Buscar

QUÍMICA ORGÂNICA EXPERIMENTAL - PRÁTICA DE LABORATÓRIO - TÉCNICAS EXPERIMENTAIS

Prévia do material em texto

SUMÁRIO 
APRESENTAÇÃO 7 
PARTE 1. PRÁTICA DE LABORATÓRIO 8 
1. SEGURANÇA NO LABORATÓRIO 8 
1.1 Normas de segurança 8 
1.2 Mais sobre segurança 9 
1.3 Sugestões adicionais 11 
2. VIDRARIAS E OUTROS UTENSÍLIOS DE UM LABORATÓRIO 12 
DE QUÍMICA ORGÂNICA 
2.1 Vidraria comum 12 
2.2 Conexões entre as vidrarias 13 
2.3 Lavagem e secagem da vidraria 13 
2.4 Fontes de aquecimento 15 
2.5 Agitadores 15 
3. METODOLOGIA DO LABORATÓRIO 16 
4. ESCOLHA DO MATERIAL BOTÂNICO 17 
4.1 Quantidades 17 
5. PREPARO DA AMOSTRA 18 
6. TÉCNICAS EXPERIMENTAIS 20 
6.1 Extração em extrator de Soxhlet e por percolação a temperatura 20 
Ambiente 
6.2 Destilação simples 23 
6.3 Destilação sob vácuo em evaporador rotativo 25 
6.4 Destilação fracionada 27 
6.5 Teste de solubilidade e recristalização 29 
6.6 Extração líquido – líquido (partição) 32 
6.7 Refluxo 34 
6.8 Determinação do ponto de fusão de um composto orgânico 37 
6.9 Cromatografia em camada delgada comparativa (ccd) 39 
6.10 Hidrodestilação 41 
6.11 Determinação do desvio polarimétrico 43 
PARTE 2. REAÇÕES E TÉCNICAS EXPERIMENTAIS ADICIONAIS 45 
7. EXPERIMENTOS 45 
7.1 Preparação do acetato de 3-metil-1-butila (acetato de isoamila) 45 
7.2 Determinação do ponto de ebulição (Técnica Experimental 12) 47 
7.3 Síntese da aspirina 49 
7.4 Preparação do ciclo-hexeno 51 
7.5 Síntese da dibenzalacetona 53 
7.6 Isolamento da cafeína 55 
7.7 Purificação por sublimação (Técnica Experimental 13) 57 
7.8 Obtenção da ciclo-hexanona 59 
7.9 Síntese do cloreto de t-butila 61 
7.8 Preparação do ácido azelaico 63 
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁ FICAS 65 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
APRESENTAÇÃO 
 
 
Este livro reúne roteiros a serem utilizados nas disciplinas experimentais das 
disciplinas básicas de Química Orgânica. Serão apresentadas as principais 
técnicas de um laboratório de Química Orgânica e algumas reações. 
 
A idéia inicial no desenvolvimento dos roteiros apresentados foi a de 
empregar as principais técnicas de um laboratório de Química Orgânica utilizando-
se matéria-prima da região (Amazônica) e, preferentemente, aquela que 
normalmente é descartada. Esses procedimentos já vem sendo empregados há 
alguns semestres nas disciplinas experimentais de Química Orgânica da 
Universidade Federal do Pará (UFPA). 
Algumas normas de segurança serão listadas. Em um laboratório de Química 
Orgânica, particularmente, há muitos solventes inflamáveis, alcem disso, muito 
dos compostos manipulados são tóxicos, corrosivos ou até explosivos e, por isso, 
cuidado e atenção precisam ser redobrados para que acidentes sejam evitados. 
Os experimentos devem seguir os roteiros previamente estabelecidos, os 
quais poderão ser modificados somente com a autorização do professor. 
Como na maioria dos textos de disciplinas experimentais de Química 
Orgânica, este livro divide-se em duas partes principais: uma voltada para 
aspectos de segurança, aparelhos e técnicas comuns de um laboratório e outra, 
voltada para os experimentos nos quais são empregadas as técnicas 
apresentadas envolvendo, a maioria, reações clássicas de Química Orgânica que 
levam à formação de substâncias de interesse, além de técnicas adicionais. 
A inclusão ou substituição de experimentos, especialmente de reações, é 
uma constante nas disciplinas experimentais de Química Orgânica, principalmente 
na tentativa de se trabalhar de acordo com a Química Verde. E é o que vem sendo 
feito nas disciplinas experimentais de Química Orgânica da UFPA. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
7 
PARTE 1. PRÁTICA DE LABORATÓRIO 
 
 
 
 
1. SEGURANÇA NO LABORATÓRIO 
 
 
A seguir são listadas algumas normas de segurança que devem ser sempre 
seguidas em um laboratório. 
 
 
1.1 Normas de segurança 
 
 Usar jaleco comprido sempre e, se possível, calças ou saias compridas e 
sapatos fechados. Prender os cabelos compridos.

 Óculos de proteção e luvas devem ser usados no manuseio de substâncias 
corrosivas e causadoras de irritação.

 Máscaras de vapor devem ser usadas no manuseio de substâncias voláteis 
e tóxicas.

 Trabalhar na capela durante a utilização de substâncias tóxicas.

 Não comer ou beber no laboratório e, muito menos, fumar.

 Não correr no laboratório, evitar movimentos bruscos.

 Ler todo o roteiro do experimento antes de executá-lo e certificar-se de que 
os reagentes e solventes foram corretamente selecionados. Verificar que 
tipos de substâncias serão utilizados (tóxica, explosiva, corrosiva, 
inflamável) e empregar as medidas de segurança adequadas no manuseio 
de cada uma.

 Manter a bancada sempre limpa. Caso algum produto químico derrame, 
informar ao professor e providenciar a limpeza adequada.

 A vidraria a ser utilizada deve estar limpa e totalmente seca. A utilização de 
vidraria molhada pode comprometer os resultados.

 Não usar vidrarias quebradas ou trincadas. Um cuidado especial deve ser 
tomado com os balões de destilação e refluxo, pois pequenas trincas (forma 
de estrela) podem levar a graves acidentes.
 
 
 
8 
 Lavar sempre as mãos durante e depois dos trabalhos; nunca levar as 
mãos aos olhos durante os trabalhos.

 Nunca despejar solvente em pias ou tanques.

 Certificar-se do uso adequado dos coletores. Deve haver no laboratório, 
frascos coletores para os diferentes tipos de solventes (clorados, não-
clorados e misturas de reagentes) e sólidos (orgânicos e inorgânicos).

 Localizar o equipamento de segurança: extintor, chuveiro de segurança, 
caixa de primeiros socorros, etc.

 Evitar o uso do bico de Bunsen para aquecimento de substâncias 
orgânicas; nesses casos usar chapa ou manta aquecedora, pois a maioria 
dos solventes orgânicos é inflamável. Quando o uso de chama for 
necessário, afastar os solventes orgânicos das proximidades da fonte da 
chama.

 A medida de volumes de líquidos pode ser feita na maioria dos casos em 
provetas. Quando for necessário o uso de pipetas, utilizar pêra de sucção 
(nunca pipetar diretamente com a boca!).

 Desligar aquecedores e banhos que não estiverem sendo utilizados.

 Lavar a vidraria utilizada e secar em estufa. A vidraria de medida 
volumétrica não deve ser seca com calor.

 Ao final de cada aula, desligar todos os equipamentos elétricos (mantas, 
banhos de aquecimento, destiladores, estufas, exaustores, bombas de 
vácuo, etc.). Os aparelhos de ar condicionado e ventiladores devem 
também ser desligados.

 No caso de dúvidas, sempre perguntar ao professor.
 
 
 
 
1.2 Mais sobre segurança 
 
Além do fogo, o principal perigo de um laboratório de Química Orgânica, o 
manuseio de produtos químicos requer sempre muito cuidado e atenção. Os 
produtos químicos são divididos em diferentes classes: inflamável, explosivo, 
 
 
 
9 
corrosivo, tóxico e irritante/perigoso. Cada substância pode ser incluída em mais 
de um grupo. Essas classes são representadas pelos símbolos na Figura 1. 
Os solventes orgânicos correspondem à maioria das substâncias inflamáveis 
de um laboratório de Química Orgânica e devem ser mantidos longe das chamas. 
Estão incluídos nesta classe hexano, acetato de etila, éter de petróleo, etanol e 
metanol, acetona, tolueno e outros. O éter etílico, além de altamente inflamável e 
narcótico, tende a formar peróxidos explosivos com exposição ao ar e à luz. 
Alguns gases, como o hidrogênio, são inflamáveis. Compostos que reagem 
formando hidrogênio, que é inflamável, também são considerados inflamáveis, é o 
caso do sódio. 
As substâncias explosivas reagem violentamente com água ou com outros 
reagentes comuns. É o caso dos metais alcalinos (sódio e potássio). Outras 
substâncias, que têm alto teor de nitrogênio ou oxigênio, são também explosivas e 
tendem a ser sensíveis ao choque quando secas, como os polinitro, diazo, 
peróxidos etc. O manuseio dessas deve incluir máscaras de proteção, trabalhando 
sempre com as menores quantidades possíveis.Os compostos oxidantes são perigosos, pois podem causar incêndio. 
Produzem calor em contato com substâncias orgânicas. Estão incluídos, ácidos 
sulfúrico e nítrico, peróxido de hidrogênio, óxido de cromo, permanganato de 
potássio, entre outros. 
O manuseio das substâncias corrosivas (como de ácidos fortes, bases fortes, 
fenol, etc.) deve ser feito com luvas, pois essas substâncias destroem tecidos. Em 
contato com a pele, deve-se passar água corrente em abundância. 
 
