A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
neurônios e glia histologia

Pré-visualização | Página 1 de 2

Universidade Federal do Rio de Janeiro| Histologia do Sistema Nervoso - Fernanda Daumas 
 HISTOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO 
 
INTRODUÇÃO 
• As células do sistema nervoso são os neurônios e 
células da glia. 
NEURÔNIOS 
• Possuem função de recepção, integração e moto-
ras. E são a unidade estrutural e funcional do SN. 
ESTRUTURA DOS NEURÔNIOS 
CORPO CELULAR OU SOMA 
• Poligonal, mas pode ser redondo também e cada 
ponta emerge u tronco da arvore dendrítica. Cada 
dendrito faz contato e recebe informações. 
• Na microscopia o nucléolo fica bem evidente e o 
núcleo com coloração clara e central, além do cito-
plasma mais escuro. 
• O reticulo endoplasmático granular (corpúsculo de 
Nissl) apresenta manchas basófilas espalhadas 
pelo pericario estendendo-se até os dendritos 
• Grandes cisternas de golgi espalhados e mitocôn-
dria 
• Ao seu redor pode conter células da glia 
• Pode conter estruturas amareladas chamadas lipo-
fuxina que são substancia que eles produzem e 
não conseguem digerir e armazém ao longo da sua 
vida útil 
 
 
DENDRITOS 
• Prolongamentos do corpo celular especializados na 
recepção de estímulos. Em geral são ramificados. 
• Ele vai afinando e diminuindo de calibre a partir do 
momento que se afasta do corpo celular. 
• São múltiplos 
• Abundancia de mitocôndrias 
• Caminhando em direção a extremidade distal, há 
poucas ou nenhuma organela 
• Sua base contem organelas exceto golgi além de fi-
lamentos intermediários(pontos) e citoesque-
leto(argolas) 
• Em cada espicula há protrusão do dendrito onde 
ocorre as sinapses 
• Abundante quantidade de organelas semelhante 
ao corpo celular; predomínio de microtúbulos a 
quantidade de neurofilamentos 
• Contorno regular em dendritos maiores e confor-
mação irregular nos menores 
• Olhando a morfologia do dendrito podemos saber 
se ele recebe mais ou menos informações 
NEURÔNIOS E CÉLULAS DA GLIA 
Universidade Federal do Rio de Janeiro| Histologia do Sistema Nervoso - Fernanda Daumas 
 HISTOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO 
 
 
AXÔNIO 
• Sai do corpo celular. 
• É único e raramente se ramifica. 
• Mantem seu calibre até o final do axônio for-
mando as terminações axonais. 
• Especializado na transmissão do impulso nervoso. 
• Origina-se no segmento inicial do axônio, locali-
zado no cone de implantação no corpo celular; 
• Cone de implantação é uma região piramidal do 
corpo localizado no lado oposto aos dendritos, na 
porção inicial do axônio; 
• Prolongamento único delgado que mantem sua es-
pessura 
• Sua espessura está diretamente ligada a veloci-
dade da propagação do impulso 
• Podem ser mielinizados ou não é sua porção inicial 
não tem bainha de mielina 
• As células da glia estão associadas aos neurônios 
de várias formas, uma delas é em forma de um 
‘’rolo de papel’’ em que a glia envolve o axônio 
formando a bainha de mielina, mas também os 
axônios podem apenas passar pela célula da glia e 
não formar mielina e são chamados amilelínicas. 
• No SNP os neurônios sempre estão acompanhados 
das glia enquanto no SNC ele pode estar sozinho. 
Isso ocorre pois no SNP os neurônios percorrem 
grandes distancias 
• No seu entorno podemos ver partes esbranquiça-
das que são as sinapses além de prolongamentos 
de células neurais além de células da glia e não 
matriz celular, o conjunto de prolongamentos+ cé-
lulas da glia é chamado de neuroglia 
• Na microscopia podemos ver o neurônio e um es-
paço esbranquiçado onde está a gordura da bainha 
de mielina 
• As sinapses podem ocorrer encima do corpo celu-
lar(axossomatica), no dendrito nas espinhas den-
dríticas(axodendriticas), também de um axônio em 
outro axônio(axoaxonicas), com musculo e glându-
las. 
Na imagem observa-se o axônio envolvido por bainha de 
mielina (parte esbranquiçada). 
 
