ok biotecnologia 21-03-11
7 pág.

ok biotecnologia 21-03-11


DisciplinaBiotecnologia da Reprodução Animal83 materiais518 seguidores
Pré-visualização4 páginas
mais, vai subir nas outra, vai deixar as outras subirem nela. Por que isso: é hj ou só daqui a 21 dias, entao ela tem que avisar o macho.
A vaca chega na balada, quando chegou na festa está no proestro. Tomou umas e outras, está no estro. Passou pra bêbada e vai pra casa porque não deu.
No estro, todos os sinais para mostrar ao macho que ela está receptiva.
A cadela quando está no cio, vc leva ela pra passear, ela faz muito mais xixi do que o normal, porque ela está espalhando hormônio pra espalhar pro macho que ela está no cio. Entao o fato da vaca urinar muito enquanto ela está no cio, ela está espalhando ferormonios no ar, e com isso ela está avisando aos machos da redondeza que ela está no cio. Isso tudo é devido ao estrogênio, essa é a característica do estro. 
No final do estro e no começo do metaestro (entre 4-8 horas depois que acabou o estro) vc tem a ovulação. na tuba uterina vai ocorrer a fecundação. Ou seja, a ovulação ocorre no começo do metaestro. Pra égua também, é no final do cio que ocorre a ovulação, mas o cio da égua demora muito mais tempo.
Pra inseminar tem que ser no final do estro, porque vc tem um período de capacitação do SPTZ, que é o período que o SPTZ está subindo, ele não é fértil, para o SPTZ se tornar fértil ele tem que se cansar nessa subida, e ai ele vai amadurecendo, principalmente o acrossoma, pra poder ficar em torno do ovulo soltando as enzimas do acromossa pra poder digerir a zona pelúcida pra fecundar. Vc tem um período de 2-4 horas que o SPTZ naso é fértil. Então vc tem que inseminar antes do ovulo estar bom pra ele poder ser um macho com SPTZ bom quando o óvulo está bom. Por isso que vc insemina no final do estro. A vaca fica enrolando o touro, ela só deixa ele montar quando ela está no período mais fértil, no final do estro. Essa é a diferença do zebu pro taurino, o taurino, europeu se vc soltar o touro Jersey ele monta 1, 2, 3, 4, 10x com a mesma vaca, no final do dia ele está exausto. Já o zebu é mais esperto, ele roda em volta da vaca, mas só quando ela está no ponto é que ele dá um salto só.
Vc tem fêmeas que são dominantes, que montam umas nas outras.
Forma o corpo hemorrágico, é formato no metaestro, é característico de metaestro. O importante para essa parte de sincronização de cio do corpo hemorrágico já começa a produzir progesterona em pequena quantidade e vai aumentando, ele já começa a produção em pequena quantidade que vai aumentando. Ele não tem receptores para prostaglandina, por isso que eu joguei o proestro até o dia 5, o corpo hemorrágico não tem receptores pra prostaglandina, isso é importante pra ter na mente, pq quando agente for manipular o ciclo estral, vamos querer cortar o ciclo estral com prostaglandina, e ai não vai funcionar, ai vai dizer que o remédio estava vencido. Ele estava com corpo lúteo? Não. Ele estava com corpo hemorrágico, que não tem receptor pra prostaglandina. Essa é a grande diferença do corpo hemorrágico pra corpo lúteo. No metaestro a prostaglandina não tem efeito.
Ai formou o corpo hemorrágico, que se organizou em corpo lúteo, o nível de progesterona cresceu, essa é Características do diestro, que vai durar quase todo o período de diestro. Entao o diestro se caracteriza por repouso sexual e alto nível de progesterona.
Como vê porca em cio: as porcas hj são criadas como num campo de concentração, são criadas numas gaiolas onde só tem posição de levantar e deitar, ela não faz mais nada. Como eles identificam a porca no cio: eles pegam um porco, as porcas estão de frente umas pras outras, naquele corredor central eles passam com o cachaço, que sente o cheiro da porca no cio, pq ela tem um ferormonio diferente. Ele vai começar a chegar naquela porca, uma vez identificado as porcas no cio pra determinar o momento da inseminação, tem um cara que senta em cima da porca, se ele sentar na porca e ela ficar quieta e arriar as costas, ela está no cio, se ela por ele pra fora, não está. A porca se insemina no final do estro, vc coloca um arreio na porca e ela se autoinsemina, vc coloca como se fosse uma cela em cima dela, com 2 sacos pra imitar o peso do porco, e aquilo tem um gancho como se fosse um equipo de soro, onde tem o sêmen ali e ai vc joga aquilo pra dentro do útero dela, e ai com os movimentos peristálticos ela vai puxando aquilo tudo, ela mesma se insemina. Vc deixa aquilo pendurado e depois vc tira.