Os produtos tóxicos podem causar a morte ou doença grave e devem ser 
manuseados em capela com exaustão eficiente. Aqui estão incluídos: 
diclorometano, fenol, bromo, etc. Entre os tóxicos, estão os cancerígenos (ou 
agentes suspeitos de serem cancerígenos) incluem-se os alquilantes (iodometano, 
sulfato de dimetila), formaldeído, tetracloreto de carbono e clorofórmio, anilina, 
benzeno entre outros. 
Muitos compostos orgânicos são irritantes aos olhos, pele e sistema 
respiratório; outros não chegam a ser tóxicos, mas de qualquer maneira, o 
 
 
10 
manuseio é perigosos; o uso de capela, é recomendável. Algumas substâncias, 
são tão irritantes que chegam a ser lacrimejantes, aqui se incluem haletos 
benzílico e alílico, cloretos de acila. Entre os irritantes/perigosos estão acetato de 
etila, hexano, o ciclio-hexano, ciclo-hexanona, t-butanol, 2,4-dinitrofenil-hidrazina, 
sílica. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Figura 1. Símbolos associados às classes das substâncias. 
 
 
Outras informações sobre as classes das substâncias podem ser 
encontradas nas referências citadas ao final do livro. 
 
 
 
 
1.3 Sugestões adicionais 
 
 Cada aluno deve ter seus óculos de proteção e par de luvas.

 Aos alunos com alergias ou rinites, é recomendável que cada um tenha 
uma máscara de vapor própria.

 O aquecimento de substâncias orgânicas, especialmente líquidas 
(inflamáveis ou não), sempre requer cautela redobrada: avaliar a 
necessidade do uso de exaustor, condensador e fragmentos (pedras) de 
porcelana, verificar se as juntas estão bem adaptadas, evitar aquecimento 
excessivo.

 Atenção também com vidraria quente, além de quebrar facilmente, 
visualmente é igual àquela a temperatura ambiente.

 Cada aluno deve ter um caderno de laboratório para anotação de dados 
experimentais, pois os experimentos não serão repetidos.
 
 
11 
2. VIDRARIAS E OUTROS UTENSÍLIOS DE UM LABORATÓRIO DE QUÍMICA 
ORGÂNICA 
 
São apresentados a seguir algumas vidrarias e utensílios mais utilizados em 
um laboratório de Química Orgânica. 
 
 
2.1 Vidraria comum 
 
Boa parte da vidraria aqui utilizada é empregada em outros laboratórios de 
Química (Figura 2), outras são mais específicas. O aluno deve se familiarizar com 
esse material e com os equipamentos, tomando os devidos cuidados na utilização 
dos mesmos. 
 
 
 
 
 
 
 
 
béquer 
 
 
 
 
 
 
pipeta graduada 
 
erlenmeyer 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
funil tubo de ensaio 
 funil de Buchner 
kitasato 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
funil de decantação proveta balão volumétrico 
 
Figura 2. Vidraria comum num laboratório de Química. 
 
 
 
 
 
12 
2.2 Conexões entre as vidrarias 
 
A conexão entre vidrarias é feita através das juntas que podem ser 
esmerilhadas,recomendadas para a maioria dos trabalhos, ou não. 
 
 tamanhos (diâmetro/altura em mm): 14/20; 14/23; 19/22; 19/26; 24/29; 
24/40; 29/32, entre outras.

 o uso de graxa (silicone ou hidrocarbonetos) nas juntas esmerilhadas deve 
ser evitado, exceto na destilação a vácuo a pressões menores que 5 
mmHg.

 as juntas devem ser mantidas limpas para evitar que se prendam umas nas 
outras.

Na Figura 3, encontram-se algumas vidrarias com juntas. 
 
 
2.3 Lavagem e secagem da vidraria 
 
 a lavagem deve ser feita com detergente e água corrente.

 a secagem da vidraria comum pode ser feita em estufa. As vidrarias usadas 
para medidas volumétricas (provetas, pipetas graduadas e volumétricas, 
buretas) não podem ser secas em estufa.

 utensílios em borracha, teflon e similares, não podem ser secos em estufa.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
13 
Adaptadores 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 linear angular saída lateral Claisen 
 
 ajuste de fluxo 
Condensadores 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Liebig 
West 
Grahan 
Allihn 
Balões de fundo redondo 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
uma saída 
duas saídas
 três saídass evaporador 
Figura 3. Vidraria com conexões. 
 
 
 
 
 
 
 
14 
2.4 Fontes de aquecimento 
 
As mais comuns fontes de aquecimento de um laboratório são: 
 
Bico de Bunsen (evitar o uso em laboratório de Química Orgânica, por causa 
dos solventes inflamáveis), banho-maria, banho de óleo, manta aquecedora, 
chapa aquecedora e pistola de ar. 
 
São mostradas na Figura 4 algumas fontes de aquecimento. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Manta aquecedora 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Chapa aquecedora 
 
Bico de Bunsen 
 
Figura 4. Algumas fontes de aquecimento de um laboratório. 
 
 
 
 
2.5 Agitadores 
 
Os agitadores magnético (com ou sem aquecimento) e mecânico (Figura 5) 
são bastante utilizados em laboratório. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Figura 5. Agitador mecânico. 
 
 
15 
3. METODOLOGIA DO LABORATÓRIO 
 
O curso da disciplina experimental de Química Orgânica é geralmente 
dividido em duas etapas. Na primeira, serão desenvolvidos experimentos 
empregando-se as técnicas experimentais mais comuns de um laboratório, ou 
seja, extração, destilação, partição, refluxo, cromatografia, entre outras. Para isso, 
nos experimentos será empregado material botânico comum à região amazônica e 
que geralmente é descartado, como por exemplo, caroços de manga, bacuri, 
cupuaçu, ou de outras espécies. Esse tipo de material botânico é rico em 
triacilgliceróis, o que permite que várias técnicas sejam empregadas. Sempre que 
possível, os produtos obtidos são utilizados em outros experimentos. 
 
Na segunda metade do curso, serão desenvolvidos experimentos 
empregando-se as técnicas experimentais discutidas previamente; técnicas 
adicionais, como determinação do ponto de ebulição e purificação por sublimação, 
serão aqui incluídas. Aqui serão apresentados experimentos clássicos da Química 
Orgânica, incluindo-se reações e extrações. Os produtos obtidos serão purificados 
e sempre caracterizados por métodos físicos ou químicos. Ao final de cada 
experimento, os produtos puros devem ser acondicionados em frascos próprios 
para que possam ser utilizados em outras disciplinas experimentais de Química. 
Os experimentos deverão ser desenvolvidos em equipes, não sendo 
recomendável que o aluno trabalhe sozinho. Alguns experimentos podem ser 
conduzidos na forma de rodízio de equipes, como é o caso da destilação simples, 
destilação fracionada e destilação sob vácuo. 
Sempre que possível os espectros de infravermelho (ou mesmo outros 
espectros) das substâncias envolvidas devem ser fornecidos. 
 
As formas de avaliação sugeridas incluem: 
 
 relatórios que devem incluir o levantamento teórico sobre a técnica 
apresentada, levantamento sobre a espécie botânica estudada, os 
mecanismos das reações, interpretação de dados espectrais, quando for o 
caso.

 avaliação de desempenho em laboratório e do caderno de laboratório.

 avaliação por escrito dos experimentos apresentados.
 
 
16 
4. ESCOLHA DO MATERIAL BOTÂNICO 
 
 
O material botânico será escolhido dependendo da época do ano. Assim, no 
primeiro semestre, será mais fácil de obter o caroço de bacuri (que apresenta um 
alto rendimento em tripalmitina) ou caroço de cupuaçu (que contém triestearina).Já a manga é mais facilmente conseguida no segundo semestre do ano (contém 
triacilglicerol misto). Outras sementes podem ser usadas (maracujá, seringa, ou 
outras), mas em geral resultam em óleos (triacilgliceróis ricos em insaturados), o 
que dificulta ou impede a execução de certas técnicas, como filtração, 
cristalização, o teste de solubilidade, ponto de fusão, etc. 
O aluno deverá fazer uma pesquisa bibliográfica relativa ao material 
botânico trabalhado, incluindo estudos químicos anteriores com o mesmo. 
 
 
4.1 Quantidades 
 
 manga: 40 caroços por equipe
 
OBS. Não misturar mangas de diferentes variedades. 
 
 
 bacuri: 40 caroços por equipe.


 cupuaçu: 80 caroços por equipe.
 
 
Em todos os casos, somente será utilizada a amêndoa, sem a casca, que se 
encontra dentro dos caroços. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
17 
5. PREPARO DA AMOSTRA 
 
 
Esta etapa inclui separação, secagem e moagem do material botânico. 
 
 
PROCEDIMENTO: 
 
Separar a polpa dos caroços. Abrir os caroços e retirar a amêndoa (descartar a 
casca). Reduzir o tamanho dos caroços com auxílio de uma faca e triturar 
rapidamente em moinho ou em processador/liquidificador (Figura 6). 
 
OBS. Se o material botânico estiver muito úmido, secar em estufa a 40 
o
C por 30 
minutos antes da moagem (Figura 7A). 
 
 
OBS. Não triturar muito o material para não haver aquecimento excessivo e perda. 
 
 
Pesar (Figura 7B) uma amostra para extração em Soxhlet e para outra 
extração a frio (as quantidades dependem do tamanho dos extratores e frascos 
disponíveis). 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
18 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
A B Figura 6. Moinho (A) e processador (B). 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
A B 
 
 
Figura 7. Estufa (A) e balança de 0,1 g de precisão (B). 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
19 
6. TÉCNICAS EXPERIMENTAIS 
 
 
6.1 Extração em extrator de Soxhlet e por percolação a temperatura ambiente 
 
Na técnica de extração de extração, as substâncias orgânicas presentes no 
material botânico se tornam solúveis no solvente orgânico utilizado. É importante 
lembrar que “semelhante dissolve semelhante”. O solvente orgânico das soluções 
 
é separado dos compostos extraídos posteriormente por outras técnicas, como a 
destilação sob vácuo ou destilação simples. Duas técnicas de extração serão 
apresentadas: em Soxhlet e por percolação a temperatura ambiente (também 
conhecida como a frio). 
 
