Funcionamento das contas
142 pág.

Funcionamento das contas


DisciplinaContabilidade Básica23.409 materiais510.472 seguidores
Pré-visualização32 páginas
(pagamento por consulta, internamento, etc.).
Exemplo
Uma mutualidade de saúde cobre os partos à maternidade do centro de saúde de um bairro popular.
A fim de favorecer esta iniciativa mutualista e simplificar a gestão, os responsáveis da maternidade
propõem uma facturação por reembolso fixo dos partos. O reembolso fixo compreenderá: o parto, os
cuidados à mãe e ao recém nascido e os medicamentos e os consumíveis médicos.
A capitação
A mutualidade paga ao prestador um montante fixo por beneficiá-
rio, por mês, trimestre ou ano, qualquer que seja a utilização dos
serviços pelos beneficiários. Este mecanismo é, geralmente, utili-
zado para os cuidados primários.
As medidas
relativas à
remuneração
dos prestadores
de cuidados
210 Guia de gestão das mutualidades de saúde em África
BIT/STEP
Exemplo
Uma mutualidade e um centro de saúde acordam num sistema de capitação para o pagamento das
consultas.
Sabendo que a taxa de utilização prevista dos mutualistas é de 1,5 consultas/ano/pessoa, que o
custo médio de uma consulta é de 500 UM e que o número de beneficiários por ano que se inicia é
de 2000 pessoas, o pagamento por caso eleva-se a: 1,5 × 2000 × 500 = 1 500 000 UM/ano.
O convénio estabelecido prevê um pagamento mensal, isto é, um montante de reembolso fixo de
125 000 UM /mês a liquidar pela mutualidade.
O reembolso fixo limita o risco de sobreprescrição, pois qualquer
abuso em matéria de prescrição, de actos e de medicamentos fica
a cargo do prestador. Apresenta outras vantagens não negligenciá-
veis para a mutualidade, pois simplifica grandemente o controlo e o
acompanhamento das prestações, assim como, das operações con-
tabilísticas e de reembolso. 
O reembolso fixo comporta, contudo, um inconveniente maior: pode
incitar o prestador a reduzir o volume ou a qualidade das suas presta-
ções. Do mesmo modo, qualquer que seja a sua forma, o reembolso
fixo não permite uma distinção e uma codificação dos actos cobertos e
impede consequentemente o seu acompanhamento pela mutualidade. 
Para reduzir estes inconvenientes, a prática do reembolso fixo requer
que seja dada particular atenção ao convénio com os prestadores
de cuidados.
As medidas seguintes não são mecanismos directos de prevenção
dos riscos ligados ao seguro. Desempenham, contudo, um papel
importante, pois determinam, por um lado, as relações entre a
mutualidade e os prestadores de cuidados e, por outro, a preven-
ção dos riscos.
A selecção dos prestadores de cuidados
Quando intervém num contexto onde os prestadores de cuidados
são múltiplos, uma mutualidade de saúde tem todo o interesse em
seleccionar o ou os prestadores, cujas condições de oferta de servi-
ços (tarifa, qualidade dos cuidados, modalidades de pagamentos,
protocolos terapêuticos, etc.) sejam as mais favoráveis.
Além destas condições favoráveis, as relações entre a mutualidade
e os prestadores de cuidados assentam, em grande parte, na con-
fiança e na parceria que convém desenvolver.
O estabelecimento de convénio com cada prestador de cuidados
O convénio entre a mutualidade e cada prestador de cuidados ou agru-
pamento de prestadores define as medidas respeitantes ao controlo dos
beneficiários, às tarifas, às modalidades de pagamento, aos protocolos
terapêuticos, etc. Prevê, igualmente, as modalidades de revisão destas
medidas. O convénio é, pois, um documento importante, uma vez que
serve de referência no caso de derrapagem e de litígio.
As medidas
relativas 
às relações com 
os prestadores
de cuidados
Parte VI \u2022 A gestão dos riscos ligados ao seguro 211
A participação na co-gestão dos estabelecimentos públicos de
cuidados
As mutualidades que estabelecem convénios com dispensários, cen-
tros de saúde, até mesmo, hospitais que são co-geridos por pessoal
de saúde e representantes de utilizadores, têm todo o interesse em
participar nestas estruturas de co-gestão.
