2012.02.24 - Programa-EAE416_2012
10 pág.

2012.02.24 - Programa-EAE416_2012

Disciplina:Formação Econômica e Social do Brasil I184 materiais452 seguidores
Pré-visualização3 páginas
julgar pertinente.

OBRAS DE REFERÊNCIA

1. Atlas:

ALBUQUERQUE, M. M. et alii. Atlas Histórico Escolar. São Paulo: MEC -

Departamento Nacional de Educação / Melhoramentos, 1960.

ALMEIDA, C. M. de. Atlas do Império do Brazil. Ed. fac-similada. Rio de Janeiro:

Universidade Candido Mendes, 2000.

Atlas 2000: a nova cartografia do mundo. São Paulo: Círculo do Livro / Nova

Cultural, 1995.

Atlas nacional do Brasil. 3. ed. Rio de Janeiro: IBGE, 2000.

BARRACLOUGH, G. & PARKER, G. Atlas da história do Mundo. São Paulo: Folha

de São Paulo/Times Books, 1995.

FOLHA DE SÃO PAULO. Atlas Geográfico Mundial. São Paulo: Folha de São

Paulo, 1994.

McEVEDY, C. Atlas Histórico-Geográfico Universal. Lisboa: DIFEL, 1987. Capítulo

"O Brasil: 1500-1985", p. 198 - 211.

REVISTA ISTOÉ. ISTOÉ Brasil, 500 anos - Atlas Histórico. São Paulo: Editora Três,

1998.

THÉRY, H. & MELLO, N. A. de. Atlas do Brasil: disparidades e dinâmicas do

território. São Paulo: EDUSP, 2005.

2. Dicionários:

ALMEIDA, N. M. de. Dicionário de questões vernáculas. São Paulo: Caminho

Suave, 1981.

BANDECCHI, B. et alii. Dicionário de História do Brasil. São Paulo:

Melhoramentos, 1976.

BOTELHO, A. V. & REIS, L. M. Dicionário Histórico Brasil: Colônia e Império.

Belo Horizonte: O autor, 2001.

BOTTOMORE, T. (ed.). Dicionário do pensamento marxista. Rio de Janeiro: Jorge

Zahar Editor, 1988.

BURGUIÈRE, A. (org.). Dicionário das ciências históricas. Rio de Janeiro: Imago

Ed., 1993.

HOUAISS, A. & VILLAR, M. de S. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio

de Janeiro: Objetiva, 2001.

MOURA, C. Dicionário da escravidão negra no Brasil. São Paulo: EDUSP, 2004.

SANDRONI, P. Dicionário de economia do século XXI. Rio de Janeiro: Record,

2005.

5

SÉGUIER, J. de. Dicionário Prático Ilustrado. Novo dicionário enciclopédico luso-

brasileiro publicado sob a direção de Jaime de Séguier; edição atualizada e

aumentada por José Lello e Edgar Lello. Dicionário LELLO. Tomo III: História-

Geografia. Porto: Lello & Irmão Editores, 1960.

SILVA, K. V. & SILVA, M. H. Dicionário de conceitos históricos. São Paulo:

Contexto, 2005.

SILVA, M. B. N. da (Coord.). Dicionário da história da colonização portuguesa no

Brasil. Lisboa/S.Paulo: Edl. Verbo, 1994.

VAINFAS, R. (dir.). Dicionário do Brasil Colonial (1500 – 1808). Rio de Janeiro:
Objetiva, 2000.

VAINFAS, R. (dir.). Dicionário do Brasil Imperial (1822 – 1889). Rio de Janeiro:
Objetiva, 2002.

3. Cronologias, estatísticas e outros:

AMATO, C. et alii. Cédulas do Brasil, Império - República (1833-1997). São Paulo:

Perfecta Artes Gráficas, 1997.

ARGOLLO FERRÃO, A. M. de. Arquitetura do café. Campinas, SP: Editora da

UNICAMP; São Paulo: IMESP, 2004.

CARNEIRO, E. (compilador). Antologia do negro brasileiro: de Joaquim Nabuco a

Jorge Amado, os textos mais significativos sobre a presença do negro em nosso

país. Rio de Janeiro: Agir, 2005.

Congresso Agrícola, Rio de Janeiro, 1878. Anais. Ed. fac-similar. Rio de Janeiro:

Fundação Casa de Rui Barbosa, 1988.

ENGERMAN, S., DRESCHER, S. & PAQUETTE, R. (eds.). Oxford Readers:

Slavery. Oxford, UK: Oxford University Press, 2001.

Estatísticas Históricas do Brasil: séries econômicas, demográficas e sociais de 1550

a 1988. 2.ed. rev. e atualizada. Rio de Janeiro: IBGE, 1990. (Série estatísticas

retrospectivas, v. 3).

Fazendas; solares da região cafeeira do Brasil Imperial. Rio de Janeiro: Nova

Fronteira, s/d.

FURTADO, C. Obra autobiográfica de Celso Furtado. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 3

v., 1997.

LEMOS, R. (org.). Bem traçadas linhas: a história do Brasil em cartas pessoais. Rio

de Janeiro: Bom Texto, 2004.

MACHADO, A. R. A. et alii. Cronologia de história do Brasil monárquico (1808-

1889). São Paulo: FFLCH/USP, 2000.

