A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
48 pág.
Aula 15 - Corte, Dobra e Estampagem

Pré-visualização | Página 2 de 4

ou uma apara,
como ilustrado na Figura para uma peça circular. Por causa da geometria da aresta
cisalhada, a dimensão externa da peça cortada a partir da chapa será maior que o
tamanho do furo. Logo, os tamanhos de punção e matriz para um esboço circular de
diâmetro Dp são determinados por:
ANÁLISE DO CORTE DE CHAPAS METÁLICAS
ANÁLISE DO CORTE DE CHAPAS METÁLICAS
https://www.youtube.com/watch?v=jHkuSB6R8aY
OUTRAS OPERAÇÕES DE CORTE DE CHAPAS 
METÁLICAS
Além das operações de cisalhamento, recorte e puncionamento, existem várias
outras operações de corte de chapas. O mecanismo de corte em cada caso
envolve a mesma ação de cisalhamento discutida anteriormente.
OUTRAS OPERAÇÕES DE CORTE DE CHAPAS 
METÁLICAS
Corte de Tiras com e sem Aparas (Cutoff e Parting) O corte de tiras sem aparas é
uma operação de cisalhamento na qual os esboços são separados a partir de
uma tira metálica, por meio do corte em sequência dos lados opostos da peça,
como mostrado na Figura (a). Uma nova peça é produzida a cada corte. As
características dessa operação que as distinguem de uma operação convencional
de cisalhamento são (1) as arestas de corte não são necessariamente retas, e (2)
os esboços podem estar encaixados na tira de modo a evitar formação da apara
ou retalho de corte.
OUTRAS OPERAÇÕES DE CORTE DE CHAPAS 
METÁLICAS
O corte de tiras com apara é constituído de corte de uma tira de chapa metálica
por meio da ação de um punção com duas arestas de corte, que se ajustam aos
lados opostos do esboço, como mostrado na Figura (b). Isso pode ser
necessário visto que o contorno da peça pode ter uma forma irregular que
impeça o perfeito ajuste dos esboços na tira metálica. O corte de tiras com
apara é menos eficiente que o sem aparas, pois resulta em desperdício de
material.
OUTRAS OPERAÇÕES DE CORTE DE CHAPAS 
METÁLICAS
Ranhuramento, Perfuração e Entalhamento: O ranhuramento é um termo às vezes
usado para uma operação de puncionamento que remove uma parte alongada ou
um furo retangular, como ilustrado na Figura (a). A perfuração envolve o
puncionamento simultâneo de um padrão de furos em uma chapa de metal, como
na Figura (b). O padrão de furo é usualmente para fins decorativos, ou para
permitir a passagem de luz, gás ou fluidos.
OUTRAS OPERAÇÕES DE CORTE DE CHAPAS 
METÁLICAS
Para obter o contorno desejado de um esboço, porções de uma chapa metálica
são com frequência removidas por entalhamento ou semientalhamento. O
entalhamento envolve o corte de uma peça de metal a partir da lateral da chapa
ou da tira. O semientalhamento remove uma porção do metal do interior da
chapa. Essas operações estão ilustradas na Figura (c). O semientalhamento pode
parecer, aos olhos do leitor, como uma operação de puncionamento ou
ranhuramento. A diferença é que o metal removido pelo semientalhamento cria
uma parte do contorno do esboço, enquanto, no puncionamento ou ranhuramento,
criam buracos no esboço.
OUTRAS OPERAÇÕES DE CORTE DE CHAPAS 
METÁLICAS
Aparamento: O aparamento é uma operação de corte, realizada em uma peça
conformada, para remover o excesso de metal e estabelecer dimensões
desejadas. O termo tem o mesmo significado básico aqui que no forjamento. Um
exemplo típico na estampagem de chapas é o aparamento da porção superior de
um copo obtido por estampagem profunda para alcançar as dimensões finais do
copo.
OPERAÇÕES DE DOBRAMENTO
Dobramento em conformação de chapas é uma operação definida pela
deformação do metal em torno de um eixo reto, como mostrado na Figura
abaixo. Durante a operação de dobramento, o metal na parte interna do plano
neutro está comprimido, enquanto o metal na parte externa do plano neutro
está tracionado. Essas condições de deformação podem ser vistas na Figura
(b). O metal é deformado plasticamente de modo que a curvatura recebe
deformação constante após a remoção das tensões que provocaram o
dobramento. O dobramento produz pequena ou nenhuma variação de
espessura da chapa de metal.