 
Aplicação: obtenção extratos orgânicos. 
 
 
Material: extrator de Soxhlet, manta aquecedora, papel de filtro, pedras de 
porcelana porosa, erlenmeyer, funil, solventes orgânicos (hexano e metanol), 
material botânico. 
 
 
Procedimento A: extração em extrator de Soxhlet 
 
Com o papel de filtro, fazer um cartucho com diâmetro inferior ao do copo do 
extrator a altura inferior à do sifão. 
Sugestão: para isso, usar como modelo, um frasco com diâmetro menor do que o 
do copo do extrator e dobrar o papel em pregas por cima do frasco, amarrando 
com um barbante para não abrir. 
 
Colocar no cartucho, o material botânico triturado, seco e pesado; dobrar o 
papel de filtro de tal maneira que o cartucho fique fechado (ou colocar algodão em 
cima do material botânico). Introduzir o cartucho no extrator, colocar as pedras de 
porcelana no balão (com solvente ainda frio!) e fazer as adaptações balão/copo e 
copo/condensador. As garras devem prender o balão, copo de extração e o 
condensador. Verificar os tubos de borracha e o fluxo de água no condensador. 
Introduzir o solvente orgânico (hexano) no copo do extrator num volume de cerca 
de 1,5 a 2 vezes o volume do sifão. Ver Figura 8. Iniciar o aquecimento e após o 
 
 
20 
sistema entrar em regime, contar o tempo de extração (em média de 3 h). 
Encerrada a extração, deixar esfriar o aparelho, mantendo o fluxo da água de 
refrigeração. 
 
OBS. Somente desmontar o extrator quando o solvente esfriar. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Figura 8. Extrator de Soxhlet. 
 
 
Retirar o cartucho, montar o Soxhlet novamente, aquecer para a separação 
parcial do solvente. Desligar o aquecimento antes do solvente passar pelo sifão 
novamente. Deixar esfriar, fechar o fluxo de água de refrigeração e retirar a 
solução concentrada do balão e do copo do extrator. Levar a solução à geladeira 
para verificar a formação, ou não de material sólido (cerca de 24 h). Separar o 
sólido por filtração a vácuo e concentrar a fase líquida em um aparelho de 
destilação simples (Técnica Experimental 2), ou em evaporador rotativo (Técnica 
Experimental 4). Pesar o sólido obtido e o extrato hexânico. 
 
Repetir o procedimento da extração utilizando o mesmo cartucho de material 
com metanol. Concentrar e pesar o extrato metanólico. Pesar o extrato. 
 
 
 
 
21 
Procedimento B: extração por percolação a temperatura ambiente 
 
Transferir o material botânico seco, triturado e pesado para um erlenmeyer. 
Adicionar o solvente (hexano) de maneira que este fique acima do material 
botânico. Tampar o erlenmeyer. Ver Figura 9. 
 
Deixar o solvente em contato com o material (cerca de 2 a 7 dias) agitando 
de vez em quando. Separar a fase líquida por filtração simples (usar a capela). 
Adicionar o mesmo solvente ao material botânico para continuar a extração (2 a 7 
dias). Juntar os filtrados e concentrá-los parcialmente em evaporador rotativo 
(Técnica Experimental 4) ou por destilação simples (Técnica Experimental 2). 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Figura 9. Extração a frio do material botânico. 
 
 
Resfriar a solução hexânica parcialmente concentrada e verificar a formação 
de sólido, repetindo o procedimento de filtração do sólido, concentração da 
solução e pesagem do extrato. Após a extração com hexano, continuar o 
procedimento da extração utilizando metanol. Concentrar e pesar o extrato. 
 
 
Questões: 
 
1. Como funciona o extrator de Soxhlet? 
 
2. Qual a finalidade de se vedar o cartucho de extração com algodão? 
 
3. Por que a altura do cartucho deve ser menor do que a do sifão? 
 
4. Qual a finalidade das pedras de porcelana porosa? 
 
 
22 
6.2 Destilação simples 
 
A destilação simples é um processo de separação ou de purificação de um 
líquido de ponto de ebulição abaixo de 150 ºC a 1 atm de pressão na forma uma 
solução de: 
 
 impurezas não voláteis;

 outro líquido com ponto de ebulição pelo menos 25 ºC mais alto.
 
 
Aplicação: concentração da solução obtida da extração do material botânico. 
 
 
Material: balão de fundo redondo, adaptador, condensador, manta aquecedora 
com regulador de voltagem, pedras de porcelana, funil, termômetro. 
 
 
Procedimento: 
 
Montar o aparelho de destilação simples com cuidado, evitando qualquer 
tensão física no material de vidro. A ordem de montagem a ser seguida pode ser: 
 Balão e manta aquecedora,

 Condensador e junta balão / condensador,

 Alonga e frasco receptor,

 Termômetro - o bulbo deve ficar logo abaixo da altura da saída lateral do 
balão de destilação.
 
 
Com um funil, transferir para o balão (fora da manta!) a solução a ser 
concentrada (no máximo até a metade do volume do balão). Colocar as pedras de 
porcelana porosa (3-4 pedaços). Adaptar novamente o sistema (balão / manta / 
condensador alonga / erlenmeyer / termômetro). Ver Figura 10. 
Iniciar o aquecimento lentamente até que o sistema entre em regime (cerca 
de 10 gotas por minuto de condensado). Antes de destilar todo o solvente, desligar 
a fonte de calor e deixar esfriar. Transferir a solução concentrada para um frasco 
previamente pesado, para calcular a massa e o rendimento obtido, e deixar 
evaporar o resto do solvente na capela. Reservar o destilado para que seja 
posteriormente purificado através da destilação fracionada. 
 
23 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Figura 10. Aparelho de destilação simples.Questões: 
 
1. Explicar o processo de separação em uma destilação simples. 
 
2 . Citar outras misturas que podem ser separadas por esse processo. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
24 
6.3 Destilação sob vácuo em evaporador rotativo 
 
O evaporador rotativo é usado na remoção rápida de grandes quantidades 
de solventes voláteis, sob pressão reduzida, de uma solução. O princípio da 
operação é baseado em uma destilação, conduzida sob vácuo, no qual o ponto de 
ebulição das substâncias é menor do que à pressão atmosférica. A rotação do 
frasco de destilação aumenta a taxa de remoção do solvente e diminui o risco da 
projeção da solução a ser concentrada (muito comum em destilação sob vácuo). 
Existem vários modelos disponíveis, um dos mais comuns é apresentado na 
Figura 11. O evaporador rotativo é constituído basicamente de um frasco de 
destilação (de fundo redondo), um frasco coletor (fundo redondo), duto de vapor, 
condensador em espiral com entrada e saída para líquido refrigerante e do vácuo 
e torneira de vedação, além do banho de aquecimento (nem sempre necessário) e 
da unidade de rotação. Necessita-se também da unidade de geração de vácuo. O 
aquecimento do banho deve estar de acordo com o solvente a ser destilado 
lembrando-se do efeito da pressão reduzida nos pontos de ebulição. 
 
 
Aplicação: concentração de uma solução orgânica. 
 
 
Material: evaporador rotativo, unidade de refrigeração, bomba de vácuo. 
 
 
Procedimento: 
 
Adaptar o frasco coletor ao equipamento prendendo-o com uma garra de 
segurança. Verifique se água está passando através do condensador. Adaptar o 
frasco de destilação com a solução a ser concentrada (no máximo 1/4 do frasco) e 
segurá-lo. Ligar a fonte de vácuo, fechando a torneira de vedação e verificando se 
o frasco de destilação está seguro, soltando-o, logo após. Iniciar a rotação 
lentamente. Observar de perto o sistema até que a destilação entre em regime. 
Abaixar o frasco de destilação até o banho. Caso o sistema entre em ebulição 
descontrolada, abrir e fechar rapidamente a torneira de vedação (não esquecer de 
segurar o frasco de destilação). A destilação pode ser conduzida até que todo o 
 
 
 
 
25 
solvente seja evaporado (ou quando o destilado atingir 1/4 da capacidade do 
frasco coletor). 
Quando terminar a destilação, desligar a rotação, levantar o balão do 
aquecimento. Segurando o balão, abrir a torneira de vedação e fechar o vácuo. 
Retirar o frasco de destilação e o frasco coletor (o solvente obtido será submetido 
à destilação fracionada). 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Figura 11. Evaporador rotativo com unidade de refrigeração. 
 
 
OBS. Não esquecer de desligar a bomba de vácuo. 
 
 
Questões: 
 
1. Qual o efeito da pressão reduzida sobre o ponto de ebulição de uma 
substância. 
2. Explicar esse efeito (pesquisar). 
 
 
 
 
 
 
 
 
26 
6.4 Destilação fracionada 
 
A destilação fracionada é o método utilizado para separar misturas de 
líquidos miscíveis, com pontos de ebulição que diferem em menos de 25 ºC à 
temperatura ambiente. 
 
Na destilação fracionada, ocorrem múltiplos processos de destilação na 
superfície do empacotamento da coluna. À medida que a mistura é aquecida, 
entra em ebulição, o vapor sobe e parte dele condensa; o vapor que continua a 
subir na coluna vai se tornando cada vez mais rico no componente mais volátil e o 
liquido descendente, mais rico no componente menos volátil. 
 
Neste experimento, o solvente resultante da concentração das soluções 
orgânicas (obtido no evaporador rotativo e da destilação simples) será purificado. 
 
 
Aplicação: recuperação de solventes. 
 
 
Material: balão de fundo redondo, coluna de fracionamento, condensador, 
adaptador, manta aquecedora com regulador de voltagem, pedras de porcelana 
ou esferas de vidro, funil, alonga, termômetro. 
 
