Caderno de Estratégia Organizacional
68 pág.

Caderno de Estratégia Organizacional

Disciplina:ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA2.126 materiais25.148 seguidores
Pré-visualização23 páginas
outros. A principal razão do estabelecimento formal de objetivos e metas é
evitar que a empresa persiga estratégias destinadas a conquistar objetivos conflitantes. Segundo
Williams et al. (2002), objetivos não econômicos são bastante apropriados e podem ser incluídos
no plano de negócios. Entretanto, o empreendedor deve se lembrar de que os objetivos
econômicos, normalmente, são os mais importantes no planejamento do negócio, pois está
relacionado com o crescimento da empresa.

Estratégia De Marketing
As estratégias de marketing são os meios e métodos que a empresa deverá utilizar para tingir
seus objetivos. Essas estratégias geralmente se referem ao composto de marketing ou 4P:
produto, preço, praça (canais de distribuição) e propaganda/comunicação.
A empresa pode adotar estratégias específicas, atuando sobre o composto de marketing, de forma
a obter melhor resultado sobre seus competidores.
A projeção de vendas da empresa está diretamente ligada à estratégia de marketing estabelecida,
pois depende de como o produto será posicionado no mercado, qual será sua política de preços,
as promoções e os canais de venda que serão utilizados e, ainda, como o produto chegará ao
cliente.

Processo De Produção
Algumas perguntas deverão ser respondidas durante a exposição do processo de produção, tais
como: Como é o processo de produção da empresa? Quais são os recursos utilizados (matéria-
prima, funcionários, fornecedores, máquinas)? Como é composto o custo do produto final?
Como esse produto é distribuído? Quais os custos envolvidos no processo de distribuição do
produto?
É importante que o empreendedor exponha de forma objetiva (descrevendo o fluxo do processo
de produção, de preferência de forma gráfica) todos os custos envolvidos na obtenção do
produto. Os cálculos detalhados podem ser inseridos na seção de Anexos. Os itens como salários,
horas/homem, horas/máquina, especificações técnicas dos produtos e das máquinas, capacidade
de produção, condição das instalações, custo de aquisição de matéria-prima, custos e tipos de
embalagens, custo de utilização de laboratórios, inspeção de qualidade, índice de refugo,
produtividade, etc., devem ser considerados.
Se a empresa possui uma política de qualidade e aplica essa política ao setor de produção, deve
ser especificado. Deve ser mostrado se os custos são competitivos e se a empresa tem capacidade
para atender ao aumento da demanda. Caso a empresa dependa de terceiros no processo de
produção, isso também deve ser considerado, descrevendo onde cada terceiro se insere no
processo e os custos envolvidos. E ainda: por que os terceiros foram escolhidos? Por que a
empresa optou pela terceirização?

- 24 -

JULIO CESAR DE SOUZA
(Continuação do Caderno de Estratégia Organizacional..................................................................)

Equipe Gerencial
A principal característica a ser analisada em um negócio que está sendo criado é a equipe
gerencial. De nada adianta identificar uma oportunidade, criar um protótipo de um produto, o
mercado ser espetacular e promissor, o empreendedor ter desenvolvido um bom plano de
negócios, se ele e sua equipe não estiverem à altura do negócio que está sendo criado.
A experiência prévia no ramo conta muito, pois pode evitar muitos erros e gastos desnecessários,
bem como agregar um conhecimento singular ao negócio. Outro fator que deve ser considerado é
a formação da equipe. Se os membros da equipe tiverem formação multidisciplinar, será um
grande diferencial, pois a equipe nesse caso estará sendo composta por perfis com habilidades
complementares. Porém, de nada adianta a equipe ter todas essas características se as pessoas
estiverem no negócio apenas atrás das compensações financeiras, sem paixão e orgulho pelo que
estão fazendo.
Nesse caso, o rendimento não será o mesmo, o envolvimento poderá ser superficial e não haverá
muita preocupação com a utilização dos recursos disponíveis.
O aspecto mais importante da descrição do negócio é mostrar que a empresa possui pessoas
qualificadas e comprovadamente experientes nos níveis de comando.
A equipe de gestão é o principal foco dos investidores quando analisam um plano de negócios.
Um organograma funcional da empresa pode ser apresentado, destacandose as principais áreas
do negócio e as pessoas-chave que ocupam os principais cargos, suas responsabilidades e
atribuições, bem como o número de funcionários que precisam coordenar.

