A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
Revisão analise do comportamento

Você está vendo uma pré-visualização

Pre-visualização do material Revisão analise do comportamento - página 1
Pre-visualização do material Revisão analise do comportamento - página 2
Pre-visualização do material Revisão analise do comportamento - página 3

Revisão analise do comportamento

30/08/2020 | Eduarda Silvano
Revisão AC
 
Uma emoção/sentimento não justificam um comportamento
Condicionamento clássico (respondente) - Pavlov: 
S + SN = RC
· O comportamento é composto por impulsos fisiológicos; 
· O objetivo de estudo passa a ser o comportamento, e não mais a consciência.
· Comportamentos públicos e privados são igualmente importantes.
· Para WATSON a consciência não importa.
· Dificilmente se sabe a origem de um condicionamento. 
· Sentimentos nunca são claros.
Memória associativa: associação entre estimulo e resposta, usada para provar a existência da consciência dos animais
Tipos de aprendizagem:
· Reflexa ou resposta automática - fisiologia humana;
· Resposta incondicionada – não depende da aprendizagem;
· Resposta condicionada – depende da aprendizagem.
Premissas do behaviorismo:
· Uma psicologia cientifica: simples, direta e objetiva;
· Visível, palpável e audível;
· Rejeição: sentir, mente e consciência 
Extinção respondente e recuperação espontânea
Quando um estímulo condicionado (CS) é apresentado várias vezes sem o estímulo incondicionado (US) ao qual foi emparelhado, seu efeito eliciador se extingue gradualmente. O CS começa a perder a função de eliciar a resposta condicionada até não mais eliciá-la. 
Para que um reflexo condicionado perca a sua força, o CS deve ser apresentado sem novos emparelhamentos com o US. 
Contracondicionamento: emparelhamento de estímulos que eliciam respostas contrarias. 
Dessensibilização sistemática: exposição gradual a estímulos que eliciam respostas de baixa magnitude até o SC anterior/original 
Condicionamento operante - Skinner:
· Contingencias = os comportamentos resultam da relação do indivíduo com o ambiente. Relação de dependência entre:
	Situação
	Comportamento
	Consequência
· Estuda como em decorrência das interações passadas, os comportamentos atuais são controlados pelos estímulos antecedentes e por estímulos consequentes
· O comportamento operante ocorre sem nenhum estímulo externo observável; a resposta do organismo é aparentemente espontânea — no sentido de não estar relacionada com nenhum estímulo observável. Isso não significa que não haja de fato um estímulo suscitando a resposta, mas sim que não se detecta nenhum estímulo quando da ocorrência da resposta. 
· Lei da aquisição: a força de um comportamento operante aumenta quando ele é seguido pela apresentação de um estímulo de reforço. 
· Para Skinner, a fala é comportamento, estando, pois, sujeita, como qualquer outro comportamento, a contingências de reforço, de previsão e de controle.
· Não se usa a punição; ninguém é punido por não exibir o comportamento desejado. Em vez disso, as pessoas são reforçadas ou recompensadas quando seu comportamento sofre mudanças positivas.
REFORÇADORES 
DETERMINANTES PARA O COMPORTAMENTO OPERANTE 
Forma do comportamento (como? – relatório escolar) 
Função do comportamento (para que?) 
	
SHKINNER
· Sua principal proposição era de que um reflexo não é senão a correlação entre um estímulo e uma resposta;
· Seu tipo exclusivamente descritivo de comportamentalismo radical se dedica ao estudo das respostas; volta-se para descrever, e não para explicar, o comportamento. 
· Ele só se ocupava do comportamento observável e acreditava que a tarefa da investigação científica se traduz em estabelecer relacionamentos funcionais entre as condições de estímulo controladas pelo experimentador e a resposta subsequente do organismo.
· O organismo humano, dizia Skinner, é uma máquina, e o ser humano, como qualquer outra máquina, se comporta de maneiras previsíveis e regulares em resposta às forças externas, os estímulos, que o afetam.
· Topografia do comportamento = formas do comportamento
· Personalidade = padrão de comportamento
Princípios básicos da análise do comportamento:
Lei da intensidade-magnitude: a intensidade do estímulo é uma medida diretamente proporcional à magnitude da resposta, ou seja, em um reflexo, quanto maior a intensidade do estímulo, maior será a magnitude da resposta. 
Lei do limiar: para todo reflexo, é necessária uma intensidade mínima do estímulo para que a resposta seja eliciada. 
Lei da latência: tempo decorrido entre a apresentação do estímulo e a ocorrência da resposta. A lei da latência estabelece que, quanto maior a intensidade do estímulo, menor o intervalo entre sua apresentação e a ocorrência da resposta. Dizemos, portanto, que intensidade do estímulo e latência da resposta são duas medidas inversamente proporcionais. 
Gatilho --- respostas emocionais
 
