A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
202 pág.
livro

Pré-visualização | Página 5 de 44

pelas seguintes 
fases:
1.	 Preparação e armazenagem na fábrica e subsequente transporte do interior para 
um terminal de transferência onde será embarcada.
2.	 Já no terminal de transferência, os lotes são consolidados e armazenados por 
tempo determinado antes do embarque. Caso seja carga conteinerizada, após a 
desova, a carga é vistoriada, separada por tipo de mercadoria e classificada por 
lote.
3.	 É realizado o transporte interno até o CD – Centro de Distribuição.
4.	 Finalizando com a descarga, movimentação e armazenagem por tempo 
determinado no CD.
Conhecido e respeitado esse processo, podemos constatar o importante 
papel desempenhado pelos terminais de carga, ao longo de todo o fluxo, não apenas 
como portas de entrada e saída, mas também como centros de armazenagem, 
consolidação e distribuição. Sendo assim, não deve causar admiração que a 
eficiência da armazenagem exerça grande influência sobre a quantidade de carga 
movimentada.
Desta forma os diferentes estágios de transformação, transporte e 
distribuição, da cadeia logística, abrangem:
fazer uma excelente administração, voltada na redução de custos e melhorias em 
diversos setores.
NOTA
TÓPICO 1 | DIMENSIONAMENTO E ORGANIZAÇÃO DE UM ARMAZÉM DE CARGAS (TERMINAL DE CARGAS)
11
• aquisição e recebimento da matéria-prima;
•	processamento industrial de transformação;
•	controle de qualidade, marcação, separação e embalagem;
•	consolidação do lote para exportação;
•	documentação para o transporte e apólices de seguro;
•	transporte interior até o terminal portuário de embarque;
•	manuseio, empilhamento e armazenagem;
•	transferência da área de armazenagem até o navio, trem ou avião;
•	estivagem ou embarque aéreo, navio ou trem.
 
