A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
202 pág.
livro

Pré-visualização | Página 7 de 44

que a estrutura seja 
adequada ao tipo produto.
Como exemplo, podemos constatar em algumas marinas, onde 
os barcos, lanchas e até iates, são guardados de forma vertical 
através de uma empilhadeira que coloca e retira a embarcação 
em estruturas de forma vertical, cabendo (armazenado) até 4 ou 5 
embarcações na vertical. 
Embarque
O local destinado a embarque tem, no mínimo, normalmente 2,25m 
de altura sobre o piso, para facilitar as operações. A fim de determinar 
o número de lugares (docas) para acostamento de veículos, calculam-
se a quantidade diária de embarques e o tempo de carga e descarga. 
A demora das operações de carga varia com o equipamento para 
manuseio. Uma empilhadeira pode carregar um caminhão em 
15 minutos, porém, se a mercadoria for paletizada manualmente, 
a operação requereria de uma hora e meia a três. Próximo à área 
de embarque é necessário reservar um local para armazenagem 
temporária, onde são colocadas as mercadorias por praça e cliente.
TÓPICO 1 | DIMENSIONAMENTO E ORGANIZAÇÃO DE UM ARMAZÉM DE CARGAS (TERMINAL DE CARGAS)
21
Em grande parte das empresas nos países da Europa, existe 
uma ligação da linha ferroviária, (além da rodoviária) com as 
empresas, onde esta logística facilita o embarque de mercadorias 
(além de ser mais barato o seu transporte).
Escritórios
Costumam estar próximos aos locais de embarque, para maior 
controle e agilidade e garantia do que está sendo entregue, 
movimentado e do que está saindo. Seus tamanhos variam 
de acordo com as operações do armazém. Algumas empresas 
possuem instalações centrais, onde estão localizados escritórios, 
controle, manutenção etc.
Outras 
instalações
Todo armazém deverá estar equipado com equipamentos para 
combater incêndios, como extintores, sprinklers, sinais de alarme, 
detector de fumaça etc. A iluminação deve ser estudada depois 
de traçados os corredores. É sobre eles que são instaladas as 
lâmpadas. Um armazém, dependendo do tipo de mercadorias 
estocado, precisa de ar condicionado, controle de umidade, 
depósitos de combustível para empilhadeiras etc.
É importante ressaltar que o local de armazenagem seja de fácil 
acesso para combater um possível incêndio.
As portas devem ser grandes o suficiente para entrar e combater 
um incêndio.
O armazém deve ter uma boa ventilação, principalmente quando 
o armazém ficar fechado durante um final de semana ou em férias 
coletivas da empresa.
Outro fator de extrema importância é saber que alguns produtos 
não podem ser armazenados juntos, pois se houver o contato com 
os dois, poderá resultar em um incêndio e até mesmo em uma 
explosão. 
FONTE: Adaptado de Dias (2005)
A armazenagem pode ser simples ou complexa. Dependendo de algumas 
características intrínsecas dos materiais, a armazenagem torna-se complexa devido 
à:
•	 fragilidade;
•	 combustibilidade;
•	 volatização;
•	 oxidação;
•	 explosividade;
•	 intoxicação;
•	 radiação;
•	 corrosão;
•	 inflamabilidade;
•	 volume;
•	 peso;
•	 forma.
UNIDADE 1 ORGANIZAÇÃO DO ARMAZÉM DE CARGA
22
Nesse sentido, os materiais sujeitos à armazenagem complexa demandam, 
entre outras, as seguintes necessidades:
•	 preservação especial;
•	 equipamentos especiais de prevenção de incêndios;
•	 equipamentos de movimentação especiais;
•	 meio ambiente especial;
•	 estrutura de armazenagem especial;
•	 manuseio especial, por intermédio de EPIs (Equipamentos de Proteção 
Individual) adequados.
É importante condicionar o material no Armazém de acordo com a característica 
do material e de acordo com sua embalagem, o que permite estocar a granel, em paletes, 
prateleiras.
Não existem regras taxativas que regulem o modo como os materiais devem 
estar dispostos no Armazém, motivo pelo qual se deve analisar, em conjunto, os 
aspectos analisados anteriormente, para, então, decidir pelo tipo de arranjo físico 
mais conveniente, selecionando qual das alternativas melhor atende a seu fluxo de 
materiais:
•	 Armazenagem por agrupamento: esse critério facilita as tarefas de arrumação e 
