Tema_9_2011

Tema_9_2011


DisciplinaAproveitamentos Hidreletricos34 materiais53 seguidores
Pré-visualização4 páginas
da paisagem (forma média dos remanescentes florestais, isolamento entre os mosaicos e classificação fito-fisionômica entre os mosaicos)
·      Ocorrência e distribuição faunística na bacia
 
- Sensoriamento remoto
- Mapeamentos de vegetação e uso do solo existentes
- Projeto RADAM BRASIL
- Recursos cartográficos e aerofotogramétricos existentes
- Censo agropecuário (IBGE)
- Teses universitárias
- Publicações científicas
- Dados sobre evolução de áreas desmatadas (IBGE, INPE, ONGs )
- Tratados gerais sobre fauna neotropical
- Levantamentos complementares de campo
 
 
UFRJ
37
4. Inventário Hidrelétrico de Bacias Hidrográficas:
 4.2. Diagnóstico Ambiental.
COMPONENTE- SÍNTESE
CRITÉRIOS DE 
AVALIAÇÃO
ELEMENTOS DE AVALIAÇÃO
 
Ecossistemas
Terrestres
 
 
Indicador de Impacto:
compromentimento das características determinantes na manutenção da diversidade biológica.
 
 
·      Comprometimento de ecossistemas e comprometimento de espécies
 
 
 
 
 
 
·      perda de vegetação marginal
·      perda de cobertura vegetal
·      exclusividade fisionômica
·      relevância da fauna na área afetada
 
UFRJ
38
4. Inventário Hidrelétrico de Bacias Hidrográficas:
 4.2. Diagnóstico Ambiental.
Deverão ser atribuídos graus de impacto, por sub-área afetada, para cada aproveitamento proposto. 
A síntese dos aspectos avaliados pelos critérios de avaliação deverá orientar a atribuição dos graus na escala de zero a um, tendo em vista obter um índice de impacto que represente o grau de interferência sobre as formas de reprodução da vida social.
Finalmente, deverá ser analisada a repercussão na área de estudo dos processos impactantes que ocorrem em cada sub-área. 
Essa análise deverá ser orientada pela percepção de situações expressivas que tornam \u201cregionais\u201d questões que aparentemente são localizadas. 
UFRJ
39
4. Inventário Hidrelétrico de Bacias Hidrográficas:
 4.3. Seleção de alternativas.
Manual sugere uma adaptação do Método de Análise Hierárquica, proposto por Saaty (1977), que permite estabelecer uma estrutura de valores entre os componentes-síntese a partir de sua comparação par a par. A indicação deste método deve-se à sua simplicidade e à disponibilidade de um sistema computacional para a sua aplicação ;
A seleção das alternativas que serão examinadas com maior profundidade na fase dos Estudos Finais deverá ser feita tendo em vista os índices custo/benefício energético e ambiental obtidos para cada uma delas 
UFRJ
40
4. Inventário Hidrelétrico de Bacias Hidrográficas:
 4.3. Seleção de alternativas.
Intensidade de importância elemento preferencial
Definição e Explicação
1
Importância igual - os dois fatores  contribuem igualmente para o objetivo
3
Importância moderada - um fator é ligeiramente mais importante que o outro
5
Importância essencial - um fator é claramente mais importante que o outro
7
 Importância demonstrada - elemento fortemente mais importante 
9
Importância extrema - elemento absolutamente mais importante .
2,4,6,8
Valores intermediários entre julgamentos - possibilidade de compromissos adicionais
UFRJ
41
4. Inventário Hidrelétrico de Bacias Hidrográficas:
 4.3. Seleção de alternativas.
Intensidade de importância elemento preterido
Definição e Explicação
1
Importância igual - os dois fatores  contribuem igualmente para o objetivo
1/3
Importância moderada - um fator é ligeiramente menos importante que o outro
1/5
Importância essencial - um fator é claramente menos importante que o outro
1/7
 Importância demonstrada - elemento fortemente menos importante 
1/9
Importância extrema - elemento absolutamente menos. importante 
1/2,1/4,1/6,1/8
Valores intermediários entre julgamentos - possibilidade de compromissos adicionais
UFRJ
42
4. Inventário Hidrelétrico de Bacias Hidrográficas:
 4.3. Seleção de alternativas.
Na comparação par a par, o processo de atribuição de importâncias relativas implica a(i,,j) = 1/ a (j,i), e a matriz assim definida é recíproca. Em outras palavras, o elemento preferencial recebe uma nota entre 1 e 9 e o elemento preterido recebe o valor recíproco desta nota ;
A matriz de prioridades deve representar a opinião geral do grupo de avaliadores participante do processo. 
UFRJ
43
4. Inventário Hidrelétrico de Bacias Hidrográficas:
 4.3. Seleção de alternativas.
UFRJ
44
4. Inventário Hidrelétrico de Bacias Hidrográficas:
 4.3. Seleção de alternativas.
UFRJ
45
4. Inventário Hidrelétrico de Bacias Hidrográficas:
 4.3. Seleção de alternativas.
UFRJ
46
4. Inventário Hidrelétrico de Bacias Hidrográficas:
 4.3. Seleção de alternativas.
UFRJ
47
4. Inventário Hidrelétrico de Bacias Hidrográficas:
 4.3. Seleção de alternativas.
UFRJ
48
5. Estudos Ambientais em PCH´s.
UFRJ
49
UFRJ
50
6. A AAE. 
Avaliação Ambiental Estratégica
		
