa \u201cestabelecer morada\u201d ou 
\u201cachar-se em\u201d, \u201cestar\u201d, e é nessa última acepção que vem sendo empregado o disposto no § 
2º, do art. 9º da LICC, significando que o lugar em que residir o proponente seja o lugar 
onde estiver o proponente, afastando assim o critério domiciliar por entender que a adoção 
do elemento \u201cresidência\u201d daria mais mobilidade aos negócios, já que não raro os mesmos 
se efetivam fora do domicílio dos contratantes.
Assim, de acordo com a LICC, a obrigação contratada entre ausentes será regida pela lei 
do país onde residir o proponente, não importando o momento ou local da celebração 
contratual, aplicando-se a lei do lugar onde foi feita a proposta. Em relação aos contratos 
entre presentes, no que diz respeito ao direito internacional, serão regidos pela lei do lugar 
em que foram contraídos, desconsiderando-se a nacionalidade, domicílio ou residência dos 
contratantes.
Art. 10. A sucessão por morte ou por ausência obedece à lei do país em que 
domiciliado o defunto ou o desaparecido, qualquer que seja a natureza e a situação 
dos bens.
O art. 10 da LICC abrange tanto a sucessão causa mortis (seja ela legítima ou 
testamentária) como também a sucessão por ausência.
Perante a teoria da unidade sucessória, que é a adotada pela LICC, a sucessão causa 
mortis deverá ser regida pelo lei do domicílio do de cujus, desprezando-se a nacionalidade 
do autor da herança e a de seu sucessor e a natureza e a situação dos bens, unificando a 
jurisdição do último domicílio do de cujus para apreciação de todas as questões relativas à 
sucessão e, desta forma, simplificando as questões oriundas da mesma.
Mesmo nos casos em que o finado tiver mais de uma residência (CC, art. 71), competente 
será o foro onde o inventário foi requerido primeiro.
Maria Helena Diniz39, ao tratar sobre o tema, afirma que a lei do domicílio do de cujus, no 
momento de sua morte, determinará: a) a instituição e a substituição da pessoa sucessível; 
b) a ordem de vocação hereditária, quando se tratar de sucessão legítima; c) a medida dos 
direitos sucessórios dos herdeiros ou legatários, sejam eles nacionais ou estrangeiros; d) os 
limites da capacidade de testar; e) a existência e a proporção da legítima do herdeiro 
necessário; f) a causa da deserdação; g) a colação; h) a redução das disposições 
testamentárias; i) a partilha dos bens do acervo hereditário; j) o pagamento das dívidas do 
espólio.
O art. 10 da LICC não faz menção expressa à comoriência ou morte simultânea, e nesses 
casos, observar-se-ão as leis de domicílio de cada um dos finados relativas à sucessão, de 
acordo com o disposto no art. 29 do Código Bustamante que dispõe que nos casos de 
presunções de sobrevivência ou de morte simultânea, quando não houver prova, as mesmas 
serão reguladas pela lei pessoal de cada um dos falecidos em relação à sua respectiva 
sucessão. Desta forma, tendo os comorientes domicílios diversos, a sua sucessão será 
regida pela lei pessoal de cada um.
Nos casos de morte presumida ou ausência, a lei domiciliar do ausente será aplicada, seja 
qual for a natureza e a localização dos bens que compõem seu patrimônio, no que diz 
respeito às condições da declaração de ausência e seus efeitos e aos direitos eventuais do 
ausente (Código Bustamante, arts. 73-83). Sendo assim, não é possível que a pessoa seja 
declarada ausente por juiz brasileiro quando a mesma não tiver tido seu domicílio em 
nosso país, assim como não será possível proceder à sucessão provisória, processar 
inventário e partilha e declarar presunção de morte, nos casos de sucessão definitiva.
§ 1º. A sucessão de bens de estrangeiros, situados no País, será regulada pela lei 
brasileira em benefício do cônjuge ou dos filhos brasileiros, ou de quem os represente, 
sempre que não lhes seja mais favorável a lei pessoal do de cujus.
Nos casos
Devanir
Devanir fez um comentário
Quero uma resenha critica o que é direito com 30 linhas para que eu possa entender melhor
0 aprovações
Rinaldo
Rinaldo fez um comentário
Material não está atualizado com a Lei nº 13.655/2018
0 aprovações
Antonio
Antonio fez um comentário
GRATO. SERÁ DE GRANDE VALIA PARA FUTURAS ORIENTAÇÕES A ALGUNS TRABALHOS.
7 aprovações
Carregar mais