Prát V_Aulas 1 a 3_Cautelares
14 pág.

Prát V_Aulas 1 a 3_Cautelares

Disciplina:Prática Simulada Iv (Cível)174 materiais854 seguidores
Pré-visualização6 páginas
TRABALHO - 649, V CPC X IMÓVEL (ARTIGO 3º,III L 8009/90 - ARTIGOS 1º,III e 170,III CRFB/88.
 
QUESTÃO IV:
A) NÃO. ARTIGO 507 CC - EFICÁCIA NA CESSÃO PERANTE 3º. ARTIGO 505 É A PREVISÃO DA RETROVENDA - ARTIGO 585,II = PACT SUNT SERVANDA.
B) AÇÃO DE EXECUÇÃO DE OBRIGAÇÃO DE FAZER ARTIGO 585,II CPC

AULA 3

(Exame 132 – Ponto 2 – OAB/SP)
   Elisa, menor impúbere, nascida aos 13.08.2006, representada por sua mãe, Maria José, propôs demanda pretendendo a condenação de Luiz Otávio ao pagamento de pensão alimentícia no importe de R$ 5.000,00 (cinco mil reais) mensais, sob o fundamento de que o réu é pai da menor e tendo em vista a necessidade da menor e a possibilidade do réu.
Referida demanda está em curso perante a 1ª. Vara da Família e Sucessões de São Paulo/Capital.
Citado, Luiz Otávio apresentou defesa e, ato contínuo, seguiu-se a fase probatória. Posteriormente, a demanda veio a ser julgada procedente, tendo sido condenado o réu ao pagamento de pensão alimentícia no importe de R$ 5.000,00 (cinco mil reais) mensais, devidos a partir da propositura da demanda e corrigidos monetariamente a partir da citação e juros de mora de 1% (hum por cento) ao mês, também a partir da citação.
Referida sentença transitou em julgado, não tendo o réu cumprido espontaneamente com o pagamento das verbas a que foi condenado.
Diante dessa situação e sabendo que as partes nesse ínterim não alteraram seu domicílio, como advogado da menor, proponha a demanda cabível através do processo adequado, para a satisfação da obrigação líquida, certa e exigível, que monta atualmente a quantia de R$ 20.000,00 (vinte mil reais).

- No 2º § do texto, vem uma informação importante: o veículo, único bem do casal, é objeto da partilha na ação de separação judicial
- Há anúncios que comprovam a venda do bem e há testemunham que atestam a ida de interessados em compra-lo à casa do devedor
- Objetivo da Mariana: Quer garantir o recebimento dos alimentos e, dessa forma, pretende evitar a dilapidação do patrimônio do Requerido
Mas como?
Impedindo a venda do bem. Preste atenção: O objetivo dela não é receber alimentos pois ela já teve esse direito reconhecido em sentença transitada em julgado na ação de alimentos
- Que cautelar é essa que visa impedir a venda do automóvel? Arresto (art. 813) – Portanto, ajuíza-se uma ação cautelar de arresto para evitar a venda do automóvel

* ARRESTO x SEQUESTRO: Em ambos, o objetivo é EVITAR O EXTRAVIO DE UM BEM, seja móvel seja imóvel.
 Arresto: Visa preservar o extravio de um bem com vistas a resguardar uma futura execução por quantia certa
 A execução de alimentos nada mais é do que uma execução por quantia certa
 Sequestro: Visa preservar o extravio de um bem com vistas a resguardar uma futura execução de entrega de coisa certa
 Se a minha cliente fosse a Fernanda (mãe), a medida cabível seria o SEQUESTRO (pois ela quer resguardar a sua parte da meação, que é um objeto específico)

Portanto:
Arresto está para uma execução por quantia certa
Sequestro está para uma execução de entrega de coisa certa

- Essa cautelar é INCIDENTAL, uma vez que a AÇÃO DE ALIMENTOS já foi proposta

1) ENDEREÇAMENTO: Exmo. Sr. Juiz de Direito da 2ª Vara de Família da Comarca de Nova Iguaçu do Estado do Rio de Janeiro
 Qual é o juízo competente para uma ação incidental?
 O mesmo juízo no qual está tramitando a ação principal (= ação de alimentos)
 Logo abaixo do endereçamento (no lugar de onde ficaria o “processo nº”), colocar “distribuição por dependência ao processo nº 111” ou “distribuição por dependência aos autos do processo nº 111”

2) Qualificação das partes e NOMEN IURIS DA AÇÃO E RITO: AÇÃO CAUTELAR DE ARRESTO COM PEDIDO DE LIMINAR

