A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
Anatomia Descritiva - Introdução a Anatomia

Pré-visualização | Página 1 de 3

Ana	Luiza	Azevedo	de	Paula		
			Anatomia	Descritiva	
	Aula	de	definição	de	termos	da	anatomia		
	
Anatomia	 humana	é	 uma	 ciência	
responsável	por	estudar	a	forma	e	a	
estrutura	 do	 organismo	 humano,	
bem	 como	 as	 suas	 partes.	 O	 nome	
anatomia	 origina-se	 do	 grego	ana,	
que	 significa	 “parte”,	 e	tomnei,	 que	
significa	cortar,	ou	seja,	é	a	parte	da	
biologia	 que	 se	 preocupa	 com	 o	
isolamento	 de	 estruturas	 e	 seu	
estudo.	
	
Os	princípios	de	pesquisa	podem	ser	
a	anatomia	 descritiva,	 quando	
analisa-se	 e	 descreve-se	 os	 órgãos	
baseado	 nos	tecidos	 biológicos	que	
o	 compõem	 ou	 pode	 ainda	 ser	
adotado	 o	 critério	 da	anatomia	
topográfica,	 quando	 analisa-se	 e	
descreve-se	os	órgãos	com	base	em	
sua	 localização	 no	 corpo	 (região	
corporal).	
	
Muitos	nomes	adotados	na	anatomia	
possui	origem	de	termos	no	latim	ou	
do	grego.	Essa	origem	serve	para	dar	
sentido	 	 a	 caracterização/	descrição	
da	forma	da	estrutura	ou	da	região.	
Como	exemplo	temos:	
	
	
	
ü Músculo	 gastronômico	 	 é	
um	músculo	que	 fica	 na	
região	 posterior	 da	 perna	
abaixo	 dos	 joelhos	 com	
formato	de	ventre	 	e	recobre	
outro	músculo	 chamado	
sóleo,	que	gera	a	panturrilha.	
A	 palavra	 	 gaster	 significa	
estômago	ou	ventre.	
	
	
ü Músculo	 deltoide	 é	
um	músculo	volumoso	 e	 em	
forma	de	triângulo,	que	cobre	
a	cintura	escápulo-umeral	e	a	
estrutura	 do	 ombro.	
Apresenta	 um	 formato	
triangular,	 semelhante	 ao	
delta	 do	 alfabeto	 grego,	
advindo	daí	o	seu	nome.		
Ana	Luiza	Azevedo	de	Paula		
	
	
ü Artérias	 coronárias	 	 são	 as	
artérias	 que	 constituem	 a	
circulação	 coronária.	 A	 sua	
função	é	transportar	o	sangue	
de	e	para	o	músculo	cardíaco.	
Sua	 origem	 vem	 devido	 ao	
fato	 de	 formar	 coroas	 ao	
abraçar	 a	 região	 superior	 do	
coração.	
	
	
	
ü Os	alvéolos	 pulmonares	são	
responsáveis	 pelas	 trocas	
gasosas	 entre	 o	 meio	
ambiente	 e	 o	
organismo.	Alvéolos,	
diminutivo	 de	 alveus	 que	
significa	 pequenas	 cavidades	
ou	órgão	oco,	sendo	a	menor	
estrutura	 anatômica	 do	
sistema	 respiratório,	 sendo	
ocos	e	preenchidos	por	ar.		
Epônimos	é	 um	 vocábulo	
proveniente	 de	 um	 nome	 próprio,	
objetivando	 homenagear	 aos	 que	
descobriram	 ou	 quem	
primeiramente	 apresentou	 a	
estrutura	anatômica.	Como	exemplo	
temos:	
	
	
ü Tubérculo	 de	 Lister.	 Esse	
tubérculo	 recebe	 esse	 nome	
já	que	Lister	foi	a	pessoa	que	o	
descobriu.	 Entretanto,	 usar	
esse	 nome	 não	 ajuda	 na	
localização.	 Em	 termos	
anatômicos,	 temos	 o	
Tubérculo	dorsal	do	rádio	que	
significa	 projeção	 pequena	
que	 fica	 atrás	 	 da	 região	 do	
rádio	que	é	um	osso	localizado	
no	antebraço.		
	
O	estudo	da	anatomia	precisa	seguir	
um	padrão.	O		Padrão	anatômico	é	o	
mapeamento	 das	 informações	
convergentes	 encontradas	 nos	
campos	 de	 pesquisa.	 Como	 campo	
temos:	livros,	aula	e	guia	de	estudo,	
variação	 anatômica	 e	 divergência	
entre	os	autores.	
Ana	Luiza	Azevedo	de	Paula		
	Há	a	possibilidade	de	encontrar	nos	
livres	 as	 variações	 anatômicas.	 As	
variações	anatômicas	são	diferenças	
morfológicas	 entre	 elementos	 que	
compõem	um	grupo	humano.	Pode	
ser	 externamente	 ou	 em	 qualquer	
sistema	do	organismo	sem	que	traga	
prejuízo	 funcional	 ao	
indivíduo.	Como	 exemplo	 das	
variações	 anatômicas,	 temos	 as	
coronárias.		
	
É	 possível	 também	 encontrar	 uma	
divergência	 entre	 os	 autores	 em	
informações	 de	 caracterização,	
explicação…	É	importante	entrar	em	
contato	 com	 um	 orientador	 para	
esclarecer	o	estudo.		
									Regiões	Corporais		
	
O	 corpo	 humano	 é	 dividido	 em	
regiões.	 As	 principais	 regiões	 do	
corpo	 humano	 são	 a	 cabeça,	 o	
pescoço,	o	tórax,	o	abdome,	a	pelve,	
juntamente	 com	 as	 extremidades	
superior	e	inferior.	
Todas	 as	 regiões	 anatômicas	 são	
delimitadas	 por	 marcos	 precisos,	
tornando-os	 termos	 universalmente	
aceitos	 que	 todo	 profissional	 de	
saúde reconhece	 e	 compreende	
instantaneamente.	 De	 um	 modo	
geral,	 esses	 marcos	 são	 estruturas	
evidentes	 que	 são	 facilmente	
palpáveis	ou	visíveis.	Isto	é	conhecido	
como	anatomia	superficial.	
	
