RECOMENDAÇÕES PARA TERAPIA ANTI-RETROVIRAL EM ADULTOS INFECTADOS PELO HIV
136 pág.

RECOMENDAÇÕES PARA TERAPIA ANTI-RETROVIRAL EM ADULTOS INFECTADOS PELO HIV


DisciplinaInfectologia1.259 materiais6.944 seguidores
Pré-visualização50 páginas
5 - Wilson HS, Hutchinson SA, Holzemer WL. Reconciling 
incompatibilities: a grounded theory of HIV medication 
adherence and symptom management. Qual Health Res. 
2002;12(10):1309-22. 
6 - d\u2019Arminio Monforte A, Lepri AC, Rezza G, et al. Insights 
into the reasons for discontinuation of the first highly ac-
tive antiretroviral therapy (HAART) regimen in a cohort of 
antiretroviral naive patients: ICONA Study Group. AIDS. 
2000;14:499-507.
7 - Murphy DA, Roberts KJ, Hoffman D, Molina A, Lu MC. 
Barriers and successful strategies to antiretroviral adher-
ence among HIV-infected monolingual Spanish-speaking 
patients. AIDS Care. 2003;15(2):217-30.
8 - Laws MB, Wilson IB, Bowser DM, Kerr SE. Taking antiretroviral 
therapy for HIV infection: learning from patients\u2018 stories. J 
Gen Intern Med. 2000;15(12):848-58). 
9 - Malcolm SE, Ng JJ, Rosen RK, Stone VE. An examination of 
HIV/AIDS patients who have excellent adherence to HAART. 
AIDS Care. 2003;15(2):251-61.
10 - Remien RH, Bastos FI, Berkman A, Terto Jr V, Raxach JC, 
Parker RG. Universal access to antiretroviral therapy may be 
the best approach to \u201dDo no harm\u201d in developing coun-
tries: the Brazilian experience. AIDS. 2003;17(5):786-7.
11 - Vervoort SVCJM, Borleffs JCC, Hoepelman AIM; Grypdon-
ck MHF. Adherence in antiretroviral therapy: a review of 
qualitative studies. AIDS. 2007;21(3):271-81.
12 - Ware NC, Wyatt MA, Tugenberg T. Adherence, stereotyping 
and unequal HIV treatment for active users of illegal drugs. 
Soc Sci Med. 2005;61(3):565-76.
13 - Burmann WJ, Cohn DL, Rietmeijer CA, Judson FN, Sbar-
baro JA, Reves RR. Noncompliance with directly observed 
therapy for tuberculosis \u2013 epidemiology and effect on the 
outcome of treatment. Chest. 1997;111(5):1168-73.
14 - Cox WM, Blount JP, Crowe PA, Singh SP. Diabetic patients\u2019 
alcohol use and quality of life: relationships with prescribed 
treatment compliance among older males. Alcohol Clin Exp 
Res.1996;20(2):327-31.
15 - Singh N, Squier C, Sivek C, Wagener M, Nguyen MH, Yu VL. 
Determinants of compliance with antiretroviral therapy in 
patients with human immunodeficiency virus: prospective 
assessment with implications for enhancing compliance. 
AIDS Care. 1996;8(3):261-9.
16 - Vervoort SVCJM, Borleffs JCC, Hoepelman AIM; Grypdonck 
MHF. Adherence in antiretroviral therapy: a review of 
qualitative studies. AIDS. 2007;21(3):271-81.
17 - Nemes MIB. Aderência ao tratamento por anti-retrovirais 
em serviços públicos no Estado de São Paulo.Brasília: 
Ministério da Saúde, 2000. 
18 - Ware NC, Wyatt MA, Tugenberg T. Adherence, stereotyping 
and unequal HIV treatment for active users of illegal drugs. 
Soc Sci Med. 2005;61(3):565-76. 
19 - Malcolm SE, Ng JJ, Rosen RK, Stone VE. An examination of 
HIV/AIDS patients who have excellent adherence to HAART. 
AIDS Care. 2003;15(2):251-61.
20 - Mesquita F, Doneda D, Gandolfi D, Nemes MI, Andrade 
T, Bueno R, et al. Brazilian response to the human immu-
nodeficiency virus/acquired immunodeficiency syndrome 
epidemic among injection drug users. Clin Infect Dis. 
37(Supl 5):382-5. 
21 - Nemes MIB. Aderência ao tratamento por anti-retrovirais 
em serviços públicos no Estado de São Paulo.Brasília: 
Ministério da Saúde, 2000. 
22 - Vervoort SVCJM, Borleffs JCC, Hoepelman AIM; Grypdon-
ck MHF. Adherence in antiretroviral therapy: a review of 
qualitative studies. AIDS. 2007;21(3):271-81.
23 - Laws MB, Wilson IB, Bowser DM, Kerr SE. Taking antiret-
roviral therapy for HIV infection: learning from patients\u2018 
stories. J Gen Intern Med. 2000;15(12):848-58).
