A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
Improcedência Liminar do Pedido e o Princípio Constitucional do Contraditório

Pré-visualização | Página 2 de 2

um aspecto subjetivo, uma vez que orienta as 
partes, serve de norte para que elas saibam quem sofrerá as 
consequências negativas, caso os fatos não sejam elucidados 
(GONÇALVES, 2017, p.604). 
 
Diante das possibilidades de inversão do ônus da prova não significa que em todos 
os casos poderá haver esse recurso, sendo ainda amplamente aplicado a distribuição 
estática da obrigação de apresentar as provas. 
 
Por fim, cabe ressaltar que a redação do NCPC/15 trouxe a generalização desta 
possibilidade, quer seja a inversão do ônus da prova e, consigo, maior segurança 
jurídica para sua aplicação no direito brasileiro. 
 
5 
 
 
CONSIDERAÇÕES FINAIS 
 
Por fim, é cediço constatar que o ordenamento jurídico brasileiro reconhece a 
importância do devido processo legal, dos princípios da ampla defesa e do 
contraditório, Art.5º inciso LV da CF/88, ao permitir a distribuição do ônus da prova de 
forma diversa ao previsto nos incisos I e II do At.373, permitindo que a parte que 
tenhas as condições mais favoráveis de produzir os elementos probatórios seja 
incumbida de fazê-lo. Ainda que fundamentada pelo magistrado, cabe à parte 
desincumbir do ônus que lhe foi atribuído, naturalmente, também carecendo de razões 
e justificativas. 
 
 REFERÊNCIAS 
 
BRASIL. Lei nº. 13.105, de 16 de março de 2015. Código de Processo Civil. 
Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-
2018/2015/lei/l13105.htm>. Acesso em: 22 abr. 2021. 
 
BRASIL. Lei nº. 5.869, de 11 de janeiro de 1973. Código de Processo Civil. 
Disponível em: < https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1970-1979/lei-5869-11-
janeiro-1973-357991-publicacaooriginal-1-pl.html >. Acesso em: 20 mai. 2021. 
 
GONÇALVES, Marcus Vinicius Rios. Direito processual civil esquematizado. 8ª ed. 
– São Paulo: Saraiva, 2017. 
 
SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA. Recurso Especial – REsp 1135543 – SP. 
Relatora Min. Nancy Andrighi. Acórdão. Terceira Turma, 22 de maio de 2012. DJe 
07/11/2012.