A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
134 pág.
legislação facilitada

Pré-visualização | Página 12 de 50

a 2 (dois) anos. 
§ 1º Se da automutilação ou da tentativa de 
suicídio resulta lesão corporal de natureza grave ou 
gravíssima, nos termos dos §§ 1º e 2º do art. 129 deste 
Código: (2019) 
Pena - reclusão, de 1 (um) a 3 (três) anos. 
§ 2º Se o suicídio se consuma ou se da 
automutilação resulta morte: (2019) 
Pena - reclusão, de 2 (dois) a 6 (seis) anos. 
§ 3º A pena é duplicada: (2019) 
I - se o crime é praticado por motivo egoístico, 
torpe ou fútil; 
II - se a vítima é menor ou tem diminuída, por 
qualquer causa, a capacidade de resistência. 
§ 4º A pena é aumentada até o dobro se a 
conduta é realizada por meio da rede de computadores, 
de rede social ou transmitida em tempo real. (2019) 
§ 5º Aumenta-se a pena em metade se o agente 
é líder ou coordenador de grupo ou de rede virtual. 
(2019) 
§ 6º Se o crime de que trata o § 1º deste artigo 
resulta em lesão corporal de natureza gravíssima e é 
cometido contra menor de 14 (quatorze) anos ou contra 
quem, por enfermidade ou deficiência mental, não tem o 
necessário discernimento para a prática do ato, ou que, 
por qualquer outra causa, não pode oferecer 
resistência, responde o agente pelo crime descrito no § 
2º do art. 129 deste Código. (2019) 
§ 7º Se o crime de que trata o § 2º deste artigo é 
cometido contra menor de 14 (quatorze) anos ou contra 
quem não tem o necessário discernimento para a 
prática do ato, ou que, por qualquer outra causa, não 
pode oferecer resistência, responde o agente pelo crime 
de homicídio, nos termos do art. 121 deste Código. (2019) 
 
 Infanticídio 
 Art. 123 - Matar, sob a influência do estado 
puerperal, o próprio filho, durante o parto ou logo após: 
 Pena - detenção, de dois a seis anos. 
Estado puerperal são sintomas fisiológicos que, iniciados com o 
parto, acometem a mulher, podendo levá-la, dependendo do grau 
de perturbação emocional, a matar o próprio filho. 
Alex Salim, Marcelo André de Azevedo, Direito Penal 
 
 Aborto provocado pela gestante ou com seu 
consentimento 
https://www.instagram.com/legislacaofacilitada/
https://www.legislacaofacilitada.com.br
https://www.legislacaofacilitada.com.br
 
 
 
20 
ID: 
É proibido o compartilhamento desse material, ainda que sem fins lucrativos. Registramos “CPF, e-mail e Internet Protocol (IP)” do comprador em nosso site e nos arquivos PDF. 
 Art. 124 - Provocar aborto em si mesma ou consentir 
que outrem lhe provoque: 
 Pena - detenção, de um a três anos. 
Aborto de feto anencéfalo: O STF, ao jugar a ADPF 54, 
considerou que a antecipação terapêutica de parto nos casos de 
feto anencéfalo não tipifica crime de aborto. 
 
 Aborto provocado por terceiro 
 Art. 125 - Provocar aborto, sem o consentimento da 
gestante: 
 Pena - reclusão, de três a dez anos. 
 
 Art. 126 - Provocar aborto com o consentimento da 
gestante: 
 Pena - reclusão, de um a quatro anos. 
 Parágrafo único. Aplica-se a pena do artigo anterior, 
se a gestante não é maior de 14 (quatorze) anos, ou é 
alienada ou débil mental, ou se o consentimento é obtido 
mediante fraude, grave ameaça ou violência 
 
 Forma qualificada 
 Art. 127 - As penas cominadas nos dois artigos 
anteriores são aumentadas de 1/3 (um terço), se, em 
consequência do aborto ou dos meios empregados para 
provocá-lo, a gestante sofre lesão corporal de natureza 
grave; e são duplicadas, se, por qualquer dessas causas, 
lhe sobrevém a morte. 
 
 Art. 128 - Não se pune o aborto praticado por 
médico: 
 Aborto necessário (Aborto Terapêutico) 
 I - se não há outro meio de salvar a vida da gestante; 
 Aborto no caso de gravidez resultante de estupro 
(Aborto sentimental, humanitário) 
 II - se a gravidez resulta de estupro e o aborto é 
precedido de consentimento da gestante ou, quando 
incapaz, de seu representante legal. 
 
