A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
88 pág.
Tema_5_2010

Pré-visualização | Página 2 de 5

fundações (u); 
 Peso próprio da barragem(P); 
 Peso da água, atuando sobre faces inclinadas; 
 Ação da água por percolação, resultando 
esforços principalmente em sua base; 
Esforços horizontais; 
 Empuxo d’água de montante e de jusante(E); 
 Esforços de atrito. 
UFRJ 
30 
2. Barragens: esforços atuantes. 
E1
P
u
y1 y2
E2
x1
x2
(modificações quando há dreno...) 
UFRJ 
31 
2. Barragens: esforços atuantes. 
Estabilidade de uma barragem a gravidade: 
 
 Tombamento: 
 St = E2 Y2+ P x1 > St min (~1,3) 
 E1Y1 + u x2 
 Flutuação: 
 Sf = P > Sf min (~1,1) 
 U 
 
 
UFRJ 
32 
2. Barragens: esforços atuantes. 
 Estabilidade de uma barragem a gravidade: 
 Deslizamento 
 ∑ FH < φ Σ FV 
 φ = coeficiente de atrito admissível (concreto-concreto 0,75; 
Concreto – rocha boa 0,60 a 0,75; concreto-argila seca 0,51 
etc) 
 
 Esmagamento: as tensões máxima e mínima devem ser 
menores do que a do material que suporta a carga 
 σad > Σ FV 
 bL 
Tração (montante) compressão (jusante) 
 
 
UFRJ 
33 
2. Barragens: cota da crista. 
http://www.fcth.br/Cursos/cursos/phd5706/capacidade_de_reservatorios.pdf 
Cálculo do “fetch” 
UFRJ 
35 
2. Barragem de terra: percolação. 
2. Barragens: percolação. 
Na figura é possível observar a rede de percolação na fundação de uma 
barragem.Uma rede de percolação é uma representação gráfica das 
trajetórias da água ao passar através de um material permeável. 
http://www.georoteiros.pt/georoteiros/Apagina/multimedia.aspx?TIPO_galeria=Dia
gramas/esquemas 
 
UFRJ 
37 
2. Barragens: tratamento fundações. 
Tratamento da rocha de fundação: 
 Injeções de consolidação; 
 Injeções de impermeabilização; 
 Drenos (barragens de concreto) – eliminar 
pressões. 
 
UFRJ 
38 
2. Barragens: tratamento das fundações. 
As condições técnicas, que podem influir na determinação 
da escolha do tipo da barragem pertencem, 
principalmente, à geologia. 
Ou seja, o tipo da barragem depende da qualidade dos 
materiais sobre os quais ou com os quais deverá ser 
construída. 
Barragens de gravidade, de concreto, em arco , por 
exemplo, exercem esforços de pressão nas fundações que 
exigem, em geral, rocha sã. 
As barragens de terra ou de enrocamento não exigem 
condições especiais de fundação. 
UFRJ 
39 
Barragens de concreto: Tratamento da rocha de 
fundação. 
Injeções de consolidação: a rocha de fundação apresenta-
se, depois da escavação das camadas de terra, fendilhada. 
Com o uso de explosivos na escavação, a rocha é danificada 
e a coesão diminuída. A resistência da rocha fendilhada e 
deteriorada pela escavação pode ser restabelecida, ou ao 
menos melhorada, por meio de injeções de consolidação, 
usando, para isso, calda de cimento ou argamassa, 
conforme a largura das fendas. 
2. Barragens: tratamento das fundações. 
UFRJ 
40 
2. Barragens: tratamento das fundações. 
Barragens de concreto:Tratamento da rocha de 
fundação . 
Injeções de impermeabilização: Outro problema muito 
importante para o projeto de uma barragem consiste na 
percolação da água através do material da fundação, tanto 
no fundo, quanto nas encostas do vale. A percolação 
provoca três efeitos principais: 
•A perda d´água; 
•A eventual danificação do subsolo pelo fluxo da água, 
pondo em risco a estabilidade da construção e 
•A pressão sob o plano de fundação da construção 
(subpressão). 
UFRJ 
41 
Barragens de concreto:Tratamento da rocha de 
fundação. 
Injeções de impermeabilização: Para diminuir a 
permeabilidade do subsolo – é convicção quase unânime dos 
especialistas que uma vedação completa é impossível – e, 
assim, para combater seus efeitos nocivos, executam-se, 
geralmente, cortinas de injeção. O material injetado 
espalha-se, a partir dos furos, em todas as direções pelas 
fendas da rocha, formando, assim, uma zona de 
permeabilidade reduzida. 
2. Barragens: tratamento das fundações. 
UFRJ 
42 
Barragens de concreto:Tratamento da rocha de 
fundação. 
Drenos: O meio mais seguro para eliminar pressões, dentro 
da rocha e entre a rocha e o fundo de uma construção, 
consiste na execução de furas de drenagem. 
Por isso, debaixo das barragens de concreto, é executada 
uma fila de furos de drenagem, que geralmente 
desembocam numa galeria, disposta na parte de montante 
da barragem, se possível, abaixo do nível de jusante mais 
baixo. 
2. Barragens: tratamento das fundações. 
UFRJ 
43 
Nos locais previstos para a construção da barragem onde a 
rocha firme está coberta por uma camada de aluviões, 
entulhos e outros solos, que por sua grande espessura não 
podem ser removidos, o tipo indicado é a barragem de 
terra ou de enrocamento. 
É claro que o tratamento das fundações é diferente dos 
métodos aplicados na fundação em rocha. 
As solicitações específicas nas fundações, exigidas pelo 
peso da barragem são muito menores. 
2. Barragens: tratamento das fundações. 
UFRJ 
44 
Barragens de solo/enrocamento:Tratamento do solo de 
fundação. 
Injeções de consolidação: São desnecessárias. 
Injeções de impermeabilização: Mesmo com efeito apenas 
parcial, nesses casos, são de maior importância, não 
somente para diminuir as perdas d´água ou a subpressão 
exercida sobre as construções mas também para evitar ou 
diminuir a percolação subterrânea ligada ao perigo de 
lavagem dos materiais finos e ao perigo de 
enfraquecimento da fundação. 
 
