Aula_07
3 pág.

Aula_07


DisciplinaPsicologia Jurídica9.246 materiais84.462 seguidores
Pré-visualização1 página
Universidade Estácio de Sá
Professora Antonia de La Cruz
Apostila elaborada por Antonia de La Cruz \u2013 Curso de Direito
AULA 7
PRECONCEITO, ESTEREÓTIPOS E DISCRIMINAÇÃO. 
ESTEREÓTIPOS: A BASE COGNITIVA DO PRECONCEITO
Na base do preconceito estão as crenças sobre características pessoais que atribuímos a indivíduos ou grupos, chamadas de estereótipos.
É um conjunto de características presumidamente partilhadas por todos os membros de uma categoria social. É um esquema simplista, mas mantido de maneira muito intensa e que não se baseia necessariamente em muita experiência direta. Pode envolver praticamente qualquer aspecto distintivo de uma pessoa \u2013 idade, raça, sexo, profissão, local de residência ou grupo ao qual é associada. 
Quando nossa primeira impressão sobre uma pessoa é orientada por um estereótipo, tendemos a deduzir coisas sobre a pessoa de maneira seletiva ou imprecisa, perpetuando, assim, nosso estereótipo inicial.
O estereótipo, em si, é frequentemente apenas um meio de simplificar e "agilizar" nossa visão do mundo.
Gordon Allport referia-se ao ato de estereotipar como fruto da "lei do menor esforço".
Nossos limitados recursos cognitivos, diante de um mundo cada vez mais complexo, é que nos fazem optar por estes atalhos, que se às vezes nos poupam, cortando significativamente o caminho, em outras, nos conduzem aos indesejáveis becos do preconceito e da discriminação.
ROTULAÇÃO
A rotulação seria um caso especial do ato de estereotipar. Em nossas relações interpessoais, facilitamos nosso relacionamento com os outros se atribuirmos a eles determinados rótulos capazes de fazer com que certos comportamentos possam ser antecipados.
Exemplo: quando um gerente rotula um empregado de "preguiçoso", ele "prevê" determinados comportamentos que este empregado deverá exibir frente a certas tarefas.
Profecia auto-realizadora => induzir o rotulado a se comportar da maneira que esperamos.
Ideologia inconsciente => conjunto de crenças que aceitamos implícita e não conscientemente. Um exemplo disto pode ser visto nas relações de género.
ESTEREÓTIPOS E GÊNERO
Papeis pré-determinados para homens e mulheres.
Exs: o estereótipo ligando os homens às funções de "herói" e as mulheres às de "mães" está profundamente entranhado na cultura.
A norma genérica dominante ainda exige dos homens que sejam machistas, narcisistas, onipotentes, impenetráveis e ousados. Qualquer desvio em relação a esta norma pode significar fracasso, debilidade ou sinal de homossexualismo.
ESTEREÓTIPOS E ATRIBUIÇÃO
O preconceito pode apresentar-se também via atribuição de causalidade.
A ação de uma pessoa => deduções acerca dos motivos que possam ter causado aquele comportamento. E o preconceito frequentemente contamina nossas percepções.
Ex: um padre saindo de um prostíbulo.
PRECONCEITO E DISCRIMINAÇÃO
Se o estereótipo é a sua base cognitiva, os sentimentos negativos em relação a um grupo constituiriam o componente afetivo do preconceito, e as ações, o componente comportamental.
O preconceito é uma atitude: uma pessoa preconceituosa pode desgostar de pessoas de certos grupos e comportar-se de maneira ofensiva para com eles, baseada em uma crença segundo a qual possuem características negativas.
Uma atitude é composta: - de sentimentos (componente afetivo),
- predisposições para agir (componente comportamental) e
- de crenças (componente cognitivo).
O preconceito poderia ser definido como uma atitude hostil ou negativa com relação a um determinado grupo, não levando necessariamente, pois, a atos hostis ou comportamentos persecutórios.
Discriminação=> refere-se à esfera do comportamento (expressões verbais hostis, condutas agressivas, etc.).
Sentimentos hostis + a crenças estereotipadas =>deságuam numa atuação que pode variar de um tratamento diferenciado a expressões verbais de desprezo e a atos manifestos de agressividade. 
 
O PAPEL DO BODE EXPIATÓRIO
Procuramos transferir nossos sentimentos de raiva ou de inadequação, colocando a culpa de um fracasso pessoal em algo externo ou sobre os ombros de uma outra pessoa.
\ufffdPAGE \ufffd
\ufffdPAGE \ufffd1\ufffd