Investimentos e Relatórios Financeiros
Um breve relatório sobre os recursos financeiros necessários e o retorno esperado.
Pode ser que essa análise sobre conceitos excludentes seja correta, mas o fato de se abandonar
algo que vigorou durante muitos anos na administração também é estranho.
Alguns conceitos foram, e ainda são, utilizados por várias gerações de administradores, como a
liderança, pela teoria da burocracia:

a) centralizadora;
b) dotada de univocidade;
c) meritocrática.

Só para falar em meritocracia, pode-se entender a mesma como alguém que antes tenha um
desempenho satisfatório e depois seja promovido em consequência (essa seria a reação).
Incongruente seria "administradores pró-ativos" remunerarem antes mesmo de verificar se a
produção foi bem desempenhada. Aí desbancariam a teoria da administração científica, onde são
propiciadas maiores recompensas aos que produzem mais que o satisfatório.
Na disciplina do empreendedorismo, o "inovador" reativo teria problemas.
As reações ao lançamento de um produto ou serviço em geral são ou apenas cópias ou cópias um
pouco mais aprimoradas do original. E essa atitude não dará retorno esperado para uma pessoa
com perfil empreendedor. Então, espera-se que o empreendedorismo seja compatível com o
perfil pró-ativo.
Na administração financeira, o profissional de administração tentará equilibrar risco e retorno e,
se tomar suas decisões olhando para o passado, certamente estará investindo em ativos que não
gerarão o retorno adequado (perfil reativo).
Esses pontos até aqui tratados, apenas evidenciam que é preciso ter clareza ao conceituar pró-
atividade em presença de reatividade.
No entanto, se usarmos como critério o pensamento estratégico, veremos que o melhor dos dois

- 25 -

JULIO CESAR DE SOUZA
(Continuação do Caderno de Estratégia Organizacional..................................................................)

conceitos convive sem qualquer problema.
Estrategicamente, existem cenários, enquanto também se visualizam as trajetórias de passado,
que conduziram ao presente para entender o momento atual e projetar o futuro. Estimando-se as
novas trajetórias, chega-se aos cenários futuros, dos quais escolhe-se um (o melhor) para os
propósitos da empresa.
É se tornar pró-ativo quando se criam os bancos de dados e se treinam usuários para gerenciar o
conhecimento que será aplicado na estimação de trajetórias para atingir os cenários futuros,
enquanto é ser reativo quando se utilizam os bancos de dados existentes na empresa e
selecionam-se as variáveis de controle, muitas vezes, apenas baseando-se nos dados disponíveis.
O quadro a seguir ajuda a entender esse processo.

ÓTICA PRÓ-ATIVA ÓTICA REATIVA
Criar banco de dados Utilizar o banco de dados existentes
Selecionar novas variáveis. Entender as variáveis existentes
Novas medidas de controle de
desempenho.

Controlar o desempenho atual

Treinar usuários para gerenciar o novo
conhecimento.

Treinar usuários no conhecimento
existente.

Lançar novas trajetórias Entender as trajetórias passadas
Partir do cenário atual. Verificar de qual cenário se partir no

passado.
Atingir cenário futuro. Entender como se atingiu o cenário atual.
Identificar os agentes que podem interferir
nas trajetórias atuais.

Identificar os agentes que influenciaram
as trajetórias passadas.

Replanejar estrategicamente.

Implantar a administração estratégica.

Essas