A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
223 pág.
Anatomia e Fisiologia Humanas

Pré-visualização | Página 7 de 33

piramidal e pisiforme; 
fileira distal: trapézio, trapezoide, capitato e hamato.
A região do metacarpo constitui a “palma” da mão e é composta por cinco 
ossos numerados no sentido látero-medial em I, II, III, IV, V metacarpo.
As falanges compõem os dedos da mão e são catorze em cada mão. No 
polegar, encontramos somente as falanges proximal e distal. Do segundo ao quinto 
dedo, entre as falanges distal e proximal, encontra-se a falange média.
TÓPICO 1 | SISTEMA ESQUELÉTICO
21
É importante lembrar que as falanges não recebem numeração como os ossos 
do metacarpo. Esse é um erro muito comum.
FONTE: Netter (1999)
I
II
III
IV
V
FIGURA 19 – VISTA DORSAL DOS OSSOS DA MÃO
4.2.5 Membros inferiores
Os membros inferiores são popularmente conhecidos como pernas. Porém 
essa denominação é incorreta, pois a perna é apenas uma das regiões dos membros 
inferiores. Na realidade, assim como os membros superiores, eles são divididos 
em três regiões: coxa, perna e pé. Sendo assim, os ossos que compõem os membros 
inferiores são: o fêmur, a patela, a tíbia, a fíbula e os ossos do pé. 
Juntamente com os membros superiores, os membros inferiores compõem 
o esqueleto apendicular, conforme já foi citado anteriormente. 
ATENCAO
UNIDADE 1 | FUNÇÃO DE SUSTENTAÇÃO, PROTEÇÃO E LOCOMOÇÃO
22
A cintura pélvica é o local de inserção dos membros inferiores, e é composta 
pelos ossos ilíacos (ossos do quadril) e pelo osso sacro. Essa região é denominada 
pelve óssea e é muito resistente, pois é um dos principais pontos de sustentação do 
corpo humano na posição ereta.
FONTE: Adaptado de: <http://www.webciencia.com/11_24membros.htm>. 
Acesso em: 5 maio 2012
FIGURA 20 – VISTA ANTERIOR DO SISTEMA ESQUELÉTICO – MEMBROS 
INFERIORES
AUTOATIVIDADE
Elabore uma relação dos ossos que compõem os membros inferiores, com 
exceção dos ossos do pé.
TÓPICO 1 | SISTEMA ESQUELÉTICO
23
4.2.5.1 Pé
Assim como na mão, o pé é dividido em três regiões ósseas: tarso, metatarso 
e falanges. Constituem a região do tarso sete ossos, distribuídos em duas fileiras: 
fileira proximal: calcâneo e tálus; fileira distal: navicular, cuboide, cuneiforme 
medial, cuneiforme intermédio e cuneiforme lateral.
A região do metatarso é composta por cinco ossos numerados, no sentido 
médio-lateral (do hálux para o dedo mínimo) em I, II, III, IV e V.
As falanges, assim como na mão, compõem os dedos e são catorze em 
cada pé. Igualmente à mão, no hálux (dedão) encontramos somente as falanges 
proximal e distal, enquanto que do segundo ao quinto dedo, entre essas duas 
falanges, encontramos a falange média.
FONTE: NETTER, F. H. Atlas interativo de anatomia humana. 2. ed. Porto 
Alegre: Artmed, 1999. Disponível em: <http://www.auladeanatomia.com/>. 
Acesso em: 5 maio 2012.
FIGURA 21 – VISTA DORSAL DOS OSSOS DO PÉ
UNIDADE 1 | FUNÇÃO DE SUSTENTAÇÃO, PROTEÇÃO E LOCOMOÇÃO
24
O sistema esquelético é fascinante e com muitos detalhes interessantes. 
Recomendo que você amplie seus estudos, lendo TORTORA, Gerad J. e GRABOWSKI, 
Sandra R. Corpo humano: fundamentos de anatomia e fisiologia. 6. ed. Porto Alegre: 
Artmed, 2006. cap. 16. TORTORA, Gerard J. Corpo Humano. Fundamentos de anatomia e 
fisiologia. Porto Alegre: Artmed, 2007. Além de curiosidades e detalhes, você terá acesso a 
muitas figuras esclarecedoras. Recomendamos também uma pesquisa no site <http://www.
auladeanatomia.com/>.
SISTEMA ESQUELÉTICO: DO NASCIMENTO AO ENVELHECIMENTO
G. J. Tortora
S. R. Grabowski
Os ossos já estão presentes desde as primeiras semanas de vida no útero 
materno e ficam completamente formados por volta dos 25 anos de idade. Mas a 
parada do crescimento é na adolescência, quando entram em ação os hormônios 
da puberdade.
Os bebês nascem com estruturas entre alguns ossos do crânio, as quais 
são chamadas fontanelas, popularmente conhecidas como “moleiras”. Elas são 
