A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
PROD DE AVES - Resumo

Pré-visualização | Página 1 de 1

PRODUÇÃO DE AVES 
REGINA MARIA NASCIMENTO 
 
 
• Corte – Animais voltados para o abate, consumo de carne. 
• Matriz Pesada – Gera pintinhos que serão utilizados para corte posteriormente. 
• Matriz Leve – Poedeira comercial, focada na produção de ovos. 
• Abate – Feito mais ou menos aos 42 dias, com peso médio de 2,6kgs. 
• Estatísticas – A carne mais consumida do mundo é a suína, porém, nos próximos anos é 
previsto que o frango irá dominar esse cargo, por ser uma carne barata. O dólar influencia 
no preço e na escolha da carne. Cerca de 12,9 milhões de toneladas são produzidas, 4,1 
milhões de toneladas exportadas, 48.426.232 matrizes de corte alojadas. No Brasil, o frango 
corresponde a 14,5% da produção e 34,8% da exportação, sendo o sul a região que mais 
realiza o abate. Além disso, o Brasil é o principal país de exportação aviária. 
PRODUÇÃO DE OVOS 
• A produção de ovos tem tendência a crescer cada vez mais, com uma média atual de 
consumo de 212 ovos per capita, com 44,5 bilhões de unidades produzidas, aumento na 
produção nacional – sendo cerca de 99,6% no mercado interno e 0,4% na exportação, por 
ser um produto muito frágil. Para evitar desperdício, uma opção atual é a produção 
biofertilizada da clara e da gema. 
• Os estados com maior alojamento de pintainhas são São Paulo (cidade de Bastos), Minas 
Gerais e Espírito Santo, este último tendo o porto de maior exportação junto com Minas 
Gerais, São Paulo, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. 
• Exportação de Ovos – 67% in natura e 33% industrializada. No mundo, o país que mais 
importa ovos para consumo são os Emirados Arábes Unidos. Dos dez principais produtos 
exportados no Brasil, o frango de corte está em 5º lugar. 
• Produção de Peru – Queda na produção e exportação pelo baixo consumo, por questões 
culturais. Outras aves, como patos, são pouco consumidos no Brasil, com o estado de Santa 
Catarina sendo o principal exportador. 
• Material Genético – Brasil exporta material genético através de pintinhos de 1 dia ou ovos 
fertilizados por exportadores de via aérea em Guarulhos e Campinas. 
• Alimentação e Coleta de Ovos – Comedouro localiza-se na frente do animal. Coleta pode ser 
manual, mas não é recomendada para evitar contaminação. Ovo não deve ter contato com a 
cama nem com a galinha para não contaminar. Os mais recomendados no alojamento são os 
galpões automáticos verticais. A cor da casca do ovo depende da linhagem da galinha. 
• Caipira x Orgânico – São diferentes, onde o primeiro são os criados soltos e o segundo deve 
obedecer uma série de regras. 
• Cooperativas – Sistema horizontal, união de pequenos produtores para otimizar os custos 
da produção e o poder de compra. 
• Média e Pequenas Empresas – Dificuldade de obter crédito e compra de grãos e capital de 
gira, falta de recursos para investimento. 
• Investimentos – Galpão do tipo californiano, com gaiolas dispostas em degrau (para evitar 
defecarem em cima uma das outras), constantemente presas em gaiolas (atualmente na 
Europa isso está sendo abolido), criação extensa e maior controle sobre as galinhas, mas 
com um bem-estar que pode ser comprometido. 
• Vantagens da Avicultura – Produção não sazonal, evitando desemprego temporário. 
Pequena propriedade, sistema de integração vertical que requer investimento em questões 
sanitárias, como por exemplo telas que evitam que aves migratórias contaminadas entrem 
no local. Permite escala de produção, tecnologia de ponta e viabilização de exportação. 
• Vantagens Competitivas no Brasil – Baixo custo de produção, sanidade animal e programas 
de biosseguridade eficiente. Programa Nacional de Sanidade Avícula, regulamentação e 
garantia da sanidade dos plantéis e acordos sanitários. 
• Pilares da Avicultura – A avicultura brasileira está alicerçada em quatro grandes pilares que 
sustentam a produtividade e consequentemente resulta no sucesso da produção e 
exportação, sendo: Genética, Nutrição, Ambiência e Mão de Obra. 
• Melhoramento Genético – Gallus domesticus ou gallus gallus. Ao longo dos anos, os animais 
e espécies foram sendo selecionados e passando por melhoramento genético até chegarem 
nos animais que conhecemos hoje, com melhor crescimento e produção. A criação de 
frangos para a produção de carne evoluiu para modelos intensivos onde o potencial 
genético dos frangos é responsável por grande parte dos ganhos de produtividade. 
• Ovos – Ovo branco e ovo castanho não possuem diferenças além da cor da casca por um 
fator genético, mas possuindo semelhanças na alimentação. White Leghorn produz ovos 
brancos, enquanto Rhode Island, New Hampshire e Barred Plymouth Rock produzem ovos 
castanhos. Já em questão da carne, utilizadas as raças White Cornish, White Plymouth Rock. 
• Raças Puras – Com fins comercias. Ex: Carijó, sussex, etc. 
• Raças Híbridas – Resulta de cruzamentos. Ex: Isa, Hubbard, etc. 
• Raças Locais – Nacionais. Ex: Penas frizadas, pescoço pelado, etc. 
 
