2012.02.24 - Programa-EAE416_2012
10 pág.

2012.02.24 - Programa-EAE416_2012

Disciplina:Formação Econômica e Social do Brasil I184 materiais451 seguidores
Pré-visualização3 páginas
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA
Código: EAE - 416 Disciplina: Formação Econômica e Social do Brasil - I

Primero semestre de 2012 período noturno Turmas ‘21’ e ‘22’
http://www.usp.br/econ/

Professor: Dr. Nelson Nozoe (nehnozoe@usp.br)

OBJETIVOS

Esta disciplina tem como objetivos:

• Explicitar os elementos básicos de nossa formação socioeconômica nos quadros da
expansão marítima europeia, colonização e integração do Novo Mundo na economia

mundial e subsequente superação dos laços coloniais; para tanto, tomam-se como

marcos cronológicos a constituição do Estado Português e as décadas iniciais do

Segundo Império.

• Analisar as transformações por que passa a economia brasileira ao longo da segunda
metade do século dezenove, em especial no que respeita à atividade cafeeira; ao

mesmo tempo, evidenciar as mudanças sociais vinculadas ao desenvolvimento

econômico então havido, fixando como limite cronológico final de nossas

preocupações o advento do regime republicano.

A consecução desses objetivos fundamenta-se, sobretudo, no exame das obras clássicas

de nossa historiografia econômica; e incorpora, sempre que possível, a produção

historiográfica recente acerca de nosso passado colonial e imperial.

PROGRAMA SUCINTO

1. O evolver da historiografia econômica brasileira

1.1. Estabelecimento e sedimentação do paradigma pradiano

1.2. As contribuições de Celso Furtado e Fernando Novais

1.3. Algumas formulações críticas com respeito ao modelo de Caio Prado Júnior

2. Brasil: de Colônia a Império

2.1. O sentido da colonização

2.2. O antigo sistema colonial e a acumulação originária

2.3. A formação do Estado português e a expansão marítima; o sistema colonial

português

2.4. Os elementos estruturais da formação econômica do Brasil

2.5. O açúcar e o complexo econômico nordestino

2.6. O ouro: expansão territorial e comportamento econômico nos Setecentos

2.7. Portugal e as crises dos séculos XVII e XVIII

2.8. D. João no Brasil: os tratados com a Inglaterra e a crise do antigo sistema

colonial

2.9. A gestação da economia cafeeira

2.10. Os pródromos da abolição do trabalho escravo

2

3. Brasil: de Império a República

3.1. As condições para a expansão cafeeira

3.2. A crise da mão-de-obra: imigração e abolição

3.3. O Estado Imperial e a proclamação da República

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

AMARAL LAPA, J.R. do. Caio Prado Júnior: Formação do Brasil contemporâneo. In:

MOTA, L. D. (org.). Introdução ao Brasil; um banquete no trópico. 2.ed. São Paulo:

Editora SENAC, 1999, p. 257-272.)

BEIGUELMAN, P. A formação do povo no complexo cafeeiro: aspectos políticos. 3.ed.

São Paulo: Edusp, 2005, 1
a
 parte)

BEIGUELMAN, P. Formação política do Brasil. 2.ed. São Paulo: Pioneira, 1976,

cap.1.

BOXER, C. R. O império marítimo português, 1415-1825. São Paulo: Companhia das

Letras, 2002, cap. 2, p. 54-79.

BUESCU, M. Rodrigues de Brito: um libelo contra o colonialismo. In: BUESCU, M.

História econômica do Brasil: pesquisas e análises. Rio de Janeiro: APEC, 1970, p.

230-238.

CARVALHO, J.M. de. A construção da ordem: a elite política imperial. Teatro de

sombras: a política imperial. 4. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003,

Parte II, cap. 2, p. 291- 328.)

COSER, Ivo. O conceito de federalismo e a ideia de interesse no Brasil do século XIX.

DADOS – Revista de Ciências Sociais, v. 51, n. 4, 2008, p. 941-981.

COSTA, E. V. da. Da Monarquia à República: momentos decisivos. São Paulo:

Editorial Grijalbo, 1977, cap. “A proclamação da República”, p. 291-326.

COSTA, E. V. da. Introdução ao estudo da emancipação política do Brasil. In: MOTA,

C. G. (org.). Brasil em perspectiva. São Paulo: DIFEL, 1975, p. 64-125.

COSTA, I. del N. da. Fundamentos econômicos da ocupação e povoamento de Minas

Gerais. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros. São Paulo: IEB/USP, (24): 41-52,

1982.

COUTINHO, Maurício C. A teoria econômica de Celso Furtado: Formação Econômica

do Brasil. LIMA, Marcos Costa & DAVID, Maurício Dias (org.). A atualidade do

pensamento de Celso Furtado. Leste Vila Nova: Verbena Editora Ltda., 2008, v.1.,

p.139-159.