estruturas frágeis, que com o passar dos anos tendem a desaparecer. Sua existência 
é necessária para permitir a passagem do bebê pelo canal vaginal no momento do 
parto e também durante todo o período de crescimento do encéfalo (cérebro).
Enquanto o esqueleto de um indivíduo adulto é formado geralmente por 
206 ossos, o de um recém-nascido tem 270.
Do nascimento à adolescência, mais osso é produzido do que perdido 
durante o remodelamento ósseo. Nos adultos jovens, as taxas de produção e 
perda óssea são praticamente iguais. À medida que os níveis de esteroides sexuais 
diminuem, durante a meia-idade, especialmente nas mulheres pós-menopausa, 
ocorre uma redução de massa óssea, pois a reabsorção óssea ultrapassa a sua 
formação. Para começar, os ossos das mulheres geralmente são menores do que 
os dos homens, portanto a perda de massa óssea na velhice causa tipicamente 
maiores problemas nas mulheres. Estes fatores contribuem para uma incidência 
mais alta de osteoporose nestas últimas. 
O envelhecimento tem dois efeitos principais no sistema esquelético: ele 
se torna mais frágil e perde massa. A fragilidade óssea resulta de uma redução 
na taxa de síntese proteica e na produção do hormônio de crescimento humano, 
LEITURA COMPLEMENTAR
DICAS
TÓPICO 1 | SISTEMA ESQUELÉTICO
25
diminuindo assim a produção de fibras colágenas que dão força e flexibilidade 
ao osso. Em consequência, os minerais inorgânicos constituem gradativamente 
uma proporção maior da matriz óssea. A perda de massa óssea resulta da 
desmineralização e geralmente começa depois dos 30 anos, nas mulheres, acelera-
se bastante depois dos 45 anos, à medida que o nível de estrógenos diminui, e 
continua até que cerca de 30% do cálcio dos ossos seja perdido, ao redor dos 70 
anos de idade. Uma vez iniciada a perda óssea nas mulheres, aproximadamente 
8% da massa óssea são perdidos a cada 10 anos. Nos homens, a perda de cálcio 
ósseo só começa tipicamente após os 60 anos de idade e em torno de 3% de massa 
óssea são perdidos a cada 10 anos. A redução do cálcio ósseo é um dos problemas, 
na osteoporose. A perda de massa óssea também causa deformidades ósseas, dor, 
rigidez, alguma redução da estatura e perdas dentárias. 
FONTE: Adaptado de: TORTORA, G. J.; GRABOWSKI, S.R. Corpo humano: fundamentos de 
anatomia e fisiologia. 6. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006. p. 149. <http://pt.wikipedia.org/wiki/
Esqueleto_humano> Acesso em: 5 maio 2012.
26
Neste tópico, você viu que: 
 As funções do sistema esquelético são: sustentação, proteção e hematopoiese.
 O sistema esquelético é composto pelos ossos, que são estruturas duras e 
esbranquiçadas.
 O esqueleto pode se dividir em axial, que compreende a cabeça, o pescoço e o 
tronco; e em apendicular, composto pelos membros superiores e inferiores.
 A cabeça pode ser dividida em crânio e face.
 Os ossos que compõem o crânio são: frontal, occipital, esfenoide, etmoide, 
parietal e temporal.
 Os ossos que compõem a face são: zigomático, maxila, palatino, lacrimal, nasal, 
concha nasal inferior, mandíbula e vômer.
 O tórax é composto pelo esterno, costelas e vértebras.
 São três os tipos de costelas: verdadeiras, falsas e flutuantes.
 A coluna vertebral é dividida em quatro regiões: cervical, torácica, lombar e 
sacrococcígea.
 De acordo com a região, as vértebras possuem características distintas.
 Os membros superiores são compostos pela escápula, clavícula (cintura 
escapular), úmero, ulna, rádio, ossos do carpo, metacarpos e falanges.
 Os membros inferiores são compostos pelo ilíaco e sacro (cintura pélvica), fêmur, 
patela, tíbia, fíbula, ossos do tarso, metatarsos e falanges.
RESUMO DO TÓPICO 1
27
Agora que você já conhece os ossos e sua localização, organize uma planilha de 
estudos, separando os ossos por localização, agrupando-os em esqueleto axial 
e apendicular.
AUTOATIVIDADE
28
29
TÓPICO 2
SISTEMA ARTICULAR

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.