A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
22 pág.
ESTAGIO II serviço social

Pré-visualização | Página 1 de 4

SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO
em serviço social 8º semestre.
Simone Henrique
Projeto de Estágio Reformulação Devido à COVID-19
APAE SETE LAGOAS
E a importância da atuação do Assistente Social diante a garantia de direitos.
Sete Lagoas
2020
Simone Henrique
APAE SETE LAGOAS
E a importância da atuação do Assistente Social diante a garantia de direitos
Pensa na proposta de projeto de intervenção 
Trabalho apresentado a Faculdade UNOPAR- Universidade Norte do Paraná, para a disciplina: Estágio em Serviço Social II.
Tutora à Distância: Tania Maria Pereira Correia
.
SETE LAGOAS
 2020
Sumário
Resumo	4
Apresentação	5
Introdução	5
JUSTIFICATIVA	9
OBJETIVOS	11
PÚBLICO ALVO	12
METAS A ATINGIR	12
METODOLOGIA	13
RECURSOS HUMANOS	14
PARCEIROS OU INSTITUIÇÕES APOIADORAS	15
AVALIAÇÃO	15
CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO	16
RESULTADO ESPERADOS	18
BIBLIOGRAFIA REFERENCIADA	19
REFERÊNCIAS	22
Resumo
O estágio curricular supervisionado em sua segunda etapa tem como o objetivo principal fortalecer a relação entre o aluno e o futuro ambiente onde exercerá sua profissão de assistente social. Aliando assim a teoria à prática propriamente dita na intervenção de uma determinada realidade social . Vale ressaltar que o estágio supervisionado não deve ser encarado somente como uma disciplina obrigatória, mas sim como uma maneira que nós permite adquirir um pensamento crítico, onde deverá buscar saídas para problemas que serão comuns no seu local de trabalho
 “O estágio supervisionado vai muito além de um simples cumprimento de exigências acadêmicas. Ele é uma oportunidade de crescimento pessoal e profissional. Além de ser um importante instrumento de integração entre universidade, escola e comunidade (FILHO, 2010).”
Apresentação
Planejar é definir o que a organização pretende fazer no futuro, ou seja definir objetivos. Envolve: decisão sobre objetivos, definição de planos para alcançar esses objetivos, e a programação de atividades para o alcance dos objetivos. O Planejamento é uma ferramenta gerencial que proporciona a sensibilidade para identificar, ao longo do tempo, ações necessárias ao enfrentamento de estrangulamentos e desafios institucionais que devem ser vencidos.
 Planejamento social é um instrumento de grande relevância para o profissional de Serviço Social, pois temos necessidades de conhecer e compreender a realidade do planejamento para que possamos realizar intervenções com qualidade , o planejamento é um método coeso que precisa ser contínuo e antecipado, se evidenciando somente em um determinado momento, realizando de forma progressiva ao longo das demandas, passando por múltiplos estágios. 
 O planejamento é um processo feito a partir de um estudo da realidade, ou de uma situação , ele deve ser considerado sob uma visão proativa de informações durante esse processo . Este conjunto de informações se estabelece em recursos básicos e permanentes para o planejamento da ação, localizando, compreendendo, controlando e prevendo as situações de um modo geral, fornecendo elementos que permita mostrar alternativas de intervenção.
 O assistente social é um dos profissionais requisitados a atuar na gestão das políticas públicas. Trata-se de um dos campos profissionais onde exerce função de planejamento e avaliação de programas, projetos e serviços. Vale ressaltar que a gestão e o planejamento trabalham em conjunto, pois ambos fortalecem e consolidar a instituição, fazendo cumprir sua missão e alcançar sua visão, de forma ética e responsável políticas públicas. 
Introdução
A Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais – APAE – é fruto de um movimento pioneiro no Brasil para prestar assistência médico-terapêutica as pessoas com deficiência intelectual. Esse movimento surgiu no Rio de Janeiro, no dia 11 de dezembro de 1954. Beatrice e George Bemis, diplomatas representantes dos Estados Unidos, ao chegarem ao Brasil, naquele ano, não encontraram nenhuma entidade de acolhimento para um filho com a síndrome de Down. Conforme Véras (2000), o fato supracitado motivou o casal a lutar por um organismo que contemplasse o atendimento às pessoas com deficiência intelectual. É fato que as APAE’s expandiram-se ao longo dos anos por todo território nacional, e entre os anos de 1954 a 1962 já totalizavam cerca de dezesseis APAE’s no Brasil.
 Aliaram-se aos diplomatas, pais, amigos e médicos das pessoas com deficiência e, com eles, nasceu a primeira Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais – APAE - em março de 1955, em uma reunião na sede da Sociedade Pestalozzi do Brasil, para escolha do seu Conselho Deliberativo. A APAE, contando com o apoio e o espaço cedido pela Sociedade Pestalozzi, deu inicio aos seus trabalhos pedagógicos; conseguiu formar duas turmas com 20 crianças com deficiência, nesse mesmo ano de 1955 (VÉRAS, 2000). 
A FENAPAE vem gerenciando “um movimento associativo entre famílias, escolas, organizações de saúde e sociedade, para promover e articular ações de defesa dos direitos das pessoas com deficiência intelectual e múltipla na perspectiva de sua inclusão social” (CARVALHO; CARVALHO; COSTA, 2011, p. 15).
Hoje, o movimento apaeano está estruturado em quatro níveis hierárquicos administrativos:
 Federação Nacional das APAEs responsável por proporcionar atenção integral e integrada às pessoas com deficiência, provocando articulações, interligação entre saberes, recursos, programas e ações.
 “Implica o ordenamento das filiadas e seus serviços em parcerias locais com a comunidade, de modo a potencializar as ações e seus resultados” (CARVALHO; CARVALHO; COSTA, 2011, p. 16). 
 Federações das APAEs nos estados (atualmente conta com 25 estados e Distrito Federal, exceto o estado de Roraima), responsáveis pelos rumos, diretrizes, e estratégias do Movimento apaeano e, pela articulação política, defesa de direito e ações, em âmbito estadual.
 Conselhos Regionais das APAEs, com a função de organizar as APAEs nas microrregiões, orientando seus rumos e sendo o contato direto entre a base e a Federação das APAEs no estado.
 APAEs nos municípios, são as prestadoras de serviços e atendimentos diretos ao seu público especial.
Com essa forma de organização e sua gerência junto à sociedade civil e aos organismos políticos, o movimento apaeano é reconhecido como principal movimento nacional na busca da promoção e defesa dos direitos à cidadania da pessoa com deficiência. No decorrer dessas seis décadas de história, o movimento apaeano sempre esteve e está em constante reflexão sobre as suas implicações, o seu papel na construção e reconstrução da história da sociedade contemporânea com a participação dos sujeitos implicados e comprometidos com o seu fazer.
A Política de Atenção Integral e Integrada da Federação Nacional das APAEs - FENAPAES (2000), para as pessoas com deficiência intelectual e múltipla, está pautada em valores éticos e humanos, oferecendo as diretrizes e bases para o desenvolvimento dos trabalhos de suas afiliadas, em todo o país. Destacam-se as ações dos serviços sociais, saúde, educação, educação física, arte-educação e educação profissional. Ressalte-se que as famílias das pessoas com deficiência também estão envolvidas nas ações recebendo orientações e apoio dos profissionais das APAEs, na condução da educação e vida de seus dependentes, assistidos pela instituição.
Após iniciar o estágio na Associação de Pais e amigos de Excepcionais, observa-se que através das triagens sociais, visitas domiciliares e entrevistas, a grande necessidade de conhecimento da população, dos familiares e das pessoas com deficiência sobre quais são os seus direitos garantidos por lei . 
A falta de conhecimento muitas vezes faz com que as pessoa sejam de forma preconceituosa, levando automaticamente a discriminação, isso além de afetar as pessoas portadoras de deficiência, acaba afetando também os pais e os responsáveis dos mesmos, que por sua vez,

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.