Caderno de Estratégia Organizacional
68 pág.

Caderno de Estratégia Organizacional

Disciplina:ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA2.120 materiais25.076 seguidores
Pré-visualização23 páginas
e Coca Cola).

O mercado fornecedor de serviços tem, na maioria das vezes, intensidade de concorrência
elevada. Bancos, hospitais e escolas de terceiro grau são bons exemplos de alta rivalidade,
principalmente por se tratar de mercados fornecedores concentrados e, de forma especial, se vier
a ser considerada a segmentação por território em que estes negócios estão operando.

Em se tratando de porte, estes são negócios tipicamente de tamanho grande (alguns são médios),
que seguem as tendências do mercado fornecedor de serviços e terceirizam boa parte de seus
fornecedores de serviços, bens e materiais.

No entanto, esses negócios podem se tornar cooperativos e não competitivos. Para que isso
ocorra é necessário que haja algumas condições, que serão elucidadas, a seguir, por um exemplo.

Texto II – Fusões e Aquisições
Hoje são poucas as empresas que operam sem algum tipo de contato com operações
internacionais ou que não estejam diretamente envolvidas com elas.

- 65 -

JULIO CESAR DE SOUZA
(Continuação do Caderno de Estratégia Organizacional..................................................................)

Todavia, um aspecto importante da estratégia está em como a empresa aborda a economia global
e a relação entre os riscos e oportunidades de negócios.

Com muita frequência, o que se busca é uma estratégia de crescimento com o suporte de uma
estratégia global associada a ela.

Estratégia Global
Uma maneira fácil de detectar diferenças nas estratégias globais é reparar como os produtos são
desenvolvidos e anunciados em todo o mundo.

Uma empresa em busca de uma estratégia de globalização tende a enxergar o mundo como um
grande mercado, procurando padronizar ao máximo os produtos e sua propaganda para usá-los
em todo lugar.

A responsabilidade pelas decisões de gestão normalmente continua com a sede corporativa. As
últimas lâminas Gillette, por exemplo, têm sido anunciadas e vendidas de modo similar em todo
mundo.

Isso reflete uma visão etnocêntrica, que assume que todas as pessoas em todos os lugares querem
a mesma coisa que alguém desenvolveu, com sucesso, em seu país de origem.

As empresas que utilizam uma estratégia multidoméstica procuram customizar ao máximo os
produtos e sua propaganda para adequá-los às necessidades locais dos diferentes países ou
regiões.

Eles delegam, aos gerentes locais e de área, autoridade para tomar as principais decisões,
cabendo a eles proporcionar essa diferenciação.

Essas é uma estratégia bastante utilizada por muitas empresas de bens de consumo – Bristol
Myers, Procter & Gamble, Unilever – que criam variações de seus produtos de acordo com as
preferências dos consumidores nos diferentes países e culturas.

Isso demonstra uma espécie de visão policêntrica, aquela que demonstra respeito tanto pela
diversidade do mercado, como pela capacidade da equipe local de melhor interpretar suas
implicações estratégicas.

Uma terceira abordagem aos negócios internacionais é a estratégia transnacional que busca um
equilíbrio entre as eficiências nas operações globais e o atendimento aos mercados locais.

A corporação transnacional procura operar sem uma identidade nacional marcante e se mistura à
economia global para extrair o máximo de potencial do negócio.

Recursos de matéria-prima e de capital humano são obtidos no mundo todo; a fabricação e outras
funções do negócio são executadas em qualquer lugar do mundo onde isso posa ser feito com o
menor custo.

Uma das tendências atuais é de maior cooperação entre as organizações, e as joint ventures

- 66 -

JULIO CESAR DE SOUZA
(Continuação do Caderno de Estratégia Organizacional..................................................................)

internacionais são uma forma comum de negócios internacionais.

Elas estão entre as muitas formas de alianças estratégicas nas quais duas ou mais organizações se
juntam em parceria para explorar uma área de interesse comum.

