2012.02.24 - Programa-EAE416_2012
10 pág.

2012.02.24 - Programa-EAE416_2012

Disciplina:Formação Econômica e Social do Brasil I184 materiais452 seguidores
Pré-visualização3 páginas
Regime nos trópicos.

América lusa, séculos XVI a XVIII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

FRANZINA, E. A grande emigração: o êxodo dos italianos do Vêneto para o Brasil.

Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2006.

FURTADO, C. Economia colonial no Brasil nos séculos XVI e XVII: elementos de

história econômica aplicados à análise de problemas econômicos e sociais. São

Paulo: Hucitec/ABPHE, 2001.

FURTADO, C. A economia latino-americana: formação histórica e problemas

contemporâneos. 4.ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

GORENDER, J. A escravidão reabilitada. São Paulo: Ática/Secretaria de Estado da

Cultura de São Paulo, 1990.

HAHNER, J. E. Pobreza e política: os pobres urbanos no Brasil (1870-1920). Brasília:

Edunb, 1993.

HOLANDA, S. B. de. Memórias de um colono no Brasil. In: HOLANDA, S. B. de.

Livro dos prefácios. S.Paulo: Cia. das Letras, 1996, p.11-45.

HOLANDA, S. B. de. Raízes do Brasil. Edição Comemorativa 70 Anos. São Paulo:

Cia. das Letras, 2006.

IANNI, O. O progresso econômico e o trabalhador livre. In: HOLANDA, S. B. de

(org.). História Geral da Civilização Brasileira. 5.ed. São Paulo: DIFEL, t. 2: O

Brasil Monárquico, v. 3: Reações e transações, 1985, p. 297-319.

IGLÉSIAS, F. Situação da história econômica no Brasil. Anais de História. Assis:

FFCL de Assis, ano II, p. 9-64, 1970.

IGLÉSIAS, F. Trajetória política do Brasil, 1500-1964. São Paulo: Cia. das Letras,

1993.

IUMATTI, P. T. Caio Prado Jr.: uma trajetória intelectual. São Paulo: Brasiliense,

2007.

8

JOHNSON, H. & SILVA, M. B. N. da (coords.). O Império Luso-Brasileiro, 1500-

1620. In: SERRÃO, J. & MARQUES, A. H. de O. (dirs.). Nova História da Expansão

Portuguesa, Volume VI. Lisboa: Editorial Estampa, 1992.

LESSA, R. A invenção republicana: Campos Sales, as bases e a decadência da

Primeira República brasileira. 2.ed. revista. Rio de Janeiro: Topbooks, 1999.

LIBBY, D. C. Transformação e trabalho em uma economia escravista: Minas Gerais

no século XIX. São Paulo: Brasiliense, 1988.

LIBBY, D. C. Notas sobre a produção têxtil brasileira no final do século XVIII: novas

evidências de Minas Gerais. Estudos Econômicos 27 (1): 97-125, jan./abr. 1997.

LINHARES, M. Y. (org.). História geral do Brasil. 9.ed. rev. e atualizada. Rio de

Janeiro: Elsevier, 1990.

LUZ, N. V. A luta pela industrialização do Brasil: 1808 a 1930. 2.ed. São Paulo: Alfa-

Omega, 1975.

MALERBA, J. (org.). A independência brasileira: novas dimensões. Rio de Janeiro:

Editora FGV, 2006.

MANCHESTER, A. K. Preeminência inglesa no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1973.

MARCÍLIO, M. L. Crescimento demográfico e evolução agrária paulista, 1700-1836.

São Paulo: Hucitec, Edusp, 2000.

MARCONDES, R. L. O evolver demográfico e econômico nos espaços fluminenses

(1780-1840). Estudos Econômicos 25 (2): 235-270, maio/ago. 1995.

MATTOS, I. R. de. O tempo Saquarema: a formação do Estado Imperial. 5.ed. São

Paulo: Hucitec, 2004.

MAURO, F. Teoria econômica e história econômica. In: MAURO, F. Nova história e

novo mundo. São Paulo: Edusp; Ed. Perspectiva, 1969, p. 13-40.

MAXWELL, K. Marquês de Pombal: paradoxo do iluminismo. Rio de Janeiro: Paz e

Terra, 1996.

MELLO, E. C. de. O norte agrário e o Império (1871-1889). Rio de Janeiro: Nova

Fronteira / Brasília: INL, 1984.

MELLO, E. C. de. O negócio do Brasil: Portugal, os Países Baixos e o Nordeste, 1641-

1669. Rio de Janeiro: Topbooks, 1998.

MELLO, E. C. de. Olinda restaurada: guerra e açúcar no Nordeste, 1630-1654. 3.ed.,

definitiva. São Paulo: Ed. 34, 2007.

MILLIET, S. Roteiro do café e outros ensaios: contribuição para estudo da história

econômica e social do Brasil. 2.ed. São Paulo: BIPA-Editora, 1946.

