A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
1 pág.
307_METEOROLOGIA_E_CLIMATOLOGIA_VD2_Mar_2006

Pré-visualização | Página 1 de 1

METEOROLOGIA E CLIMATOLOGIA
Mário Adelmo Varejão-Silva
Versão digital 2 – Recife, 2006
293
co. Então, nos centros de alta pressão, para que haja equilíbrio entre as diferentes forças in-
tervenientes e Vgr seja fisicamente possível, é necessário que seja satisfeita a restrição:
⏐(∆p/∆n)Z ⏐ ≤ ρ f 2 R/4 
Então, a magnitude da componente horizontal da força do gradiente de pressão não pode ul-
trapassar a um certo limite, o qual depende da latitude (por causa de f) e da distância ao cen-
tro anticiclônico (por causa de R). Nas vizinhanças de um centro anticiclônico (onde R é pe-
queno), ⏐(∆p/∆n)Z ⏐ deve ser necessariamente pequeno. Conclusão: em torno de um centro
anticiclônico devem ser esperados pequenos gradientes de pressão e, como conseqüência,
ventos fracos.
2 - Nos ciclones, no entanto, não há limitação alguma. Ventos bastante fortes, associados a gra-
dientes de pressão elevados, são comuns próximo aos núcleos ciclônicos. 
A análise que acaba ser feita confirma teoricamente o que a observação tem demonstrado,
em relação à circulação do ar em torno de centros de alta e de baixa pressão. Na atmosfera, po-
rém, o movimento tem aceleração (d V
r
Z /dt não é nulo) e, como conseqüência, o vento não é rigo-
rosamente tangente às isóbaras, mas as cruzam formando um ângulo não muito grande (Hess,
1959), dirigindo-se para a área de pressão mais baixa. Aliás, isso é o que explica a convergência
do vento à superfície, que se observa nos centros ciclônicos e a divergência nos anticiclônicos.
9.3 - Aproximação ciclostrófica.
Outra hipótese passível de adoção com respeito à equação de diagnóstico VII.9.1 prende-
se àquelas situações em que é possível considerar praticamente nula a força defletora, como
acontece nas proximidades do equador (Fig. VII.16). Dessa simplificação resulta o chamado mo-
vimento ciclostrófico (Vci), que representa o vento esperado naquelas áreas em que as compo-
nentes horizontais das forças do gradiente de pressão e centrífuga (esta devido à trajetória curvilí-
nea do ar) são muito mais importantes que a de Coriolis. Sob essas condições a equação VII.9.1
ficaria reduzida a:
V
2
ci/R = – (1/ρ)(∆p/∆n)Z
Adotando apenas a solução positiva, já que Vci > 0, tem-se: 
Vci = (–R/ρ)(∆p/∆n)Z 1/2 (VII.9.13)
As únicas alternativas possíveis de raízes reais são R > 0 com (∆p/∆n)Z < 0 e R < 0 com
(∆p/∆n)Z > 0, que caracterizam uma área de baixa pressão com rotação horária e anti-horária,
respectivamente (Fig. VII. 16).
Aceita-se que o movimento ciclostrófico é igualmente válido nos tornados e nos redemoi-
nhos. Os primeiros normalmente apresentam circulação ciclônica típica do hemisfério em que se
formam, sugerindo que a aceleração de Coriolis é importante na fase inicial de seu desenvolvi

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.