A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
142 pág.
Funcionamento das contas

Pré-visualização | Página 14 de 32

superiores às esperadas. Os desvios
estão, sobretudo, ligados aos internamentos nos centros de saúde. O nível de despesas que aí é
observado merece a implementação de um controlo das prestações;
� o número de pessoas que deviam aderir foi mesmo de 500, mas o dos beneficiários é apenas
de 2 500 pessoas; consequentemente, o montante total das quotizações será apenas de 5 375
000 UM. Além disso, vários aderentes não pagaram a sua quotização integralmente, prome-
tendo pagar o resto em Julho. Resta, assim, por cobrar um montante de 237 810 UM.
O plano de tesouraria
A tesouraria de uma mutualidade, como de qualquer outra organização, designa o
dinheiro imediatamente disponível (disponibilidades) na caixa e nas contas bancárias, que
lhe permite efectuar despesas sem ter que vender um activo.
A gestão da tesouraria visa, simultaneamente:
� dispor da liquidez necessária para fazer face em qualquer momento aos compromissos
para com os aderentes e os prestadores de cuidados;
� utilizar da melhor forma a liquidez, determinando os montantes que podem ser aplica-
dos para gerar produtos financeiros.
O plano de tesouraria é o documento no qual assenta a gestão da tesouraria. Trata-se de
um quadro de previsão dos depósitos e dos levantamentos da caixa a realizar mês a mês
e durante o exercício.
2.1 As funções do plano de tesouraria
O plano de tesouraria permite a uma mutualidade optimizar a sua gestão de tesouraria:
� permite à mutualidade assegurar a sua solvabilidade, isto é, a sua capacidade em
fazer face, a qualquer momento, aos seus compromissos e aos seus prazos de venci-
mento;
� permite determinar, no caso de tesouraria positiva, os montantes que possam ser aplica-
dos e as durações desejáveis para essas aplicações;
� constitui uma ferramenta de planificação e de previsão;
� é também um instrumento de acompanhamento e de controlo;
� permite, no caso de previsões de dificuldades de tesouraria, negociar empréstimos ou
prorrogações de prazos de pagamento para com os credores.
2.2 A elaboração do plano de tesouraria
A elaboração de um plano de tesouraria está ligada à do orçamento, já que se trata de
estimar as receitas e as despesas do ano. Contudo, diferentemente deste último, o plano
de tesouraria é estabelecido mês a mês e interessa-se, unicamente, pelos fluxos de liquidez.
O plano de tesouraria apresenta-se como um quadro de síntese que faz ressaltar, para
cada mês:
� o saldo do mês anterior;
� o total mensal dos depósitos em caixa;
� as disponibilidades do mês: saldo anterior + total dos depósitos em caixa;
� o total mensal dos levantamentos da caixa;
� o saldo do mês: disponibilidades do mês – total dos levantamentos da caixa.
192 Guia de gestão das mutualidades de saúde em África
BIT/STEP
O saldo mensal pode ser positivo ou negativo.
� Quando é positivo, isso significa que as disponibilidades do mês são superiores aos
levantamentos da caixa e, portanto, que não haverá problemas de liquidez. Se este
saldo é importante, a mutualidade pode considerar aplicar parte dele, a fim de gerar
produtos financeiros.
� Quando o saldo é negativo, isso significa que os levantamentos da caixa são superio-
res às disponibilidades. A mutualidade não disporá suficientemente de dinheiro para
fazer face aos seus compromissos. Neste caso simbólico, várias soluções podem ser
consideradas. Em particular:
✔ negociar um empréstimo a curto prazo para “equilibrar o orçamento”;
✔ deferir certas despesas (por exemplo obtendo aumentos de prazos de pagamento);
✔ empreender acções para aumentar os depósitos em caixa (por exemplo, condu-
zindo uma campanha de cobrança das quotizações em atraso).
A elaboração de um plano de tesouraria é um trabalho particularmente delicado no qua-
dro de uma mutualidade de saúde. As dificuldades são as mesmas que as encontradas
para a elaboração do orçamento e respeitam, sobretudo, à estimativa das despesas em
prestação doença. A sua previsão deve com efeito ter em conta variações sazonais da