CAPÍTULO II 
DAS LESÕES CORPORAIS 
 Lesão corporal (LEVE) 
 Art. 129. Ofender a integridade corporal ou a saúde 
de outrem: 
 Pena - detenção, de três meses a um ano. 
 Lesão corporal de natureza grave 
 § 1º Se resulta: (GRAVE) 
 I - Incapacidade para as ocupações habituais, por 
mais de 30 (trinta) dias; 
 II - perigo de vida; 
 III - debilidade permanente de membro, sentido ou 
função; 
 IV - aceleração de parto: 
 Pena - reclusão, de um a cinco anos. 
 § 2° Se resulta: (GRAVÍSSIMA) 
 I - Incapacidade permanente para o trabalho; 
 II - enfermidade incurável; 
 III perda ou inutilização do membro, sentido ou 
função; 
 IV - deformidade permanente; 
 V – aborto; 
O aborto do inciso V, para incidir como qualificadora, deverá 
ocorrer a título de culpa, configurando crime preterdoloso. 
 Pena - reclusão, de dois a oito anos. 
 Lesão corporal seguida de morte 
 § 3° Se resulta morte e as circunstâncias evidenciam 
que o agente não quis o resultado, nem assumiu o risco 
de produzi-lo: 
 Pena - reclusão, de quatro a doze anos. (Crime 
preterdoloso) 
 Diminuição de pena 
 § 4° Se o agente comete o crime impelido por motivo 
de relevante valor social ou moral ou sob o domínio de 
violenta emoção, logo em seguida a injusta provocação 
da vítima, o juiz pode reduzir a pena de 1/6 a 1/3 (um 
sexto a um terço). 
 Substituição da pena 
 § 5° O juiz, não sendo graves as lesões, pode ainda 
substituir a pena de detenção pela de multa, de 
duzentos mil réis a dois contos de réis: 
 I - se ocorre qualquer das hipóteses do parágrafo 
anterior; 
 II - se as lesões são recíprocas. 
 Lesão corporal culposa 
 § 6° Se a lesão é culposa: 
 Pena - detenção, de dois meses a um ano. 
 Aumento de pena 
 § 7o Aumenta-se a pena de 1/3 (um terço) se ocorrer 
qualquer das hipóteses dos §§ 4o e 6o do art. 121 deste 
Código. 
 § 8º - Aplica-se à lesão culposa o disposto no § 5º do 
art. 121 
 Violência Doméstica 
 § 9o Se a lesão for praticada contra ascendente, 
descendente, irmão, cônjuge ou companheiro, ou com 
quem conviva ou tenha convivido, ou, ainda, 
prevalecendo-se o agente das relações domésticas, de 
coabitação ou de hospitalidade: 
Pena - detenção, de 3 (três) meses a 3 (três) anos. 
Qualificadora referente a lesões corporais leves advindas de 
violência doméstica. 
--------------------------------------------------------------------------------------- 
STJ: Súmula 542 - A ação penal relativa ao crime de lesão 
corporal resultante de violência doméstica contra a mulher é 
pública incondicionada. 
 § 10. Nos casos previstos nos §§ 1o a 3o deste artigo, 
se as circunstâncias são as indicadas no § 9o deste artigo, 
aumenta-se a pena em 1/3 (um terço). 
 § 11. Na hipótese do § 9o deste artigo, a pena será 
aumentada de 1/3 (um terço) se o crime for cometido 
contra pessoa portadora de deficiência. 
 § 12. Se a lesão for praticada contra autoridade ou 
agente descrito nos arts. 142 e 144 da Constituição 
Federal, integrantes do sistema prisional e da Força 
Nacional de Segurança Pública, no exercício da função ou 
em decorrência dela, ou contra seu cônjuge, companheiro 
ou parente consanguíneo até terceiro grau, em razão 
dessa condição, a pena é aumentada de 1/3 a 2/3 (um a 
dois terços). 
 
CAPÍTULO III 
DA PERICLITAÇÃO DA VIDA E DA SAÚDE 
 Perigo de contágio venéreo 
 Art. 130 - Expor alguém, por meio de relações 
sexuais ou qualquer ato libidinoso, a contágio de moléstia 
venérea, de que sabe ou deve saber que está 
contaminado: 
 Pena - detenção, de três meses a um ano, ou multa. 
 § 1º - Se é intenção do agente transmitir a moléstia: 
 Pena - reclusão, de um a quatro anos, e multa. 
 § 2º - Somente se procede mediante representação. 
 
 Perigo de contágio

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.