24 - Howard AA, Arnsten JH, Lo Y, et al. A prospective study of 
adherence and viral load in a large multicenter cohort of 
HIV-infected women. AIDS. 2002;16:2175- 2182.
25 - Mcdonald HP, Garg AX, Haynes RB. Interventions to enhan-
ce patient adherence to medication prescriptions: scientific 
review. JAMA 2002; 288: 2868-2879.
Guia de Tratamento34
Critérios para início de tratamento
Definir o melhor momento para iniciar o tratamento 
anti-retroviral é uma das mais importantes decisões no 
acompanhamento de uma pessoa infectada pelo HIV. 
Apesar de os benefícios do diagnóstico precoce estarem 
claramente demonstrados, muitos pacientes têm acesso 
tardio ao diagnóstico da infecção, o que determina pior 
prognóstico.
Os principais objetivos do tratamento anti-retro-
viral são:
 Reduzir morbidade e mortalidade associadas ao 
HIV;
 Melhorar a qualidade de vida;
 Preservar e quando possível restaurar o sistema 
imunológico;
 Suprimir de forma sustentada a replicação viral.
A terapia anti-retroviral não deve ser iniciada 
até que a importância da adesão ao tratamento 
seja entendida e aceita pelo paciente, objetivo 
que deve ser buscado pelas equipes e serviços 
de saúde, estabelecendo-se uma relação de co-
responsabilidade entre estes e o paciente. 
Conforme discutido no capítulo 5, é 
essencial reforçar o impacto positivo do tratamento, 
em médio e longo prazos, no momento em que se 
decide iniciar a terapia. Adicionalmente, é necessário 
detectar as dificuldades de compreensão e de outros 
obstáculos à adesão ao tratamento, garantindo o 
acesso do paciente à informação clara sobre:
 O objetivo do tratamento;
 O significado dos exames de carga viral e de conta-
gem de linfócitos T-CD4+;
 A necessidade de adesão ao regime terapêutico 
proposto;
 Os efeitos adversos precoces e tardios, sua potencial 
transitoriedade e a possibilidade de manejo;
 Os medicamentos que compõem o esquema e seus 
mecanismos de ação;
 Interrupções indesejáveis associadas ao uso recre-
ativo de bebidas alcoólicas e drogas recreacionais;
 A importância de adequação dos hábitos alimenta-
res;
 O desenvolvimento de atividades físicas rotinei-
ras;
 A realização periódica das consultas e dos exames 
de seguimento.
Pode ser mais difícil demonstrar o benefício da 
terapia anti-retroviral para os pacientes em estágio 
assintomático da infecção pelo HIV. 
A terapia anti-retroviral não é uma emergência e só 
deve ser iniciada quando as devidas avaliações, clínica 
e laboratorial, forem realizadas, determinando, dessa 
forma, o grau de imunodeficiência existente e o risco 
de progressão da doença. 
Como a contagem de linfócitos T-CD4+ é o prin-
cipal marcador prognóstico da infecção pelo HIV, não 
há necessidade de avaliações da carga viral plasmática 
com intervalo inferior a seis meses para aqueles indiví-
duos que não iniciaram o tratamento e com contagens 
de linfócitos T-CD4+ acima de 500 células/mm3. Na 
ausência de tratamento, o índice médio de queda do 
CD4 é de 4% ao ano para cada 1 log de cópias/ml de 
RNA-HIV. 
Recomendações para Terapia Anti-retroviral em Adultos Infectados pelo HIV 35
A carga viral plasmática não deve ser verificada 
antes de quatro semanas após a resolução de qual-
quer infecção intercorrente ou vacinação, devido 
a elevações transitórias, causadas pelo fenômeno 
de transativação heteróloga (Nível de evidência 
2c, Grau de recomendação B)
Quando iniciar o tratamento anti-
retroviral
O benefício da terapia anti-retroviral altamente 
ativa já foi claramente demonstrado em pacientes com 
doença sintomática avançada e naqueles que, apesar 
de assintomáticos, apresentam imunodeficiência 
acentuada expressa na contagem de linfócitos T-CD4+ 
abaixo de 200/mm³. Atualmente, em nosso país, estão 
disponíveis quatro classes de anti-retrovirais, mais 
potentes, menos tóxicos e com posologia confortável, 
em esquemas que tornam possível apenas uma ou 
duas doses diárias.
Nos primeiros anos de utilização da TARV, apenas 
40 a 60% das pessoas em tratamento apresentavam su-
pressão máxima da replicação viral (carga viral inferior 
a 50 cópias/ml) após um ano de tratamento. Ensaios 
clínicos randomizados, realizados mais recentemente, 
indicam que o sucesso virológico do primeiro esquema 
situa-se em torno de 80%. Em estudos de coortes, 
resultados semelhantes são observados, com redução 
na proporção de