A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
TCE

Pré-visualização | Página 1 de 1

Primeiros Socorros 
Trauma cranioencefalico 
1. Definição: 
É uma agressão física que pode provocar lesão anatômica ou comprometimento funcional do 
couro cabeludo, crânio, meninges, líquor ou encéfalo 
Pode resultar em deficiência de capacidade cognitiva ou de funcionamento físico 
2. Anatomia: 
Couro cabeludo: 
- É a cobertura mais externa da cabeça oferecendo uma proteção ao crânio e cérebro. 
- Formado por pele, tecido conjuntivo, gálea aponeurótica e periósteo do crânio. 
- Altamente vascularizado e pode sangrar muito quando lacerado. 
OBS: Lesões do couro cabeludo 
- Por ser uma área abundantemente vascularizada, uma pequena laceração pode resultar 
numa hemorragia abundante. 
- Lesões mais extensas (ex: desenvelopamento – grande área do couro cabeludo é retirada 
do crânio) podem resultar em choque hipovolêmico e exsanguinação 
Crânio: 
- É formado por diversos ossos 
- O forame magno é uma abertura na base do crânio servindo como passagem do tronco 
cerebral até a medula espinhal. 
- A caixa craniana fornece uma grande proteção ao cérebro. 
- Existem três membranas que cobrem o cérebro. De fora para dentro são a dura-máter, 
membrana aracnoide e pia-máter (aderida ao cérebro). O espaço entre a camada óssea e a 
dura-máter chama-se espaço epidural (é um espaço potencial). Já o espaço subdural 
encontra-se abaixo da dura-máter. Entre a aracnoide e a pia-máter encontra-se o espaço 
subaracnóide. 
- O encéfalo é composto pelo cérebro, tronco cerebral e cerebelo. O cérebro ocupa 80% da 
caixa craniana e é circundado pelo líquido cefalorraquidiano (LCR). O LCR também 
circunda a medula espinhal. 
- Os 12 nervos cranianos se original do cérebro e do tronco cerebral. 
 
3. Aumento da PIC 
O fluxo de sangue constante no cérebro é essencial para que os neurônios recebam oxigênio 
e glicose. 
 Esse fluxo sanguíneo é mantido por uma pressão de perfusão cerebral e um sistema de 
autorregulação. A resistência ao fluxo sanguíneo irá variar de acordo com a pressão de 
perfusão. 
Pressão intracraniana (PIC): é a pressão exercida contra o cérebro pela combinação do 
sangue, LCR e do próprio tecido cerebral. 
Levando-se em conta que o espaço intracraniano é de tamanho fixo, qualquer coisa que faça 
aumentar esse conteúdo (hemorragia, hematoma) faz com que haja um aumento da PIC 
A pressão de perfusão cerebral (PPC) depende da pressão arterial média (PAM) e da pressão 
intracraniana (PIC). 
4. Fratura craniana 
O crânio é uma estrutura muito resistente e que fornece uma fundamental camada de 
proteção ao cérebro. 
 Os locais onde existem camadas ósseas mais finas são na região temporal e etmoidal que 
acabam sendo áreas mais susceptíveis a fraturas 
As lesões podem resultar tanto de um trauma contuso (fechado) como de um trauma 
penetrante 
Tipos de fratura: 
- Simples ou linear: 
> 80% dos casos 
> Geralmente advém de traumas contuso (fechados) 
- Abertas: 
> Potencial para infecção (meningite) 
> Geralmente advém de fortes impactos ou por PAF 
- Deprimidas 
> Maior potencial para lesão encefálica porque fragmentos ósseos penetram no encéfalo 
- Base de crânio 
> Lesão de estruturas nobres da região basilar (tronco cerebral e nervos cranianos) 
OBS: O maior problema das lesões cranianas é quando as mesmas estão associadas a lesões 
encefálicas 
4.1. Sinais de alerta 
Os sinais de alerta são aqueles que fazem suspeitar que haja fratura da base do crânio 
- Drenagem do líquor (LCR) pelo nariz ou ouvidos 
- Rinorragia 
- Otorragia 
- Olhos de guaxinim (equimose peri-orbital) 
- Sinal de Battle (equimose retro-auricular sobre o mastóide) 
OBS: as equimoses peri-orbital e retro-auricular podem demorar algumas horas após a lesão 
para se tornarem aparente 
5. Lesões cerebrais 
Pode ser causada por dano indireto (efeito chicote) 
- Lesão nas regiões frontal e occiptal nas colisões de frente 
- Lesão nas regiões parietal e temporal nas colisões laterais 
6. Avaliação da vítima 
- XABCDE 
- Escala de Glasgow 
> É uma escala neurológica para avaliar o nível de consciência de uma vítima que sofreu um 
TCE (varia de 3 a 15 pontos) 
> Para se calcular a pontuação são levadas em consideração as seguintes respostas: abertura 
ocular, resposta verbal e resposta motora. 
OBS: Os pacientes com pontuação de 3 a 8 são os mais graves e estão possivelmente em 
estado de coma 
 
 
6.1. Complicações 
- Convulsões 
- Cefaléia 
- Vômitos 
- Perda de consciência 
- Coma 
6.2. Avaliação pupilar 
O III nervo craniano (oculomotor) atravessa a superfície do tentório cerebelar. 
 Hemorragia ou edema que causem aumento de PIC e consequente herniação descendente 
do cérebro podem comprimir este nervo prejudicando sua função, levando à dilatação da 
pupila. 
 
A midríase paralítica pode ser resultante de um trauma que tenha lesionado o III nervo 
craniano. 
OBS: A avaliação pupilar ainda não faz parte da escala de Glasgow, porém já foi proposta.