X - 3-Coletaelimpeza
81 pág.

X - 3-Coletaelimpeza


DisciplinaResíduos Sólidos Urbanos30 materiais171 seguidores
Pré-visualização3 páginas
Gestão dos Resíduos Sólidos Urbanos 
Área Técnico - Operacional 
 
Coleta Domiciliar 
ALTA GERAÇÃO DE RESÍDUOSALTA GERAÇÃO DE RESÍDUOS
DESPERDÍCIOSDESPERDÍCIOS
TRADIÇÃO DE AUSÊNCIA DE POLÍTICAS 
PARA O SETOR
TRADIÇÃO DE AUSÊNCIA DE POLÍTICAS 
PARA O SETOR
RESÍDUOS SÓLIDOS:
PROBLEMA COMPLEXO E DE 
MÁXIMA PRIORIDADE
RESÍDUOS SÓLIDOS:
PROBLEMA COMPLEXO E DE 
MÁXIMA PRIORIDADE
+
+
\uf0f2
COLETA 
\uf0f0PRINCIPAIS CATEGORIAS DE COLETA 
 (NBR-12980 e 13463) 
\u2022Resíduos domiciliares 
\u2022Resíduos públicos 
\u2022Varrição, capina e podas 
\u2022Resíduos de Serviços de Saúde 
\u2022Resíduos Especiais(*): 
\u2022Entulho proveniente da construção civil 
\u2022Resíduos, tipo domiciliar, de grandes 
geradores 
\u2022Resíduos provenientes de atividades 
específicas (tecido, coco,...) 
\u2022Animais mortos 
PLANEJAMENTO DA COLETA 
PLANO DE COLETA DOMICILIAR \u2013 \u201cPASSO A PASSO\u201d 
 
\uf0b7 Caracterizar o município e sua população 
\uf0b7 Caracterizar o sistema de coleta atual 
\uf0b7 Definir os tipos diferenciados de coleta 
\uf0b7 Delimitar, em mapa, os setores de coleta 
\uf0b7 Definir freqüência, horário e método de coleta 
\uf0b7 Dimensionar a frota necessária 
\uf0b7 Dimensionar o pessoal técnico e operacional 
\uf0b7 Fazer detalhamento gráfico dos roteiros de coleta 
\uf0b7 Elaborar tabela de horário de atendimento em cada 
trecho 
PLANEJAMENTO DA COLETA 
\uf0b7 Discutir e explicar detalhadamente os roteiros 
com os motoristas e com as guarnições de 
coleta 
\uf0b7 Acompanhar em campo a execução dos roteiros 
e revisar procedimentos e horários de coleta 
\uf0b7 Informar a população do planejamento da 
coleta 
\uf0b7 Revisar o plano a partir da contribuições dos 
funcionários e dos usuários dos serviços 
\uf0b7 Estabelecer mecanismos de controle, 
monitoramento e avaliação dos serviços 
prestados 
\uf0b7 Rever o plano e (re)informar a população 
PLANEJAMENTO DA COLETA 
RESÍDUOS DOMICILIARES E PÚBLICOS 
 CARACTERÍSTICAS URBANAS 
Topografia e sistema viário: tipo de 
pavimentação e arborização das vias, 
declividade, sentido e intensidade do tráfego 
Zonas de uso e ocupação do solo: usos 
predominantes, concentrações comerciais, 
setores industriais, áreas de difícil acesso e 
ou de baixa renda, áreas de preservação 
ambiental, históricas, ... 
Ruas de pedestres 
Parques e áreas de esportes 
PLANEJAMENTO DA COLETA 
 POPULAÇÃO 
 
 
 Delimitar em mapa, as zonas de atendimento 
da coleta, levando em consideração a população 
urbana e rural, o número de domicílios, o número 
médio de moradores por domicílio, a população 
flutuante, os aspectos culturais, costumes e 
hábitos da população e o uso dos espaços 
públicos 
PLANEJAMENTO DA COLETA 
 CARACTERIZAÇÃO DO SISTEMA ATUAL 
Quantidade e composição dos resíduos gerados 
Estrutura existente: frota, pessoal, parâmetros 
operacionais, condições de operação do equipamento 
Suporte financeiro: aquisição e manutenção de veículos 
e/ou contratação de serviços 
Suporte operacional: manutenção veículos coletores 
(reparos, conservação, etc.) 
Relação c/ outras atividades: reciclagem, tratamento e 
disposição final 
Sistemas de controle operacional em uso 
Apropriação de custos de operação e manutenção 
Existência de catadores: quem são, áreas de atuação, 
nível de organização 
PLANEJAMENTO DA COLETA 
 
 FREQÜÊNCIA 
\uf0b7 O intervalo entre as coletas deve evitar o 
desenvolvimento de odores e o 
aparecimento de vetores (nunca superior 
a 3 dias) 
\uf0b7 Recomenda-se freqüência alternada para 
a coleta de resíduos domiciliares e 
comerciais e 
\uf0b7 Recomenda-se coleta diária apenas nas 
regiões com intensa geração e espaços 
reduzidos para estocagem (regiões muito 
verticalizadas) 
PLANEJAMENTO DA COLETA 
HORÁRIO 
Pode ser diurno: 
\uf0a8logradouros/áreas de uso residencial 
\uf0a8áreas de pouco fluxo de veículos 
\uf0a8locais onde não se pode fazer a coleta 
noturna (clínicas, hospitais) 
Pode ser noturno: 
\uf0a8zonas comerciais 
\uf0a8grande fluxo de veículos e pedestres no 
período diurno 
\uf0a8grande movimento comercial no período 
diurno 
PLANEJAMENTO DA COLETA 
ASPECTOS HUMANOS E DE SEGURANÇA DO 
TRABALHO 
\uf0a8alfabetização dos garis 
\uf0a8cumprimento da legislação 
\uf0a8informações e treinamentos sistemáticos 
\uf0a8uso do uniforme e outros equipamento de 
proteção individual e coletivos \u2013 EPI/ EPC 
\uf0a8condições de trabalho dignas: instalações 
físicas 
 
