Trabalho 1 - Eco. Fin. II - (Respostas)
6 pág.

Trabalho 1 - Eco. Fin. II - (Respostas)


DisciplinaEconomia Financeira II9 materiais166 seguidores
Pré-visualização2 páginas
1. Descreva as políticas econômicas abordadas na aula ( livro texto \u2013 2.1; 2.2;  2.3) e defina o mercado de crédito (livro texto \u2013 4.2). Faça uma apresentação de como estas políticas interferem no mercado de crédito.
A  economia de um pais é comandada por seu governo, basicamente através de instrumentos de política monetária, fiscal ou cambial.
O Banco Central em geral é o encarregado pela política monetária e, para isso, conta com 3 instrumentos: (I) taxa de depósitos compulsórios, (II) operações de open market e (III) política de redesconto/empréstimos de liquidez.
(I) A taxa de compulsórios consiste na porcentagem do total de depósitos que cada banco não poderá emprestar, sendo obrigado a manter no BC de forma a limitar sua alavancagem. Ao reduzir esta taxa, por exemplo, aumenta-se a quantidade de dinheiro disponível na economia, pressionando para baixo os juros, num movimento expansionista.
(II) Nas operações de open market, o Banco Central compra ou vende títulos da dívida publica de forma a controlar a taxa de juros de curto prazo da economia. Trata-se de um instrumento amplamente usado, devido a sua alta agilidade e efeito rápido sobre os mercados. A compra de títulos, por exemplo, injeta liquidez na economia, expandindo o volume de meios de pagamento disponíveis, consequentemente reduzindo as taxas de juros. Analogamente, quando o objetivo for contracionista, a autoridade monetária emite títulos, limitando a oferta monetária da economia.
As colocações destes títulos, quando feitas pela primeira vez, constituem o chamado mercado primário - que é por sua vez, um importante meio de se controlar a oferta de moeda e o custo do dinheiro. Para isto, o BC coordena leiloes periódicos, que podem ser formais (envolvendo todas as instituições interessadas) ou informais (onde negocia-se apenas com os dealers, que em seguida repassarão aos demais players do mercado). Os leiloes informais são utilizados para operações compromissadas, onde o BC negocia títulos assumindo o compromisso de resgatá-los em um prazo fixado (em geral no overnight); já os leiloes formais envolvem operações definitivas, onde os títulos são incorporados na carteira do adquirente. No mercado secundário, ocorre a renegociação dos títulos adquiridos no mercado primário, onde os poupadores não podem participar.
Os dealers são instituições financeiras credenciadas a operar diretamente com o Governo na negociação de títulos públicos. Para isso, precisam apresentar um volume mínimo de operações, além de elevado padrão ético.
(III) Quando eventualmente uma instituição enfrenta aumento grande de demanda por recursos por parte de seus depositantes, o Banco Central se dispõe a realizar os chamados empréstimos de liquidez, de forma a equilibrar seu caixa. O custo destas operações é a taxa de redesconto. A determinação desta taxa tem impacto no nível de liquidez da economia, bem como sobre os juros cobrados pelos bancos comerciais. Quanto maior a taxa de mercado em relação a taxa de redesconto, mais o bancos irao querer ofertar crédito
A política monetária exerce forte influencia sobre o mercado de crédito. Uma intervenção expansionista (redução do compulsório ou compra e títulos no mercado aberto, por exemplo) irá elevar a liquidez da economia, reduzindo a taxa de juros e, consequentemente, aumentar a demanda por crédito.
A política fiscal envolve decisões voltadas para os gastos e receitas do setor público. Assim, para atingir seus objetivos macroeconômicos, o governo determina a carga tributária e o planejamento de suas despesas. Uma alíquota de impostos mais elevada, por exemplo, reduz a renda disponível dos consumidores, impactando negativamente a demanda agregada. Por outro lado, uma expansão dos gastos públicos impulsiona a demanda agregada, contribuindo positivamente para a renda do pais. Tais medidas também exercem, obviamente, efeito sobre o orçamento do governo. Uma redução da carga tributaria combinada com um aumento dos gastos, por exemplo, gera um déficit nas contas publicas, que geralmente é coberto por emissão de moeda ou títulos públicos, o que eleva a dívida publica.
