4. Exantema febril
112 pág.

4. Exantema febril


DisciplinaInfectologia1.281 materiais6.993 seguidores
Pré-visualização3 páginas
Universidade Federal de Santa Maria
Curso de Medicina 
Disciplina de Doenças Infecciosas
Doenças Exantemáticas FebrisDoenças Exantemáticas Febris
Prof. Alexandre V. Schwarzbold
 
 
Conceito
\u2022 O que é exantema?
\u2022 É a manifestação cutânea de uma infecção 
sistêmica
\u2022 Mancha de fundo vascular e natureza 
infecciosa, alérgica, tóxica ou física;
\u2022 ação direta do microorganismo ou por seus 
produtos tóxicos
\u2022 O que é enantema?
\u2022 É a manifestação mucosa de uma infecção 
sistêmica
 
Doenças Exantemáticas
\u2022 Doença infecciosa sistêmica na qual a 
manifestação cutânea é marcante e dado 
fundamental para o diagnóstico.
\u2022 Apresentação característica o qual o diagnóstico 
é baseado na história epidemiológica de contato 
com doentes e animais, no aspecto e 
distribuição do exantema, e dos sinais e 
sintomas que o precedem ou o acompanham.
\u2022 Desafios \u25ba comuns a várias infecções e causas 
não-infecciosas (hipersensibilidade, invasão 
local, lesões químicas e físicas)
 
\u2022 Exantema é variável, de acordo com tipo 
de afecção/erupção:
\u2013 Macular
\u2013 Papular (máculo-papular)
\u2013 Vesicular
\u2013 Pustuloso (pápulo-vesicular)
\u2013 Purpúrico/petequial
\u2013 Urticariforme
\u2013 Nodular ou ulcerativo 
 
Harrison`s Principles of Internal Medicine. Harrison`s Principles of Internal Medicine. 
16th ed. New York: McGraw-Hill 200516th ed. New York: McGraw-Hill 2005
 
Harrison`s Principles of Internal Medicine. 16th ed. New Harrison`s Principles of Internal Medicine. 16th ed. New 
York: McGraw-Hill 2005York: McGraw-Hill 2005
Não-infecciosas
 
Tipos de Exantema
 
MACULOPAPULAR PAPULOVESICULAR
 
1. EXANTEMA MACULOPAPULAR:
\u2022 Manifestação cutânea mais comum nas doenças 
infecciosas sistêmicas.
\u2022 Pode ser caracterizado por diversos tipos:
1. Morbiliforme
2. Escarlatiniforme
3. Rubeoliforme
4. Urticariforme.
 
\u2022 MORBILIFORME: 
pequenas maculo-pápulas 
eritematosas (03 a 10 mm), 
avermelhadas. Ex: 
sarampo e mononucleose. 
\u2022 ESCARLATINIFORME: 
eritema difuso, puntiforme, 
vermelho vivo, sem 
solução de continuidade. 
Ex: escarlatina.
 
\u2022 RUBEOLIFORME: 
semelhante ao morbiliforme, 
porém de coloração rósea, com 
pápulas um pouco menores. 
Ex: rubéola 
\u2022 URTICARIFORME: erupção 
papuloeritematosa de 
contornos irregulares. Típico 
de reações medicamentosas, 
alergias.
 
Exantemas Maculopapulares
\u2022 Exantemas morbiliformes
SARAMPO
 EXANTEMA MONONUCLEOSE 
 SÚBITO
\u2022 Exantemas ERUPÇÕES
 urticariformes MEDICAMENTOSAS 
 
Exantemas Maculopapulares
\u2022 Exantemas rubeoliformes
\u2022 Exantemas RUBÉOLA
 Escarlatiniformes
 MONONUCLEOSE
ESCARLATINA
 ERITEMA SOLAR
 
Exantemas Maculopapulares
\u2022 Outros exantemas maculopapulares
ERITEMA INFECCIOSO D. KAWASAKI
 
2. EXANTEMA PAPULOVESICULAR 
\u2022 Presença de pápulas e lesões 
elementares de conteúdo 
liquido (vesicular). É comum a 
transformação de maculo-
pápulas em vesículas, vesico-
pústulas, pústulas e crostas. 
Podendo ser localizado (herpes 
simples e zoster) ou 
generalizado (varicela, varíola, 
impetigo, estrófulo).
 
Exantemas Papulovesiculares
\u2022 Exantemas papulovesiculares, geralmente
 AFEBRIS: 
 IMPETIGO
HERPES HERPES 
SIMPLES ZOSTER MILIÁRIA 
 
 ESTRÓFULO MOLUSCO CONTAGIOSO 
 
Exantemas Papulovesiculares
\u2022 Exantemas papulovesiculares, geralmente 
FEBRIS:
VARICELA COXSACKIE 
 (Síndrome mão-pé-boca)
 
3. EXANTEMA PETEQUIAL OU PURPÚRICO
\u2022 Alterações vasculares com ou sem 
distúrbio de plaquetas e de 
coagulação. 
\u2022 Pode estar associado a infecções 
graves como meningococemia, 
septicemia bacteriana ou febre 
maculosa. 
\u2022 Presente também em outra infecções 
como citomegalovírus (CMV), 
Dengue e em reações por drogas.
 