MOTA, Carlos G. (org.). 1822 Dimensões. São Paulo: Editora Perspectiva, 1972

MOTTA, J. F. & NOZOE, N. Cafeicultura e acumulação. Estudos Econômicos. São

Paulo: IPE/USP, 24 (2):253-320, maio/ago. 1994.

NEVES, L. M. B. P. das. Corcundas e constitucionais: a cultura política da

Independência, 1820-1822. Rio de Janeiro: Editora Revan, 2003.

NOVAIS, F. A. & MOTA, C. G. A independência política do Brasil. 2.ed. São Paulo:

Hucitec, 1996.

9

NOZOE, N. & MOTTA, J. F. Os produtores eventuais de café: nota sobre os primórdios

da cafeicultura paulista (Bananal, 1799-1829). LOCUS: revista de história 5 (1): 51-

84, 1999.

OLIVEIRA, Francisco de (Celso Furtado e o pensamento econômico brasileiro. In:

OLIVEIRA, F. de. A navegação venturosa: ensaios sobre Celso Furtado. S. Paulo:

Boitempo Editorial, 2003, p. 39-54.)

PENA, E. S. Pajens da casa imperial: jurisconsultos, escravidão e a Lei de 1871.

Campinas, SP: Editora da Unicamp/ Centro de Pesquisa em História Social da

Cultura, 2001.

PRADO JR., C. História e desenvolvimento: a contribuição da historiografia para a

teoria e prática do desenvolvimento brasileiro. São Paulo: Brasiliense, 1972.

RICUPERO, B. Caio Prado Jr. e a nacionalização do marxismo no Brasil. São Paulo:

Departamento de Ciência Política da Universidade de São Paulo; FAPESP; Ed. 34,

2000.

RODRIGUES, J. O infame comércio: propostas e experiências no final do tráfico de

africanos para o Brasil (1800-1850). Campinas: Editora da UNICAMP / CECULT /

FAPESP, 2000.

SAES, F. A. M. de. O término do escravismo: uma nota sobre a historiografia. Estudos

Econômicos 12 (3): 29-40, set./dez. 1982.

SAES, F. A. M. de. A grande empresa de serviços públicos na economia cafeeira:

1850-1930. São Paulo: Hucitec, 1986a.

SAES, F. A. M. de. Crédito e bancos no desenvolvimento da economia paulista: 1850-

1930. São Paulo: IPE/USP, 1986b.

SANTOS, R. M. dos. Resistência e superação do escravismo na província de São Paulo

(1885-1888). São Paulo: IPE/USP, 1980.

SCHULZ, J. O exército na política: origens da intervenção militar, 1850-1894. São

Paulo: EDUSP, 1994.

SCHULZ, J. A crise financeira da abolição: 1875-1901. São Paulo: EDUSP/Instituto

Fernand Braudel, 1996.

SLENES, R. W. The demography and economics of brazilian slavery: 1850-1888. Tese

de PhD. Stanford University, 1976. (mimeografado).

SUBRAHMANYAN, Sanjay. A presença portuguesa no Golfo de Bengala, 1700-1700.

Lisboa: Edições 70, 2002.

SOUZA, L. de M. O sol e a sombra: política e administração na América portuguesa

do século XVIII. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

VIEIRA, D. T. Evolução do sistema monetário brasileiro. São Paulo: IPE/USP, 1981.

VIEIRA, R. M. Celso Furtado: reforma, política e ideologia (1950-1964). São Paulo:

EDUC, 2007.

VILLELA, A. Política tarifária no II Reinado: evolução e impactos, 1850-1889. Nova

Economia 15 (1): 35-68, jan./abr. 2005.

Nota: bibliografia adicional poderá ser indicada sempre que se julgar pertinente.

10

AVALIAÇÃO & APROVAÇÃO

A avaliação será realizada mediante dois conjuntos de atividades:

a) Três provas, a serem realizadas nas seguintes datas e com os seguintes pesos:

 1ª prova: 02 de maio de 2012 peso 2,00

 2ª prova: 18 de junho de 2012 peso 3,00

 3ª prova (Unificada): 27 de junho de 2012 peso 1,00

b) Um conjunto de 6 seminários com datas e textos previamente definidos. Os textos

serão discutidos em grupos de no máximo 5 alunos durante cerca de 40 minutos. Neste

período o grupo fará um relatório com os principais temas do texto e elaboração uma

questão. No restante da aula, um grupo será selecionado para apresentar o texto (10

min.). Em seguida, um grupo será sorteado para responder uma questão, também

selecionada, e assim sucessivamente. O aluno deverá participar de pelo menos 4

seminários.

A nota mínima para aprovação é 5,00 (cinco), correspondente à média ponderada das

notas das provas (90% da média) e dos seminários (10% da média).