A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
24 pág.
X - Tipologia-Apresentacao[3]

Pré-visualização | Página 1 de 1

TIPOLOGIA, COMPOSIÇÃO E 
PECULIARIDADES DA GERAÇÃO E DA 
GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS 
SÓLIDOS URBANOS E ESPECIAIS 
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS 
Quanto ao Risco de Contaminação Ambiental 
Classe I ou Perigosos 
Classe IIA ou Não Inertes 
Classe IIB ou Inertes 
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS 
Quanto ao Risco de Contaminação Ambiental 
Quanto à Origem 
Doméstico ou Residencial 
Comercial 
Público 
Resíduos de Fontes Especiais 
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS 
Quanto ao Risco de Contaminação Ambiental 
Quanto à Origem 
Quanto à Natureza Física 
Seco 
Úmido ou Molhado 
RESPONSÁVEIS PELA GESTÃO 
DOS RESÍDUOS SÓLIDOS 
Prefeitura Municipal 
Órgão Estadual de Controle Ambiental 
Doméstico ou Residencial 
Comercial - Pequeno Gerador 
Público 
Entulho - Pequeno Gerador 
Gerador 
Órgão Municipal de Controle Ambiental 
com ação supletiva do Órgão Estadual 
Comercial - Grande Gerador 
Industrial 
Serviços de Saúde 
Entulho - Grande Gerador 
RESPONSÁVEIS PELA GESTÃO 
DOS RESÍDUOS SÓLIDOS 
Gerador 
Governo Federal com ação supletiva do 
Órgãos Ambientais Municipal e Estadual 
Agrícola 
Radioativos 
Portos e Aeroportos 
RESPONSÁVEIS PELA GESTÃO 
DOS RESÍDUOS SÓLIDOS 
CARACTERÍSTICAS DOS RESÍDUOS SÓLIDOS 
Características Físicas 
Geração Per Capita 
Composição Gravimétrica 
Peso Específico Aparente 
Teor de Umidade 
Compressividade 
CARACTERÍSTICAS DOS RESÍDUOS SÓLIDOS 
Características Físicas 
Características Químicas 
Poder Calorífico 
Potencial Hidrogeniônico - pH 
Composição Química 
Relação Carbono/Nitrogênio 
CARACTERÍSTICAS DOS RESÍDUOS SÓLIDOS 
Características Físicas 
Características Químicas 
Características Biológicas 
 Geração Per Capita 
 Teor de Umidade 
 Composição Química 
 Peso Específico Aparente 
 Compressividade 
 Composição Gravimétrica 
Básico para o correto dimensionamento 
de veículos e caçambas compactadoras. 
Ajuda na escolha do melhor destino final. 
Básico para o correto dimensionamento 
da frota de veículos. 
Fundamental para se decidir sobre a 
possibilidade uso da compostagem. 
 Influência direta no planejamento de todo 
o sistema de gestão de resíduos sólidos; 
Dimensionamento de veículos e 
instalações; 
Cálculo da taxa de coleta; 
Escolha do melhor destino final dos 
resíduos sólidos. 
Fundamental para se decidir sobre a 
possibilidade uso da incineração. 
 Indica o possível aproveitamento das 
frações recicláveis e da matéria 
orgânica; 
Quando realizada por regiões da cidade, 
pode influenciar no cálculo da tarifa de 
coleta e destinação final. 
 Teor de Matéria Orgânica 
 Poder Calorífico 
 Influencia a velocidade de decomposição 
da matéria orgânica; 
 Interfere no valor do peso específico e do 
poder calorífico; 
 Influencia a produção de chorume. 
FATORES QUE INFLUENCIAM AS 
CARACTERÍSTICAS DOS RESÍDUOS SÓLIDOS 
Chuvas Climáticos: 
Estações do Ano 