 
\u2022 Área de cada setor de coleta (km vias a atender) 
\u2022 População e/ou densidade populacional do setor 
\u2022 Geração per-capita no setor 
\u2022 Quantidade de resíduos a coletar 
\u2022 Equipamentos de coleta a empregar 
\u2022 Freqüência de coleta 
\u2022 Número de viagens possíveis de serem realizadas por 
veículo coletor durante a jornada de trabalho 
\u2022 Local da garagem 
\u2022 Local da disposição final 
\u2022 Sentidos de circulação 
\u2022 Horas de pico de tráfego 
\u2022 Topografia 
\u2022 Otimizar a circulação do veículo 
 PLANEJAMENTO DA COLETA - ROTAS 
COLETA 
 Desenho de rotas e descrição do itinerário 
RUA DAS FLORES
início
100 350 300 300
RUA DAS ROSAS
fim
100
H X Y Z W F
RUA OLIVEIRAS
2
0
0
2
0
0
R
U
A
R
U
A
R
U
A
R
U
A
R
U
A
R
U
A
Horas Percurso
h:min m Tipo
Descrição do Itinerário
Sentido
de conversão
08:00 100 C/C RUA DAS FLORES COM RUA H D
400 C/C RUA X E
350 C/C RUA OLIVEIRAS E
400 C/C RUA Y D
300 C/C RUA DAS FLORES D
400 C/C RUA Z E
300 C/C RUA OLIVEIRAS E
400 C/C RUA W E
300 C/C RUA DAS FLORES (ATÉ RUA Z) F
300 S/C RUA DAS FLORES (ATÉ RUA Y) F
350 C/C RUA DAS FLORES E
200 S/C RUA X E
08:30 1050 C/C RUA ROSAS ATÉ RUA F FIM
ESQUEMA TÍPICO DE ITINERÁRIO DE 
COLETA 
Início 
SIMBOLOGIA: 
Precurso em serviço 
Percurso em trânsito 
Direção do tráfico 
 
Percurso estimado: 
3km 
Término 
Rua I 
7 am 
9 am 
Rua II 
Rua III 
Rua IV 
300 m 
Rua V Rua VI Rua VII Rua VIII 
300 m 
ESQUEMA MELHORADO DE ITINERÁRIO DE 
COLETA 
300 m 
300 m 
Rua I 
300 m 
300 m 
Rua II 
Rua III 
Rua IV 
Rua V Rua VI Rua VII Rua VIII 
ESQUEMA MELHORADO DE ITINERÁRIO DE 
COLETA 
Percurso estimado 
Percurso em trânsito 
(não produtivo) 
N°; de voltas à direita 
N°; de voltas à esquerda 
N°; de voltas completas 
Itens 
3.0 km 
0.6 km 
7 
5 
1 
Esquema 
original 
2.7 km 
0.3 km 
9 
2 
0 
Esquema 
 Melhorado 
ESQUEMA MEJORADO DE RUTA DE RECOLECCION 
Calle I
Calle II
Calle III
Calle IV
300 m
Calle V Calle VI Calle VII Calle VIII
300 m
Recorrido estimado
Recorrido en tránsito
(no productivo)
N°; de vueltas derechas
N°; de vueltas izquierdas
N°; de vueltas redondas
Items
3.0 km
0.6 km
7
5
1
Esquema 
original
2.7 km
0.3 km
9
2
0
Esquema
 Mejorado
Roteiros de Coleta, Luanda, Angola 
EMSA -ROTA DE COLETA COM NOVA TECNOLOGIA EM CONTENEDORES, DISTRITO 10. 
COCHABAMBA, BOL. 1907 
 
 
Exemplo de Setorização 
Professor: Álvaro Cantanhede 
FROTA - tipos de veículos por atividade 
 resíduos da construção civil (terra, entulho, etc.): 
\u2022caminhões de carroceria metálica basculante 
\u2022caminhões tipo Brook, com caçambas 
estacionárias 
\u2022carroças de tração animal 
coleta seletiva: 
\u2022carrinhos de madeira 
\u2022carroças de tração animal 
\u2022caminhões com carroceria de madeira 
\u2022caminhões com carroceria fechada (tipo baú) 
\u2022Caminhões compactadores 
 Considerações sobre os veículos 
coletores por tipo de coleta e porte 
populacional 
FROTA 
 
quantidades a coletar X capacidade de carga 
 do veículo 
 
características viárias X porte do veículo 
 e topográficas 
 
 tipo de resíduo X exigências técnicas 
 
 distâncias a percorrer X restrições 
 operacionais 
 
 necessidades de X disponibilidade de 
 manutenção assistência técnica 
Coleta em vila 
COLETA 
DOMICILIAR 
COLETA REGULAR 
COLETA REGULAR 
COMPACTADOR CARREGAMENTO LATERAL 
 
 
COMPACTADOR USIMECA