2. Barragens: tratamento das fundações. 
UFRJ 
45 
3. Aspectos construtivos. 
 
Há, essencialmente, 2 grandes enfoques, quando se fala de 
aspectos construtivos de aproveitamentos hidrelétricos: 
 Cronograma e planejamento construtivo: interferência 
com outras áreas, tais como, geologia, geotecnia, hidrologia, 
aspectos sócio-econômicos, áreas de empréstimos, situação 
das estradas, vila dos trabalhadores, variabilidade temporal, 
desvio do rio, vias de acesso, dentre outros. 
 Algumas estruturas principais - Detalhes de aspectos 
construtivos: vertedouro, casa de força, tomada d´água, 
ensecadeiras, etc 
Porém, é no imprevisível que reside a criatividade do 
engenheiro... 
UFRJ 
46 
3. Aspectos construtivos: 
cronograma e planejamento. 
 Para iniciar o planejamento da construção, devem ser fixadas 
as principais premissas adotadas, tais como: 
 Etapas da obra; 
 Data do desvio do rio; 
 Data do enchimento do reservatório; 
 Data do início de geração da primeira unidade; 
 Intervalo do início de geração das demais unidades; 
 Alturas de camadas de concretagem e tipos de concreto 
(refrigerado ou não), por estrutura, da Obra; 
 Critérios de empilhamento do material escavado e destino; 
 Projetos sócio-ambientais (datas marco); 
 Data limite para obtenção das licenças de operação. 
 ensecadeiras, etc 
UFRJ 
47 
Os estudos de planejamento construtivo e o estabelecimento 
do cronograma das obras civis e de montagem visam os 
seguintes objetivos: 
 Atender as datas de geração estabelecidas; 
 Avaliar e sugerir ações quanto às interfaces entre as 
atividades de construção civil e montagem eletromecânica; 
 Fornecer subsídios para a mobilização do empreiteiro das 
obras civis principais e dos serviços de montagem 
eletromecânica; 
 Fornecer subsídios para definições das datas início de 
fabricação dos equipamentos eletromecânicos, dos prazos de 
fabricação e das datas de entrega na obra. 
3. Aspectos construtivos: 
cronograma e planejamento. 
 
UFRJ 
48 
O estudos de planejamento construtivo também devem definir as 
etapas construtivas básicas e devem ser desenvolvidos 
simultaneamente com os estudos de desvio do rio. Esses estudos 
deverão considerar, entre outros, os seguintes aspectos: 
 
 Hidrologia: vazões, níveis, pluviosidade; 
Volumes de serviços: escavações em solo e rocha, aterros, 
enrocamentos, volumes de concreto por tipo; 
 Balanceamento dos materiais das escavações obrigatórias; 
 Distância de transporte; 
 Critérios para lançamento de materiais