É importante observar que tanto a colocação de títulos como a emissão de moeda irão alterar o volume de meios de pagamento e as taxas de juros praticadas nesta economia (e, consequentemente, o mercado de crédito). Desta forma, torna-se imperativo que a política fiscal seja planejada em conformidade com a política monetária em praticada.
A política cambial consiste na administração das taxas de câmbio, destinada a equilibrar o funcionamento da economia e seu balanço de pagamentos. Para tanto, a autoridade monetária realiza operações cambiais de acordo com as diretrizes do modelo escolhido para o pais (câmbio fixo, flutuante, currency board, etc.).
Em uma economia de câmbio fixo, o valor da moeda é atrelado a um referencial como ouro ou dólar. O Banco Central efetua operações cambiais para manter a paridade inalterada, o que traz maior previsibilidade para o comercio internacional e, por outro lado, anula a capacidade de execução de política monetária, uma vez que todos os seus instrumentos voltam-se para o objetivo de manter o câmbio fixo.
O câmbio flutuante já apresenta maior instabilidade, mas propicia maior agilidade no tratamento de eventuais desquibilibrios economicos, alem de nao inviabilizar a política monetária.
No system de currency board, a autoridade monetária lastreia a emissão de moeda nacional em uma reserva de moeda estrangeira, comprometendo-se a efetuar o câmbio a uma cotação fixa.
O mercado de crédito envolve a concessão e tomada de crédito por pessoas físicas e empresas através de operações tipicamente realizadas por bancos (comerciais e múltiplos). As instituições bancárias podem fazê-lo através de vários produtos, dentre os quais estão o desconto de duplicatas e notas promissórias (adiantamento de recebíveis por meio da cessão de seus direitos. O credor do título negocia para receber o dinheiro antes do vencimento, aceitando um deságio sobre o valor de face), contas garantidas (equivale a uma conta com limite garantido pelo banco;), Hot Money (empréstimos de curto prazo para cobrir necessidade de caixa), Vendor (vendedor recebe a vista do banco o valor da venda e o comprador paga ao banco a prazo), ACC (banco adianta aos exportadores recursos lastreados nestes contratos firmados com importadores estrangeiros; assim as exportadoras podem ter seus recursos antecipados), etc.
2. Apresente as instituições normativas e de intermediação que influenciam este mercado de crédito, descrevendo sua função/atuação.
Instituições Normativas:
Conselho Monetário Nacional: encarregado de formular a política monetária e de crédito para atender aos interesses econômicos e sociais do pais. Para tanto, assume funções legislativas das instituições financeiras publicas e privadas e processa o controle do sistema financeiro. É um órgão apenas normativo, não desempenhando nenhuma atividade executiva. Neste escopo, direciona a política cambial e supervisiona as operações envolvidas, visando o controle da taxa de câmbio e o equilíbrio no balanço de pagamentos.
Banco Central: órgão responsável pela execução das políticas estabelecidas pelo CMN, bem como pela fiscalização do Sistema Financeiro Nacional (fiscaliza e impõe disciplina ao mercado com limites, penalidades e regras de conduta). Para executar a política monetária, controla as operações de redesconto, os depósitos compulsórios, a emissão de moeda, e efetua operações de títulos públicos no mercado aberto.
CVM: autarquia vinculada ao Ministério da Fazenda, que visa a normatização e o controle do mercado de valores mobiliários. Atua sob a orientação do CMN e seus integrantes são nomeados pelo Presidente da República (quatro diretores, além de um presidente). Suas atividades abrangem instituições financeiras, empresas de capital aberto e investidores.
Banco do Brasil: sociedade anônima de capital misto com exercido pela União, sendo o principal agente financeiro do Governo Federal em sua política creditícia e financeira.