3. Febres e dores articulares
84 pág.

3. Febres e dores articulares


DisciplinaInfectologia1.219 materiais6.916 seguidores
Pré-visualização2 páginas
periféricas e coluna lombar
Discreto sintomas sistêmicos
*
Artrite Tuberculosa
TUBERCULOSE ARTRITE / OSTEOMIELITE
 - Trauma: 25%
 - coluna: 50% cx fem: 15% joelho: 15%
 - D. pulmonar concomitante: 20%
 - Cicatricial: 50%
 - Tempo para diagnóstico : 19 meses
 - Liq. sinovial \u2013 bac.: 27% cultura: 60%
 - Biópsia : granuloma 95% caseum 55%
 - Bactéria 10%
*
Artrite Tuberculosa
Rx de tórax normal ou seqüelas
PPD
Estreitamento do espaço articular
Erosões ósseas
Ausência de esclerose óssea
*
Artrite Tuberculosa
Tipos:
Espondilite (Mal de Pott) - 50%
Artrite periférica \u2013 30%
Osteomielite e dactilite
Tenosinovite e bursite
*
Espondilite tuberculosa
Inicia no osso subcondral
Coluna lombar baixa / lombar alta
Pode formar abscessos
QC: - Lombalgia / rigidez
 - Insidiosamente
 - Cifose acentuada
 - Alterações neurológicas
 - Manifestações sistêmicas 
*
Espondilite tuberculosa
VHS elevado
Erosão vertebral / Estreitamento
Várias vértebras afetadas
Presença de calcificação
Ausência reação periostal / esclerose
TC / RM = \u2018abscesso frio\u2019
Cintilografia óssea
*
ESPONDILODISCITE
*
*
Espondilite tuberculosa
Diagn.: - Identificação do bacilo
 - Cultura 40% +
 - Biópsia óssea 70% +
 
Dx. Dif. - Espondilite infecciosa
 - Neoplasia
*
Artrite periférica
Hematogênica
Idosos
Monoarticular / insidioso
Articulações que sustentam peso
Sintomas sistêmicos
Rigidez / edema / limitação articular
Poliartralgia
*
Artrite periférica
 Diagnóstico:
Borramento do osso subcondral
Erosões ósseas / sem esclerose
Estreitamento articular
RMN
Rx de tórax normal
PPD 90% +
Líquido inflamatório ( PMN, glicose baixa)
BAAR 20% / Cultura 80% 
Biópsia sinovial 94%
*
*
Tratamento
Evitar peso
Sem imobilização
Esquema RIP por 6 meses
Pode aumentar o tto p/ 9 meses
Piridoxina (B6)
Debridamento = sintomas neurológicos
*
Brucelose
Ingestão de leite / carne de gado
Brucella sp
Reativa e não-reativa
Dor persistente agravada pelo repouso
Ausência de febre, hepato-esplenomegalia, linfoadenopatia, leucopenia ou pancitopenia
Diag: Bacteriologia / Sorologia (ELISA)
Artrite periférica, espondilite, sacroiliíte, osteomielite e bursite
*
Brucelose
 Artrite periférica:
 - Afeta quadril, joelho, cotovelo
 - Monoarticular = cultura +, ATB
 - Poliarticular = tende a ser reativo, cultura neg., independe do ATB, semelhante AR
 - Líquido; 300- 49.000 cels (Mono)
 Glicose baixa
 Cultura 15-70% + 
 
 
*
Brucelose
Sacro-iliíte: unilateral , formas crônicas
Espondilite (raro) = idosos
Rx = Erosão margem ant.-superior
 Estreitamento do corpo vertebral
Brucelose x TBC
TTO = Tetraciclinas/ Rifampicina / Estreptomicina
*
*
Artrite Fúngica
Incomum: 5-10%
Distribuição geográfica / exposição ocupacional
TTO requer antifúngico + debridamento
Pulmões são porta de entrada
Auto-limitada em hospedeiros saudáveis
Monoartrite crônica indolente e/ou osteomielite em imunocomprometidos ou disseminação 
Diagnóstico através da identificação do fungo no líquido sinovial ou tecido
*
Artrite Fúngica
*
Artrite Parasitária
Raro
Áreas endêmicas ou viajantes
Infecção com parasitas intestinais ou que invadam tecidos
Mono / poliartrite
Aguda / crônica
Pobre resposta a AINE
Resolução após erradicação do parasita
Miosite e alterações de enzimas musculares
*
Artrite Parasitária
*
ARTRITE VIRAL
Parvovirus B19. 
Hepatitis A virus. 
Hepatitis B virus. 
Hepatitis C virus.
Rubella virus. 
Alphaviruses. 
Human immunodeficiency virus
Human T-lymphotropic virus 1.
*
*
Artrite viral
História:
Artrite ocorre durante período prodômico, quando inicia o rash. Padrão c/ pequenas articulações e assimétricas mas não único. Artrite não é destrutiva e não se cronifica.
*
Artrite viral
PARVOVIRUS B19 (eritema infeccioso na infância)
É responsável por 12% dos casos agudos de poliartrite em adultos que tem contacto com crianças. 
Professores: 50% de risco de adquirir a infecção.
O pico de aparecimento é no inverno tardio e primavera.
*
Artrite viral
PARVOVIRUS B19 
Crianças
70% assintomático
Poucos podem ter sintomas como resfriado comum ( cefaléia, dor de cabeça, tosse, dor de garganta, febre , artralgias, diarréia)
Típico rash é notado nas bochechas 
Sintomas articulares 5-10%
*
Artrite viral
PARVOVIRUS B19 
Adultos (forte resfriado sem lesão de pele)
Rash raro
Dor articular em 60% , mais artralgias que artrite, geralmente auto-limitada, simétrica, art. periféricas, mãos, tornoz., joelhos, punhos. Edema e rigidez matinal. Artralgia pode durar até meses e anos. 
50% preenche critério para AR.
*
Artrite viral
PARVOVIRUS B19 
Achados clínicos raros
P. Henoch-Schonlein raro mas possível
Purpura trombótica trombocitopênica
Poliarterite nodosa \u2013rara
Granulomatose de Wegener possível
TRANSMISSÃO
Secreção respiratória, produtos sanguineos
Transmissão vertical mãe-feto alta mortalidade no primeiro trimestre.
Diag. Ac IgM anti-parvovirus B19 na fase aguda
*
Artrite viral
RUBEOLA
Vírus membro Rubivirus família Togaviridae
Precede exantema em semanas
Artrite cumulativa, simétrica, de mãos, punhos e joelhos em mulheres jovens
Rigidez Matinal \u2013 pequenas art. de mãos e pés
A artrite pós-vacinal pode ser recorrente ou persistente. 
Rara em crianças.
*
Artrites virais
HEPATITE B - Artrite/artralgia simétrica, nas pequenas articulações. Na fase pré ictérica associada a rash maculopapular, púrpura palpável, urticária.
CAXUMBA- Artrite de grandes articulações cerca de 10 dias após o início da parotidite e persiste por média de 12 dias.
*
\u201cSomos o que
repetitivamente
fazemos. Logo, a
excelência não é
um feito, mas um
hábito.\u201d
Aristóteles
*
*
*
OBRIGADO !
*
Back-Up
*
*
*
*