Moscas_grad_2010_
8 pág.

Moscas_grad_2010_

Disciplina:PARASITOLOGIA HUMANA F28 materiais657 seguidores
Pré-visualização1 página
11/8/2010

1

Diptera: Muscomorpha

Prof. Alvaro Eiras - Depto Parasitologia 1

Importância

• Importunação de humanos e animais

• Transmissores de patógenos

• Hospedeiros Intermediários de outros
parasitos

• Agentes de miíases

2

Transmissão de patógenos

2.Regurgitação
1.Veiculação mecânica

3. Hematofagia

3

Ciclo biológico

Holometábolo

Ovo

Larva

Adulto

Pupa

4

Sutura frontal

Antena (arista)

Ptilíneo expandido

Lúnula

Palpo

Antena

com arista

Fissura pitilineal

Probócida

Sugadora-lambedora

com labela na ponta

Muscomorpha

5

Família: Muscidae

Musca domestica Stomoxys calcitrans

6•Larvas se alimentam em matéria orgânica em decomposição

11/8/2010

2

Aparelho bucais

Aparelho bucal lambedor

Musca domestica

Picador-sugador

Stomoxys calcitrans

Haematobia irritans

Glossina palpalis 7

Musca domestica

• Distribuição geográfica mundial

• 6-8mm

• sinantropia e endofilia
Veículação mecânica de patógenos e parasitos

Hábito alimentar 8

Outros insetos sinantrópicos

Musca sorbens Tracoma (Chlamydia trachomatis)

9

• Sistema adequado de coleta e tratamento do lixo urbano

• Tratamento de fezes de animais

• Emprego de inseticidas

• Controle biológico

Controle de moscas sinantrópicas

Stomoxys calcitrans (Diptera: Muscidae) HEMATÓFAGO

• Mosca-do-estábulo

• Hematofagia obrigatória (M+F)

•Ação espoliativa

• Problemas saúde animal

•Controle físico (larvas) e químico

11

Miíase

12

Definição: infestação de

vertebrados vivos por larvas de

dípteros...

Origem e evolução:

Raiz saprofágica: início matéria orgânica em decomposição

Raiz sangüinívora: larvas predadoras

11/8/2010

3

Classificação:

• Conforme local:

- Cutânea;

- Subcutânea;

- Ocular;

- Cavitária;

- Anal, vaginal.

13

Classificação conforme biologia:

• Obrigatório: Larvas biontófogas

a larva necessita do hospedeiro vivo para se desenvolver.

• Pseudomiíase:

ovos ou larvas de moscas são acidentalmente engolidos

• Facultativo: (Larvas necrobiontófogas)

podem desenvolver em matéria orgânica viva ou morta.

14

Principais gêneros causadores de Miíase:

Miíase Família Gêneros

Obrigatória Oestridae Oestrus, Gasterophilus,

Dermatobia, Hypoderma,

Cuterebra

Calliphoridae Cochliomyia,

Facultativa Calliphoridae Lucilia e Chrysomia

Sarcophagidae vários

15

Exemplos de míiasis

16

Pseudomiíase:

17

Gasterophilus: (miíase obrigatória)

• Larvas de G. nasalis, G. intestinalis e

G. haemorrhoidalis parasitam tubo

digestivo de equinos.

18

11/8/2010

4

Família: Sarcophagidae:

miíase facultativa

19

• 6-10mm de comprimento

• Cor acinzentada

• 3 faixas negras longitudinais no mesotórax e abdome axadrezado

• Fêmeas larvíparas

• Depositam preferencialmente as larvas em cadáveres, matéria

orgânica em decomposição

• Agentes de miíases facultativas (feridas necrosadas)

Família: Calliphoridae

Cochliomyia hominivorax

Mosca varejeira”
Quadro clínico: Miíase cutânea primária ou “bicheira”.
Distribuição geográfica: continente americano (sul dos EUA ao sul do Brasil e

norte da Argentina)

•Corpo verde-metálico, acobreado ou com reflexos azuis

• Agentes de miíases necrobiontófagas ou facultativa

• Alto grau de sinantropia
20

Cochliomyia hominivoraxCalliphoridae:

• Tamanho: 8 – 10 mm

• Tórax: cor verde, com reflexos

azul-metálico

• 3 faixas negras longitudinais

(central mais curta )

• Aparelho bucal sugador

-A fêmea é fecundada uma única vez

- Postura nas aberturas naturais do corpo ou em solução de

continuidade da pele

-Ovos: 10 a 300 (varejas), brancos, elípticos, 1 mm

- L1: 12 a 24 horas, biontófogas, em 6 a 7 dias se transformam em L3.
- L3: abandonam o hospedeiro espontaneamente, penetram no solo e
dão origem à pupa.

22

Miíase ocasionada por Cochliomyia hominivorax

23

Miíase ocasionada por Cochliomyia hominivorax

24

11/8/2010

5

Miíase ocasionada por Cochliomyia hominivorax

25

Controle de Cochliomyia hominivora

• Técnica de esterilização de machos (EUA, México, vários

países da América Central, algumas ilhas do Caribe)

• Vigilância sanitária

• Proporção  10 insetos irradiados : 1 natural

27

Tratamento de miíases cavitárias

• Limpeza da ferida

• Anestesia local

• Retirada das larvas

• Tratamento da ferida com bacteriostático

Adulto de Dermatobia hominis

(Mosca-do-berne)

Miíase obrigatória
28

Ciclo de vida do Dermatobia hominis:

29

Dermatobia hominis (Diptera: Oestridae)

FORESIA

Musca domestica

30

11/8/2010

6

31

Retirada do berne (larva de D. hominis)

32

Retirada do berne (larva de D. hominis)

33

Retirada do berne (larva de D. hominis)

34

Diagnóstico de um médico:

Não é nada sério, é apenas um

cisco no olho!!!

35

Parece que o diagnóstico estava errado: o “cisco era uma
larva de Dermatobia hominis

36

11/8/2010

7

Chrysomya sp (Diptera: Calliphoridae)

Miíase facultativa

Sinantropia 37

Chrysomya albiceps

(DIPTERA: CALLIPHORIDAE)

Ovos

Larvas

38

MOSCAS E TERAPIA LARVAL

• Lucilia sericata

• Lucilia ilustris

• Phormia regina

Phormia regina

39

•Feridas purulentas;

•Osteomelites crônicas;

•Produzem princípios ativos contra
bactérias.

APLICAÇÕES da terapia larval

3 ações:

1) Lipeza da ferida por dissolver o tecido necrosado (tecido infetado);

2) Desinfecta a ferida matando as bactérias;

3) Estimulam a recuperação do tecido

40

41 42

11/8/2010

8

Terapia larval para tecidos necrosados

43

Homem 57anos com diabetes e osteomielite

Recusa de amputação

Tratamento 5 dias com 100 larvas, troca a

cada 24 h.

Ferida livre de tecido necrosado em 5 dias

Após 3 meses de tratamento

44

ENTOMOLOGIA FORENSE

Ciência que estuda a aplicação do estudo de insetos e

outros artrópode em procedimentos legais.

45 46

47