CCJ0009-WL-PA-27-T e P Narrativa Jurídica-Novo-34118
3 pág.

CCJ0009-WL-PA-27-T e P Narrativa Jurídica-Novo-34118


DisciplinaTeoria e Prática da Narrativa Jurídica738 materiais3.484 seguidores
Pré-visualização1 página

	 
			
			 Plano de Aula: Teoria e Prática da Narrativa Jurídica
			 TEORIA E PRÃ\ufffdTICA DA NARRATIVA JURÃ\ufffdDICA
			
		
		
			Título
			Teoria e Prática da Narrativa Jurídica
			 
			Número de Aulas por Semana
			
				
			
			Número de Semana de Aula
			
				14
			
 
 Tema
		 Produção da narrativa simples e da narrativa valorada: orientações finais.
		
		 Objetivos
		 
O aluno deverá ser capaz de:
- Aperfeiçoar a produção das narrativas jurídicas;
- Desenvolver diferentes estratégias para a narrativa dos fatos controvertidos;
- Produzir textos coesos e coerentes.
		
		 Estrutura do Conteúdo
	 
1. Narrativa jurídica simples e valorada
2. Cronologia dos fatos
2.1. Caso concreto com poucos fatos controvertidos
2.2. Caso concreto com muitos fatos controvertidos
3. Coesão e coerência textuais
	
	 Aplicação Prática Teórica
 
Ao longo do semestre, estudamos todo o conteúdo necessário à produção das narrativas jurídicas. Neste encontro, já a título de revisão para as últimas provas, vamos aprimorar pontualmente algumas orientações sobre como organizar a cronologia dos fatos do caso concreto.
 
Se houver eventuais pontos controvertidos, sugerimos seguir a ordem cronológica e, no ponto da controvérsia, por meio da polifonia, mostrar as duas versões. Se, porém, as partes possuem versões muito diferentes sobre grande parte dos eventos, melhor seria narrar, em primeiro lugar, a versão de quem acusa (parte autora) e, depois, a versão da parte ré, estratégia que ainda observa a cronologia dos eventos, uma vez que, no processo, autores pronunciam-se antes dos réus.
 
QUESTÃ\u192O
 
Com base nas informações sobre os casos que seguem, redija um relatório para cada caso concreto.
 
 
Caso concreto 1
 
Na tarde de domingo, o vendedor ambulante Francisco Lopes da Silva foi autuado e preso em flagrante pelo atropelamento, seguido de morte de uma jovem de 14 anos e ferimentos em duas outras, ao dar marcha-ré para entrar na garagem de sua casa com a saveiro de um amigo. Ele estava bêbado e não possuía carteira de habilitação. O ambulante demonstrou ser duplamente irresponsável ao dirigir veículo alheio, após ingerir bebida alcoólica e dirigir sem ter habilitação. 
 
Embora Francisco pudesse estar tentando fazer um favor a um amigo, ele nunca poderia ter assumido tal responsabilidade. Na realidade, tanto o ambulante, quanto o dono do carro, são solidariamente responsáveis pelo trágico acontecimento naquela tarde de domingo. Francisco, pelos motivos já aqui registrados; o dono do carro, por não perceber, embora também sob o efeito do álcool, que estava entregando, nas mãos do acusado, uma arma poderosa contra a vida â\u20ac\u201c seu veículo. Como a irresponsabilidade das pessoas, atos impensados, atitudes infelizes, são capazes de, num curto espaço de tempo, transformar uma tarde, um final de semana, em uma verdadeira tragédia? Sim, pois aquelas três jovens estavam conversando, devaneando em seus mundos de adolescentes, na calçada de casa, em local aparentemente seguro e, de repente, a tragédia â\u20ac\u201c o ato mal feito â\u20ac\u201c o fim para Gláucia, a tristeza para as famílias, o horror estampado na mente de Esteice e de Thaís! 
 