No final do diestro quando não houve reconhecimento materno fetal aqui, ou seja, depois do dia 12, por volta do dia 15 do ciclo, vc tem liberação de prostaglandina a nível uterino que vai lisar o CL e ai vc vai ter o final desse ciclo e o começo do próximo ciclo.
No dia 0 do ciclo temos o cio (=estro). 
Vamos ter um período de até em torno do dia 5 do metaestro. O que está acontecendo no metaestro: o corpo hemorrágico está se organizando em CL e ai aumenta a produção de progesterona. Essa progesterona vai se mantendo no período do diestro, quase todo o diestro, até que em torno do 15º dia, ocorrem a liberação de prostaglandina (PGF2alfa) a nível uterino. Com isso nosso CL entra em regressão, cai os níveis de progesterona e acaba o CL. 
A nível de CL, ovário não mudou nada. O que mudou é que descobriram que o ovário a cada 7 ou 10 dias tem uma onda de crescimento folicular mesmo o animal estando gestante, e essas ondas de crescimento folicular já começam na bezerra no útero da mãe dela, mas ela só começa a ter receptores pra esses hormônios e esses hormônios só começam a funcionar na puberdade, começam a funcionar mal, tanto é que a característica do ciclo estral das jovens é ter ciclo estral irregular. 
Fêmeas jovens têm o ciclo estral irregular.
Fêmeas velhas também têm o ciclo estral irregular, porque os hormônios já cansaram, já está esgotando aqueles hormônios e ai começa o ciclo irregular.
Fêmea na idade reprodutiva adequada, os ciclos estrais tendem a ser regular. O que foi discutido: vc tem animais que tem ciclos mais longos do que os normais, e vc tem animais que tem ciclos mais curtos do que o normal. 
No caso de bovinos, vc tem animais no começo da vida reprodutiva hormônios começando a aparecer mas que ainda o corpo não entende. Em animais, a cada 10 dias tem uma nova onda folicular, mas animais que estão em inicio da puberdade, animais que terminaram uma gestação (ficaram muito tempo sem ciclar), quando volta a ciclar, vc têm ciclos irregulares. Animais que tiveram anestro nutricional, emagreceu, ela para de ciclar, e ai quando ela volta, ela volta de forma irregular. É comum então as fêmeas que estão no inicio do ciclo, que estão voltando de um anestro, apresentarem um ciclo com 3 ondas, ou um pico com 2 ondas incompletas, tem o 1º ou o 2º ciclo mais curto, ou então ciclos mais longos do que o normal. Em vacas muito velhas, que chegam ao equivalente há 40 anos, não existe quase vaca de anestro (menopausa). 
O ciclo geral são 2 ondas foliculares. 
(da ovulação anterior que formou esse corpo lúteo) é um ciclo. Da ovulação anterior sobrou o CL que vai influenciar no outro ciclo, mas ele veio do cio anterior, ai em torno de 2 dias após a ovulação, começa um novo crescimento de folículos, então tem um novo recrutamento e um novo crescimento folicular. Ao invés de só começar o crescimento folicular no final do ciclo não, vc tem no começo do ciclo um recrutamento folicular, e isso é a novidade da história, isso é o normal.
Vc tem recrutamento folicular, crescimento folicular, vc estabelece o folículo dominante, começa a faltar FSH e os folículos começam a morrer, e o dominante cresce. Ele cresce, ele começa a produzir estrogênio, mas não em grande quantidade, ele consegue produzir uma certa quantidade. O hormônio que está mandando nessa fase é a progesterona. O que a progesterona faz no hipotálamo: inibe essa liberação de impulso. Então se eu tenho a progesterona mandando aqui, esse folículo que está crescendo, ele não vai ovular, porque não tem a liberação do impulso de GnRH. Ele não chega a ovular, e ai ele morre. Ai ele volta e regride.
Em torno de 2 dias depois da ovulação, começa o crescimento folicular.