Material de Apoio- Análise Textual - Aula 1 -  A LINGUAGEM
13 pág.

Material de Apoio- Análise Textual - Aula 1 - A LINGUAGEM


DisciplinaAnálise Textual9.567 materiais293.978 seguidores
Pré-visualização7 páginas
do autor. Além disso, é necessário que haja coerência e coesão entre os argumentos, para que as idéias se desenvolvam de modo progressivo e harmônico, sem contradições ou idéias desconexas do conjunto.
São variados os tipos de parágrafos que servem ao desenvolvimento. Os mais frequentemente utilizados são aqueles que apresentam:
enumeração
causas e consequências
comparação e contraste
exemplificação
citação ou testemunho
CONCLUSÃO
Geralmente situada no parágrafo final dos textos dissertativo-argumentativos, a conclusão pode ser desenvolvida a partir de três formas básicas:
síntese
proposta
surpresa
Aula 7 \u2013 Material de Apoio \u2013 Profª Rossana \u2013 Análise Textual
Formas de Desenvolvimento do parágrafo dissertativo-argumentativo
Existem diferentes formas de organizar o parágrafo dissertativo-argumentativo. Todas elas depedem da relação entre a ideia-núcleo e as ideias secundárias. Os parágrafos mais comuns são os organizados por:
Declaração inicial
Politica e televisão são duas instâncias da sociedade brasileira que parecem reunir o maior número de pessoas despreparadas e desqualificadas. É como se escolhessem a dedo as piores pessoas (com raras exceções) para legislar ou executar, animar shows de auditório ou de entrevistas, etc.
É a forma mais comum de se desenvolver o parágrafo dissertativo-argumentativo. A ideia-núcleo abre o parágrafo com uma afirmação \u2015 no caso do parágrafo acima, o baixo nível dos políticos e apresentadores de TV no Brasil \u2015 e é desenvolvida por ideia secundária.
Interrogação
Você já pensou como seria bom ter uma biblioteca escolar aberta a todos, que funcionasse 24 horas por dia, todos os dias da semana, e que pudesse ser visitada de qualquer lugar do mundo? Pois esta biblioteca já existe: é a Biblioteca Virtual do Estudante Brasileiro \u2015 Bibvirt (www.bibvirt.usp.br). Criada e desenvolvida pela Escola do Futuro da Universidade de São Paulo, a Bibvirt é um exemplo prático de como atender a uma necessidade real e atual da comunidade utilizando-se das novas tecnologias de comunicação e informação.
Observe que a interrogação de abertura do parágrafo não é essencial. Ela cumpre um papel retórico, uma vez que o próprio autor responde à pergunta. É uma forma simpática de envolver o leitor e despertar sua atenção.
Definição
O calazar é, assim, uma doença, uma endemia grave e um sintoma. Ele é o sintoma de um país doente, de cidades sujas, de famintos infectados que fogem dos grotões e acabam relegados a outro tipo de rincão, social e espacial, em mocambos, favelas e ambientes assemelhados das periferias urbanas. E a partir daí o mal se expande e contamina regiões até ricas. O calazar é, pois, sintoma das típicas mazelas brasileiras.
O objetivo do parágrafo é conceituar a doença calazar do ponto de vista da saúde e das condições sociais que a geram. No caso, o \u201csintoma\u201d a que faz referência a ideia-núcleo é a miséria e o isolamento de populações que têm vivido em condições subumanas.
Divisão
Dois grupos norte-americanos se debruçaram sobre essa forma de regeneração, obtendo resultados diferenciados, mas não inconciliáveis. Uma equipe, da Universidade Princeton, verificou que a reposição aumenta quando camundongos são submetidos a tarefas de aprendizado intenso. Outra, do Instituto Salk, constatou resultados semelhante com exercícios físicos continuados
Observe que, nesse parágrafo, a ideia-núcleo apresenta uma divisão, ao fazer referência a dois núcleos de pesquisa neurobiológica. As ideias secundárias desenvolvem essa divisão, expondo as conquistas científicas de cada um desses grupos.
Exemplificação
Não é mais possível escrever a frase \u201ceu subi para cima\u201d, no programa Word, da Microsoft, impunemente. \u201cFui a Bahia\u201d, assim sem crase, também nem pensar. \u201cMe dê os papéis\u201d, \u201cassistir o filme\u201d, \u201caluga-se casas\u201d e outros equívocos do gênero também estão proibidos. Isso porque a Microsoft incorporou à última versão do seu processador de texto (...), que já contava com um revisor ortográfico, o software de revisão gramatical desenvolvido pela Itautec com o apoio da USP e da Unicamp.