DOBRAMENTO EM V E DOBRAMENTO DE 
FLANGE
As operações de dobramento são realizadas usando ferramental composto de
punção e matriz. Os dois métodos usuais de dobramento e ferramental
correspondentes são o dobramento em V, realizado com uma matriz com formato
em V; e o dobramento de flange ou flangeamento, realizado com uma matriz de
deslizamento. Esses métodos estão ilustrados na Figura abaixo.
Dois métodos usuais de dobramento: (a) dobramento em V e (b)
dobramento de flange; (1) antes e (2) depois do dobramento. Símbolos: v =
movimento, F = força aplicada ao dobramento, Fh = força de aperto.
DOBRAMENTO EM V E DOBRAMENTO DE 
FLANGE
No dobramento em V, a chapa é curvada entre um punção e uma matriz em forma
de V. Ângulos de dobramento que variam de ângulos muito obtusos até ângulos
muito agudos podem ser feitos com matrizes em V. O dobramento em V é em geral
usado em operações de baixa produção. Ele é com frequência realizado em uma
prensa viradeira mecânica, e as correspondentes matrizes em V são relativamente
simples e de baixos custos.
O dobramento de flange ou flangeamento envolve um carregamento em balanço da
chapa de metal. Uma almofada de pressão é usada para aplicar uma força de
aperto Fm para manter a peça contra a matriz, enquanto o punção força a peça a
escoar e dobrar-se em torno do raio de adoçamento da matriz. Na montagem
mostrada na Figura (b), o dobramento de flange é limitado a curvaturas de 90º ou
menores. Matrizes de deslizamento mais complexas podem ser projetadas para
ângulos de dobramento maiores que 90º. Devido à almofada de pressão, as
matrizes de deslizamento são mais complexas e custosas que as matrizes em V e
são geralmente usadas para trabalhos de alta produção.
DOBRAMENTO EM V E DOBRAMENTO DE 
FLANGE
ANÁLISE DO DOBRAMENTO 
Alguns dos importantes termos no dobramento de chapas estão identificados na
Figura abaixo. O metal de espessura t é dobrado através de um ângulo chamado
ângulo de dobramento α. Isso resulta em uma peça de chapa metálica com um
ângulo incluso de α', em que α + α' =180º. O raio de curvatura R é normalmente
especificado no interior da peça, em vez de no eixo neutro, e é determinado pelo
raio do ferramental usado para realizar a operação. A curvatura é feita sobre a
largura w da peça de trabalho.
ANÁLISE DO DOBRAMENTO 
A compensação para o retorno elástico pode ser obtida por vários métodos.
Dois métodos usuais são o dobramento por excesso de curvatura e o
dobramento de fundo. No dobramento por excesso de curvatura, o ângulo do
punção e o raio são fabricados ligeiramente menores que o ângulo especificado
na peça final, de modo que a chapa retorne elasticamente ao valor desejado. O
dobramento de fundo envolve compressão da peça no fim do curso,
deformando-a plasticamente na região do raio de curvatura.
(1) durante a operação, a peça é forçada a tomar o raio Rt e o ângulo incluso
αb' = determinado pela ferramenta de dobramento (punção no dobramento
em V); (2) após a remoção do punção, a peça retorna elasticamente ao raio
R e ângulo incluso αb'. Símbolo F é a força aplicada de dobramento.
ESTAMPAGEM
A estampagem é uma operação de conformação de chapas usada para produzir
peças na forma de copos, caixas ou outras formas complexas curvadas e côncavas.
Ela é realizada pelo posicionamento de uma peça de chapa metálica sobre a cavidade
de uma matriz e, então, empurrando-a em direção à abertura com um punção, como
na Figura abaixo. O esboço metálico deve usualmente ser fixado para baixo, contra a
matriz, por meio da ação de um prensa-chapas. As peças comumente fabricadas por
estampagem incluem latas de bebidas, cápsulas de munição, pias, panelas de
cozinha, e painéis externos de automóveis.
https://www.youtube.com/wa
tch?v=Wmqz6ZfQlbc
ESTAMPAGEM
(a) Estampagem de uma peça na forma de um copo: (1) início da
operação antes que o punção entre em contato com a peça de trabalho e
(2) próximo ao fim de curso do punção; e (b) peças de trabalhos
correspondentes: (1) esboço de partida e (2) peça estampada. Símbolos: lf
= folga, De = diâmetro do

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.