A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
10 pág.
Exames do estado geral - exame físico, anamnese, temperatura, mucosas e linfonodos

Pré-visualização | Página 1 de 2

@veterinariando_ 
 
 Nome do animal 
 Espécie do animal 
→ De grande importância pois certas doenças parasitárias, infeciosas ou 
metabólicas são próprias ou mais frequentes em certas espécies 
• Algumas enfermidades podem variar de acordo com a raça 
• Raça mais puras frequentemente são mais suscetíveis às doenças 
 
• Algumas doenças são mais recorrentes em determinadas idades 
→ JOVENS: parasitas e doenças carenciais (no geral, animais jovens 
apresentam melhor prognostico) 
→ IDOSOS: neoplasias, doenças crônicas respiratórias e circulatórias 
• Importante para realizar a administração de medicamentos e evolução do 
tratamento do paciente 
• Algumas doenças pode apresentar predileção por um dos sexos, como por 
exemplo a diabete mellitus em fêmeas a e doença do trato urinário inferior 
(DTUIF) em machos 
 
• Cavalos de corrida estão mais sujeitos a cardiopatias e enfisema pulmonar 
 
 Âná = trazer de volta/recordar + Mnesis = memória 
 A anamnese consiste nas informações detalhadas sobre a história anterior 
do paciente até o presente 
 Essas informações podem ser obtidas do proprietário ou do tratador do 
animal 
 São perguntas realizadas para orientar melhor o diagnóstico 
 Deve ser feita sempre numa linguagem de fácil compreensão (não usar 
tantos termos técnicos) 
 
✓ Queixa principal – o que levou o tutor/tratador até o veterinário ? 
✓ Há quanto tempo o animal se apresenta doente ? 
✓ Quais são as manifestações clínicas ? 
✓ Avaliar o comportamento dos órgãos/sistemas (circulatório, digestório, 
geniturinário, respiratório, neurológico, dermatológico) 
✓ Perguntas sobre alimentação, ambiente, ectoparasitas, vacinação, 
vermifugação, contactantes, antecedentes mórbidos, tratamento anterior, 
qual é a origem do animal 
 
 
REAÇÃO À ESTÍMULOS 
• Diminuída (apático) 
• Ausente (coma) 
• Normal 
• Aumentada (excitação) 
 
• Necessário conhecer o comportamento de cada espécie 
• Normais 
• Anormais (dor ou acometimento neurológico) 
• Andar rígido 
• Inquietação e rolar no chão 
 
O estado nutricional pode ser definido por meio da inspeção do paciente, além da 
palpação 
• Normal 
• Magro 
• Obeso 
• Caquético (grau extremo de perda de peso) 
• Pelame – avaliar se está ou não com brilho 
 
Um dos primeiros sinais de desidratação é o ressecamento e enrugamento da pele 
TURGOR DA PELE 
• Leve: 6 a 8% de perda – menor elasticidade da pele de 2 a 4seg (enoftalmia 
leve) 
• Moderada: 8 a 10% da perda – menor elasticidade da pele de 6 a 10seg 
(enoftalmia evidente) 
• Severa ou grave: 10 a 12% de perda – marcante perda da elasticidade da 
pele com tempo maior que 10seg (enoftalmia intensa) 
• Gravíssima: > 12% - possível óbito 
 Para realizar basta contar quantos batimentos houve durante 15 segundos, 
o valor obtido deve ser multiplicado por 4 
 Exemplo: em 15 segundos teve 28 batimentos, pega esse valor e multiplica 
por 4 => 28 x 4 = 112 bpm 
 
 
 
 Para realizar basta contar quantos batimentos houve durante 15 segundos, 
o valor obtido é multiplicado por 4 
 Taquipneia: respiração acima do normal 
 Bradipneia: respiração abaixo do normal 
 
 
 
 
• É o estudo da variação térmica 
• Deve ser sempre realizado 
• É pouco invasivo e com baixo risco de dano à 
saúde do animal 
• O resultado é obtido rapidamente 
• Termogênese: ganho de calor 
• Termólise: perda de calor 
 
 
 
REGULAÇÃO TÉRMICA 
 Os receptores térmicos da pele e vísceras, percebem a temperatura 
aumentada. Dessa forma ativam o centro termorregulador no hipotálamo 
tendo como resposta a diminuição do metabolismo, vasodilatação periférica 
(dissipar calor) e aumento da frequência respiratória (perda de calor e 
resfriamento do corpo) 
 Os receptores térmicos da pele e vísceras, percebem a temperatura 
diminuída. Dessa forma ativam o centro termorregulador no hipotálamo, 
tendo como resposta o aumento do metabolismo, vasoconstrição periférica, 
piloereção e diminuição da frequência respiratória 
 