HABITUAÇÃO DO REFLEXO: A exposição prolongada a determinado estímulo, diminui a magnitude da resposta “acostumada”; 
REFLEXO CONDICIONADO: É a relação entre um estimulo (mudança no ambiente) e resposta (alteração no organismo), ou seja, há aprendizagem, através do emparelhamento de um EI + EM que passa a eliciar uma resposta, condicionando o sujeito;
POTENCIAÇÃO DO REFLEXO (SENSIBILIZAÇÃO): A repetição de determinadas frases/palavras se torna irritante gradualmente – Tudo bem?
INTENSIDADE DE ESTÍMULO: É a força (ou quantidade) de determinado estímulo;
RECUPERAÇÃO ESPONTÂNEA: Medo ganha força outra vez, após ter sido extinto, no entanto, a força será menor;
EXTINÇÃO RESPONDENTE: O estímulo condicionado começa a perder a função de eliciar a resposta condicionada até não mais eliciar tal resposta;
MAGNITUDE DA RESPOSTA: É a força de uma determinada resposta;
Reflexo inato: alteração no ambiente que produz uma alteração no organismo do indivíduo – Preparação mínima para interagir com o ambiente;
Condicionamento Pavloviano (clássico): procedimento de emparelhamento de um SN + SI de modo que o SN passa a eliciar uma RC, no momento em que o SN – SC 
	Antes 
	SI – RI 
	Reflexo incondicionado (inato)
	Durante 
	SI + SN – RI 
	
	Depois 
	SC – RC 
	Reflexo condicionado (aprendido)
Ex: cachorro de Pavlov, pequeno Albert, música clássica (prazer), coprofilia
Generalização respondente: Estímulo semelhante ao SC, também elicia a RC – quanto maior a semelhança, maior a magnitude da resposta; Estímulos fisicamente parecidos com o estímulo previamente condicionado podem passar a eliciar a resposta condicionada. 
GRADIENTE DE GENERALIZAÇÃO: A variação na magnitude da resposta em função das semelhanças físicas entre os estímulos.
Extinção respondente: quando um SC é apresentado várias vezes, sem o SI ao qual foi emparelhado, seu efeito eliciador se extingue gradualmente, ou seja, o estímulo condicionado começa a perder a função de eliciar a resposta condicionada até não mais eliciar tal resposta. 
Recuperação espontânea: um reflexo, após extinto, pode ganhar força novamente sem novos emparelhamentos.
Condicionamento de ordem superior: emparelhamento do SN + SC que eliciam uma resposta condicionada secundária.
Neobehaviorismo
S - O - R - estimulo opera na resposta
SOCIOBEHAVIORISMO
Bandura questiona a visão de Skinner sobre a negação aos processos mentais e cognitivos no processo de aprendizagem do ser humano. 
Bandura enfatiza a modificação do comportamento do indivíduo durante a sua interação.
Para Bandura, o indivíduo é capaz de aprender também através de reforço vicário (ou aprendizagem vicariante), ou seja, através da observação do comportamento dos outros e de suas consequências, com contato indireto com o reforço.
Entre o estímulo e a resposta, há também o espaço cognitivo de cada indivíduo.
Para Bandura, as reações que temos diante dos estímulos são auto ativadas. 
Modelação Modelagem
MODELAÇÃO: Bandura afirma que este processo se dá pela observação do próprio comportamento e o comportamento alheio, obtendo informações relevantes as pessoas desenvolvem hipóteses sobre as prováveis consequências de produzir aquele comportamento no futuro. 
MODELAGEM: condicionamento operante, inserir um comportamento que não existe reforçando-o aos poucosPsicólogos clínicos têm utilizado, cada vez mais, medidas de biofeedback em suas intervenções, sobretudo intervenções