As mutualidades representam uma parte, por vezes importante, dos
utilizadores, o que lhe dá um direito de visão e de palavra sobre a
gestão dos serviços de saúde.
Os mecanismos de consolidação
financeira
O seguro de saúde apresenta certas características que induzem eventualidades no seu fun-
cionamento. Estas características podem ser, assim, resumidas:
\ufffd o seguro de saúde provoca modificações no comportamento dos segurados e dos pres-
tadores. A amplitude destas modificações e dos riscos que daí resultam é difícil de pre-
ver. Como foi indicado, existem várias medidas possíveis para prevenir e limitar esses
riscos, mas uma mutualidade não pode, geralmente, controlá-los totalmente, nomeada-
mente, no que respeita a casos catastróficos (epidemias, etc.);
\ufffd num seguro, a quotização é calculada antes que as prestações intervenham e que o seu
preço de custo exacto seja conhecido. O cálculo da quotização não pode, portanto,
ser baseado senão numa estimativa deste preço de custo, fundamentado nas estatísticas
e na probabilidade. 
Além disso, o seguro assenta numa noção de obrigação: como contrapartida da sua quo-
tização, a mutualidade garante ao aderente a comparticipação de certas despesas de
saúde. Deve, igualmente, fazer face aos seus compromissos perante os prestadores de cui-
dados. As características, acima mencionadas, e a garantia de reparação oferecida pela
mutualidade, obrigam esta a implementar mecanismos de consolidação financeira que lhe
permitirão fazer face aos imprevistos.
Estes mecanismos financeiros são, principalmente, de três ordens:
\ufffd as reservas;
\ufffd o fundo de garantia;
\ufffd o resseguro.
2.1 As reservas
As reservas são capitais próprios constituídos pela mutualidade para fazer face a situações
imprevistas e para dispor de uma maior segurança financeira. A formação de reservas
constitui uma regra elementar de prudência em matéria de gestão de uma mutualidade,
submetida a numerosos imprevistos. Representa um primeiro nível de protecção que, geral-
mente, é objecto de uma regulamentação.
212 Guia de gestão das mutualidades de saúde em África
BIT/STEP
É importante notar que as reservas são alimentadas por uma afectação de todo ou parte
do resultado excedentário de um exercício.
As reservas podem ser conservadas sob a forma de liquidez e, portanto, ajudar a resolver
os problemas de tesouraria; permitem, assim, aumentar a solvabilidade da mutualidade e a
sua solidez financeira. Mas na prática, as reservas não são necessariamente conservadas
sob forma líquida. Pode acontecer, com efeito, que uma mutualidade aplique as suas reser-
vas em imobilizações. Consequentemente, uma mutualidade pode ter reservas importantes
mas, apesar disso, conhecer dificuldades de tesouraria. 
Regra geral, é prudente conservar uma parte das reservas sob a forma de disponibilida-
des, podendo a outra parte ser aplicada em depósitos a prazo ou investida em imobiliza-
ções.
As reservas são constituídas a partir dos excedentes dos exercícios
contabilísticos. A constituição dos excedentes é prevista no cálculo
das quotizações, gerando um factor de excedente unitário. O facto
de ser incorporada uma margem de segurança no cálculo do pré-
mio de risco é, igualmente, favorável à constituição de excedentes,
quando se verificam as hipóteses na base do cálculo do prémio.
No final do exercício, a mutualidade estabelece as suas contas
anuais e calcula, assim, o excedente do exercício. Como foi visto
no capítulo 5 da parte 4 (o fecho e a reabertura dos exercícios), os
excedentes são repartidos e podem ser afectados, na totalidade ou
em parte, às reservas. Os Estatutos e o Regulamento Interno, além
da legislação nacional, podem determinar a parte a afectar às
reservas.
2.2 O fundo de garantia
O fundo de garantia é um outro mecanismo de protecção de uma mutualidade contra os
imprevistos. Trata-se de um fundo ao qual uma mutualidade pode apelar em caso de difi-
culdades financeiras. Este fundo pode ser implementado e gerido, entre outros, por:
\ufffd uma união de mutualidades (gestão colectiva);
\ufffd uma instituição pública (Ministério, etc.);
\ufffd uma estrutura de apoio às mutualidades;
\ufffd um banco.
Geralmente, o fundo