DOHLNIKOFF, M. O pacto imperial: origens do federalismo no Brasil. S.Paulo:

Globo,2005, Introdução,p.11-22.

FURTADO, C. Formação econômica do Brasil. 34.ed. São Paulo: Companhia das

Letras, 2007, caps. 1 a 29, p. 25-248.

GODINHO, V. M. Portugal, as frotas do açúcar e as frotas do ouro (1670 – 1770).
Estudos Econômicos 13 (número especial): 719-732, 1983.

3

GODINHO, Vitorino Magalhães. A expansão quatrocentista portuguesa. Lisboa:

Contemporânea, 1944, caps. 5 e 6.

GORENDER, J. O escravismo colonial. 4.ed. São Paulo: Ática, 1985, cap. IV, p. 101-

117.

LUNA, F. V. Economia e sociedade em Minas Gerais (período colonial). Revista do

Instituto de Estudos Brasileiros. São Paulo: IEB/USP, (24): 33-40, 1982.

MACEDO, J. de. Portugal e a economia “pombalina”: temas e hipóteses. Revista de
História (19): 81-99, 1954.

MELLO, E.C.de. A outra Independência: o federalismo pernambucano de 1817 a 1824.

S. Paulo: Ed. 34, 2004, Prefácio, p. 11-22.

MOTTA, J. F. Agonia ou robustez? Reflexões acerca da historiografia econômica

brasileira. Revista de Economia da PUC-SP v.1, n.1, p. 117-138, jan.-jun., 2008.

NOVAIS, F. A. As dimensões da Independência. In: NOVAIS, F. A. Aproximações:

estudos de história e historiografia. São Paulo: Cosac Naify, 2005, p. 195-203.

NOVAIS, F. A. Portugal e Brasil na crise do antigo sistema colonial (1777-1808). São

Paulo: Hucitec, 1979, cap. II, p. 57-116.

PANTALEÃO, O. A presença inglesa no Brasil. In: HOLANDA, S. B. de (org.).

História Geral da Civilização Brasileira. 3.ed. São Paulo: DIFEL, 1970, Tomo II (O

Brasil Monárquico), 1º volume (O processo de emancipação), p. 64-99.

PETRONE, M. T. S. Imigração assalariada. HOLANDA, S. B. de (org.). História Geral

da Civilização Brasileira. 2.ed. São Paulo: DIFEL, 1969, Tomo II (O Brasil

Monárquico), 3º volume (Reações e transações), p. 274-296.

PRADO JR., C. Formação do Brasil Contemporâneo (colônia). São Paulo: Brasiliense,

1987, caps. “Sentido da colonização” e “Economia”, p. 19-32 e 119-130.

PRADO JR., C. História econômica do Brasil. 15.ed. São Paulo: Brasiliense, 1972,

caps. 15 (Crise do regime servil e abolição do tráfico), 18 (A decadência do trabalho

servil e sua abolição) e 19 (Imigração e colonização), p. 142-154 e 172-191.

RODRIGUES DE BRITTO, João. A economia brasileira no alvorecer do século XIX.

Salvador: Livraria Progresso Editora, s.d.

SCHWARTZ, S. B. Segredos internos: engenhos e escravos na sociedade colonial. São

Paulo: Cia. das Letras, 1988, cap. 8, p. 177-206

SCHWARTZ, Stuart B. Escravos, roceiros e rebeldes. Bauru, SP: EDUSC, 2001. Cap.

3 (Roceiros e escravidão: alimentando o Brasil nos fins do período colonial), p. 123-

170.

SILVA, S. Expansão cafeeira e origens da indústria no Brasil. São Paulo: Alfa-Omega,

1976, cap. III (Economia Cafeeira), p. 49-76.

SIMONSEN, R. C. História econômica do Brasil (1500-1820). 8.ed. São Paulo: Ed.

Nacional, 1978. Cap. XIV (D. João VI no Brasil), p. 389-428.

SZMRECSÁNYI, Tamás. Sobre a formação da Formação econômica do Brasil de C.

Furtado. Estudos Avançados, v.13, n.37, 1999, p. 207-214.

http://www.scielo.br/pdf/ea/v13n37/v13n37a11.pdf

SOUZA COUTINHO, Rodrigo. Memória sobre o melhoramento dos domínios de Sua

Majestade na América, 1797. In: CARDOSO, J.L. (org.). Portugal como problema;

a economia como solução. Lisboa: Fundação Luso-Americana / Público,

4

Comunicação Social S/A, 2006, v. V (Do mercantilismo à ilustração, 1625-1820), p.

267-292.

VAINFAS, Ronaldo. Economia e sociedade na América Espanhola. Rio de Janeiro:

Edições Graal, 1984.

Nota: bibliografia adicional poderá ser indicada sempre que se