• Peso Corporal – Se dá pela pesagem individual do animal, importância para o melhoramento 
genético do frango de corte correlacionada com a taxa de crescimento. Já em aves de 
produção de ovos, o aumento do peso corporal diminui a produção de ovos, sendo de 
extrema importância manter o peso corporal adequado. 
• Taxa de Crescimento – Representada pela curva de crescimento, importante para a 
produção de carne e correlacionada com a eficiência alimentar. Com uma alta taxa de 
crescimento, tem potencial de desenvolver defeitos de coração e pernas ou anomalias 
reprodutivas, sendo necessário o controle ideal. Quanto maior o peso corporal do adulto, 
maior será o custo de mantença de reprodutores pesados. Portanto, é necessário restringir 
o alimento das matrizes, pois facilita o acúmulo de gordura quando as aves tem acesso à 
vontade para o alimento. Além disso, reprodutores alimentados em excesso causa 
diminuição de ovos viáveis para incubação. 
• Carcaça – O ideal possui grande musculatura, sem defeitos e magra. Geneticamente, aves 
mais magras tem maior rendimento de carcaça e mais resistência ao calor pela diminuição 
de gordura. A proporção de gordura tem sido reduzida por seleção, com influência da dieta. 
• Características Reprodutivas – Herdabilidade mede correspondência entre fenótipo e 
genético. 
o Fertilidade – número de ovos férteis/número total de ovos 
o Eclodibilidade – número de pintos nascidos/número de ovos férteis 
o Taxa de Nascimento – número de pintos nascidos/número total de ovos 
• Características de Sêmen – Seleção para aumento de volume e concentração de sêmen ou 
aumento do peso corporal com volume e concentração de sêmen menor. 
• Produção de Ovos – Avaliada pelo número de ovos ou taxa de postura. Na produção, 
informações importantes são a idade de maturidade sexual (por volta de 18 semanas) e 
persistência de posturar (até mais ou menos 76 semanas). A seleção para aumento da 
produção de ovos se dá por baixo peso corporal, peso do ovo, idade e maturidade sexual. 
• Peso de Ovos – Média mantida em 57g. O primeiro ovo corresponde a 75% do peso ovo na 
idade adulta. Se divide em jumbo (66g), extra (60 e 65g), grande (55 e 59g), médio (50 e 
54g), pequeno (45 e 49g) e industrial (abaixo de 45g). 
• Qualidade do Ovo – Característica de casca (cor, espessura, resistência e forma) que são 
definidos por questões genéticas, independente da alimentação da ave.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.