																Cefálica	Cranial	e	Facial	
			
A	cabeça	e	o	pescoço	também	consistem	
em	 regiões.	 Eles	 não	 são	 formados	 por	
planos	 precisos,	mas	 são	 nomeados	 de	
acordo	 com	 as	 estruturas	 anatômicas	
contidas	neles.	Portanto,	os	 termos	são	
de	 fácil	 compreensão:	 regiões	 frontal,	
orbital,	 infraorbital,	 nasal,	 oral,	
mentoniana,	 esternocleidomastóidea,	
cervical	lateral,	cervical	posterior,	bucal,	
parotideomassetérica,	 infratemporal,	
zigomática,	temporal,	occipital	e	parietal.	
Além	 disso,	 existem	 os	 triângulos	
submandibular,	 submentoniano,	
carotídeo	 e	 muscular,	 e	 as	 fossas	
supraclavicular,	 jugular	 e	
retromandibular.		
	
Ana	Luiza	Azevedo	de	Paula		
																							Torácica		
	
Em	anatomia,	 chama-se	região	
torácica	à	 porção	 da	coluna	
vertebral	que	 fica	 entre	 a	região	
cervical	e	 a	região	 lombar.	 É	
constituída	 por	 doze	vértebras	 que	
servem	de	inserção	para	as	costelas.	
No	tronco	(tórax	 e	 abdome)	 existem	
várias	 linhas	 e	 pontos	 de	 referência	
de	 superfície,	 como	 linhas	medianas	
anterior/posterior,	 linha	 esternal,	
linha	 paraesternal,	 linha	
hemiclavicular,	 linhas	 axilares	
anterior/média/posterior,	 linha	
paravertebral,	 linha	 escapular,	
costelas,	 esterno,	 processos	
espinhosos	 vertebrais,	 clavícula	 e	
músculos	peitorais.		
																							Abdominal		
	
O abdômen (abdome/abdómen) é 
a região do corpo localizada entre 
o tórax e a pelve. A sua abertura 
superior está voltada para o tórax 
e é cercada pelo diafragma. 
Inferiormente o abdômen abre-se 
para a pelve, comunicando 
através da abertura pélvica 
superior (abertura pélvica 
superior). Estas duas aberturas, 
em conjunto com as paredes 
abdominais, delimitam a cavidade 
abdominal. 
	
Para uma orientação clínica mais 
fácil, o abdômen está dividido em 
quatro quadrantes e nove regiões. 
Os quatro quadrantes 
denominam-se superior 
esquerdo, inferior esquerdo, 
superior direito e inferior direito. 
 
As nove regiões são chamadas de 
hipocôndrio direito e esquerdo, 
lombar direita e esquerda, inguinal 
direita e esquerda, epigástrica, 
umbilical e hipogástrica. 
 
Ana	Luiza	Azevedo	de	Paula		
 
A	diferença	entre	as	divisões,	é	que	
que	a	divisão	 	em	regiões	 são	em	9	
partes,	sendo	mais	assim	precisa.		
	
												Região	Pélvica	
A	pelve	 	 encontra-se	 na	 cintura	
pélvica	é	a	região	de	transição	entre	
o	tronco	e	os	membros	inferiores.		
É	 composta	por	uma	 série	de	ossos	
longos	 ou	 chatos,	 quase	 sempre	
apresentando	 os	 seguintes	
componentes:	 sacro,	 ílio,	 ísquio	 e	
púbis.	 É	 nesta	 estrutura	 que	 se	
inserem	os	membros	 inferiores	e	se	
apoiam	 uma	 série	 de	 músculos	
ligados	ao	seu	movimento.		
	
O	assoalho	pélvico	é	um	conjunto	de	
músculos	e	 ligamentos	que	 fazem	a	
sustentação	 dos	 órgãos	 pélvicos	
como	bexiga,	útero,	reto,	intestino	e	
todo	 conteúdo	 que	 fica	 na	 pelve,	
parte	baixa	do	abdômen.	
	
	
									Membros	Superiores			
	
Os	 membros	
superiores	na	anatomia	são	
formados	 pela	 cintura	 escapular	 ou	
ombro,	braço,	antebraço	e	mão.	
No	membro	 superior,	 são	
denominadas	 regiões	 escapular,	
axilar,	 deltoide,	 braquial	 (anterior,	
posterior),	 cubital	 (anterior,	
posterior),	 antebraquial	 (anterior,	
posterior),	 carpal	 (anterior,	
posterior),	palmar	e	dorsal.	
	
											Membros	Inferiores			
Os	membros	inferiores	são	maiores	e	
mais	 compactos	 que	 os	 superiores.	
São	adaptados	para	sustentar	o	peso	
do	corpo,	 para	 caminhar	 e	 correr	e	
fundamentais	 para	 garantir	
locomoção,	 equilíbrio	e	sustentação	
do	 corpo.	 O	membro	 inferior	possui	
as	 seguintes	 regiões:	 triângulo	
femoral,	 glútea,	 femoral	 (anterior,	
posterior),	 genicular	 (anterior,	
posterior),	 poplítea,	 crural	 (anterior,	
posterior),	 retromaleolar	 lateral,	
dorsal,	plantar	e	calcânea.	
	
Ana	Luiza	Azevedo	de	Paula		
Região	Dorsal	–