 
Procedimento: 
 
Montar o aparelho de destilação fracionada, com os mesmos cuidados 
observados na destilação simples. Neste processo, o balão de destilação, que 
deve ser de colo curto, e preferentemente de duas saídas, é adaptado a uma 
coluna de fracionamento. Colocar a mistura a ser destilada (solvente recuperado 
do evaporador rotativo ou da destilação simples) diretamente no balão de 
destilação (nunca através da coluna), colocar as pedras de porcelana. A 
quantidade da mistura a ser destilada deve ser maior do que a quantidade retida 
na coluna de fracionamento durante a destilação. Ver Figura 12. Iniciar o 
aquecimento (o processo é mais lento do que na destilação simples). Descartar os 
primeiros 30 mL destilados. 
 
 
 
 
 
 
27 
OBS. No caso de separação de misturas de solventes, quando for atingida a 
temperatura constante, colocar um novo frasco coletor, pois nesse momento, um 
componente da mistura começa a destilar. Mantém-se o mesmo frasco coletor 
enquanto a temperatura estiver constante. Assim que a temperatura começar a 
subir, trocar de frasco coletor (a fração intermediária é que está destilando). Trocar 
o frasco coletor quando uma nova temperatura constante for atingida, pois um 
outro componente começa a destilar. Continuar o procedimento até que quase 
toda a mistura líquida tenha sido destilada. Se as frações intermediárias 
apresentarem volumes apreciáveis, estas poderão ser novamente destiladas. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Figura 12. Aparelho de destilação fracionada. 
 
 
 
 
Questões: 
 
1. Explicar o processo da destilação fracionada. 
 
2. O que é um azeótropo? Quais os tipos de azeótropos ? Exemplificar cada. 
 
3. Citar maneiras de separar uma mistura azeotrópica. 
 
 
 
28 
6.5 Teste de solubilidade e recristalização 
 
Substâncias orgânicas sólidas quando obtidas de reações ou extraídas de 
alguma fonte natural, raramente estão puras, estão geralmente em mistura com 
outras substâncias. A recristalização é um processo de purificação de substâncias 
sólidas no qual a substância sólida impura é solubilizada e os cristais são 
novamente obtidos, sob determinadas condições, levando à formação de um 
sólido com um maior teor de pureza. 
Para escolher um solvente para a recristalização devem ser observadas as 
seguintes características: 
 
 a substância a ser recristalizada deve ser pouco solúvel no solvente à 
temperatura ambiente.

 a substância a ser recristalizada deve ser totalmente solúvel no solvente à 
quente.

 não deve haver reação entre o solvente e o soluto.

 o solvente deve ser suficientemente volátil para que seja eliminado com 
facilidade do sistema.

 misturas de solventes também podem ser usadas na recristalização.
 
Nesse experimento, o triacilglicerol, apesar de não ser cristalino, será 
purificado por procedimento de solubilização/solidificação, o que se aproxima de 
uma recristalização, uma vez que as substâncias mais solúveis em um solvente 
(ou numa mistura) se separam da que tende a solidificar. 
 
 
Aplicação: purificação de um sólido por de recristalização. 
 
 
Material: tubos de ensaio, solventes, garra de madeira, banho-maria, erlenmeyer, 
funil, suporte, papel de filtro. 
 
 
Procedimento A: teste de solubilidade (escolha do solvente) 
 
Colocar cerca de 0,l g da substância em um tubo de ensaio e adicionar 1 mL 
do solvente gota a gota. Se a substância não solubilizar, aquecer em banho-maria. 
Se ainda não solubilizar, adicionar porções de 0,5 mL até completar 3 mL. 
 
29 
Aquecer novamente. Depois de solubilização, resfriar o tubo para ver se ocorre a 
cristalização (se necessário, arranhar com um bastão de vidro, o tubo de ensaio 
abaixo do nível da solução para que os diminutos pedaços de vidro sirvam de 
núcleos para o crescimento dos cristais). 
Testar diferentes solventes: água, acetato de etila, diclorometano, metanol, 
hexano, etc. Anotar os resultados em uma tabela, como se segue, indicando se é 
solúvel (+) ou não (-),ou ainda se parcialmente solúvel (+/-). 
 
Água fria Água quente Metanol frio Metanol quente 
 
 
 
 
Acetato de etila Acetato de etila Acetato de etila Acetato de etila 
frio quente frio quente 
 
 
 
 
 
Hexano frio Hexano quente CH2Cl2 frio CH2Cl2 quente 
 
 
 
 
 
 
Com base nas informações do quadro acima escolher o melhor solvente para 
a “recristalização” da substância. 
 
 
Procedimento B: recristalização 
 
Pesar o material a ser cristalizado e transferi-lo para um erlenmeyer 
adicionando a mínima quantidade de solvente para solubilizar a substância. 
Aquecer até a ebulição. Filtrar rapidamente a solução quente. Resfriar o filtrado ou 
simplesmente deixá-lo em repouso para a obtenção dos cristais. Separar os 
cristais da água-mãe (fase líquida) por filtração. Evaporar parte do solvente do 
filtrado.e resfriar para obtenção de mais cristais. Repetir o processo evaporação / 
resfriamento até que não sejam obtidos mais cristais da água-mãe. Juntar os 
cristais, repetir o processo de recristalização. Pesar o sólido cristalino após a 
 
30 
evaporação do solvente. Reservar o material cristalino para posterior 
determinação do ponto de fusão. Ver Figura 13. 
 
 
 
COMPOSTO IMPURO 
impurezas solúveis 
impurezas insolúveis 
 
1. Dissolução em solvente quente 
2. Filtração por gravidade da solução quente 
 
FILTRADO IMPUREZAS INSOLÚVEIS descartar 
 
composto 
impurezas solúveis 
 
1. Cristalização 
2. Filtração à vácuo 
 
 
 CRISTAIS DO COMPOSTO FILTRADO (ÁGUA-MÃE) 
cristalizar novamente 
 
com solvente 
 
 impurezas solúveis 
 
 
 
1. Secagem ao ar 
 ou descartar 
 
 
 
 
 
 
CRISTAIS DO COMPOSTO 
 
pesar e 
 
 
 
 verificar pureza 
 
 
Figura 13. Fluxograma das etapas de purificação de um composto 
orgânico por recristalização. 
 
 
 
 
Questões: 
 
1. Justificar a expressão “semelhante dissolve semelhante” com base na avaliação 
forças de atração intermoleculares soluto/soluto, solvente/solvente e 
soluto/solvente. 
 
2. O que fazer quando os cristais não se formam? 
 
3. Qual o efeito da temperatura durante o resfriamento da solução no tamanho dos 
cristais? 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
31 
6.6 Extração líquido – líquido (partição) 
 
Este método de fracionamento é baseado na distribuição de uma ou mais 
substâncias entre duas fases líquidas imiscíveis, no equilíbrio. Essa distribuição ou 
partição depende da solubilidade da(s) substância(s) em cada uma das fases 
líquidas. Este procedimento deve ser conduzido em capela. 
O termo lavagem de uma fase orgânica líquida com água refere-se 
exatamente à extração líquido-líquido com água. É frequentemente empregada 
em um laboratório de Química Orgânica e geralmente empregada para retirar 
traços de reagentes, como ácidos, bases etc. 
Outra técnica - a secagem do solvente-, ou seja, a remoção de água de um 
solvente orgânico, será também empregada. A remoção de traços de água de um 
solvente orgânico de baixa a média polaridade pode ser conseguida com o uso de 
sais capazes de formar água de cristalização e, assim, após a filtração, retirar a 
água do meio. 
 
 
Aplicação: fracionamento do extrato metanólico por da partição. 
 
 
Material: funil de decantação, suporte, funis, metanol, diclorometano, água 
destilada. 
 
 
Procedimento: 
 
Em um béquer, dissolver o extrato metanólico pesado (cerca de 3 g) em 80 
mL de uma mistura metanol - água 3:1. Transferir a solução para um funil de 
decantação e adicionar diclorometano. Agitar o funil com cuidado, não 
esquecendo de aliviar a pressão no interior do mesmo. Retirar a fase 
diclorometânica pela parte inferior. Adicionar mais diclorometano à fase 
hidroalcoólica e repetir o processo de partição. Juntar as fases diclorometânicas. 
Ver Figura 14. 
 
Adicionar sulfato de sódio à fase diclorometânica. Deixar em repouso por 
cerca de 20 minutos, agitando esporadicamente. Separar o agente secante por 
filtração. Concentrar a fase clorada em evaporador rotativo e pesar. 
 
 
32 
Caso seja necessário, conduzir a extração da fase metanólica com acetato 
de etila e/ou n-butanol. Concentrar e pesar. Desprezar a fase aquosa. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Figura 14. Extração líquido-líquido. 
 
 
Questões: 
 
1. Fazer o fluxograma do processo de separação. 
 
2. Qual a vantagem de se realizar três extrações com pequenas porções de 
solvente, no lugar de apenas uma? 
 
3. O que é uma emulsão. 
 
4. Qual a finalidade do uso de sulfato de sódio no processo acima? 
 
5. Citar outros agentes dessecantes e as respectivas aplicações. 
 
6. O que é extração ácido - base? Citar exemplos (pesquisar). 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
33 
6.7 Refluxo 
 
Grande parte das reações de preparação de derivados e de síntese orgânica 
envolve uma etapa chamada refluxo, na qual as substâncias são mantidas em solução 
à temperatura constante através da ebulição/condensação de um solvente apropriado 
para a mistura. A temperatura do refluxo é geralmente próxima à temperatura de 
ebulição do solvente. 
 
 
Aplicação: hidrólise básica de triacilgliceróis. 
 