busca, mas nem sempre permite o melhor aproveitamento do espaço. Um exemplo 
deste tipo de armazenagem é encontrado nas empresas têxteis (fabricação de 
roupas), onde a moda exige uma infinidade de itens em “aviamentos” como: 
botões, zíperes, linhas, etiquetas, cadarços etc., tendo que estes itens estarem 
num só local de fácil localização, podendo variar a sua quantidade e o tempo de 
permanência em estoque é baixo, pois logo será substituído por outro modelo, 
cor, tamanho etc.
NOTA
TÓPICO 1 | DIMENSIONAMENTO E ORGANIZAÇÃO DE UM ARMAZÉM DE CARGAS (TERMINAL DE CARGAS)
23
FONTE: Disponível em: <eclog2.wordpress.com>. Acesso em: 17 out. 2010.
•	 Armazenamento por tamanhos (acomodabilidade): esse critério permite bom 
aproveitamento do espaço. Como o próprio nome já diz é a armazenagem em 
grandes lotes e em grandes quantidades, que chegam paletizados. Um grande 
exemplo são os CD’s Centro de Distribuição de Supermercados, que recebem 
vários produtos em grandes quantidades, fazem o recebimento, conferência, 
armazenam, para depois distribuir às filiais do supermercado.
FONTE: Disponível em: <empicamp.com.br>. Acesso em: 17 out. 2010. 
FIGURA 10 – ARMAZENAGEM POR AGRUPAMENTOS
FIGURA 11 – ARMAZENAMENTO POR TAMANHOS
•	 Armazenagem por frequência: esse critério implica armazenar tão próximo 
quanto possível da saída os materiais que tenham maior frequência de 
movimento.
UNIDADE 1 ORGANIZAÇÃO DO ARMAZÉM DE CARGA
24
FONTE: Disponível em: <focoemnegocios.wordpress.com>. Acesso 
em: 17 out. 2010.
•	 Armazenagem especial: por meio desse critério, destacam-se:
•	 Ambiente climatizado: destina-se a materiais cujas propriedades físicas exigem 
tratamento especial.
•	 Inflamáveis: os produtos inflamáveis devem ser armazenados em ambientes 
próprios e isolados, projetados sob rígidas normas de segurança.
•	 Perecíveis: os produtos perecíveis devem ser armazenados segundo o método 
FIFO (First In First Out), ou seja, primeiro que entra primeiro que sai.
FONTE: Disponível em: <gelopotavel.com>. Acesso em: 17 out. 2010.
FIGURA 12 – ARMAZENAGEM POR FREQUÊNCIA
FIGURA 13 – ARMAZENAGEM ESPECIAL
TÓPICO 1 | DIMENSIONAMENTO E ORGANIZAÇÃO DE UM ARMAZÉM DE CARGAS (TERMINAL DE CARGAS)
25
•	 Armazenagem em área externa: devido a sua natureza, muitos materiais podem 
ser armazenados em áreas externas, próximos ao almoxarifado, o que diminui 
os custos e, em paralelo, amplia o espaço interno para materiais que necessitam 
de proteção em área coberta. A prática demonstra que podem ser colocados 
nos pátios externos do almoxarifado, além dos materiais a granel, tambores e 
contentores, peças fundidas, chapas de metal e outros.
•	 Coberturas alternativas: a escassez de área e o custo de construção são dois 
componentes significativos na determinante de um almoxarifado. Considere-se 
que, independentemente de as empresas possuírem pátios para armazenagem 
alocados em áreas descobertas, em determinadas circunstâncias, podem também 
necessitar de alguma área a mais, temporariamente, para abrigar materiais em 
ambiente coberto. Não sendo viável a expansão do almoxarifado, a solução 
do problema está na utilização de coberturas plásticas, as quais possuem a 
vantagem de dispensar fundações, permitindo a guarda de materiais de menor 
custo de armazenagem.
FONTE: Disponível em: <embalagenspinhais.com.br>. Acesso em: 17 out. 
2010.
FONTE: Disponível em: <nei.com.br>. Acesso em: 17 out. 2010.
FIGURA 14 – ARMAZENAGEM EM ÁREA EXTERNA
FIGURA 15 – COBERTURA ALTERNATIVA
UNIDADE 1 ORGANIZAÇÃO DO ARMAZÉM DE CARGA
26
O NOVO CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DA VOLKSWAGEN EM VINHEDO-
SP
“O Novo Centro de Distribuição da Volkswagen em Vinhedo”: A entrada 
de novos fabricantes na área automobilística promoveu inúmeras mudanças nos 
conceitos das empresas já instaladas no Brasil. O forte das empresas que há 10 anos 
era a venda de carros novos passa a centralizar seus lucros nas peças e serviços.
A mudança não se restringe ao potencial de vendas, os conceitos

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.