MARTINS, M. & JOHNSTON, E. 150 anos de café. São Paulo: Salamandra

Consultoria Editorial, 1992.

SANTIAGO, S. (ccord.). Intérpretes do Brasil. 2.ed. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 3

v., 2002.

SENRA, N. História das estatísticas brasileiras. Volume 1: Estatísticas desejadas

(1822-c.1889). Rio de Janeiro: IBGE, 2006.

Séries estatísticas retrospectivas. Ed. fac-similada. Rio de Janeiro: IBGE / CNI, 1986.

Vols. 1 e 2.

SLEMIAN, A. et alii. Cronologia de história do Brasil colonial (1500-1831). São

Paulo: FFLCH/USP, 1994.

6

BIBLIOGRAFIA (Leitura recomendada)

ALENCASTRO, L. F. de. O trato dos viventes: formação do Brasil no Atlântico Sul

(séculos XVI e XVII). São Paulo: Cia. das Letras, 2000.

BARBOSA, R. O papel e a baixa do câmbio: um discurso histórico, 1891. Rio de

Janeiro: Reler, 2005.

BERBEL, M. R. A Nação como artefato: deputados do Brasil nas Cortes portuguesas

(1821-1822). São Paulo: Hucitec / Fapesp, 1999.

BICALHO, M. F. & FERLINI, V. L. A. (orgs.). Modos de governar: ideias e práticas

políticas no Império Português, séculos XVI a XIX. São Paulo: Alameda, 2005.

CALDEIRA, J. Mauá: empresário do Império. São Paulo: Cia. das Letras, 1995.

CANABRAVA, A. P. História econômica: estudos e pesquisas. São Paulo: HUCITEC,

Ed. UNESP, ABPHE, 2005.

CARDOSO, C. F. S. As concepções acerca do “sistema econômico mundial” e do
“antigo sistema colonial”; a preocupação obsessiva com a “extração de excedente”.
In: AMARAL LAPA, J. R. do (org.). Modos de produção e realidade brasileira.

Petrópolis: Vozes, 1980, p. 109-132.

CARDOSO, C. F. S. Escravo ou camponês? O protocampesinato negro nas Américas.

São Paulo: Brasiliense, 1987.

CARDOSO, F. H. As condições sociais da industrialização de São Paulo. Revista

Brasiliense, n. 28, p. 31-46, mar./abr. 1960.

CASTRO, A. B. de. A economia política, o capitalismo e a escravidão. In: AMARAL

LAPA, J. R. do (org.). Modos de produção e realidade brasileira. Petrópolis: Vozes,

1980, p. 67-107.

CAVALCANTE, P. Negócios de trapaça: caminhos e descaminhos na América

portuguesa (1700-1750). São Paulo: Hucitec / FAPESP, 2006.

CENNI, F. Italianos no Brasil. 3.ed. São Paulo: Edusp, 2003.

CHALHOUB, S. Visões da liberdade: uma história das últimas décadas da escravidão

na Corte. São Paulo: Cia. das Letras, 1990.

CHAUNU, Pierre. Place et role du Brasil dans les systèmes de communications et dans

les mécanismes de croissance de l’économie du XVI
e

siécle. Revue d’Histoire

Économique et Sociale. XLVIII
e
Volume, Année 1970, Numéro 4.

CONRAD, R. Os últimos anos da escravatura no Brasil, 1850 – 1888. 2.ed. Rio de
Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

COSTA, E. V. da. Da senzala à colônia. 3.ed. São Paulo: Brasiliense, 1989.

COSTA, I. del N. da. Repensando o modelo interpretativo de Caio Prado Júnior. São

Paulo: NEHD-FEA/USP, 1995. (Cadernos NEHD, 3).

D’INCAO, M. A. (org.). História e ideal: ensaios sobre Caio Prado Júnior. S.Paulo:
Ed.UNESP;Brasiliense, 1989.

7

DINIZ, A. F. O Tratado de Comércio com a Inglaterra e a receita fiscal do Império

Brasileiro no período de 1821 a 1850. Anais do XI Encontro Nacional de Economia

Política. [CD ROM]. São Paulo: SEP – UFES, 2006.

FAORO, R. Os donos do poder: formação do patronato político brasileiro. P. Alegre:

Globo / S. Paulo: EDUSP, 2 v., 1975.

FERREIRA, G. N. Centralização e descentralização no Império: o debate entre

Tavares Bastos e visconde de Uruguai. São Paulo: Departamento de Ciência Política

da Universidade de São Paulo; Ed. 34, 1999.

FRAGOSO, J. L. R. & FLORENTINO, M. G. O arcaísmo como projeto: mercado

atlântico, sociedade agrária e elite mercantil em uma economia colonial tardia – Rio
de Janeiro, c. 1790 – c. 1840. 4.ed. rev. e ampliada. Rio de Janeiro: Civilização
Brasileira, 2001.

FRAGOSO, J., BICALHO, M. F. & GOUVÊA, M. de F. (orgs.). O Antigo Regime nos

trópicos: a dinâmica imperial portuguesa (séculos XVI-XVIII). Rio de Janeiro:

Civilização Brasileira, 2001.

FRAGOSO, J. L. R., ALMEIDA, C. M. C. de & SAMPAIO, A. C. J. de (orgs.).

Conquistadores e negociantes: histórias de elites no Antigo