Os ésteres podem sofrer hidrólise em meio ácido ou em meio básico. 
Quando essa reação ocorre em meio básico, a reação é chamada de 
saponificação por ser a reação envolvida no preparo de sabões. Na reação são 
obtidos o glicerol e o sal dos ácidos que, após acidificação, forma os ácidos 
graxos correspondentes (abaixo estão representados apenas os ácidos graxos 
saturados). 
 
 
Reação: 
 
 
 
CH2 
 
O 
 
OC(CH2)nCH3 
 
CH 
 
OH 
 
 
 
 
 H2O 2 
+ 
 HCl 
 
CH O OC(CH2)nCH3 
NaOH 
CH 
 
OH 3 CH3(CH2)nCOONa 
 
3 CH3(CH2)nCOOH 
 
CH2 O OC(CH2)nCH3 
 CH OH 
 
 2 
 Triacilglicerol Glicerol Sal orgânico Ácido graxo 
 
 
 
 
Material: equipamento de refluxo (balão e condensador), manta aquecedora, funil de 
Büchner, kitasato, provetas, béquer, solução de NaOH 10%, solução de HCl 10%, gelo, 
etanol, metanol, água destilada, papel de filtro. 
 
 
Procedimento: 
 
Transferir para um balão de fundo redondo 2 g do triacilglicerol e adicionar 25 mL de 
etanol e 10 mL de solução de NaOH 10% e algumas pedras porosas. Adaptar um 
condensador (com a entrada e saída de água) ao balão. Ver Figura 15. Aquecer o balão 
contendo a mistura em manta aquecedora (ou outra fonte de calor) de maneira que o 
 
34 
vapor do solvente não ultrapasse a metade do condensador. Esperar o sistema entrar em 
regime, anotar o tempo e manter o refluxo (cerca de duas horas) até a saponificação total 
(ausência de gotas de óleo na mistura). Em um béquer, colocar 30 mL de solução de HCl 
10% e o mesmo volume de gelo picado. Transferir a mistura reacional do balão para o 
béquer contendo a solução ácida e agite a mistura. Continuar agitando até a precipitação 
completa do sólido que se forma. Adicionar 50 mL de água destilada e filtrar em funil de 
Büchner. Lavar o sólido com duas porções de 10 mL água destilada para remover o 
excesso de ácido. Recristalizar o sólido obtido usando uma mistura de metanol e água: 
dissolva o sólido em 30-40 mL de metanol a temperatura ambiente, em seguida aquecer 
em banho-maria e filtre a mistura ainda quente; adicionar água destilada, gota a gota, até 
o aparecimento de turvação deixando esfriar para recristalizar e em seguida, filtrar em 
funil de Büchner, deixar secar e pesar o produto (PAVIA et al., 1999; DOMINGUEZ, 
1987). 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
35 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Figura 15. Unidade de refluxo. 
 
 
Questões: 
 
1. Qual a finalidade de manter um sistema reacional em refluxo?. 
 
2. Classificar o tipo de reação ocorrida em cada etapa e a reação geral. 
 
3. Oque é saponificação? 
 
 
Sugestão: seria recomendável entregar e discutir espectros no infravermelho de 
triacilgliceróis e de ácidos graxos. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
36 
6.8 Determinação do ponto de fusão de um composto orgânico 
 
A determinação das propriedades físicas de compostos orgânicos é utilizada 
na caracterização das substâncias e, muitas vezes, são utilizadas como critérios 
de pureza. Ponto de fusão, ponto de ebulição, densidade, índice de refração são 
algumas das propriedades freqüentemente determinadas. 
A maioria dos compostos orgânicos sólidos a temperatura ambiente tem 
pontos de fusão de até 300 ºC e o intervalo de fusão aceitável para uma 
substância pura é de 2 ºC. 
 
 
Aplicação: determinação do ponto de fusão dos ácidos graxos. 
 
 
Material: capilar, aparelho de ponto de fusão, substância orgânica. 
 
 
Procedimento: 
 
Usar um capilar vedado em uma das pontas ou vedar a extremidade em 
chama (de preferência em área fora do laboratório de Química Orgânica) 
mantendo a extremidade do mesmo arredondada (ver Figura 16). Transferir para o 
capilar uma pequena quantidade de substância (cerca de 2 mm de altura). Colocar 
o capilar com a amostra no aparelho de ponto de fusão. Determinar o intervalo de 
fusão considerando o início do intervalo de fusão, a temperatura na qual a primeira 
gota de líquido aparece e o final, a temperatura em que o último fragmento de 
sólido desaparece. Após o resfriamento do aparelho, repetir a determinação. Tirar 
a média dos valores. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
37 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Figura 16. Modelo de aparelho para determinação do ponto de fusão. 
 
 
 
 
 
 
Observações: 
 
 Muitas vezes se obtém uma mistura de ácidos graxos, assim o intervalo de 
fusão será maior do que 2 graus.
 
 Caso seja sólido, é possível obter também o ponto de fusão do 
triacilglicerol.
 
 Na falta do aparelho para determinar ponto de fusão, um tubo de Thiele 
pode ser usado.
 
 
 
 
Questões 
 
1. Pesquisar sobre os fatores que afetam os pontos de fusão de compostos 
orgânicos. 
 
 
 
 
 
 
 
38 
6.9 Cromatografia em camada delgada comparativa (ccd) 
 
A ccd é uma importante técnica para a rápida separação e análise qualitativa 
de pequenas quantidades de material. É uma técnica de partição, ou adsorção, 
sólido/líquido, na qual uma fase móvel líquida ascende por uma fase fixa, 
constituída de uma fina camada de adsorvente espalhada em uma placa de vidro 
(ou em outro material). Uma pequena quantidade da amostra é colocada, em 
geral, na base da placa que é colocada em uma cuba contendo solvente ou uma 
mistura de solventes apropriada (fase móvel); a fase móvel ascende (ou corre) 
pela placa e os componentes da amostra sofrem partição entre a fase fixa e a fase 
móvel. A sílíca e a alumina constituem as fases fixas mais utilizadas na ccd (aqui 
será usada a sílica). Se houver separação, obtém-se uma série vertical de 
manchas na placa que podem ser reveladas com uso de luz UV, vapores de iodo, 
solução de sulfato cérico, etc. 
 
 
Aplicação: ccd dos extratos e de suas fases, triacilgliceróis e ácidos graxos. 
 
Cada equipe fará duas placas de ccd: uma para o material menos polar 
(extratos pouco polares, triacilgliceróis, ácidos graxos) e outra com o material mais 
polar (extrato metanólico e suas fases) 
 
 
Material: placas cromatográficas (ou cromatoplacas) de sílica gel, cuba, capilares, 
revelador, solventes, pipetas, provetas. 
 
 
Procedimento: 
 
 Ativação das placas: aquecer as placas previamente durante 1 horas a 105 
o
C para eliminação da umidade.
 Aplicação da amostra: dissolver uma pequena quantidade do material em 
um solvente volátil. Com auxílio de um capilar, aplicar o material a cerca de 
1 cm da base inferior formando uma mancha de no máximo 2 mm. Manter 
um afastamento de 1 cm entre as aplicações.

 Preparo da fase móvel: em uma cuba com tampa, colocar um pedaço de 
papel de filtro cobrindo mais da metade desta. Adicionar o solvente que
 
39 
servirá de fase móvel umedecendo o papel de filtro e tampar a cuba. O 
volume de solvente na cuba deve ser tal que este não atinja as amostras 
aplicadas na placa. 
 
OBS. A escolha do solvente (ou sistema de solventes) a ser usado como fase 
móvel deverá ser escolhido através da observação experimental levando-se em 
conta a sua capacidade de separação das substâncias. 
 
 Eluição: colocar a placa na cuba e deixar o solvente "correr" até cerca de 5 
mm da extremidade superior do adsorvente (ver Figura 17). Retirar a placa 
e marcar com um lápis a linha do solvente. Deixar evaporar o solvente.

 Revelação das placas: de acordo com o tipo de material utilizado usar o 
método de visualização apropriado (uma cuba com iodo é apropriada para 
a maioria das substâncias).
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Figura 17. Placa cromatográfica em eluição. 
 
 
Questões: 
 
1. Fazer um desenho esquemático das placas após revelação. 
 
2. Explicar o processo de separação por ccd. 
 
3. Como escolher o solvente ideal para uma ccd? 
 
4. O que é o Rf numa ccd? Quais os fatores que alteram seu valor? 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
40 
 
6.10 Hidrodestilação 
 
A hidrodestilação consiste em se levar à ebulição com água um material para 
extração. As substâncias mais voláteis (pv no mínimo 5-10 mmHg) destilam com o 
vapor e podem ser separadas da água no destilado, desde que imiscíveis. A 
destilação tem lugar a uma temperatura abaixo do ponto de ebulição da água (e 
abaixo do p.e. de muitas substâncias orgânicas). Isso torna possível a separação 
de substâncias que decompõem nas proximidades de seus pontos de ebulição. 
Neste experimento será utilizado um aparelho de Clevenger na obtenção de óleo 
essencial. 
O material botânico será adquirido somente para esse experimento. Pode ser 
qualquer planta aromática; qualquer parte da planta. Os mercados e feiras da 
região são ricos em plantas deste tipo. Patchouli, priprioca, canela, cascas de 
laranja, cascas de limão, são alguns exemplos que podem ser usados com bons 
rendimentos em óleo essencial. 
 
 
Aplicação: extração do óleo essencial. 
 
 
Material: aparelho de Clevenger, balão de fundo redondo, manta aquecedora. 
 
 
Procedimento: 
 
Colocar o material a ser extraído, cortado e pesado, no balão de destilação 
até no máximo a metade de sua capacidade. Adicionar água para cobrir material 
botânico. Montar o aparelho, utilizando unidade de refrigeração para resfriamento. 
Ver Figura 18. Uma vez estabilizada a destilação, manter o aquecimento por cerca 
de 1 ou 2 horas. Em geral, para óleos essenciais, a separação pode ser 
conseguida por decantação ou, se o rendimento for muito pequeno, pode-se optar 
por uma extração com solvente volátil (diclorometano ou éter etílico) e concentrar 
a solução em evaporador rotativo sem aquecimento. 
 