	
AAE
EIA
PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO
POLÍTICAS
Planejamento Regional
Programas de Investimentos
Programas de Desenvolvimento
Planejamento Espacial + Setorial
UFRJ
51
6. A AAE. 
Avaliação Ambiental Estratégica
		
	
UFRJ
52
		
UFRJ
53
 6. A AAE. 
Avaliação Ambiental Estratégica
A Avaliação Ambiental Estratégica (AAE) é um instrumento de gestão do meio ambiente com aplicação voltada para políticas, planos e programas (PPPs). O instrumento pretende incorporar na fase de elaboração de PPPs aspectos biofísicos, econômicos e sociais de modo a subsidiar formuladores de políticas públicas com informações a respeito dos possíveis impactos provenientes da execução de PPPs, orientando dessa maneira a tomada de decisão. Uma vez que a implementação de uma política, plano ou programa prevê uma série de projetos, a Avaliação Ambiental Estratégica contribui também para o processo de licenciamento ambiental, uma vez que indica que uma análise ambiental, social e econômica em um nível de planejamento superior e com alto conteúdo estratégico já foi realizada.
 PIRES, S. H., ROBALINHO, T., 2008. Avaliação Ambiental Estratégica do Plano Estratégico de Recursos Hídricos da Região Hidrográfica Tocantins Araguaia. Laboratório Interdisciplinar de Meio Ambiente (LIMA/PPE/COPPE/UFRJ).
UFRJ
54
 6. A AAE. 
Avaliação Ambiental Estratégica
Os países da União Européia possuem considerável experiência na realização e elaboração de estudos de Avaliação Ambiental Estratégica, possuindo inclusive uma diretiva em sua legislação. O Brasil possui algumas experiências de realização de AAEs, entretanto ainda não existe nenhum tipo de legislação a respeito da realização e aplicação do instrumento. 
UFRJ
55
 6. A AAE. 
Avaliação Ambiental Estratégica
Principais avanços necessários:
integração com estudos energéticos;
integração com planejamentos setoriais \u2013 em particular recursos hídricos e meio ambiente;
participação de agentes extra-setoriais nas decisões;
ampliação de base de dados informatizada e espacialmente referenciada;
ampliar ênfase nos benefícios sócio-ambientais potenciais;
avaliações comparativas entre fontes energéticas;
avaliações estratégicas de longo prazo envolvendo a matriz energética como um todo.
UFRJ
56
 6. A AAI. 
Avaliação Ambiental Integrada
Feita hoje pela EPE: http://www.epe.gov.br/MeioAmbiente/Paginas/default.aspx?CategoriaID=101
A Avaliação Ambiental Integrada (AAI) de Bacias hidrográficas é uma abordagem metodológica que vem sendo desenvolvida para organizar e integrar as informações de 
variáveis indicadoras de estado do ambiente para inúmeros processos significativos relacionados à fragmentação da rede hidrográfica, considerada como um sistema conectado tanto de jusante para montante, pelos fluxos de água e materiais em 
suspensão e dissolvidos, como pelos fluxos de jusante para montante, devidos aos movimentos migratórios dos seres vivos e através do transporte antrópico.
http://www.uc.pt/fluc/cegot/VISLAGF/actas/tema3/rafael_cruz
UFRJ
57
 6. A AAI. 
Avaliação Ambiental Integrada
O processo de seleção de variáveis indicadoras de estado do sistema deveria envolver uma clara noção de quais propriedades do sistema podiam ser afetadas em termos de sua resistência ou de sua resiliência por um determinado regime de perturbações. Ou seja, qual