SAIBA MAIS
Uma das tendências atuais é de maior cooperação entre as organizações, e as joint ventures
internacionais são uma forma comum de negócios internacionais. Elas estão entre as muitas
formas de alianças estratégicas nas quais duas ou mais organizações se juntam em parceria para
explorar uma área de interesse comum.

Uma maneira de cooperar estrategicamente é por meio de alianças de outsourcing ou
terceirização, contratando a aquisição de serviços importantes fornecidos por outra organização.
Por exemplo, muitas organizações hoje estão terceirizando sua área de TI para empresas como
EDS e IBM, acreditando que esses serviços sejam mais bem executados por uma empresa
especializada que se mantém atualizada nessa área.

A cooperação no supply chain, ou cadeia de suprimentos, também toma a forma de alianças com
fornecedores, nas quais os relacionamentos com fornecedores preferenciais garantem um fluxo
constante e preciso de insumos de qualidade entre parceiros da aliança.

Outra abordagem comum hoje em dia é a da cooperação em alianças de distribuição, nas quais as
empresas se juntam para a venda e distribuição de produtos ou serviços.

Fiat faz joint venture com Chrysler em fábrica de Turim

A Fiat está montando uma joint venture com a parceira norte-americana Chrysler para produção
de utilitários esportivos na fábrica da companhia em Turim.

A estratégia faz parte dos planos para incremento de produção na Itália.

Crescimento também pode ser buscado por meio da diversificação, quando a expansão acontece
pela aquisição ou investimentos em novas e diferentes áreas de negócios.

Uma estratégia de diversificação relacionada envolve o crescimento pela aquisição de novas
empresas ou pela entrada em áreas de negócios relacionadas àquela na qual a empresa já atua

Essa estratégia busca a vantagem do crescimento em áreas que utilizam competências essenciais
e habilidades já existentes. Um exemplo é o da aquisição da Tropicana pela Pepsico.

Embora a Tropicana seja especializada em sucos de frutas, o negócio está relacionado à
especialização da PepsiCo no segmento de bebidas.

Uma estratégia de diversificação não relacionada envolve o crescimento pela aquisição de
empresas ou pela entrada em áreas de negócios que sejam diferentes daquelas em que a empresa
já atua.

- 67 -

JULIO CESAR DE SOUZA
(Continuação do Caderno de Estratégia Organizacional..................................................................)

A diversificação pode, também, assumir a forma de uma integração vertical, quando uma
empresa adquire os fornecedores (integração vertical para trás) ou os distribuidores (integração
vertical para a frente).

A integração vertical para trás tem sido comum na indústria automobilística, onde as empresas
adquirem os fornecedores para garantir a qualidade.

No segmento de bebidas, tanto a Coca-Cola como a PepsiCo fizeram integrações verticais para a
frente com a compra de alguns de seus maiores engarrafadores.

Coca-Cola compra engarrafadora por R$ 21,6 bilhões

Aquisição envolve 34% das ações e a dívida de quase R$ 16 bi da Coca-Cola Enterprise

A empresa americana de refrigerantes Coca-Cola confirmou nesta quinta-feira (25) um acordo
para adquirir as atividades na América do Norte de sua principal engarrafadora, a CCE (Coca-
Cola Enterprise), em uma operação por um total de quase R$ 21,6 bilhões (US$ 12 bilhões).

PepsiCo compra engarrafadoras por US$7,8 bi e ações sobem

A PepsiCo acertou a compra da Pepsi Bottling Group e da PepsiAmericas, em um acordo de 7,8
bilhões de dólares em dinheiro e ações, informou a segunda maior fabricante de refrigerantes do
mundo.

Existe uma tendência de relacionar crescimento com eficácia, mas isso não é necessariamente
verdade.

Qualquer estratégia de crescimento, seja ela pela diversificação ou por alguma forma de
diversificação, deve ser bem planejada e bem gerenciada,