 
 
 
 
 
41 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Figura 18. Aparelho de Clevenger para obtenção de óleo essencial. 
 
 
 
 
Questões: 
 
1. Qual a diferença entre a hidrodestilação e a destilação por arraste de vapor 
(pesquisar). 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
42 
6.11 Determinação do desvio polarimétrico 
 
As substâncias capazes de desviar o plano da luz polarizada, ou seja, que 
têm atividade ótica, podem existir em duas formas distintas (enanciômeros). Todas 
as propriedades físicas de um par de enanciômeros são idênticas, exceto o sinal 
do desvio da luz polarizada. 
 
A sacarose é uma molécula que desvia o plano da luz polarizada (αD= 
+34,62
º
) e essa propriedade é usada no controle de qualidade do açúcar. O teor 
de pureza de uma amostra de açúcar comercial será determinado a partir do valor 
do desvio do plano da luz polarizada observado. 
 
Aplicação: determinação do αD da sacarose e determinação da pureza do açúcar. 
 
 
 
Material: polarímetro, balança analítica,béquer de 50 mL, balão volumétrico de 
100 mL, proveta de 50 mL, termômetro 
 
 
Procedimento 
 
Pesar 26 g de sacarose amostra em béquer de 50 mL; transferir 
quantitativamente para balão volumétrico de 100 mL com água destilada; 
completar o volume. Caso a solução esteja turva, adicionar o acetato de chumbo 
neutro, em pequenas quantidades e filtrar em papel de filtro. Transferir a solução 
de açúcar para um tubo de 200 mm do polarímetro (Figura 19). Proceder 
rapidamente à leitura a 2 0 ºC, com luz de sódio. Realizar a análise em duplicata 
(ZENEBON e PASCUET, 2005). 
 
 
Cálculo: 
Para uma substância pura αD = αD obs/ c x l 
αD obs = desvio observado 
 
c = concentração da solução (g/100 mL) 
 
l = comprimento do tubo (dm) 
 
 
 
 
 
 
43 
 
Cálculo do teor de pureza: 
 
Teor de sacarose no açúcar (% p/p) = 26 x L x 100 / 34,62 x m 
 
l = leitura no.polarímetro 
 
m = massa da amostra 
αD sacarose = 34,62 
o 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Figura 19. Polarímetro. 
 
 
 
 
Questões: 
 
1. Deduzir a equação anterior. 
 
2. Escrever a fórmula da sacarose. 
 
3. Identificar os centros estereogênicos na sacarose. 
 
4. Citar exemplos de substâncias orgânicas cujas moléculas são quirais. 
 
 
44 
PARTE 2 . REAÇÕES E TÉCNICAS EXPERIMENTAIS ADICIONAIS 
 
 
Serão apresentadas, a seguir, reações clássicas de Química Orgânica, 
além de duas técnicas experimentais adicionais. 
 
 
 
 
7. EXPERIMENTOS 
 
 
7.1 Preparação do acetato de 3-metil-1-butila (acetato de isoamila) 
 
O acetato de 3-metil-1-butila pode ser preparado a partir do 3-metil-1-
butanol (álcool isoamílico) e ácido acético, mediante aquecimento e na presença 
do ácido sulfúrico. O ácido acético é usado em excesso para dirigir a reação no 
sentido do produto. Após extração com éter, o éster pode ser purificado através de 
destilação. O acetato de 3-metil-1-butila é conhecido como essência de pêra 
(HARWOOD e MOODY, 1989) ou de banana (PAVIA et al. 1999). 
 
 
Reação: 
CH3COOH + HOCH2CH2CH(CH3)2 CH3COOCH2CH2CH(CH3)2 
 
 
Técnicas empregadas: refluxo, extração líquido-líquido, filtração simples, 
determinação do ponto de ebulição, destilação. 
 
 
Material para a síntese: 
 
Álcool isoamílico 
 
Ácido acético 
 
Ácido sulfúrico concentrado 
 
Éter etílico 
 
Solução de carbonato de sódio (5%) 
 
Solução de sulfato de ferro (II) (5%) 
 
Sulfato de magnésio 
 
irritante 
 
corrosivo 
 
corrosivo, oxidante 
 
inflamável, irritante, forma peróxidos 
 
corrosivo 
 
 
 
 
45 
 
Procedimento: (HARWOOD e MOODY, 1989; PAVIA et al., 1999) 
 
Transferir 6 mL de 3-metil-1-butanol, 12 mL de ácido acético e algumas 
esferas de vidro (ou similar) para um balão de fundo redondo de 50 mL. Adicionar 
1 mL de ácido sulfúrico concentrado e agitar lentamente para dissolver. Manter os 
reagentes em refluxo por 1 h e 30 min. Após esse tempo, deixar o balão a 
temperatura ambiente e depois resfriá-lo em um banho de água fria. 
 
Transferir a mistura para um béquer de 100 mL contendo 25 g de gelo 
picado. Agitar com um bastão de vidro por 2 minutos e transferir para um funil de 
separação lavando o balão e o béquer usados com 2 x 10 mL de éter etílico. 
Adicionar 25 mL de éter etílico ao funil de decantação, agitar lentamente (com 
cuidado!), aliviar a pressão, permitir que as fases se separem. Separar a fase 
aquosa. Lavar a fase orgânica com 30 mL de solução de sulfato ferroso e, em 
seguida, com 2 x 15 mL de solução de carbonato de sódio. Em um erlenmeyer, 
secar a fase etérea durante 10 minutos em sulfato de magnésio. Filtrar o agente 
secante através de filtração simples. Evaporar o filtrado em evaporador rotativo. 
Destilar o produto e coletar a fração que destila entre 140-145 
o
C. Anotar o ponto 
de ebulição. 
 
OBS. No lugar de destilar o produto inicialmente, pode-se determinar o ponto de 
ebulição em escala utilizando método do capilar (ver experimento seguinte) e 
comparar com o da literatura. Produto com intervalo de ebulição grande ou 
variável deve ser submetido à destilação (na capela). 
 
 
Questões: 
 
1. Escrever o mecanismo da reação. 
 
2. Qual a função do ácido sulfúrico? 
 
3. Por que a solução de sulfato ferroso é utilizada? 
 
4. Que gás que é eliminado quando a mistura reacional é lavada com solução de 
carbonato de sódio? 
5. Analisar o espectro no infravermelho do produto obtido. 
 
 
46 
7.2 Determinação do ponto de ebulição - método do capilar (Técnica 
Experimental 12) 
 
 
O ponto de ebulição de uma substância orgânica pode ser determinado por 
destilação. Quando se precisa empregar pequena quantidade de material pode-se 
empregar o método do capilar. 
 
 
Material: béquer, tubo de ensaio, termômetro, garra, suporte universal, capilar, 
vaselina, barra magnética, chapa aquecedora com agitador, liga de borracha. 
 
 
Aplicação: determinação do ponto de ebulição do acetato de isoamila. 
 
 
Procedimento: 
 
Usar um capilar vedado em uma das extremidades ou vedar a extremidade 
de em chama (cuidado, ficar longe dos solventes inflamáveis!). Colocar o capilar 
com a extremidade selada para cima dentro do tubo de ensaio e transferir para um 
tubo de ensaio o liquido orgânico (ver Figura 20). Juntar o tubo de ensaio e o 
termômetro com uma liga de borracha. Prender o conjunto (tubo e termômetro) 
numa garra e mergulhá-lo em um banho de vaselina em um béquer (manter a liga 
acima do nível do banho). Colocar no banho a barra magnética. Aquecer o banho 
na chapa de aquecimento. Aquecer até que um fluxo contínuo de bolhas passe 
através do líquido. Desligar o aquecimento. Deixar esfriar o liquido de 
aquecimento e manter a agitação. Anotar a temperatura quando as bolhas 
cessarem de sair do capilar e antes que o líquido entre novamente no capilar. 
Ligar novamente o aquecimento e fazer novamente a leitura da temperatura. 
 
 
OBS. Ao usar esse método, sempre trabalhar na capela. Não utilizar vidraria 
trincada. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
47 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Figura 20. Aparelho para determinação do ponto de ebulição. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
48 
7.3 Síntese da aspirina 
 
Neste experimento, a aspirina (ácido acetilsalicílico) será obtida a partir do 
ácido salicílico mediante acetilação com anidrido acético. Ao final da reação, pode 
haver ácido salicílico que não reagiu. O produto é purificado por cristalização. A 
reação se passa na presença de ácido sulfúrico será utilizado, mas ácido fosfórico 
também podem ser empregado. 
 
 
Reação: 
 
COOH 
 
 
 OH 
 
 
 
 
 
O O 
COOH 
CH3COCCH3 
O 
H2SO4 
OCCH3 
 
 
Técnicas empregadas: filtração a vácuo, recristalização, determinação do ponto 
de fusão. 
 
 
Reagentes para síntese: 
 
Ácido salicílico 
 
Ácido sulfúrico concentrado (d=1,84) corrosivo, oxidante 
 
Anidrido acético corrosivo, inflamável, lacrimejante 
 
Etanol inflamável, tóxico 
 
 
Procedimento: (PAVIA et al., 1999) 
 
Colocar em um erlenmeyer de 125 mL, 3,5 g de ácido salicílico, 6 mL de 
anidrido acético e algumas gotas de ácido sulfúrico concentrado. Agitar e aquecer 
a mistura em banho-maria (50-60 
o
C) durante 20 minutos (ocorre a precipitação 
de sólido branco). Resfriar e adicionar 10-15 mL de água destilada gelada para 
decompor o excesso de anidrido acético. Resfriar até que a cristalização seja 
completa. Filtrar em funil de Büchner lavando com pequena quantidade de água 
gelada. 
 