MARIANA SANTOS RODRIGUES, menor impúbere, [não é necessário qualificar o menor], registrada neste ato por sua mãe Fernanda Santos Rodrigues, brasileira, casada, professora, residente na Rua Jota, 32, Nova Iguaçu, Rio de Janeiro, RJ, [o nome da mãe não vem em caixa alta e nem em negrito pois ela não é parte, é apenas a representante legal da Requerente] vem, por seu advogado com endereço na rua ..., perante V. Exª, propor

AÇÃO CAUTELAR DE ARRESTO
COM PEDIDO DE LIMINAR

pelo rito especial cautelar em face de JORGE RODRIGUES [como esta ação cautelar é INCIDENTAL, não é obrigatório qualificar novamente as partes mas o profº qualifica tudo novamente], pelas razões de fato e direito a seguir expostas.

DA LIDE E SEU FUNDAMENTO
- Conforme art. 800, III c/c § único não existirá este tópico

DA EXPOSIÇÃO SUMÁRIA DO DIREITO AMEAÇADO (fumus bonis iuris)
- Art. 800, IV
- É preciso trazer ao Juízo o mínimo de fatos a fim de justificar a propositura da ação cautelar: há um bem que pode ser extraviado e, se isso ocorrer, pode comprometer a utilidade do processo principal . Assim, inicialmente, fazer uma PEQUENA NARRATIVA DOS FATOS, contando brevemente ao Juízo que há uma execução de alimentos em andamento e que há risco de extravio do bem, esse bem é um automóvel, etc. Na cautelar da aula anterior, fizemos a narrativa dos fatos no tópico “da lide e seu fundamento”; na cautelar da aula de hoje, faremos neste tópico da “exposição sumária”: assim, uma das diferenças entre as 2 peças é que a narrativa dos fatos é feita em tópico diferente.
- Explicar, de uma forma geral, o instituto do fumus bonis iuris, mostrando a configuração do mesmo no caso concreto
- O que falar sobre configuração do FBI?
 Falar sobre o arresto (conceito, previsão legal – art. 813, CPC)

DO RECEIO DA LESÃO (periculum in mora)
- Art. 800, IV
- Explicar o instituto de forma geral e comprovar a sua presença no caso concreto (anúncio de venda do bem e testemunhas que comprovam o interesse de alguns na compra do bem)

DA LIMINAR
- Relembrando, o que justifica a concessão de uma liminar?
 É a real possibilidade do dano consumar-se antes ou com a citação do réu. Falar sobre essa real possibilidade no caso concreto
- Previsão legal da liminar: art. 804
- Se não pedíssemos a liminar, Jorge seria citado. E, com a citação, Jorge procederia à venda com a maior urgência possível. Pedindo a liminar e sendo a mesma deferida pelo juiz, o Oficial de Justiça, no mesmo ato de INTIMAÇÃO de Jorge, já procede ao ARRESTO DO BEM. Jorge será surpreendido pelo Oficial de Justiça. Jorge não vai contestar nada porque foi apenas intimado. Intimação é uma ordem judicial.

DO PEDIDO
Diante do exposto, requer:
1. A concessão da liminar de ..., inaudita altera pars (ou parte), determinando o arresto do veículo placa ..., ano , modelo, que encontra-se na posse do requerido, com a consequente expedição de ofício ao Detran para que se efetive o bloqueio do bem
 Obs: Essa expedição de ofício ao Detran é muito importante. Quando o advogado requer a expedição de ofício, se deferida a liminar, o juiz também determina a expedição de ofício (mero ofício a ser entregue pelo advogado ou Requerido ao Detran). O advogado acompanha o juiz para a intimação do Requerido e a requerente foi levar o ofício ao Detran (tem que levar no mesmo dia pois, comunicando ao Detran, o Requerido já não pode vender o bem).
 O mesmo ocorreria se fosse um imóvel: pediria o arresto do imóvel e a expedição de ofício ao RGI competente “X”
2. A citação do requerido
3. A nomeação de depositário judicial
 Como estamos falando de medidas que visam a assegurar um bem, teríamos 3 opões:
1) Indicar a própria Requerente para ficar na guarda do bem
2) Requerer que o Requerido permanecesse na guarda do bem
3) Pedir a nomeação de um 3º estranho ao processo mas que é um ente da Justiça para que ficasse na guarda do bem. O depositário ficará com a guarda do bem até o desfecho do processo

4. A procedência do pedido, transformando a liminar acima requerida em definitiva ao final da ação.
5. A intimação das testemunhas abaixo arroladas
 Como o rito da cautelar é um rito muito rápido, tenho que já incluir o rol de testemunhas
6. A condenação do requerido ao ônus da sucumbência (= custas processuais + honorários advocatícios sucumbenciais).
 
DAS PROVAS
Requer a produção de provas