A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Eutanásia e as Emoções em Médicos Veterinários

Pré-visualização | Página 2 de 2

emoção, mas, sim, pela razão que este 
procedimento está sendo realizado”, destaca. 
Para Prado, ninguém gosta de executar essa decisão, pois os veterinários são instruídos, desde a 
época acadêmica, a salvar vida e não colocar um ponto final nela. “É uma situação difícil, principalmente 
quando o animal pertence a uma criança que está presente. Muitas vezes, nestes momentos, não 
conseguimos segurar a emoção. Sempre peço para o tutor do paciente realizar uma oração antes do 
procedimento e que se recorde dos bons momentos que passou ao lado de seu pet”, compartilha. 
O profissional revela que pede para que o tutor saia da sala antes de realizar o procedimento, 
justamente para preservar as boas lembranças ao lado do animal. “Deixo os proprietários se despedirem 
de quem trouxe a felicidade para sua família e, depois, dou seguimento sozinho”, declara. 
A médica-veterinária recém-formada, Bruna Martina Ribeiro dos Santos, conta que já esteve 
presente durante o procedimento de eutanásia enquanto profissional e, mais recentemente, no lugar de 
tutora. “Já se passaram nove meses desde então e ainda é difícil falar. E, por mais que eu já tivesse 
presenciado enquanto veterinária e durante a faculdade, quando se trata do nosso pet é diferente”, 
garante. 
Ela diz que pensava se, realmente, era o certo a se fazer: “Tinha um nó na minha garganta, um 
aperto no peito e tive até dor no corpo, talvez pela tensão dos dias que antecederam aquele momento. 
Antes de acontecer já sentia uma saudade absurda”, relembra. Apesar de sua experiência como 
proprietária, como médica-veterinária, a princípio, recomendaria aos tutores que acompanhassem o 
procedimento, explicando como tudo é feito. “Ainda hoje, muitas pessoas pensam que, de alguma forma, 
a eutanásia gera algum tipo de sofrimento ou dor ao animal, o que não é verdade, e o que talvez explique 
o porquê de muitos tutores optarem por não acompanhar”, expõe. 
Assim, a profissional considera importante para o animal ter a presença do tutor, mas que o 
acompanhamento deve ser uma opção, já que não é um indicativo de mais ou menos amor. “Quando 
nosso animal de estimação começa a apresentar sinais de que a velhice se aproxima, inevitavelmente, 
começamos a pensar no ‘quando chegar a hora’ e, por mais que saibamos que a morte também faz parte 
da vida, aprendi que ninguém nunca está totalmente preparado. Se uma despedida antes da eutanásia for 
mais confortável, principalmente para o animal e para os tutores, a escolha deve ser respeitada”, opina. 
Sobre a preparação psicológica do veterinário que lida com essa situação na rotina clínica, Bruna 
comenta que, por conta do estresse e de tantas responsabilidades que seu dia a dia exige, contar com um 
acompanhamento psicológico é de extrema importância para o profissional. Fabricio Prado, por sua vez, 
não se recorda de ter pensado em procurar ajuda psicológica referente a estes atos e/ou casos. “Se 
estamos agindo da forma correta não temos motivos para ficar com remorso”, finaliza.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.