Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Doenças de interesse do cirurgião dentista

Pré-visualização | Página 1 de 2

D O E N Ç A S
DE INTERESSE DO CIRURGIÃO - DENTISTA 
 Riscos: 
- Químicos; 
- Biológicos; 
- Físicos; 
- Ergonômicos. 
 Agentes químicos: 
- Poeira; 
- Névoas; 
- Vapores; 
- Gases; 
- Mercúrio (na amálgama, usado 
apenas em cápsula); 
- Produtos químicos em geral e outros. 
Ex.: Silicose – doença pulmonar 
contraída pelo pó. 
 Metil metacrilato 
- Volátil; 
- Inflamável; 
- Moderamente tóxico; 
- Irritante para pele e mucosas; 
- Dermatite de contato. 
 Aldeídos (muito raro) 
Aplicação: desinfecção e esterilização; 
Riscos: vapores tóxicos, inflamável, 
moderamente tóxico; 
Glutaraldeído: irritante para peles e 
mucosas; 
Formoldeído: altamente tóxico e 
carcinogênico. 
 Fenóis: 
Aplicação: Endodontia – para – mono – 
cloro – fenol, formocresol; 
Riscos: Irritante para pele e olhos; 
queimadura; dermatite (bastante 
comum). 
 Ácidos: orto-fosforíco, fluorídrico 
e poliacrílico 
Aplicação: dentística e prótese 
Riscos: queimadura na pele; irritação 
no sistema respiratório; intoxicação 
quando ingeridos; dermatite (bastante 
comum) 
 Reveladores e fixadores 
Aplicação: processamento de 
radiografias 
Riscos: irritação com pele e olhos; 
reações alérgicas; exposição 
prolongados aos fixadores podem 
provocar danos a tireoide. 
 Látex 
Aplicação: matéria prima de luvas e 
diques de borracha 
Risco: dermatite de contato; reações 
alérgicas. 
 Mercúrio – Amalgamadores 
Volátil à temperatura ambiente; 
Riscos: toxidade; gostas de mercúrio 
muito pequenas contem quantidades 
suficientes de matrial para saturar o ar 
existente em um consultório padrão; 
entre 65% a 85% do mercúrio inalado 
fica retido no corpo, apresentando 
efeito acumulativo; toxidade crônica: 
fraqueza, cansaço, anorexia, perda de 
peso, insônia, irritabilidade, tonteira e 
tremores nas extremidades. 
 Hipoclorito de sódio 
Causa queimaduras, principalmente 
em mucosa. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
- Antes de trabalhar com as substâncias 
químicas, deve-se conhecer cada uma 
delas. 
 Riscos físicos 
- São riscos ambientais que se 
apresentam em forma de energia, 
como ruídos, temperaturas extremas e 
vibrações. 
 I luminação 
- A influência da iluminação pode 
causar, se for pobre em intensidade ou 
rica em ofuscamento, dor de cabeça, 
desordens nervosas, miopia, 
astigmatismo, perda total da visão e 
entre outros; 
-“Visão cansada”; 
- Precisa ser ideal; 
 Ruídos 
- Alterações provocadas por um alto 
nível de ruído causam reações que 
podem ser passageiras, ou em alguns 
casos, irreversíveis; 
- Pode causar: ansiedade ou estresse. 
 PAIR – Perda Auditiva Induzida 
por Ruído 
- Deterioração auditiva, lentamente 
progressiva, com características 
neurossensoriais, quase sempre 
bilateral, simétrica e irreversível. 
 Radiação não - ionizante 
- As que não produzem ionizações, ou 
seja, não possuem energia suficiente 
para arrancar elétrons dos átomos do 
meio por onde está se deslocando, 
mas tem poder de quebrar moléculas e 
ligações químicas; 
- Radiação ultravioleta; luz invisível; 
infravermelho; micro-ondas e etc. 
 Material Biológico 
- Nos referimos a sangue, secreções e 
excreções tipo vômito, urina, fezes, 
sêmen, leite materno e outros fluidos 
corporais; 
- Todo paciente é considerado um 
paciente que pode contaminar ou 
doente; 
 Doenças no consultório 
 
