A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
FISIOLOGIA II 04 - ECG Básico

Pré-visualização | Página 5 de 5

entre 0 a 90 (DI+ e aVF+) e o ECG n‚o mostrou nenhum QRS 
isoel€trico em nenhuma deriva‚o, devemos:
 Olhar DIII (sempre optar por observar DIII primeiro)
 Em caso de DIII (-): o eixo estar„ acima de aVR (+30 e 0).
 Em caso de DIII (+/-): o eixo estar„ sobre aVR (+30).
 Em caso de DIII (+): o eixo estar„ abaixo de aVR (+30 e +90). Em caso de DIII positivo, devemos observar 
aVL (e seu vetor perpendicular DII).
 Olhar aVL
 Em caso de aVL (+): o eixo estar„ acima de DII (+60 e 30). Em caso de aVL positivo, devemos observar DIII (e 
seu vetor perpendicular aVR).
 Em casos de aVL (+/-): o eixo estar„ sobre DII (+60).
 Em caso de aVL (-): o eixo estar„ abaixo de DII (+60 e 90).
Exemplo1 – Defini‚o do quadrante de angula‚o do eixo el‡trico 
do cora‚o. 
A defini‚o do eixo el€trico do cora‚o € importante para 
observar e diferenciar patologias ou varia†es anat‡micas que possam 
acometer este …rg‚o, prevenindo o profissional de realizar falsos 
diagn…sticos.
Para isso, define-se quatro quadrantes a partir de duas 
deriva†es: DI e aVF. O eixo el€trico estar„ diretamente relacionado 
com o complexo QRS para essas duas deriva†es. Com isso, tem-se 
que o cora‚o normal est„ entre os Šngulos 0 e 90. Quando ele 
estiver desviado para a esquerda, tem-se que o eixo est„ entre 0 a -
90, e quando estiver desviado para a direita, entre 0 e 180.
Com isso, para iniciarmos o nosso treinamento de localiza‚o 
do eixo el€trico cardƒaco, observaremos os seguintes exemplos
 Observando o complexo QRS nas 
deriva†es DI e aVF em (A) e (D), 
respectivamente, conclui-se que o QRS € 
positivo em ambos, o que determina que o 
eixo el€trico do cora‚o est„ voltado para o 
quadrante entre 0o e +90 (quadrante inferior 
direito).
 Se o registro do ECG mostra QRS positivo em DI (figura A) e negativo em aVF 
(figura F), o eixo cardƒaco estar„ localizado entre 0o e -90o (quadrante superior 
direito). Neste caso, considera-se que alguma patologia desviou ainda mais o 
eixo cardƒaco para a esquerda, como na hipertrofia ventricular esquerda 
(causada, por exemplo, por estenose a…rtica, hipertens‚o arterial sistˆmica 
e/ou coarta‚o da aorta).
Arlindo Ugulino Netto – FISIOLOGIA – MEDICINA P2 – 2008.1
11
 Observando, desta vez, o complexo QRS de outro suposto indivíduo que se 
apresenta negativo em DI e positivo em aVF, como mostra a figura (C) e (D), 
conclui-se que o eixo elétrico do coração situa-se no quadrante entre +90º e 
180º (quadrante inferior esquerdo), sugestivo de desvio do coração para a 
direita, como ocorre na dextrocardia ou na hipertrofia ventricular direita 
(secundária, por exemplo, a estenose pulmonar, tromboembolismo pulmonar, 
hipertensão pulmonar, etc). 
 Se, por ventura, o complexo QRS estiver negativo em DI (figura C) e 
negativo em aVF (figura F), conclui-se que o eixo cardíaco está 
extremamente desviado para a direta, localizando-se no quadrante 
compreendido entre -90º e 180º (quadrante superior esquerdo). É uma 
condição rara, presente em cardiopatias congênitas ou em grandes 
sobrecargas do ventrículo direito.
 Nos casos em que o complexo QRS estiver positivo em DI (figura A) e isoelétrico em aVF (figura E), o 
eixo estará coincidindo com o eixo horizontal, com sentido voltado para 0o.
 Nos casos em que o complexo QRS estiver isoelétrico em DI (figura B) e positivo em aVF (digura D), o 
eixo estará coincidindo com o eixo vertical, com sentido voltado para +90º.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.