303_METEOROLOGIA_E_CLIMATOLOGIA_VD2_Mar_2006
1 pág.

303_METEOROLOGIA_E_CLIMATOLOGIA_VD2_Mar_2006


DisciplinaClimatologia2.011 materiais35.721 seguidores
Pré-visualização1 página
METEOROLOGIA E CLIMATOLOGIA
Mário Adelmo Varejão-Silva
Versão digital 2 \u2013 Recife, 2006
289
A situação de equilíbrio se verificaria quando fosse nula a resultante da força de Coriolis
( \u2013 f 
r
k ^ V
r
Z ), da componente horizontal do gradiente de pressão { \u2013 (1/\u3c1)\u2207Z p} e da força centrí-
fuga (V
2
Z / R ), advinda do próprio deslocamento curvilíneo da parcela de ar. Nessas circunstânci-
as, todas essas forças são radiais e, assim, a aproximação do vento gradiente é obtida simples-
mente substituindo V
r
Z por V
r
gr em VII.9.1, ou seja:
(V
2
gr / R) N
r
 + (1/\u3c1) \u2207Z p + f (
r
k ^ V
r
gr) = 0.
(VII.9.8)
Em módulo:
(V
2
gr /R) + f Vgr + (1/\u3c1)(\u2206p/\u2206n)Z = 0. (VII.9.9)
Resolvendo essa equação algébrica do segundo grau, encontra-se:
Vgr = \u2013 (fR/2) ± { f
2R2/4 \u2013 (R/\u3c1)(\u2206p/\u2206n)Z }1/2 (VII.9.10)
Como f, R e (\u2206p/\u2206n)Z têm sinais próprios, a equação VII.9.10 possui 16 raízes reais: 8 para
o Hemisfério Sul e 8 para o Hemisfério Norte. Dentre elas somente algumas são fisicamente per-
mitidas. A análise da expressão VII.9.10 deve ser feita respeitando a condição de que na ausência
de gradiente de pressão (\u2206p/\u2206n = 0) não há vento (Vgr = 0).
9.2.1 - Soluções para o Hemisfério Sul.
Fazendo f < 0 (Hemisfério Sul) em VII.9.10 resultam duas relações:
Vgr = \u23d0f\u23d0R/2 + { f 2 R2/4 \u2013 (R/\u3c1)(\u2206p/\u2206n)Z }1/2 ... (i)
e
Vgr = \u23d0f\u23d0R/2 \u2013 { f 2 R2/4 \u2013 (R/\u3c1)(\u2206p/\u2206n)Z }1/2. ... (ii)
Existem, agora, quatro alternativas a serem discutidas.
1ª alternativa: R > 0 e (\u2206p/\u2206n)Z > 0.
Neste caso a pressão aumenta no sentido positivo de R (sentido de N
v
) o que corresponde
a dizer que é mais alta no centro. Sendo R positivo, a circulação deve se processar no sentido
anti-horário. Trata-se, portanto, de um anticiclone no Hemisfério Sul (Fig. VII.15).
A análise da equação (i) mostra que, quando \u2206p/\u2206n tendesse a zero Vgr aumentaria, o que
é fisicamente impossível (embora matematicamente correto). A equação (ii) revela que Vgr diminui
quando \u2206p/\u2206n diminui, o que é fisicamente coerente. A solução válida para o caso de um centro
de alta pressão no Hemisfério Sul é, por conseguinte: