Direito Administrativo (60)
7 pág.

Direito Administrativo (60)


DisciplinaDireito Administrativo I53.908 materiais983.642 seguidores
Pré-visualização2 páginas
PREPARATÓRIO PARA OAB
Professora: Dra. Renata Aguiar
DISCIPLINA: DIREITO ADMINISTRATIVO
Capítulo 2 Aula 2 
ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA, 
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DIRETA, 
INDIRETA E ENTIDADES PARAESTATAIS
Coordenação: Dr. Carlos Toledo
01
Demais entes da Administração indireta e entidades paraestatais
"Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, assim como a inclusão em qualquer sistema de processamento de dados. A 
violação do direito autoral é crime punido com prisão e multa (art. 184 do Código Penal), sem prejuízo da busca e apreensão do
material e indenizações patrimoniais e morais cabíveis (arts. 101 a 110 da lei 9.610/98 - Lei dos Direitos Autorais).\u201d
www.r2direito.com.br
Tema 1 - Empresas públicas
Tema 2 - Sociedades de economia mista
Tema 3 - Agências
Tema 4 - Contratos de gestão
Tema 5 - Organizações sociais 
Tema 6 - Organizações da sociedade civil de interesse público
EMPRESAS PÚBLICAS
As empresas públicas, nas lições do Prof. Celso Antonio Bandeira de Mello, são pessoas jurídicas de direito 
privado, criadas por lei, constituídas sob quaisquer das formas admitidas em direito e cujo capital seja 
formado somente por recursos de pessoas de Direito Público interno ou de pessoas de suas Administrações 
Indiretas, mas a predominância das ações deve estar diretamente em poder da União.
É importante destacar que as empresas públicas ou podem ser prestadoras de serviços públicos ou 
exploradoras de atividade de natureza econômica.
Importante destacar que serão aqui mencionadas as características destas entidades, mais extensamente 
abordadas na aula própria, razão pela qual recomenda-se que sejam analisadas conjuntamente com o que 
lá se expôs. São elas:
 - Trata-se de pessoas jurídicas de direito privado. 
 - O capital social é inteiramente público. 
 - Podem ter qualquer forma societária admitida em direito. 
 - Prestam serviços públicos ou exploram atividade de natureza econômica. 
 - Não têm o privilégio dos prazos processuais conferidos às entidades antes abordadas, nos termos do art. 
188 do Código de Processo Civil, e do entendimento do Supremo Tribunal Federal, conforme teor da ementa 
citada na aula correspondente.
No tocante à responsabilidade pelos danos que causarem a terceiros, trata-se de responsabilidade objetiva 
somente em relação às prestadoras de serviços públicos, conforme estabelece o art. 37, § 6º, da CF. Já as 
exploradoras de atividade de natureza econômica têm a responsabilidade da lei civil, não a 
responsabilidade objetiva.
 - Regime falimentar: há importante distinção, de acordo com o que foi exposto em aula, quer se trate de 
prestadoras de serviços públicos, quer se refira às exploradoras de atividade de natureza econômica. 
 - Possuem imunidade tributária apenas as prestadoras de serviços públicos que não cobrem pagamento de 
tarifas dos usuários. 
 - Competência para julgar as ações de que seja parte: no tocante às empresas públicas, nos termos do art. 
109, I, da CF, é da Justiça federal.
Responsabilidade direta das empresas públicas pela solvência das obrigações. Deve-se aqui também fazer a 
distinção entre empresa pública prestadora de serviços públicos e empresa pública exploradora de atividade 
de natureza econômica, conforme tratado na aula expositiva. 
Aula 2
02
SOCIEDADES DE ECONOMIA MISTA 
As sociedades de economia mista são pessoas jurídicas de direito privado, constituídas sob a forma de 
sociedade anônima, cujas ações com direito a voto pertençam, em sua maioria, à União ou entidade da 
Administração Indireta, e as restantes aos particulares.
Da mesma forma que as empresas públicas, as sociedades de economia mista ou são prestadoras de 
serviços públicos ou exploram atividade de natureza econômica.
Do conceito das sociedades de economia mista podem ser extraídos os seus caracteres:
 - São pessoas jurídicas de direito privado. 