 Hepatite 
- Inflamações no fígado; 
- Causada por alguns tipos de vírus, 
clinicamente semelhantes mas com 
consequências diferentes; 
- Causada também pelo consumo 
excessivo do álcool, produtos químicos, 
medicação ou complicações de outras 
infecções. 
- Tipos virais: 
Hepatite A: transmitidos, 
principalmente, por meio de alimentos 
e água contaminados, por via fecal ou 
oral; 
- Baixo risco de infecção; 
- Existe a vacina da hepatite A, que são 
2 doses; 
- Existe a vacina da hepatite A e B, que 
são 2 doses. 
Hepatite B: transmitido por meio do 
sangue, por contato direto ou indireto, 
endêmica, grande problema viral no 
mundo, ocorrendo em vários locais, 
com mais de 2 milhões de pessoas 
contaminadas. Infecta e multiplica em 
células hepáticas, durante o curso da 
infecção são liberados vírus e células 
em grande número nos fluídos 
corporais e sangue (1 ml de sangue: 
100 milhões de partículas de vírus, 
pequenas quantidades já transmitem), 
permanece viável em transmissão por 
até 1 mês, sendo muito resistente em 
superfícies de meio de sobrevivência 
ou não; 
- Destruição do vírus da hepatite B: 
desinfecção (alvejante diluído, 
glutaraldeído fenólico, iodóforo ou 
álcool isopropílico a 70%) ou 
esterilização; Fácil inativação; 
 
- Estados da doença: 
90% se recuperam completamente, 
sem desenvolver o estado portador da 
doença; 
2% a 6% tornam-se portadores, com 
metade dessa somatória eliminadas 
daqui há 5 anos do corpo; 
A outra metade (4% a 8%) são 
portadores crônicos e, 
aproximadamente, 25% desenvolveram 
hepatite crônica ativa, tendo a chance 
de desenvolver câncer. 
- Transmissão: percutânea, membranas 
mucosas (fluidos contaminados), sendo 
de alto risco em relações sexuais, 
agulhas contaminadas (drogas); 
engravidar estando infectada. 
- Risco para a equipe de saúde bucal: 2 
a 5 vezes maior probabilidade de se 
infectar com o HBV do que a 
população geral; a doença 
ocupacionalmente mais importante 
para os profissionais de Odontologia. 
- Situações de risco: lesões por objetos 
perforocortantes contaminados: 
agulhas, bisturi, brocas e instrumentais.; 
contaminação por sangue e saliva em 
cortes e rachaduras da pele, ou mão 
sem luvas ou luvas rasgadas; gotículas 
de aerossolização de partículas 
contendo sangue ou saliva em lesões 
abertas na pele ou nas membranas 
mucosas. 
- Precisa tomar vacina para se tornar 
imune, como sendo obrigatória a 
vacina da Hepatite B. 
- Vacina: 
3 Doses; Nenhuma vacina é eficaz, 
sendo necessário o teste anti-HBsAg , 1 
a 2 meses depois; Não é necessário o 
reforço, caso esteja imune. 
Hepatite C: transmitido por meio do 
sangue, por contato direto ou indireto; 
Aproximadamente 20% dos infectados 
apresentam sinais da doença 
reconhecíveis e, ainda assim, leves; 
75% a 80% dos infectados se tornam 
portadores crônicos; 
60 a 70% dos infectados desenvolvem a 
doença hepática crônica; 
Principal causa do câncer no fígado. 
- Formas de contágio: 50% drogas 
intavenosas; 15% a 20% relações 
sexuais; 3% transfusões de sangu; 1% 
exposição ocupacional dos 
profissionais de saúde. 
- Não tem vacina e a vacina da A e B 
não são eficazes contra a hepatite C. 
- Risco Aumentado: pessoas que usam 
drogas, hemodiálise de longa duração, 
receptores de transfusão de sangue de 
antes de julho de 1992; sinais/sintomas 
de doenças no fígado; bebês de mães 
infectadas; sexo com vários parceiros, 
porém um infectado; profissionais de 
saúde com o manuseio de agulhas 
com HCV positivo. 
- O sangue contaminado permanece 
por até 6 semanas à temperatura 
ambiente em superfícies secas 
inanimadas e infectantes; 
 - Desinfectantes: alvejante diluído 1:10; 
etanol a 70% são eficazes contra o vírus 
seco; 
Hepatite D: transmitido por meio do 
sangue, por contato direto ou indireto; 
- Só causa infecção junto com a 
hepatite B ou já ser infectado; 
- A vacina da hepatite B funciona; 
- Sem hepatite B não existe. 
Hepatite E: transmitida, principalmente, 
por meio de alimentos e água 
contaminados, por via fecal ou oral; 
- Baixo risco de infecção. 
 HIV 
- Transmitida pelo contato íntimo 
sexual; 
 
 
 
 
 
 
- Exposição a sangue, fluidos corporais 
contaminados por sangue ou produtos 
com sangue; 
- Contato perinatal (mãe infectada 
para o filho). 
- Exposição ao sangue: drogas 
injetáveis; lesões percutâneas (agulhas 
contaminadas ou objetos 
perfurocortantes, contaminação de 
pele ou mucosas, com pequenos 
cortes, tipo dermatite, abrasão). 
- Saliva
Página12