A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
1 pág.
Controle da Regulação da Expressão Gênica

Pré-visualização | Página 1 de 1

Controle / Regulação da Expressão Gênica
A maioria da células podem mudar seu padrão de
expressão gênica em resposta a sinais extracelulares
Eucarioto-monocistrônicos: cada gene controlado
por um promotor.
Procarioto-policistrônicos: cada gene controlado por
vários promotores.
Regulada em várias etapas que vai do DNA para
o RNA até a proteína
1. controle de quando e com qual frequência
o gene será transcrito;
2. controle do splicing na transcrição do
RNA;
3. controle do mRNA sairá do núcleo ao
citosol;
4. degradação de mRNA;
5. seleção de quais mRNA serão produzidos;
6. ativação e inativação seletiva de proteínas
após sua produção.
Controle da Transcrição
Proteínas se ligam na região do promotor
(possuem sequências reguladoras de DNA +
sequências reguladores transcricionais) que inicia a
transcrição formando pontes de hidrogênio, ligações
iônicas e interações hidrofóbicas com a borda das
bases.
↳controlando a expressão de um ou de vários
genes(ativam ou desativam o início da transcrição).
Controle pós-traducionais
a. mRNAs reguladores que contêm
riboswitches (pequenas sequências de rna
que modificam sua conformação quando
ligadas em moléculas.
↳ comum em bactérias , onde essas sequências são
sensíveis a metabólitos.
b. mRNAs já sintetizado pode ocorrer
controle antes do seu produto de
proteínas no início da tradução
↳ bloqueando ou expondo a sequência de
reconhecimento do ribossomo, a bactéria pode
tanto inibir ou promover a tradução do mRNA.
c. em células de eucariotos o reconhecimento
do início se dá pela sequência na
extremidade 5’, sendo assim a sua
inibição impede que o ribossomo encontre
o AUG
d. miRNA ao se ligar ao mRNA é destruído
imediatamente por nucleases, ou sua
tradução é bloqueada, ou levado a uma
região do citoplasma e degradado .
↳ esses miRNAs também degradam região de
RNA estranhas, chamado de interferência do
RNA.
e. os proteassomos (enzimas citoplasmáticas)
degradam proteínas não funcionais já
ubiquitinadas