A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
Amenorreia

Pré-visualização | Página 1 de 3

1 
5º SEMESTRE 2021.2 – UNIFTC SAÚDE DA MULHER 
JULIANA OLIVEIRA 
A menstruação é de grande importância para a mulher, 
pois, significa que ela não está grávida, que ela ovulou, que 
não há nenhuma obstrução no trato reprodutor, assim, 
menstruar, principalmente em mulheres com vida sexual 
ativa é desejado. 
DEFINIÇÃO 
Consiste na ausência anormal da menstruação durante o 
período reprodutivo. Tem-se condições fisiológicas de 
amenorreia como a infância, pós-menopausa, gestação e o 
puerpério. 
CLASSIFICAÇÃO 
➔ Primária: 
Consiste em uma ausência de menarca com ou sem 
desenvolvimento dos caracteres sexuais secundários. 
 
➔ Secundária: 
Ausência de menstruação por 3 ciclos consecutivos, após 
apresentar períodos pregressos de fluxos menstruais 
normais ou ausência de menstruação por 6 meses em 
mulheres com ciclos irregulares. 
 
AMENORREIA PRIMÁRIA 
É a ausência de menarca até os 15 ou 16 anos de idade, 
com crescimento e desenvolvimento de caracteres sexuais 
secundários adequados. → significa que os níveis hormonais 
estão bons. 
Ausência da menarca aos 13 anos em meninas sem 
desenvolvimento de caracteres sexuais secundários. → é 
necessário investigar, pois, há uma disfunção hormonal, de 
modo que a paciente não está produzindo estrogênio. 
Quando investigar essa menina que não menstrua? 
Se ela teve todo o desenvolvimento puberal regular, a 
menarca é o último evento. 
 TPM: T (telarca ), P (pubarca), M (menarca). 
A menarca tende a ocorrer 2 a 3 anos após a telarca. 
DIGENESIA GONADAL 
▪ É a causa mais comum de amenorreia primária. 
▪ É definida como ausência de células germinativas nas 
gônadas. 
▪ Seu diagnóstico definitivo é dado por meio da biópsia 
das gônadas, no entanto, ao fazer cariótipo isso 
também é perceptível. 
▪ Sua etiologia se dá de uma deleção ou defeito no 
segundo cromossomo X: 
- 45 X0 Síndrome de Turner clássica. 
- 46 XXq 
- 46 XXp 
 
Síndrome de Turner: 
▪ Clínica: 
Ovários em fita, é um ovário que não tem funcionalidade. 
Genitália externa, vagina, útero e trompas são normais, ou 
seja, a USG e o exame físico são normais. 
 
▪ Investigação: 
A menina que tem ausência de caracteres sexuais 
secundários visto que seu ovário não funciona → FSH 
elevado (se eleva para estimular os ovários, no entanto, 
quando os ovários não respondem há uma maior liberação 
de FSH) e estrogênio baixo → Cariótipo alterado. 
Logo, deve-se fazer dosagens hormonais para ver o FSH 
e exames de imagem como USF e RX de punho. 
 
▪ Tratamento: 
Hormonal + cirurgias de correção. 
 
▪ Características: 
- Baixa estatura, infantilismo 
sexual. 
- Amenorreia primária. 
- Hipertelorismo mamário 
(distanciamento entre as duas 
mamas). 
- Implantação baixa das orelhas. 
- Implantação baixa dos cabelos. 
- Cúbito e geno valgo. 
 
 
2 
5º SEMESTRE 2021.2 – UNIFTC SAÚDE DA MULHER 
JULIANA OLIVEIRA 
OUTRAS SÍNDROMES 
➔ Insensibilidade completa dos androgênios: 
Síndrome de Morris: 
Consiste em uma insensibilidade completa aos androgênios, 
assim, apesar do cariótipo ser masculino e de se ter 
testículos, os tecidos não respondem a testosterona, 
logo, prevalece o pouco estrogênio que o paciente tem. 
 