 
SINAPSE MUSCULAR 
 
Universidade Federal do Rio de Janeiro| Histologia do Sistema Nervoso - Fernanda Daumas 
 HISTOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO 
 
• No terminal axonal chama atenção as vesículas 
transmissoras que interagem com receptores da 
célula muscular 
 Quando o neurônio é muito grande é muito comum que 
ele precise reciclar suas estruturas como citoesqueleto re-
fazendo proteínas, sendo assim o neurônio tem muito ri-
bossomo para muita síntese de proteína. No caso do neurô-
nio que precisa sintetizar muita proteína, seu núcleo será 
mais claro que o citoplasma pois há intensa produção de 
RNAm para o citoplasma, no núcleo o DNA está menos 
compactado para a síntese de RNA e por isso a cor fica 
clara, ao contrário das outras colorações nos tecidos con-
juntivos, epitelial, etc. 
DIVISÃO FUNCIONAL DOS NEURÔNIOS 
NEURÔNIOS MOTORES OU AFERENTES 
• Transmite impulso do SNC para os órgãos efetores. 
ESTRUTURA 
• Possui a forma do neurônio dos livros com um 
corpo celular, vários dendritos e um axônio longo 
fazendo contato com a célula alvo. Devido a essas 
características o chamamos de neurônio multipo-
lar. 
NEURÔNIOS SENSORIAIS OU AFERENTES 
• Percebe o ambiente através dos nossos sentidos 
(tato, olfação, gustação, sabor, aroma, etc.) e 
transmite o impulso das áreas cutâneos e órgãos 
para o SNC para fazer o entendimento do que 
aconteceu. Cada sentido possui um neurônio dife-
rente para aquela reação. 
• Como ele traz informação da periferia seu corpo 
celular fica nos gânglios 
• As respostas reflexas não passam pelo SNC. 
ESTRUTURA 
• Seu copo celular possui 2 prolongamentos e todos 
eles têm característica de axônio. 
• Ele pode ser unipolar ou pseudounipolar 
 
NEURÔNIOS DE ASSOCIAÇÃO OU INTERNEURÔNIOS 
• São neurônios que fazem conexão entre neurônios 
diferentes. A quantidade desses neurônios e o tipo 
dessas ligações representam nossa diferença como 
indivíduo e espécie. 
ESTRUTURA 
• Podem ter as mais variadas formas. 
• Sua forma piramidal é muito comum no córtex ce-
rebral; neurônio piriforme; neurônio granular em 
geral forma associações conectando neurônios 
próximos, esse processo ocorre por exemplo ao 
espetarmos o pé: o neurônio sensorial leva infor-
mação para o SNC que passa para o neurônio mo-
tor e por sua vez precisa contrair o musculo para 
levantar o pé e inibir o musculo do relaxamento do 
musculo. 
 
Universidade Federal do Rio de Janeiro| Histologia do Sistema Nervoso - Fernanda Daumas 
 HISTOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO 
 
 
 No sistema nervoso somático(voluntario) o neurônio sen-
sorial recebe a informação, passa para o SNC que processa 
informação e passa para o neurônio motor realizar a ação. 
 No sistema nervoso autônomo(involuntário) o neurônio 
sensorial recebe a informação, passa para o SNC processa-
la e um neurônio motor controla as vísceras. Ele pode ser: 
simpático (prepara para luta ou fuga) ou parassimpático 
(anabolismo, digestão, etc.) 
 CELULAS DA GLIA (suporte para os neurônios) ficam em 
volta dos neurônios permitindo um suporte mais rápido 
para suas necessidades, já que a maioria dos neurônios mo-
tores são longos e até que a célula chegasse ao neurônio 
quando houvesse necessidade ele já teria morrido 
GLIA 
• Função de sustentação metabólica, mecânica e 
proteção. 
• As células da glia podem ser dividas da seguinte 
forma: células do SNC e SNP. 
EXCLUSIVAS DO SNC 
ASTRÓCITOS 
• Possuem formato de estrela e relativamente 
grande para uma célula da glia; 
• Capturam íons e resto do metabolismo dos neurô-
nios 
• Podem ter dois formatos principais 
ASTROCITOS FRIBROSOS 
• Estão principalmente na substância branca; 
• São prolongamentos finos, longos e não ramifica-
dos 
• Os seus prolongamentos entram em contato com 
as sinapses (como na substancia branca não há si-
napse não há necessidade de prolongamentos 
para acompanhar as sinapses) 
• Os prolongamentos dos astrócitos emitem pés que 
se ligam aos vasos e regulam a formação da bar-
reira hematoencefálica(filtra o que pode ir para o 
sistema nervoso e são vasos sem