Épocas Especiais: Fins de Semana 
Feriados 
Férias 
Demográficos: 
Sócio-Econômicos: Nível Cultural 
Nível Educacional 
Poder Aquisitivo 
Promoções Comerciais 
Campanhas Ambientais 
População Residente 
População Flutuante 
EVOLUÇÃO DAS QUANTIDADES DE LIXO 
COLETADO NO RIO DE JANEIRO 
0,0
500,0
1000,0
1500,0
2000,0
2500,0
3000,0
3500,0
1993 1994 1995 1996 1997
Anos
Q
ua
nt
id
ad
es
 (1
.0
00
 t)
VARIAÇÃO POR SAZONALIDADE 
Sazonalidade Turística 
Sazonalidade de Hábitos 0
50
100
150
200
Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
Dias da Semana
%
 e
m
 R
el
aç
ão
 à
 M
éd
ia
Geração de Lixo Coleta de Lixo
VARIAÇÃO POR SAZONALIDADE 
Sazonalidade de Hábitos 
0
20
40
60
80
100
120
140
21 23 25 27 29 1 3 5 7 9 11 13 15 17 19 21 23 25 27 29 1 3 5 7 9
Dias
% 
em
 Re
laç
ão
 à 
Mé
dia
VARIAÇÃO POR SAZONALIDADE 
Sazonalidade Turística 
Negativa Positiva 0
100
200
300
400
500
600
Ab
ril
M
ai
o
Ju
nh
o
Ju
lh
o
Ag
os
to
Se
te
m
br
o
Ou
tu
br
o
No
ve
m
br
o
De
ze
m
br
o
Ja
ne
iro
Fe
ve
re
iro
M
ar
ço
Meses
Qu
an
tid
ad
e 
de
 L
ix
o 
Co
le
ta
do
 (t
)
Leme/Copacabana Ipanema/Leblon Barra da Tijuca Recreio dos Bandeirantes
VARIAÇÃO POR SAZONALIDADE 
Sazonalidade Turística 
Positiva 
Se
tem
br
o
Ou
tub
ro
No
ve
mb
ro
De
ze
mb
ro
Ja
ne
iro
Fe
ve
re
iro
Ma
rç
o
Ab
ril
Ma
io
Ju
nh
o
Ju
lho
Ag
os
to
Se
tem
br
o
Ou
tub
ro
No
ve
mb
ro
De
ze
mb
ro
Ja
ne
iro
Fe
ve
re
iro
Ma
rç
o
Ab
ril
0
5
10
15
20
25
30
35
40
45
VARIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO 
GRAVIMÉTRICA 
Por Países 
HOLANDA ALEMANHA
EUA MALÁSIA
BRASIL TURQUIA
Vidro 
Metal 
Plástico 
Papel 
Outros 
VARIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO 
GRAVIMÉTRICA 
Por Cidades 
PORTO ALEGRE
RIO DE JANEIRO SALVADOR FORTALEZA
DISTRITO FEDERALBELO HORIZONTE
SÃO PAULO SÃO CARLOS SALTINHO
Vidro 
Metal 
Plástico 
Papel 
Outros 
De 30 a 500.000 hab De 500 a 800 g/hab.dia 
500 g/hab.dia Até 30.000 hab 
De 800 a 1.000 g/hab.dia De 500 a 3.000.000 hab 
Acima de 3.000.000 hab De 1.000 a 1.300 g/hab.dia 
0
200
400
600
800
1000
1200
1400
30 500 3000 6000
População (1.000 hab)
Pe
r C
ap
ita
 (g
/h
ab
.d
ia
)
VARIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO 
GRAVIMÉTRICA 
No Porte das Cidades 
0
10
20
30
40
50
60
70
Pa
pe
l/P
ap
el
ão
Pl
ás
tic
os
Vi
dr
os
M
et
ai
s
Fe
rr
os
os
M
et
ai
s 
N
ão
Fe
rr
os
os
M
at
ér
ia
O
rg
ân
ic
a
O
ut
ro
s
Componentes
Pe
rc
en
tu
ai
s
Manhumirim Rio de Janeiro
VARIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO 
GRAVIMÉTRICA 
Evolução com o Tempo 
0
10
20
30
40
50
60
1981 1986 1989 1991 1993 1995 1996 1997 1998
Anos
Pe
rc
en
tu
ai
s
Papel/Papelão Plástico
Vidro Matéria Orgânica
Metal Total
VARIAÇÃO DO PESO ESPECÍFICO 
Com o Poder Aquisitivo 
0
50
100
150
200
250
Le
bl
on
Co
pa
ca
ba
na
Ce
nt
ro
Bo
ta
fo
go
Vi
la
 Is
ab
el
S.
 C
ru
z
C.
 G
ra
nd
e
Ba
ng
u
Pe
so
 E
sp
ec
ífi
co
 (k
g/
m
3)
VARIAÇÃO DO PESO ESPECÍFICO 
Evolução com o Tempo 0
50
100
150
200
250
300
1986 1989 1991 1993 1995 1996 1997 1998
Anos
Pe
so
 E
sp
ec
ífi
co
 (k
g/
m
3)

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.