A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
1 pág.
Estudo de Caso Resolução Regular - Alimentação, Ciência, Tecnologia e Sustentabilidade

Pré-visualização | Página 1 de 1

Estudo de caso: 
Alimentação, Ciência, Tecnologia e Sustentabilidade – UNINTER 2021 
 
A cada ano novas tecnologias surgem assim como a evolução da própria humanidade. 
Apesar das grandes inovações a fome ainda é um tema recorrente em um mundo com tantas 
leis e políticas públicas. A economia e a política definem prioridades que nem sempre suprem a 
eficiência na sua representatividade. Pode-se definir que cada localidade tem suas 
compensações negativas pela privação de alimentos enquanto isso a legislação fica a mercê de 
governantes desorientados. A ONU atualmente define a África como sendo o pior continente 
nos índices de amostragem. Tal afirmação estabelece que uma a cada quatro pessoa passa fome. 
Este é um quatro que se repete a décadas e os conflitos civis colaboram. Já no continente 
asiático leva-se em conta a quantidade de pessoas e o sistema de governo imposto. Nota-se que 
além da cultura a alimentação exótica é a necessidade de aproximadamente 526 milhões de 
pessoas. Na América Latina os números atingem 37 milhões considerando o fator da renda per 
capita diária por pessoa. Para a retomada do provimento os governantes pretendem investir na 
agricultura. Possibilitando um aumento e facilidade na obtenção de linhas de créditos nas 
instituições bancárias. 
O Programa Combate a Fome se destaca nos investimentos da última década. Tem como 
base o Programa de Aquisição de Alimentos da ONU. Foram 11 milhões de dólares investidos no 
continente africano. Na Ásia o Programa Mundial de Alimentos atua de forma semelhante. A 
fome tem aumentos substanciais ao longo dos anos nos países superpopulosos. Atualmente 
com a pandemia de COVID-19 tornou-se mais difícil o acesso as práticas e o acesso aos alimentos 
assim como métodos de combate a fome. Outro fator é a condição climática que afeta 
diretamente na produção dos mantimentos. 
Sendo o Brasil um país agrícola a fome ainda atinge níveis preocupantes. Cada região se 
caracteriza pelo comportamento sócio econômico e claro como a política pública é aplicada. 
Apesar de vários programas sociais fica evidente as diferenças nos estados brasileiros. O marco 
de destaque nacional aconteceu na década dos anos noventa cujo título é Ação da Cidadania 
contra a Fome, a Miséria e pela Vida, conhecida popularmente como a campanha contra a fome 
e teve mentor o sociólogo Herbert de Souza, o Betinho que visava ajudar trinta milhões de 
pessoas. Nas décadas que se sucederam outras mobilizações foram criadas como por exemplo 
Fome Zero e a Bolsa Família essas contribuem quando a criança está estudando e previamente 
matriculada aonde a fome é combatida a partir da merenda escolar. Já o Programa de Aquisição 
de Alimentos compra produtos da agricultura familiar e beneficia escolas e entidades 
permitindo um papel de destaque da economia de pequeno porte. 
Em Ijuí/RS o grupo IJUI SEM FOME a partir de campanhas locais distribui alimentos e 
também brinquedos com apoio de empresas locais. Além é claro de mantimentos contra o frio 
que aleatoriamente atinge a cidade. A AAPECAN também auxilia de forma a saciar a carência de 
muitas famílias em condições de vulnerabilidade social. O Centro Espírita Chico Xavier recebe 
doações e faz semanalmente entrega de cestas e marmitas para as comunidades carentes. A 
cidade tem projetos que se preocupam com a realidade social, porém também existe a falta de 
doações ainda mais quando a economia oscila e a subsistência é contexto importante na vida 
de indivíduos.