Note que o parágrafo é introduzido com o relato de várias situações cotidianas em que alguém redige textos no computador, fazendo uso do programa Word. Esses fatos servem como exemplos da ideia-núcleo, que o autor se propõe a desenvolver: o lançamento de um novo software, com mais recursos de revisão gramatical.
Alusão histórica
No passado, acordos semelhantes traduziram a repugnância da comunidade internacional contra as armas químicas e bacteriológicas, utilizadas de forma cruel e indiscriminada durante a Primeira Guerra Mundial. São esses mesmos acordos que hoje permitem punir a ditadura de Saddam Hussein, suspeita de manter tais arsenais químicos.
A alusão histórica é utilizada quando se deseja explicar algo do presente a partir de fato do passado, como no parágrafo acima. Serve também para comparações com a realidade atual. Ela pode ocupar parte do parágrafo ou o parágrafo inteiro.
Ilustração
Uma menina capixaba de 10 anos foi ontem sumetida a uma cirurgia, em ambiente limpo, atendida por profissionais credenciados, com o objetivo de interromper uma gravidez, mais que indesejada, decorrente da inominável violência que é o estupro. Se, após décadas no limbo, não tivesse passado a ter efeitos práticos mais amplos o dispositivo do Código Penal que permite o aborto em certos casos, talvez essa jovem estivesse sujeita a violências ainda maiores.
Diferentemente da estrutura convencional do parágrafo, que se inicia pela ideia-núcleo, esse tipo de parágrafo é introduzido por uma pequena narrativa que serve como ilustração do assunto (no caso do parágrafo acima, o aborto em uma menina de 10 anos). A ideia-núcleo, coincidindo com a conclusão, é explicitada apenas no final do parágrafo (no caso, a importância da lei, que permite abortos como esses, decorrentes de estupro).
Esse tipo de parágrafo causa um efeito emocional direto sobre o leitor, pois o faz vivenciar de perto a questão em análise.
Aula 8 \u2013 Material de Apoio \u2013 Profª Rossana \u2013 Análise Textual
A INTRODUÇÃO DO TEXTO DISSERTATIVO
A introdução de um texto é a parte que se destina a abrir o assunto, numa espécie de convite à reflexão.
Iniciar bem um texto faz com que o leitor tenha vontade de continuar a lê-lo. É nesse começo que, em linhas gerais, se define o que será dito e, em certa medida, também já se define o caminho que será trilhado para dizê-lo.
Numa introdução, é aconselhável mostrar por que o tema merece atenção, justificando com dados concretos, exemplos reais, situação histórica, e muitos outros elementos que se revelarem convenientes para cada assunto abordado.
Na introdução, há muito de convite. Cabe atrair a atenção desde o começo, colocando-se uma pitada de tentação para induzir à leitura ou à audição. A introdução deve ser como a isca que se mostra fascinante para atrair e pegar. Seduzir os receptores no ponto de partida, para viajarem juntos em toda a exposição. Para prender é preciso despertar. E despertar, sobretudo, uma impressão favorável.
Introduções possíveis:
Com uma afirmação geral sobre o assunto
Com uma consideração histórico-filosófica
Com uma citação
Com uma comparação
Com uma ou mais perguntas
Com uma narração
A CONCLUSÃO DO TEXTO DISSERTATIVO
A conclusão é fecho, arremate, acabamento.
Se a introdução é tão importante para apresentar a ideia geral do assunto, para prender a atenção, e o desenvolvimento para fornecer exemplos, dados, comparações, causas/consequências, a conclusão é igualmente importante para sintetizar o que foi dito, dando uma resposta à questão exposta no início.
A conclusão de uma dissertação deve aparecer totalmente sintonizada com o restante do texto. Se, para seu autor, ela fecha um raciocínio, para o leitor ela abre possibilidades reflexivas, introduzindo-o a apensar mais sobre o assunto.
Análise das partes que segmentam um texto dissertativo-argumentativo:
JÁ NÃO HÁ MAIS FUTURO PARA O ANALFABETO DIGITAL
	Introdução
Apresentação da idéia central.