Purificar a aspirina por recristalização: Dissolver o produto em 10 mL de 
etanol em um béquer de 100 mL e aquecer em banho-maria. Adicionar 25 mL de 
 
49 
água aquecida. Se houver precipitação, dissolver por aquecimento sob refluxo, em 
banho-maria. Cobrir o recipiente e deixar em repouso para resfriar. Separar os 
cristais obtidos por filtração. Secar e pesar os cristais. Determinar o ponto de 
fusão da aspirina e compararcom o valor tabelado (135-136 
o
C). 
 
Questões: 
 
1. Calcular o rendimento da reação. 
 
2. Classificar o(s) mecanismo(s) da reação(ões) 
 
3. Escrever o mecanismo da reação. 
 
4. Comparar os espectros no infravermelho do ácido salicílico e do ácido 
acetilsalicílico. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
50 
7.4 Preparação do ciclo-hexeno 
 
Os álcoois, por desidratação, podem formar alquenos, A facilidade de 
desidratação de um álcool diminui de um álcool terciário para um secundário, e 
deste para o primário. A desidratação de álcoois pode ocorrer mediante 
aquecimento a altas temperaturas (~350 ºC) na presença de alumina ou reação 
com ácido fosforico, ácido sulfúrico ou pentóxido de fósforo. 
 
 
Reação: 
 
OH 
H2SO4 
 
 
 
 
Técnicas empregadas: destilação simples, extração líquido-líquido. 
 
 
Reagentes para a síntese: 
 
Ciclo-hexanol (d=0,94) 
 
Ácido sulfúrico concentrado (d=1,84) 
 
Solução de carbonato de sódio (10%) 
 
Solução saturada de cloreto de sódio 
 
Cloreto de cálcio 
 
irritante, inflamável 
 
corrosivo, oxidante 
 
corrosivo 
 
 
Observação: todas as etapas deste experimento devem ser conduzidas em 
uma capela com sistema de exaustão eficiente. 
 
 
Procedimento: (MANO e SEABRA, 1987) 
 
Em um balão de destilação de 125 mL, colocar 25 mL de ciclo-hexanol. Com 
cuidado, adicionar 3 mL de ácido sulfúrico concentrado e algumas esferas de 
ebulição. Montar o aparelho de destilação simples usando como coletor, uma 
proveta de 25 m L em banho de água com gelo. Aquecer o balão mantendo a 
temperatura abaixo de 95 ºC. Continuar a destilação até a formação de vapores 
brancos (cerca de 20 minutos). 
 
 
51 
Adicionar diretamente ao destilado 10 mL de água, 10 mL de solução 
saturada de carbonato de sódio 10% e 10 mL de solução saturada de cloreto de 
sódio. Proceder a separação das fases em um funil de separação (o ciclo-hexeno 
 
é a fase menos densa). Secar a fase orgânica durante 10 minutos em 1 a 2 g 
cloreto de cálcio. 
 
 
Obs. O ciclo-hexeno pode ser purificado por destilação simples. A fração que 
destila a 80-85 
o
C pe o ciclo-hexeno e o resíduo é basicamente ciclo-hexanol. No 
caso de purificação, continuar o trabalho na capela com exaustão. 
 
 
Teste de caracterização: 
Verificar se o produto formado descora solução de Br2 /CCl4 ou a solução de 
KMnO4 diluída. 
 
 
Questões: 
 
1. Escrever o mecanismo da reação. 
 
2. Qual a função do cloreto de sódio na etapa de purificação do produto? 
 
3. Comparar os espectros no infravermelho do ciclo-hexanol e do ciclo-hexeno. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
52 
7.5 Síntese da dibenzalacetona 
 
Este experimento envolve uma reação de adição nucleofílica à carbonila e de 
desidratação, ou seja, é uma condensação. Uma cetona α,β-insaturada é formada 
a partir da condensação de um aldeído aromático, o benzaldeído, com uma cetona 
a acetona, numa reação conhecida como reação de Claisen-Schmidt. O aldol 
inicial não pode ser isolado por sofrer desidratação imediata, formando a cetona 
insaturada que, por sua vez, tem hidrogênios ativados e que pode condensar que 
uma segunda molécula de benzaldeído. Um excesso do aldeído aromático 
favorece a segunda condensação, levando à formação da dibenzalacetona (1,5-
difenil-(E,E)- penta-1,4-dien-3-ona. 
 
 
Reação: 
 
CHO 
 
2 
CH3COCH3 CH=CHCOCH=CH 
 
NaOH 
 
 
 
Técnicas empregadas: filtração a vácuo, recristalização. 
 
 
Reagentes: 
 
Benzaldeído inflamável e tóxico 
 
Metanol inflamável e tóxico 
 
Acetona inflamável 
 
Solução de hidróxido de sódio 30% corrosivo 
 
 
Procedimento: (HARWOOD e MOODY, 1989; MANO e SEABRA, 1987) 
 
Em um erlenmeyer dotado de rolha esmerilhada, dissolver 3 mL de 
benzaldeído e 1,2 mL de acetona e 30 mL de metanol. Diluir 6 mL de solução de 
NaOH 10% em 25 mL de água destilada e adicionar esta solução diluída à mistura 
contida no erlenmeyer. Agitar a mistura vigorosamente por 30 minutos (aliviando a 
pressão se necessário) e manter a temperatura a 20-25 
o
C por imersão em frasco 
contendo água fria. Deixar em repouso no banho frio. Inicialmente a 
 
53 
dibenzalacetona separa-se numa forma fina de emulsão e depois se transforma 
em cristais amarelos. Filtrar os cristais em funil de Büchner, lavando os cristais 
com água para eliminar traços de álcali. Recristalizar com metanol. Filtrar em funil 
de Büchner, secar e pesar o sólido obtido. 
O filtrado, após repouso, tende a formar o produto que deve ser filtrado e 
cristalizado da mesma maneira. 
 
 
Teste de caracterização: 
 
Dissolver alguns cristais em ácido acético e verificar se o produto formado 
descora rapidamente uma solução de Br2 /CCl4 (2 gotas). Determinar o ponto de 
fusão comparando-o com o valor tabelado (112 
o
C). 
 
Questões: 
 
1. Calcular o rendimento da reação. 
 
2. Escrever o mecanismo da reação. 
 
3. Citar outro teste de caracterização que pode ser utilizado para o produto obtido. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
54 
7.6 Isolamento da cafeína 
 
A cafeína é um alcalóide, uma classe de produtos naturais, que apresenta 
propriedades de base nitrogenada. É encontrada não apenas no café e chá, mas 
também em no guaraná, cacau, entre outros. 
 
 
Estrutura da cafeína: 
O CH3 
CH3 N
 N 
 
 
N 
ON 
 
 
 
 CH3 
 
 
Técnicas empregadas: extração com água, partição 
 
 
Reagentes 
Solução saturada de Na2CO3 
 
Diclorometano tóxico 
 
Chá preto (1 caixa por equipe) 
 
 
Procedimento: (PAVIA et al., 1999) 
 
Em uma panela (não necessariamente no laboratório), colocar 300 mL de 
água destilada, aquecer em fogão até a ebulição (um fogão pode ser usado), 
apagar o fogo e adicionar os sachês deixando em infusão por 15 minutos. Em 
seguida, filtrar o chá por filtração simples e adicionar a solução saturada de 
carbonato de sódio. Esperar esfriar a solução até a temperatura ambiente. 
Transferir a solução para um funil de separação e extrair duas vezes com 30 mL 
de diclorometano (evitar agitação violenta). Coletar a fase diclorometânica, 
concentrar em evaporador rotativo. Desprezar a fase aquosa. Pesar a quantidade 
de cafeína obtida. 
 
 
 
 
 
 
 
55 
OBS. O aquecimento pode ser realizado em chapa de aquecimento, mas o 
aquecimento é, em geral, lento. 
 
 
OBS. Esse experimento pode ser conduzido utilizando-se café ou guaraná em pó. 
 
 
OBS. O simples aquecimento do café em pó em chapa (usando placa de Petri 
coberta), leva à obtenção de cafeína, só que com baixo rendimento e uma 
separação difícil (DOMINGUEZ, 1987). 
 
 
 
 
Teste de caracterização: 
 
Comparar o rf (fator de retenção) da cafeína com um padrão por ccd (fase 
 
fixa: sílica; fase móvel: diclorometano-metanol 9:1; iodo como revelador). 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
56 
7.7 Purificação por sublimação (Técnica Experimental 13) 
 
Existem alguns métodos de purificação por sublimação. Será utilizado o 
método de aquecimento direto em chapa. 
 
 
 
Material: chapa de aquecimento, placa de Petri, papel de filtro, funil, garra. 
 
 
 
Aplicação: sublimação da cafeína 
 
 
Procedimento 
 
Colocar a cafeína numa placa de Petri. Colocar a placa sobre tela de 
proteção e colocar sobre a chapa. Forrar um funil, de tamanho compatível com o 
da placa, com papel de filtro e colocá-lo sobre a placa prendendo-o com uma 
garra (Figura 21). Ligar a chapa de aquecimento e aqueça a cafeína por 2 ou mais 
horas a uma temperatura alta (cuidado para não a cafeína não carbonizar). 
Observar se quantidade de cafeína está diminuindo e se há formação de cristais 
no papel de filtro. Após o tempo estipulado, desligar o aparelho e coletar os 
cristais guardando-os em um vidro previamente pesado. Pesar a cafeína 
sublimada (PAVIA et al., 1999). 
 
 
 
 
OBS. Deixando-se por um longo intervalode tempo (várias horas), o rendimento é 
maior e não é necessário aumentar tanto a temperatura da chapa. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
57 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Figura 21. Aparelho para sublimação. 
 
