A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Magnetoterapia

Pré-visualização | Página 1 de 1

Magnetoterapia
A magnetoterapia é uma técnica que utiliza o campo magnético como uma forma de
tratamento.
Existem dois tipos de magnetos, estático e eletrimã. O estático contém spin de elétrons
dentro do material que gera um campo magnético. O eletroímã gera um campo magnético
quando aplicado uma corrente elétrica (TANO; SILVÉRIOLOPES, 2013). É composto por dois
polos, o sul e o norte, que geram um campo de atração. Atualmente a frequência utilizada para
produção de campos magnéticos terapêuticos é de 1 a 100 Hz. Para a força que o campo
magnético gera, usa-se a unidade Tesla (ALLGAYER, 2020).
O campo magnético pulsátil se trata de um condutor espiralado ligado a uma fonte de
energia externa, passando uma corrente elétrica, gerando assim um campo eletromagnético ao
redor da região. Pode ser contínua ou pulsada. Na contínua há maior força do campo
magnético e há formação de calor. Na pulsada não há formação de calor e há um campo
magnético de menor força, sendo melhor, pois quando é em menor frequência, trazem maiores
benefícios. Os aparelhos de CEMP dependem da região de onde serão aplicados, sendo capas,
pescoceiras, caneleiras e jarreteiras (ALLGAYER, 2020).
Os efeitos do campo eletromagnético são gerados pelo corpo já possuir um campo
magnético, devido ao fluxo de elétrons de dentro e fora das células. Quando uma célula sofre
uma lesão, há acúmulo de íons, levando a um potencial de repouso aumentado, sendo
prejudicial. Quando se aplica a magnetoterapia, esses íons se normalizam, normalizando o
potencial da membrana celular (CORDERO, 2020).
As principais ações são o desvio de partículas com cargas elétricas em movimento,
produção de correntes induzidas através do efeito piezoelétrico em ossos e tecido colágeno, e
aumentado a solubilidade de substâncias, agindo também ao nível celular, normaliza o potencial
de membrana e estimula o metabolismo celular. No tecido, é um estimulador metabólico de
células, tecidos e órgãos, regenera as células lesionadas melhorando a cinética enzimática e
repolarizando as membranas celulares; além disso produz uma ação anti-stress e promove uma
aceleração de todos os fenómenos reparadores com nítida ação biorregenerante,
anti-inflamatória, antiedematosa, sem efeitos colaterais (MIKAIL, 2006. MEYER et al, 2011,
SILVA et al., 2016).
O efeito anti-inflamatório deve-se aos efeitos circulatórios, que quando restabelecido o fluxo
sanguíneo, permite chegada de oxigênio, nutrientes, leucócitos e também permite a eliminação
local de metabólicos prejudiciais à células (CORDERO, 2020). O efeito regenerador dos tecidos
primeiramente é causado pelo efeito de vasodilatação, estimulando achegada de macrófagos
para limpeza de debris celulares. Além disso o campo magnético estimula os fibroblastos a
produzirem colágeno para a matriz do tecido e até diferenciação de células troncos ou
mesenquimais para fibroblastos e também angiogênese(CORDERO, 2020).
Em ossos, o campo eletromagnético pulsátil mimetiza o potencial piezoelétrico, que sinaliza
os osteoblastos para irem ao local, causando deposição de cálcio e formação do calo ósseo
(ALLGAYER, 2020). Os efeitos analgésicos são observados por ação anti-inflamatória, a
liberação de endorfinas e a ação direta em terminações nervosas (ALLGAYER, 2020). Como
tem efeito em regulação do potencial de membrana, auxilia a aumentar o limiar da dor nas
fibras nervosas sensoriais (CORDERO, 2020).
As contraindicações seriam em casos que é indesejável o aumento da circulação (MIKAIL,
2006).
REFERÊNCIAS
ALLGAYER, Maria Inês Gay da Fonseca. O uso do campo eletromagnético pulsátil na
reabilitação equina. Mais Equina: Brazilian Journal of equine medicine, São Paulo, v. 87, n. 14,
p. 44-45, jan. 2020. Bimestral. CORDERO, Jorge E. Martín. Efectos y aplicaciones de la
magnetoterapia. Disponível em:
http://www.sld.cu/galerias/pdf/sitios/mednat/efectos_y_aplicaciones_de_la_magnetoter apia.pdf.
Acesso em: 18 maio 2020.
MEYER, Patricia Froes, et al. Magnetotherapy: can this resource be part of Brazilian
physiotherapist routine?: [review]. Arq bras ciênc saúde. 2011 Jan 4;36 MIKAIL, Solange.
Magnetoterapia. In: PEDRO, Claudio Ronaldo;
MIKAIL, Solange. Fisioterapia Veterinária. 2. ed. São Paulo: Manole, 2006. Cap. 12. p. 98-102.
SILVA, Rodrigo Marcel Valentim da et al. Efeitos da magnetoterapia no tratamento da dor na
osteoartrose de joelho. Conscientiae Saúde, [s.l.], v. 15, n. 2, p. 281-287, 6 out. 2016. University
Nove de Julho. http://dx.doi.org/10.5585/conssaude.v15n2.6245.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.