Exantemas Petequiais ou 
Purpúricos
\u2022 Meningococcemia
\u2022 Ricketiose (Febre Maculosa)
\u2022 Enterovirose
\u2022 Dengue
 
Doenças exantemáticas
\u2022 Varicela
\u2022 Sarampo
\u2022 Rubéola
\u2022 Exantema súbito ou roséola infantum
\u2022 Eritema infeccioso
\u2022 Escarlatina
\u2022 Enterovirose
\u2022 Mononucleose
\u2022 Ricketsioses
\u2022 Dengue
\u2022 Herpes simples
\u2022 Doença de Kawasaki
INFÂNCIA
 
Varicela
\u2022 Vírus Herpesvirus varicellae
\u2022 Faixa etária: 2- 8 anos e adulto jovem 
\u2013 Rara em <3 meses \u2013 proteção materna?
\u2022 Período de incubação : 14 - 21 dias
\u2022 Maior incidência na primavera e inverno
 
Varicela
\u2022 Pródromos
\u2013 1-2 dias
\u2013 Discretos \u2013 febre, cefaléia, mialgia
\u2022 Exantema
\u2013 1ª manifestação
\u2013 8-10 dias
\u2013 Pápulas, vesículas, pústulas e crostas 
(últimas não contém vírus viáveis).
\u2013 Prurido.
 
Varicela
 
Varicela
\u2022 Período de contágio
\u2013 1-2 dias antes do exantema até última crosta
\u2013 Alta contagiosidade
\u2013 Transmissão \u2013 contato direto (gotículas), vias 
indiretas (mãos e roupas).
 
Varicela
\u2022 Características
\u2013 Lesões centrípetas, evolução em surtos
\u2013 Polimorfismo/pleomorfismo regional
\u2013 Atinge mucosas e couro cabeludo
\u2013 Imunidade geralmente permanente
\u2013 Lesões restritas à pele ou acometendo 
diferentes órgãos (esôfago, fígado, 
pâncreas, rins, ureteres, útero e supra-
renais).
\u2013 Não tende a deixar cicatrizes residuais (?).
 
O Exantema
 
 
Varicela
 
Varicela
\u2022 Complicações
\u2013 Infecção bacteriana secundária
\u2022 Contaminação por Estafilococos ou Estreptococos
\u2022 Impetigo, erisipela, celulite, septicemia
\u2013 Pneumonia
\u2022 Manifestação clínica \u2013 tosse, dispnéia, cianose, 
hemoptise
\u2022 1ª semana da doença
\u2022 Ausculta pobre e quadro radiológico com infiltrado 
nodular difuso em ambos campos pulmonares.
\u2022 Mais frequente em adultos.
 
Varicela
\u2022 Complicações
\u2013 Encefalite
\u2022 03-08 dias após exantema
\u2022 Ataxia cerebelar \u2013 benigna e freqüente, podendo ser a 1ª 
manifestação da doença (normalmente pós-infecciosa).
\u2013 Manifestações hemorrágicas
\u2022 Trombocitopenia \u2013 1-2 semanas após início do exantema
\u2022 CIVD
\u2013 Pacientes com deficiência imunológica
\u2022 Curso prolongado, com erupções hemorrágicas muito 
extensas.
\u2022 Complica-se com pneumonia
\u2022 Alta mortalidade.
 
Varicela
\u2022 Tratamento
\u2013 Sintomático na maioria dos casos.
\u2013 Isolamento respiratório
\u2013 Prurido \u2013 anti-histamínicos via oral.
\u2013 Pacientes em uso de corticosteróide \u2013 reduzir a 
dose a níveis fisiológicos (20-50 mg de 
cortisona/m2/dia).
\u2013 Tratar
\u2022 Imunocomprometidos
\u2022 Adolescentes > 13 anos e adultos
\u2022 Contactante infectado do caso índice, sendo este 
grave
\u2022 Neonato infectado (<1 mês)
 
Varicela
\u2022 Crianças que tiveram varicela com menos de 01 
ano de idade podem desenvolver herpes zoster, 
pois não houve memória.
\u2022 Se varicela quando > 01 ano de idade, procurar 
outras causas > imunocomprometimento
 
Tratamento dos Expostos
\u2022 Vacinação
\u2022 Realizar 72 até 120h após a exposição à 
varicela
\u2022 Imunoglobulina (VZIG)
\u2022Crianças imunocomprometidas
\u2022Gestantes suscetíveis
\u2022RN\u2019s cuja mãe teve varicela 5 dias antes ou até 2 
dias depois do parto
 
Sarampo
\u2022 Faixa etária \u2013 pré-escolar e escolar
\u2022 Período de incubação \u2013 7-14 dias
\u2022 Pródromos
\u2013 3-5 dias
\u2013 Febre alta, rinorreia, conjuntivite
\u2022 Exantema
\u2013 5-7 dias
\u2013 Maculopapular, generalizado, crânio-caudal
\u2013 Descamação leve, nunca em mãos e pés
Paramyxoviridae
 
SarampoSarampo
\u2022 Período de contágio
\u2013 Do 6º dia da incubação ao 5º dia do 
exantema
\u2013 Alta contagiosidade
\u2013 Rara nos primeiros 6 meses de vida 
(anticorpos maternos ?)
\u2022 Características
\u2013 Manchas de Köplik
\u2013 Imunidade duradoura.
 
Sarampo
Patogenia
Mucosa das 
vias aéreas
Linfonodos 
regionais
Epitélio resp. 
e SRE
Generalização 
da infecção
Viremia 
primária
Viremia 
secundária
Início dos 
sintomas
 
Sarampo
 
Sinal de Koplik
 
Quadro Clínico
\u2022 Exantema Maculopapular
\u2022 Avermelhado, podendo confluir
\u2022 Início no 3º ou 4º dia do período prodrômico
\u2022 Face, pescoço e região retroauricular
\u2022 Evolução descendente, durante 2 a 4 dias
\u2022 Ocorre descamação em cerca de 7 dias
 
O exantema