 
 
 
Questões 
 
1. Explicar a sublimação como método para purificação de substâncias. 
 
2. Pesquisar sobre outras técnicas de sublimação. 
 
3. Analisar o espectro no infravermelho da cafeína. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
58 
7.8 Obtenção da ciclo-hexanona 
 
O ciclo-hexanol, mediante condições controladas, pode ser oxidado a ciclo-
hexanona. O controle da temperatura é essencial para a obtenção do produto 
desejado e para manter a reação sob controle. 
 
 
Reação: 
 
OH Na2Cr2O7 O 
 
CH3COOH 
 
 
 
 
Técnicas empregadas: extração líquido-líquido, destilação sob vácuo. 
 
 
Reagentes: 
 
Ciclo-hexanol 
 
Ácido acético 
 
Dicromato de sódio hidratado 
 
Éter etílico 
 
Sulfato de sódio anidro 
 
inflamável e tóxico 
 
corrosivo 
 
oxidante 
 
 
Reagentes para o teste de caracterização 
 
Solução 2,4-dinitrofenilhidrazina 
 
corrosiva, tóxica 
 
 
 
 
Procedimento: (MANO e SEABRA, 1987) 
 
Em um erlenmeyer de 125 mL, dissolver 5 g de dicromato de sódio hidratado 
em 9 mL de ácido acético. Aquecer ligeiramente para facilitar a dissolução. 
Resfriar a 15 
o
C utilizando banho de gelo. Em outro erlenmeyer, dissolver 5 mL de 
ciclo-hexanol e 3 mL de ácido acético. Resfriar a mistura a 15 
o
C em banho de 
gelo. Derramar a solução de dicromato de sódio sobre a solução de ciclo-hexanol. 
Agitar bem e retirar do banho de gelo. Deixar a temperatura subir e quando atingir 
60 
o
C, retornar ao banho de gelo, de modo que não ultrapasse a temperatura de 
 
59 
65 
o
C. Controlar durante 30 minutos a temperatura, até notar o abrandamento da 
reação e o aparecimento de cor esverdeada na solução. Quando a solução estiver 
na temperatura ambiente, derramá-la sobre 85 mL de água gelada. Transferir a 
mistura para um funil de decantação e extrair duas vezes com éter etílico (20 mL 
cada). Lavar o extrato etéreo com água gelada para remover resíduos da mistura 
oxidante. Secar sobre sulfato de sódio. Concentrar a solução em evaporador 
rotativo, sem aquecimento. 
 
 
 
 
Teste de caracterização: 
 
Testar o produto com gotas de solução 2,4-dinitrofenilhidrazina (DNPH), o 
aparecimento de precipitado indica a presença da ciclo-hexanona. 
 
 
- Preparo da solução de caracterização: usando banho de água com gelo no 
controle da temperatura em todas as etapas, preparar 20 mL solução de ácido 
sulfúrico 1:1; dissolver 1,5 g DNPH nos 20 mL de solução de ácido sulfúrico 1:1 e 
adicionar solução de álcool etílico (1:3) até completar 100 mL. Filtrar se necessário 
(MORITA e ASSUMPÇÃO, 1972). 
 
 
 
 
Questões: 
 
1. Calcular o rendimento da reação. 
 
2. Escrever o mecanismo da reação de caracterização. 
 
3. Analisar o espectro no infravermelho do produto obtido. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
60 
7.9 Síntese do cloreto de t-butila 
 
O grupo hidroxílico de álcoois terciários tende a ser facilmente substituído. A 
reação com ácido clorídrico concentrado ocorre a temperatura ambiente. É uma 
reação de substituição nucleofílica. 
 
 
Reação: 
 
(CH3)3COH 
 
HCl 
 
(CH3)3Cl 
 
 
 
Técnicas empregadas: extração líquido-líquido, destilação fracionada. 
 
 
Reagentes: 
 
Álcool t-butílico 
 
Ácido clorídrico concentrado 
 
Solução de bicarbonato de sódio 5% 
 
Cloreto de cálcio anidro 
 
inflamável e tóxico 
 
corrosivo 
 
 
Reagentes para o teste de caracterização 
 
Solução alcoólica de hidróxido de potássio (5%) 
 
Solução de ácido nítrico (5%) 
 
Solução de nitrato de potássio (5%) 
 
corrosiva 
 
corrosiva 
 
 
 
 
Procedimento: (VOGUEL, 1989) 
 
Em um erlenmeyer de 250 mL, colocar 25 g de álcool t-butílico anidro e 85 mL 
de ácido clorídrico concentrado. Agitar a mistura durante 20 minutos. Transferir a 
mistura para um funil de separação de 250 mL, deixando a mistura em repouso 
por alguns minutos, até que as camadas estejam nitidamente separadas. Retirar e 
abandonar a camada ácida inferior. Lavar o halogeneto com solução de NaHCO3 
5 % e depois com água destilada. Transferir o produto para um erlenmeyer de 100 
mL e adicionar uma porção de cloreto de cálcio anidro. Filtrar o produto. Purificar o 
 
 
 
61 
produto por destilação fracionada coletando a fração que destila entre 49 e 51 
o
C. 
 
Medir o volume obtido para cálculo do rendimento. 
 
 
Teste de caracterização: 
 
Colocar em um tubo de ensaio algumas gotas do cloreto de t-butila e 5 mL de 
solução alcoólica de KOH 5%. Aquecer vigorosamente por alguns minutos em 
banho-maria. Resfriar, adicionar 10 mL de água e acidular com solução aquosa de 
HNO3 5%. Se a solução estiver turva, filtrar recebendo o filtrado em um tubo de 
ensaio e adicionar 2 gotas de solução de AgNO3 5% . Um precipitado branco 
floculento indica a presença de cloreto de t-butila. 
 
 
Questões: 
 
1. Calcular o rendimento da reação. 
 
2. Como se classifica a reação? 
 
3. Escrever o mecanismo da reação. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
62 
7.10 Preparação do ácido azelaico 
 
O ácido azelaico pode ser obtido a partir da clivagem oxidativa do ácido 
oléico. 
 
 
Reação: 
 
CH3(CH2)7CH=CH(CH2)7COOH 
[O]
 HOOC(CH2)7COOH 
 
 
 
Técnicas empregadas: filtração simples e a vácuo, cristalização. 
 
 
Reagentes: 
 
Ácido oléico 
 
Permanganato de potássio 
 
Solução de hidróxido de potássio 4% 
 
Solução de ácido clorídrico 10% 
 
Ácido sulfúrico concentrado 
 
 
 
 
corrosivo 
 
corrosivo 
 
oxidante e corrosivo 
 
 
 
 
Procedimento: 
Dissolver em um erlenmeyer de 250 mL, 7,9 g de KMnO4 em 150 mL de 
água, mediante aquecimento em banho de água. Depois da dissolução completa, 
deixar esfriar até 35°C e juntar, sob agitação intensa e de uma só vez, uma 
solução de 3 g de acido oléico bruto em 20 mL de solução de KOH 4%. A 
temperatura durante esta adição sobe a cerca de 75°C. Continuar a agitação por 
tempo suficiente, de modo que uma amostra diluída em água não apresente a cor 
do permanganato (cerca de 30 minutos). Juntar lentamente, ácido sulfúrico diluído 
(por adição de 2,5 g de H2S04 concentrado a 8 mL de água). Para conseguir 
separar o dióxido de manganês, aquecer a mistura durante 15 minutos em banho-
maria, filtrar rapidamente a suspensão em funil de Büchner. Para dissolver a parte 
do ácido azelaico que ficou adsorvido, ferver o dióxido de manganês, resíduo da 
filtração, em 25 mL de água. Filtrar a suspensão em funil de Büchner e reunir o 
filtrado com o filtrado principal. Concentrar a solução até um volume de 50 mL e 
 
63 
deixar arrefecer em uma geladeira. Separar o ácido azelaico por filtração e lavar 
com água fria. Proceder à cristalização com água (cerca de 30 mL de água). 
Secar e pesar o produto (VOGUEL, 1989). 
 
 
Teste de caracterização: Determinar o ponto de fusão e comparar com o valor 
tabelado (106 
o
C). 
 
 
 
Questões: 
 
1. Calcular o rendimento da reação. 
 
2. Escrever a reação relativa à clivagem oxidativa do ácido oléico. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
64 
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 
 
 
DOMINGUEZ, X. A. Experimentos de Química Orgánica. Editorial Limusa. 
México, 1987. 
 
 
HARWOOD, L. M.; MOODY, C. J. Experimental Organic Chemistry. 
Principles and practice. Blackwell Scientific Publications. Oxford, 1989. 
 
 
MANO, E. B.; SEABRA, A. D. P. Práticas de Química Orgânica. 3ª ed. 
Editora Edgard Blücher LTDA. Rio de Janeiro, 1987. 
 
 
MORITA, T. ; ASSUMPÇÃO, R. M. V. Manual de soluções, reagentes & 
solventes: padronização, preparação, purificação. 2ª ed. Editora Edgard 
Blüchner Ltda. São Paulo, 1972. 
 
 
PAVIA, D. L.; LAMPMAN, G. M.; KRIZ, G. S.; ENGEL, R. G. Introduction 
to Organic LaboratoryTechniques – a microscale approach. 3ª ed. 
Saunders College Publishing. Fort Worth, 1999. 
 
 
VOGEL, A. I.. Vogel’s textbook of Practical Organic Chemistry. 5ª ed rev. 
por FURNISS, B. S.; HANNAFORD, A. J.; SMITH, P. W. G.; TATCHELL, 
A. R. Pearson Education Limited. Harlow, 1989. 
 
 
ZENEBON, O.; PASCUET, N. S.. Métodos físico-químicos para análise de 
alimentos. 4ª ed. Instituto Adolfo Lutz. São Paulo, 2005. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
65

Outros materiais

Perguntas Recentes