▪ Quadro clínico: 
- Fenótipo feminino sem pelos pubianos + uma genitália 
externa normal (vagina cega). 
- Tem-se uma ausência de útero e vagina superior 
(hormônio antimulleriano presente). 
- Pseudo-hermafroditismo masculino – cariótipo 46 XY, ou 
seja, em teoria ela é um homem, mas não desenvolveu o 
fenótipo masculino por não ser sensível aos androgênios. 
 
▪ Tratamento: 
Gonadectomia + reposição hormonal. 
 
➔ Amenorreias hipotalâmicas: 
Síndrome de Kallmann: 
Ocorre por uma falha na migração dos neurônios 
neurosecretores de GnRH (placa olgatória → placa basal) 
de modo que se tem uma deficiência do mesmo e em 
consequência disso tem-se a ausência de pulsos de LH e 
FSH e a ausência de estímulo ovariano. 
 
Nesse caso não se tem FSH elevado, pois, não há um 
problema de ovário, mas sim de hipotálamo, logo, as 
dosagens de FSH e o cariótipo dessa paciente são normais. 
 
▪ Quadro clínico: 
- Amenorreia primária. 
- Anosmia ou hiposmia devido a agenesia ou hipoplasia do 
bulbo olfatório. 
- LH e FSH baixos já que há uma deficiência de GnRH. 
 
Retardo constitucional da puberdade e do crescimento: 
- Causa mais comum de atraso puberal. 
- História familiar de atraso puberal → Não há doença 
envolvida. 
- Imaturidade fisiológica na reativação do pulso gerador. 
- Níveis de esteroides diminuídos. 
- Diagnóstico de exclusão!!! 
Sendo assim, diante da presença de caracteres sexuais 
secundários sabe-se que os ovários estão bem e em pleno 
funcionamento, bem como as dosagens hormonais, mas e 
agora? Agora suspeita-se de causas canaliculares, ou seja, 
trato reprodutor, será que essa paciente tem útero? Será 
que existe alguma obstrução nessa vagina? Será que tem 
agenesia de vagina? Criptomenorreia? 
 
➔ Criptomenorréia: 
▪ Definição: 
É definida pela não exteriorização do fluxo menstrual por 
causas obstrutivas. 
Não é tão rara. 
 
▪ Quadro clínico: 
Preste atenção: Se a menina chegar na idade em que 
deveria menstruar e começa a ter dores pélvicas cíclicas 
sem menstruar, deve-se suspeitar de criptomenorreia, pois, 
o sangue está se acumulando e não tem como se 
exteriorizar. 
Amenorréia + dor pélvica cíclica. 
 
 
▪ Diagnóstico: 
O diagnóstico é clínico (visualização direta da mal 
formação, hematocolpo, hematométrio, hematoperitôneo). 
Favorece à endometriose. 
- Himen imperfurado (hematocolpo) 
- Septo vaginal 
- Agenesia de vagina 
- Agenesia cervical 
- Hematométrio: Acúmulo do sangue dentro do útero. 
- Hematoperitôneo: Sangue em toda pelve. 
 
➔ Síndrome de Rokitansky: 
▪ Etiopatogenia: 
- Anomalia congênita relacionada ao desenvolvimento e 
fusão dos ductos de Muller → dá origem ao útero e ao 
terço superior da vagina. 
- Cariótipo feminino (46 XX) e ovários normais, ou seja, 
tem o desenvolvimento dos caracteres sexuais secundários, 
mas não vai menstruar porque não tem útero e vagina. 
 
▪ Quadro clínico: 
 Amenorreia primária + diferenciação morfológica normal 
(Vagina cega). 
▪ Exames: 
- USG: Vai perceber os ovários normais e o útero e a 
vagina ausentes. 
- FSH, LH normais. 
 
3 
5º SEMESTRE 2021.2 – UNIFTC SAÚDE DA MULHER 
JULIANA OLIVEIRA 
- USG de vias urinárias → avaliar malformações associadas. 
 
▪ Tratamento: 
- Confecção de neovagina → permitindo a vida sexual. 
INVESTIGAÇÃO DA AMENORREIA PRIMÁRIA 
Quem deve ser avaliada para amenorreia primária? 
▪ Adolescentes que não tiveram menarca até 15/16 anos. 
▪ Adolescentes que não tiveram menarca após 3 anos do 
surgimento da telarca. 
▪ Adolescentes