75_marx-karl-o-capital-1
1 pág.

75_marx-karl-o-capital-1

Disciplina:GEOGRAFIA ECONÔMICA1.053 materiais9.194 seguidores
Pré-visualização1 página
de salários, de que maneira poderia essa alta de salários influir nos
preços das mercadorias? Somente influindo na proporção real entre a
oferta e a procura dessas mercadorias.

É inteiramente certo que a classe operária, considerada em con-
junto, gasta e será forçosamente obrigada a gastar a sua receita em
artigos de primeira necessidade. Uma alta geral na taxa de salários
provocaria, portanto, um aumento da procura de artigos de primeira
necessidade e, conseqüentemente, um aumento de seus preços no mer-
cado. Os capitalistas que produzem esses artigos de primeira necessi-
dade compensariam o aumento de salários por meio dos preços dessas
mercadorias. Mas que sucederia com os demais capitalistas que não
produzem artigos de primeira necessidade? E podeis estar certos que
o seu número não é pequeno. Se levardes em conta que duas terças
partes da produção nacional são consumidas por um quinto da popu-
lação — um deputado da Câmara dos Comuns declarou, recentemente,
que tais consumidores constituem apenas a sétima parte da população
—, podereis imaginar que enorme parcela da produção nacional se
destina a objetos de luxo, ou a ser trocada por objetos de luxo, e que
imensa quantidade de artigos de primeira necessidade se desperdiça
em criadagem, cavalos, gatos etc., esbanjamento este que, como nos
ensina a experiência, diminui cada vez mais, com a elevação dos preços
dos artigos de primeira necessidade.

Pois bem, qual seria a situação desses capitalistas que não pro-
duzem artigos de primeira necessidade? Não poderiam compensar a
queda na taxa de lucro, após uma alta geral de salários, elevando os
preços de suas mercadorias, visto que a procura destas não teria au-
mentado. A sua renda diminuiria; e com essa renda diminuída teriam
de pagar mais pela mesma quantidade de artigos de primeira neces-
sidade, que subiriam de preço. Mas a coisa não pararia aí. Diminuída
a sua renda, menos teriam para gastar em artigos de luxo, com o que
também se reduziria a procura de suas respectivas mercadorias. E,
como conseqüência dessa diminuição da procura, cairiam os preços das
suas mercadorias. Portanto, nestes ramos da indústria, a taxa de lucros
cairia, não só em proporção simplesmente ao aumento geral da taxa
de salários, como, também, essa queda seria proporcional à ação con-
junta da alta geral de salários, do aumento de preços dos artigos de
primeira necessidade e da baixa de preços dos artigos de luxo.

Qual seria a conseqüência dessa diferença entre os taxas de lucro
dos capitais colocados nos diversos ramos da indústria? Ora, a mesma
que se produz sempre que, seja qual for a causa, se verificam diferenças
nas taxas médias de lucro dos diversos ramos da produção. O capital
e o trabalho deslocar-se-iam dos ramos menos remunerativos para os
que fossem mais; e esse processo de deslocamento iria durar até que
a oferta em um ramo industrial aumentasse a ponto de se nivelar com
a maior procura e nos demais ramos industriais diminuísse proporcio-

MARX

77