O armazenamento de materiais obedece a critérios específicos, como a redução de 
custos, de perdas, manutenção da qualidade e do padrão de melhorias em uma empresa. 
Compreender a estrutura do processo produtivo em uma empresa está relacionado 
a muitas observações, e uma das mais importantes é a administração de materiais, 
principalmente no que diz respeito ao armazenamento e movimentação de materiais. A 
relação custo versus benefício é um dos pontos em evidência, porque um armazenamento 
inadequado, um layout mal feito e o aproveitamento insuficiente dos espaços podem 
comprometer o rendimento, a produtividade e as tomadas de decisões futuras.
O armazém não é mais um depósito de estoque que vem para ficar. Seu 
papel atual é trazer um equilíbrio entre o volume certo de espaço, mão de obra 
e tempo, em conjunto com o entendimento da estratégia, localização e todas as 
demais informações comerciais.
Para Banzato et al. (2003, p. 80), o papel estratégico da gestão de 
armazenagem é:
•	a necessidade de espaço do armazém aumentou;
•	os custos operacionais estão aumentando mais rapidamente do que o ganho;
•	os custos da mão de obra mudaram significativamente;
•	o espaço disponível para realizar as atividades do armazém diminuiu;
•	o congestionamento está aumentando;
•	erros de expedição e outras medições de serviços diminuíram;
•	o tempo de ciclo de pedidos diminuiu significativamente;
•	as instalações externas estão sendo utilizadas;
•	ajustes de curto prazo são necessários;
•	as questões de gerenciamento e controle do estoque estão em alta.
O armazenamento de materiais ou formação de estoques é de suma 
importância no cotidiano das empresas, sobretudo das indústrias que trabalham 
com alta produtividade e rotatividade. Há inclusive métodos específicos como 
o sistema just in time, que procura manter o controle de materiais com mínima 
formação de estoques, e Kanban, que ordena e controla os estoques.
O armazenamento é um método que permite estocar matéria-prima, peças 
em processamento ou produtos acabados, determina os custos de operações, 
melhora a qualidade dos produtos e acelera o ritmo dos trabalhos com ganho de 
produtividade, entre outros aspectos.
UNIDADE 1 ORGANIZAÇÃO DO ARMAZÉM DE CARGA
12
O armazém ou centro de distribuição é o ponto de contato com o cliente. 
É de onde os pedidos seguem certos ou errados; sendo que a entrega do produto 
certo, para o cliente certo e na quantidade certa, continua sendo um desafio para 
muitas empresas. E esse desafio é composto pelos seguintes elementos, que são:
•	 Disponibilidade do produto: este é o componente mais importante do serviço ao 
cliente. O produto deve estar disponível quando o cliente o desejar, nem antes e 
nem depois.
•	 Disponibilidade da quantidade solicitada: ter em estoque uma quantidade ideal, 
nem pouco nem muito, para atender a necessidade do cliente.
•	 Tempo de processamento do pedido: o tempo que se usa para processar um pedido 
está sendo reduzido e o gerente do armazém deve estar atento a estas janelas de 
entrega, onde podemos observar que o tempo de solicitar até receber o produto, 
está cada vez mais curto, visto que as empresas não querem trabalhar com grandes 
estoques.
•	 Erros: produtos danificados, incorretos ou em quantidades diferentes do solicitado, 
não são mais tolerados pelos clientes, que se tornam a cada dia mais exigentes e 
como é sabido – “o cliente tem razão” ou “o cliente é a razão”.
Toda boa gestão na área de armazenagem se faz com profissionais capacitados, 
utilizando controles mensais e diários de históricos de estoques, consumos, através de 
gráficos e planilhas.
Em um esforço para atender a estes desafios, as operações do armazém 
devem mudar e este desafio começa através dos clientes. Assim, pode-se definir 
que os objetivos da armazenagem são:
• utilização do espaço nas três dimensões, assim maximizando o uso do espaço 
de forma mais adequada, aproveitando melhor o espaço tanto na horizontal 
como também na vertical;
• utilizar a logística na escolha do local do armazém, a fim de facilitar e agilizar o 
recebimento do produto junto ao fornecedor e o mesmo se aplica no despacho 
do material ao cliente;
• facilitar o acesso aos itens do depósito;
• proteger e abrigar os materiais;
NOTA
TÓPICO 1 | DIMENSIONAMENTO E ORGANIZAÇÃO DE UM ARMAZÉM DE CARGAS (TERMINAL DE CARGAS)
13
• separar os materiais pela sua categoria, evitando assim a contaminação como: 
alimentos, produtos de limpeza e higiene, químicos, entre outros; 
• facilitar a movimentação interna do depósito;
• garantir a conferência física do recebimento e despacho dos materiais;
• maximizar a utilização de mão de obra e equipamentos;
• satisfação das necessidades dos clientes;
• trabalhar sempre com o sistema PEPS – primeiro que entra, primeiro que sai, 
evitando assim que o produto estrague ou perca a validade de consumo;
• trabalhar com o máximo de segurança possível tanto no recebimento, 
movimentação interna e estocagem, tanto para o produto armazenado como 
para os colaboradores que ali atuam.
A figura a seguir ilustra o envolvimento e as responsabilidades das 
atividades da armazenagem.
Conferência
FONTE: Adaptado de: Viana (2000)
FIGURA 1 – ENVOLVIMENTO DAS ATIVIDADES DA ARMAZENAGEM
UNIDADE 1 ORGANIZAÇÃO DO ARMAZÉM DE CARGA
14
4 MODELOS DE ARMAZENAGEM
A decisão sobre o tipo de estrutura de Armazenagem deve levar em 
consideração os seguintes fatores: 
•	 Tipo de produto.
•	 Unidade movimentada (paletes, caixas,entre outros).
•	 Mix movimentado.
•	 Critérios de operação (FIFO, LIFO).
•	 Giro dos produtos.
•	 Veículos.
•	 Prédios, layout.
Para Ballou (2001), os armazéns podem ser classificados em um número 
limitado de grupos, conforme segue:
•	 Armazéns de commodities: estes armazéns limitam seus serviços à estocagem 
e ao manuseio de determinadas commodities, tais como madeira, algodão, e 
outros produtos que se danificam facilmente. Em grande parte são armazéns 
que servem para estocar produtos com grandes volumes, que ocupam muito 
espaço e tem grande movimentação (entrada e saída), sendo armazéns que 
estocam produtos únicos como mencionado acima.
FONTE: Disponível em: <sociedaderuraldesarandi.blogspot.com>. Acesso em: 17 out. 
2010.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.