 - Capital social é misto.
 - Só podem ser constituídas sob a forma de S/A. 
 - Prestam serviços públicos ou exploram atividade de natureza econômica. 
 - A competência para julgar as ações de que seja parte é da Justiça comum. 
No mais, tudo o que se disse em relação às empresas públicas, seja no tocante aos prazos processuais, ou à 
responsabilidade perante terceiros, ou à submissão ao regime falimentar é aplicável às sociedades de 
economia mista, tanto prestadoras de serviço público quanto exploradoras de atividade econômica.
Além dessas figuras jurídicas, há outras introduzidas pela Emenda Constitucional nº 19, de 4 de junho de 
1998, chamada de Emendão, ou de Reforma Administrativa, que modificou vários dispositivos do capítulo 
da Administração Pública, cuja leitura é indispensável. Trata-se das agências reguladoras, das agências 
executivas, dos contratos de gestão, das organizações sociais e das organizações da sociedade civil de 
interesse público.
AGÊNCIAS REGULADORAS
As agências reguladoras são autarquias sob regime especial, ou autarquias especiais, criadas para 
disciplinar e controlar certas atividades. Como são espécie do gênero Autarquias, a elas se aplicam todas as 
normas referentes às entidades.
Uma vez que são de grande relevância os serviços por elas regulados e fiscalizados, possuem privilégios, tais 
como independência administrativa, autonomia financeira e poder normativo.
A lei nº 10.871, de 20 de maio de 2004, dispõe sobre a criação de carreiras e organização de cargos 
efetivos das autarquias especiais denominadas agências reguladoras, explicitando que o regime jurídico de 
seus servidores é o estatutário.
São agências reguladoras:
1. ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica): criada pela Lei nº 9.427, de 26 de dezembro de 1996;
2. ANATEL (Agência Nacional de Telecomunicações): criada pela Lei nº 9.472, de 16 de julho de 1997;
ANP (Agência Nacional de Petróleo): criada pela Lei nº 9.478, de 06 de agosto de 1997;
"Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, assim como a inclusão em qualquer sistema de processamento de dados. A 
violação do direito autoral é crime punido com prisão e multa (art. 184 do Código Penal), sem prejuízo da busca e apreensão do
material e indenizações patrimoniais e morais cabíveis (arts. 101 a 110 da lei 9.610/98 - Lei dos Direitos Autorais).\u201d
www.r2direito.com.br
03
3. ANP (Agência Nacional de Petróleo): criada pela Lei nº 9.478, de 06 de agosto de 1997;
4. ANS (Agência Nacional de Saúde): criada pela Lei nº 9.961, de 28 de janeiro de 2000;
5. ANA (Agência Nacional de Águas): criada pela Lei nº 9.984, de 17 de julho de 2000;
É importante lembrar que a CVM (Comissão de Valores Mobiliários) também recebeu a qualificação de 
agência reguladora, mas foi mantido seu nome original.
Saliente-se que a única diferença marcante do regime das agências reguladoras é a nomeação dos seus 
dirigentes pelo Presidente da República, sob aprovação do Senado Federal, com mandato por prazo certo. 
Nisso se diferenciam das autarquias comuns, que têm seus dirigentes escolhidos pelos Ministros aos quais 
estão vinculadas, sendo que não há prazo certo para o mandato.
AGÊNCIAS EXECUTIVAS 
Agência executiva é uma qualificação feita pelo Presidente da República às autarquias e fundações que 
preencham dois requisitos: 1) devem ter um plano estratégico de reestruturação e de desenvolvimento 
institucional em andamento e, 2) devem ter celebrado contrato de gestão com o respectivo Ministério 
Supervisor.
Esses requisitos estão exigidos na própria lei que regula a qualificação de entes federais como agências 
executivas, que é a Lei nº 9.649, de 27 de maio de 1998.
É um mero "rótulo", ou seja, um atributo dado às autarquias e fundações, que quando são assim qualificadas 
passam a dispor de maior privilégio referente à licitação, porque para as agências executivas há uma 
ampliação dos limites de isenção ao dever de licitar.
Não confundir Agência Reguladora e Agência Executiva: conforme exposto em aula, a agência reguladora é 
pessoa jurídica