• É necessária a contenção adequada do animal 
• A aferição deve ser feita com o termômetro encostando na mucosa retal 
(inclinar o termômetro) 
• Tempo de aferição: 1 a 2 minutos 
→ Jovens 
→ Adultos 
38,5 
37,5 – 39,2 
 37,8 – 39,2 
→ Jovens 
→ Adultos 
37,2 – 38,9 
37,5 – 38,5 
→ Jovens 
→ Adultos 
38,5 – 39,5 
37,8 – 39,2 
→ Jovens 
→ Adultos 
38,8 – 40,2 
38,6 – 40 
→ Jovens 
→ Adultos 
39 – 40 
38,5 – 40 
 
• Defecação e enema recente, introdução pouco profunda do termômetro no 
reto, não encostar na mucosa retal, penetração de ar no reto .... 
• É a elevação da temperatura corporal acima dos valores de referência para 
a espécie associada a outros sinais ou sintomas 
• Ocorre em decorrência do aparecimento de algumas doenças 
→ Congestão de mucosa (vasodilatação), mucosas secas e sem brilho 
→ Pele seca e sem brilho e focinho seco 
→ Taquicardia (aumento da frequência cardíaca) 
→ Taquipneia (aumento da frequência respiratória) 
→ Defecação reduzida 
→ Polidipsia compensatória (aumento da ingestão de água) 
→ Oligúria (diminuição do volume urinária) 
→ Apatia 
 
 Variação nictimeral (circadiana): variações durante o dia 
 Após a ingestão de alimento 
 Ingestão de água fria em grande quantidade pode acarretar a diminuição 
de temperatura 
 Animais mais jovens apresentam temperatura elevada, assim como fêmeas 
no cio e em gestação 
 Ocorre diminuição da temperatura nas 24 a 48h que antecedem o parto 
 Animais subnutridos tendem a ter a temperatura diminuída 
 Tosquia: elevação da temperatura por conta da inflamação cutânea 
 Esforços físicos aumentam a temperatura 
 
• Podem indicar possíveis enfermidades próprias (inflamação, tumores, edema) 
• Doenças em outros sistemas (circulatório, hepático ou hematológico) 
• Mucosas oculopalpebrais: conjuntiva palpebral superior e inferior, 3ª 
pálpebra ou membrana nictitante e conjuntiva bulbar ou esclerótica 
• Outras mucosas: nasal, bucal/oral, vulvar, prepuciana e anal 
• O que avaliar: alteração na coloração, ulcerações, hemorragias, aumento de 
volume, secreções e parasitas 
 
✓ Mucosa úmida e brilhante 
✓ Coloração rósea clara (normocorada) 
✓ Pode haver variações dependendo da raça e da espécie 
✓ Em felinos a coloração róseo é menos intensa que em cães 
✓ Cães com mucosa mais avermelhada: fila, Cocker, bulldog e boxer 
 
1. Hipocoradas – mais clara que o normal 
2. Perláceas ou pálidas – esbranquiçadas 
3. Congestas ou hiperêmicas – avermelhadas 
4. Cianóticas – azuladas 
5. Ictéricas – amareladas 
 
 
– TPC 
• Reflete o estado circulatório do animal (volemia) 
• É avaliado junto com a mucosa bucal, próximo aos dentes incisivos 
• O tempo normal é cerca de 2seg 
• O tempo prolongado pode indicar desidratação ou vasoconstrição periférica 
associada ao baixo débito cardíaco 
Líquido aquoso e transparente (normal 
dos bovinos) 
Mais denso que o fluido, mas ainda 
transparente (decorrente de processos 
virais e alérgicos) 
Mais viscoso e esbranquiçado 
(processos infecciosos ou inflamatórios) 
Mais denso e coloração variável de 
amarelo-esverdeado a amarelo-
esbranquiçado 
Coloração vermelho vivo ou enegrecida 
Designação para sangramento nasal 
 
• São órgãos encapsulados constituídos por tecido linfoide e que aparecem 
espalhados pelo corpo sempre no trajeto de vasos linfáticos 
• São filtros da linfa, que transporta proteínas e grandes materiais 
particulados inclusive bactérias 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Mandibular Fácil Fácil Fácil a não 
fácil 
Fácil 
Cervicais 
superficiais 
Fácil Não fácil Fácil Fácil 
Subilíacos Não palpável Não palpável Fácil Fácil 
Poplíteos Fácil Fácil Não palpável Difícil 
Mamários Difícil Difícil Difícil Não fácil 
Inguinais Fácil (machos) Não fácil Difícil Difícil 
 
• Os linfonodos parotídeos, retrofaríngeos e axilares – facilmente palpáveis quando estão 
hipertrofiados

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.