Passado o momento de torpor, aí sim, chega a realidade, a revolta, a tentativa de agressão e de linchamento. Tudo muito natural até para a realidade de então. Além disso, se analisarmos melhor os fatos, veremos que não cabe a desculpa apresentada por Francisco, pelo fato de ter sido pego em flagrante delito na direção do veículo objeto do atropelamento â\u20ac\u201c aliás, muito sem propósito. O depoimento de uma das vítimas é incisivo ao afirmar ter visto Francisco circular na direção de referido veículo por diversas vezes, na rua do acidente, antes de provocá-lo. Ao mesmo tempo, não cabe a desculpa de embriaguez para fugir às responsabilidades. Pelo menos ela não foi capaz de afetar o raciocínio do acusado ao desculpar os próprios atos.
 
Cabe aqui ressaltar que o nosso Código Penal, em seu artigo 121 qualifica o homicídio dizendo o seguinte: â\u20ac\u153Art. 121 - Matar alguém; Pena- reclusão, de 6 (seis) a 20 (vinte) anos;â\u20ac\ufffd e o art. 18, I caracteriza o crime doloso como sendo aquele em que o agente quis o resultado ou assumiu o risco de produzi-lo. No caso presente, o ambulante cometeu contra Gláucia o crime de homicídio doloso, pois a parte final do inciso I diz: â\u20ac\u153assumiu o risco de produzi-loâ\u20ac\ufffd.  Realmente, ao dirigir um carro sem carteira de habilitação ele assumiu o risco de produzir o resultado morte. Entretanto, ao atropelar e causar ferimentos nas duas outras adolescentes, ele também infringiu a norma penal â\u20ac\u201c tentativa de homicídio, isto é, melhor dizendo, homicídio tentado â\u20ac\u201c pela combinação do art. 121 do Código Penal com o art. 14, II. No crime tentado, a consumação não chega a ocorrer por circunstâncias alheias à vontade do agente. Neste caso, a consumação não ocorreu porque as vítimas estavam próximas ao muro da casa, que impediu a consumação. 
 
                Diante de todo o acima exposto, requeremos que o acusado seja incurso nos crimes de homicídio doloso de Gláucia e, em relação à Thaís e Esteice, crime de homicídio tentado, devendo também o dono do veículo ser indiciado como coautor nos crimes citados.
 
 
Caso concreto 2
 
A estudante Lígia Lara Santos, de 20 anos, foi presa em 08 de março de 2011 após confessar o assassinato do pai, o pedreiro Lauro Joaquim da Silva, de 48 anos. Ela contou à polícia que o pai se tornava agressivo quando bebia e a ameaçava de morte.
 
Disse ainda que, cansada das agressões, pediu ajuda ao namorado, Ricardo Cardoso da Silva, 18 anos, com quem se relacionava há oito meses, para se livrar do pai.
 
A estudante, que se mostrou calma durante todo depoimento, disse que o relacionamento familiar sempre foi ruim e que a mãe está presa por tráfico de drogas.
 
O casal foi coincidentemente abordado pela polícia porque os policiais suspeitaram de que os dois estivessem levando produto de roubo.
 
O crime ocorreu por volta das 3h da manhã, quando o pedreiro, depois de passar a noite em um bar, voltava para casa, no bairro de Cangaíba, na Zona Leste de São Paulo. Ao entrar, foi surpreendido pela filha e o namorado. Enquanto o rapaz segurava o pedreiro, Lígia o atingiu com cerca de 30 facadas.
 
O corpo foi amarrado com pedaços de corda de varal. Embrulhado em lençóis, cobertor, tapete e saco plástico preto e posto em um carrinho do tipo utilizado para transportar bagagem. A ideia, segundo a estudante, era jogar o corpo num córrego próximo. Antes de deixar a casa, os criminosos ainda trocaram de roupa.
 
Na rua, a dupla foi abordada por policiais da 3ª Companhia do 8º Batalhão da Polícia Militar, que desconfiaram de que o casal estivesse transportando mercadoria roubada. Percebendo a aproximação da PM, Ricardo fugiu, mas Lígia foi presa.