morbidez (mais o paludismo durante as chuvas, mais as meningites durante o harmatão*,
etc.).
A experiência mostra, igualmente, que, quando uma mutualidade pratica uma quotização
fraccionada (semanal, mensal, etc.), ela deve prever uma variação mensal da sua taxa de
cobrança. Com efeito, esta sofrerá variações em função dos períodos de fortes ou de fra-
cos rendimentos. Consequentemente, são, geralmente, precisos vários anos a uma mutuali-
dade antes de controlar as suas estimativas. Será, pois, necessário ser particularmente pru-
dente durante esse período em matéria de aplicações.
Parte V • A gestão provisional 193
* Vento leste, quente e seco (Nota da tradução)
194 Guia de gestão das mutualidades de saúde em África
BIT/STEP
Exemplo
A mutualidade dos Pescadores de la Lagune elabora um plano de tesouraria a seis meses. Este, para
o primeiro semestre de funcionamento da mutualidade, apresenta-se assim:
Os saldos mensais previstos para os primeiros meses são importantes e resultam do período de obser-
vação que se estende de Janeiro a Abril. Os responsáveis da mutualidade prevêem, então, aplicar
uma parte da tesouraria numa conta poupança, a fim de promover a rentabilização de uma parte dos
fundos. É o que fazem desde Janeiro, aplicando 6 500 000 UM num depósito a prazo de três meses,
no vencimento do qual, a mutualidade vai arrecadar produtos financeiros. No início de Maio, recolo-
cam este fundo num depósito a prazo de três meses, retirando 1 500 000 UM, depositados na conta
bancária corrente, como previsão das primeiras prestações de doença. Para o segundo semestre, a
mutualidade decide estabelecer planos de tesouraria mensais, esperando um bom controlo das suas
despesas com prestações de doença.
PPaarrttee 66
A gestão
dos riscos
ligados ao seguro
Uma mutualidade é exposta a um certo número de riscos que decorrem em parte da inci-
dência do seguro sobre o comportamento dos beneficiários e dos prestadores de cuida-
dos. Estes riscos são conhecidos e podem ser prevenidos ou limitados pela implementação
de medidas técnicas e financeiras adequadas. Esta parte, compreendendo dois capítulos,
examina os diferentes riscos ligados ao seguro, apresenta as medidas, visando limitá-los, e
introduz os mecanismos destinados a consolidar a situação financeira da mutualidade.
Capítulo 1 Os principais riscos ligados ao seguro e a sua prevenção
Este primeiro capítulo descreve os principais riscos ligados ao seguro de
saúde, em particular, o risco moral, a selecção adversa, os abusos e frau-
des. Passa em revista as diferentes categorias de medidas, visando prevenir
esses riscos ou limitar-lhes o impacto.
As condições de aplicação destas medidas são aí descritas e compreendi-
dos os seus possíveis efeitos negativos sobre certos aspectos do funciona-
mento das mutualidades.
Capítulo 2 Os mecanismos de consolidação financeira
Este segundo capítulo trata dos mecanismos financeiros que podem ser utili-
zados para fazer face às incertezas, em matéria de custos das prestações
da mutualidade. São, assim, introduzidos a constituição de reservas financei-
ras, a participação num fundo de garantia e a subscrição de um sistema de
resseguro.
Os principais riscos ligados ao seguro e à sua
prevenção
Uma mutualidade de saúde é confrontada com certos riscos ligados ao seguro. Estes riscos
decorrem, em grande parte, das escolhas e das modalidades de comparticipação das
despesas de saúde dos beneficiários, assim como mecanismos de funcionamento da
mutualidade.
Por exemplo, nota-se que:
� as consultas ambulatórias são fortemente submetidas ao risco de uma utilização abusiva
por parte dos beneficiários. Com efeito, a comparticipação destas consultas pelo
seguro pode incitar os beneficiários a recorrer a ele mais do que o necessário para
“valorizar” o mais possível a sua quotização;
� a comparticipação das doenças crónicas e da cirurgia programável expõe a mutuali-
dade ao risco de uma adesão maciça de pessoas sofrendo dessas doenças ou neces-
sitando de ser operadas.
Sendo conhecidos estes

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.